Jean Sibelius (1865-1957): Integral das Sinfonias (CD 4 de 5) (CBSO / Rattle)

Jean Sibelius (1865-1957): Integral das Sinfonias (CD 4 de 5) (CBSO / Rattle)

Depois do comentário escrito por um certo Adolf Hitler na postagem anterior de Sibelius, apresso-me a postar o quarto volume. (O comentário é lá de 2008 e essa figura asquerosa — se ainda não morreu — deve ter ficado muito feliz com os anos Bolsonaro, que, aliás, quando será preso?) Antes, li felicíssimo a repercussão da atuação de Rattle em Berlim. Ele prometeu que ia mudar o repertório da orquestra e o está fazendo. Nos 44 concertos deste ano (2008), há poucos Beethoven e Mozart, mas muitas obras modernas e músicas — antigas e novas — pouco ouvidas. Um show de equilíbrio. Ele retirou da Orquestra de Berlim a obrigação de palmilhar sempre a mesma via crucis de compositores. (Hoje, Rattle escolheu sair de Berlim. Saiu como um herói, seu último concerto foi apoteótico e ele sempre volta à orquestra como convidado.)

Bem, mas este é o melhor CD da coleção de Sibelius e um dos grandes discos que possuo. Sim, claro, a música ajuda. São as duas melhores sinfonias do muuuuito misterioso – como escreveu-me um amigo – Sibelius. Há algo na Sinfonia Nro. 5 que deixa meu duro coração sem lágrimas à flor da pele, quase se desmanchando de emoção. São três movimentos com temas bastante rarefeitos, mas belos, belos, belos e orquestrados estupendamente. A CBSO e Rattle não interpretam, mas parecem autenticamente criar a Sinfonia. O final da Quinta sempre me deixou obcecado e já sonhei várias vezes que – músico de uma orquestra qualquer – o errava lamentavelmente.

A execução da Sétima fica a alguns centímetros de Mravinski, que parece ter resolvido melhor o fato de ser uma música de cinco movimentos sem interrupções e, se Rattle ganha em colorido sonoro e no controle da orquestra, perde na qualidade do trombonista e nas passagens de um movimento a outro.

Um disco obrigatório, mesmo para quem não admira Sibelius.

Jean Sibelius (1865-1957): Integral das Sinfonias (CD 4 de 5) (CBSO / Rattle)

Disc: 4

Sinfonia Nro. 5, Op. 82
1. I. Tempo Molto Moderato – Allegro Moderato – Presto
2. II. Andante Mosso. Quasi Allegretto
3. III. Allegro Molto – Un Pochettino Largemente

4. Kualema – Scene With Cranes, Op. 44

Sinfonia Nro.7, Op. 105
5. I. Adagio –
6. II. Un Pochettino Meno Adagio – Vivacissimo – Adagio –
7. III. Allegro Molto Moderato –
8. IV. Vivace – Presto – Adagio

9. Night Ride and Sunrise, Op. 55

City of Birmingham Symphony Orchestra
Simon Rattle

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

Sibelius tendo a cabeça de ovo duplicada

PQP

Jean Sibelius (1865-1957): Integral das Sinfonias (CD 3 de 5) (CBSO / Rattle)

Jean Sibelius (1865-1957): Integral das Sinfonias (CD 3 de 5) (CBSO / Rattle)

Tenho poucas gravações destas duas sinfonias de Sibelius. Uma versão é a Karajan e outra é a de Leaper para a Naxos. Rattle parece ser bastante mais compreensivo para com as brumas e o estranho mundo de Sibelius. Orienta-se melhor que os outros dentro dele. Como o finlandês faz muitas vezes uma música sem movimento, é fundamental aquela atenção debussiana para o som produzido. E aqui Rattle e sua ex-orquestra, a CBSO, dão um show. Gosto especialmente dos últimos movimentos das sinfonias presentes neste CD. Moderadamente recomendável para depressões leves e decididamente desaconselhável para quem está à beira do abismo.

Jean Sibelius (1865-1957): Integral das Sinfonias (CD 3 de 5) (CBSO / Rattle)

Disc: 3

Sinfonia Nro. 4, Op. 63
1. I. Tempo Molto Moderato, Quasi Adagio
2. II. Allegro Molto Vivace
3. III.II Tempo Largo
4. IV. Allegro

Sinfonia Nro.6, Op. 104
5. I. Allegro Molto Moderato
6. II. Allegretto Moderato
7. III. Poco Vivace
8. IV. Allegro Molto

9. The Oceanides (Aallottaret), Op.73

City of Birmingham Symphony Orchestra
Simon Rattle

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

Sibelius lendo jornal com sua esposa Aino.

PQP

Jean Sibelius (1865-1957): Integral das Sinfonias (CD 2 de 5) (CBSO / Rattle)

Jean Sibelius (1865-1957): Integral das Sinfonias (CD 2 de 5) (CBSO / Rattle)

As leves críticas recebidas pelo volume 1 desta coleção deverão diminuir muito na segunda parte de nossa empreitada sibeliana. Rattle faz uma contemplativa e tranquila abordagem da Sinfonia Nº 2, uma das mais adequadas que ouvi. Talvez a opção de não ser tão especular assuste alguns desacostumados, mas a versão é uma joia. O finale é extraordinário! Já a terceira é uma sinfonia que não é muito conhecida, apesar do esplêndido Andantino Con Moto, Quasi Allegretto, movimento que mora no meu coração. A 3ª mais me parece uma longa – e boa — preparação para algo que… vai acontecer na 4ª… Ainda mais depois de ouvir, ontem à noite, duas que são absolutamente o máximo, da autoria de seu agitado vizinho Nielsen. É decididamente um período sinfônico de minha vida e pretendo postar a integral de Shosta, Sibelius, Nielsen e Mahler. Só gente parruda. O registro que Rattle faz da segunda sinfonia é tão acertado quando casar com a belíssima mezzo-soprano Magdalena Kožená, atual Sra. Sir Simon. Os tabloides ingleses não cansam de escrever que ela tem 18 anos a menos que Rattle. Grande coisa.

Jean Sibelius (1865-1957): Integral das Sinfonias (CD 2 de 5) (CBSO / Rattle)

Disc: 2

Sinfonia Nro. 2
1. I. Allegretto
2. II. Temp Andante, Ma Rubato
3. III. Vivacissimo
4. IV. Finale: Allegro Moderato

Sinfonia Nro. 3
5. I. Allegro Moderato
6. II. Andantino Con Moto, Quasi Allegretto
7. III. Moderato – Allegro, Ma Non Tanto

City of Birmingham Symphony Orchestra
Simon Rattle

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

Sibelius numa DR daquelas com sua esposa Aino.

PQP

Jean Sibelius (1865-1957): Integral das Sinfonias (CD 1 de 5) (CBSO / Rattle)

Jean Sibelius (1865-1957): Integral das Sinfonias (CD 1 de 5) (CBSO / Rattle)

Uma grande orquestra, um grande regente e um concerto impossível de ouvir após acostumar-se a Jascha Heifetz. Gosto muito da Primeira de Sibelius, mas o Concerto não satisfaz por causa da citada gravação de Heifetz. Comparado ao lituano, Nigel Kennedy é apenas aceitável. Já na Sinfonia Nº 1, Sibelius parece ainda não ter formado bem seu estilo. Tudo parece muito inicial, só que, de certa forma, todo ele já está lá. E isto é o interessante!

Sua Primeira Sinfonia começou a ser composta em abril de 1898. Em janeiro do ano seguinte, Sibelius mudava-se da capital Helsinque para a pequena cidade de Kerava, a fim de ter mais tempo para compor. Acabou saindo de lá porque não tinha amigos e era complicado de se embebedar… Enquanto trabalhava na sua Sinfonia, o czar Nicolau II expediu o “Manifesto de fevereiro de 1899”, restringindo a autonomia de todas as nações do Império Russo, incluindo a Finlândia. Indignado com a nova situação de seu país, Sibelius compôs uma canção de protesto, intitulada Canção dos Atenienses. A Sinfonia nº 1 e a Canção dos Atenienses foram estreadas no mesmo concerto, em Helsinque, no dia 26 de abril de 1899, pela Sociedade Filarmônica de Helsinque, sob a regência do compositor. O concerto teve grande sucesso e Sibelius foi alçado à condição de uma das principais figuras da resistência finlandesa. Nascia um herói nacional. Sibelius revisou a Sinfonia no ano seguinte. A versão que hoje conhecemos é de 1900 e foi estreada em Estocolmo no dia 4 de julho do mesmo ano, também pela Sociedade Filarmônica de Helsinque, sob a regência de Robert Kajanus, amigo do compositor. Em turnê pelas principais capitais europeias, Kajanus foi responsável pelo sucesso da Sinfonia fora da Finlândia e pelo consequente reconhecimento internacional do compositor. Na Sinfonia nº 1 já podemos vislumbrar aquelas que se tornariam as “marcas registradas” de Sibelius: as atmosferas misteriosas que nos remetem às terras geladas da Finlândia, os contrastes súbitos onde seções calmas são inesperadamente seguidas por momentos de extremo vigor e o uso da orquestral de uma forma extremamente pessoal.

Jean Sibelius (1865-1957): Integral das Sinfonias (CD 1 de 5) (CBSO / Rattle)

Disc: 1

Sinfonia No. 1 in E minor, Op. 39 (1898)
1. I. Allegro, Ma Non Troppo – Allegro Energico
2. II. Andante, Ma Non Troppo Lento
3. III. Scherzo: Allegro
4. IV. Finale: Quasi Una Fantasia (Andante-Allegro Molto)

Concerto para Violino e Orquestra, Op. 47 (1903)
5. I. Allegro Moderato
6. II. Adagio Di Molto
7. III. Allegro, Ma Non Tanto

Nigel Kennedy, violino
City Of Birmingham Symphony Orchestra
Simon Rattle

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

Sibelius numa rede com seu neto. Não me perguntem porque Jean não abriu seu casaco.

PQP

Arnold Schoenberg (1874-1951): Violin Concerto Op.36 / Sibelius (1865-1957): Violin Concerto Op.47 (Hahn / Salonen)

Arnold Schoenberg (1874-1951): Violin Concerto Op.36 / Sibelius (1865-1957): Violin Concerto Op.47 (Hahn / Salonen)

Schoenberg já estava vivendo na Califórnia quando escreveu seu Concerto para Violino. Ainda era um ser humano ríspido, mandão e gostava de estar sempre cercado de acólitos, mas já estava, de forma muito curiosa, tropicalizado. Usava roupas incríveis, quase havaianas em seu radicalismo. Queria fazer músicas para filmes em Hollywood, mas pedia dinheiro demais e não era contratado… Teve também a doce ilusão de que seu Concerto tocaria nas rádios — hábito nos anos 30 e 40 — e que ficaria famoso nos States. Imaginem o quanto o sujeito viajava na maionese! Estava nos EUA.. Bem, claro que nada disso aconteceu e hoje ouvimos com interesse diminuto a obra, que é boa. Nada além disso. Já o Concerto para Violino de Sibelius é tonal, belíssimo e glorioso. Hillary Hahn e Esa-Pekka Salonen, com seus suecos, dão um banho. Acho que vale a audição, claro.

Arnold Schoenberg (1874-1951): Violin Concerto Op.36 / Sibelius (1865-1957): Violin Concerto Op.47

1. Violin Concerto, Op.36 – 1. Poco Allegro 11:36
2. Violin Concerto, Op.36 – 2. Andante grazioso 7:30
3. Violin Concerto, Op.36 – 3. Finale. Allegro 10:38

4. Violin Concerto in D minor, Op.47 – 1. Allegro moderato 17:20
5. Violin Concerto in D minor, Op.47 – 2. Adagio di molto 8:36
6. Violin Concerto in D minor, Op.47 – 3. Allegro, ma non tanto 7:16

Hilary Hahn, violino
Swedish Radio Symphony Orchestra
Esa-Pekka Salonen

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

Schoenberg em seu exílio californiano
Schoenberg em seu exílio californiano. Sucesso, só com os alunos…

PQP

Jean Sibelius (1865-1957): As Sinfonias Completas e 3 fragmentos tardios (Storgårds, BBC)

Jean Sibelius (1865-1957): As Sinfonias Completas e 3 fragmentos tardios (Storgårds, BBC)

IM-PER-DÍ-VEL !!!

Quem leu a obra-prima O Resto é Ruído, de Alex Ross, sabe que, por algum motivo, o público inglês e o norte-americano amam Sibelius apaixonadamente. Então, não chega ser surpreendente que a excelente orquestra da BBC se dedicasse ao compositor finlandês com tanto esmero, ainda mais se regida por um finlandês como Storgårds. Como deveria soar a música orquestral de Sibelius? Essas sinfonias são despedidas românticas tardias ou declarações visionárias e progressistas? Não temos respostas. Este ciclo antes suntuosamente gravado por nomes como Bernstein e Rattle merece ser ouvidos, e os aventureiros deveriam procurar também as gravações dos 1970 de Gennadi Rozhdestvensky com metais russos sensacionais. Cada uma das sete sinfonias ocupa um mundo sonoro muito distinto e, como acontece com Mahler, é difícil encontrar um maestro que acerte em todas. A propensão de Storgårds por tempos rápidos e texturas limpas rende enormes dividendos para seu registro e acho que você deve ouvir tudo com atenção — vale muito a pena. A caixa da Chandos inclui as transcrições de Timo Virtanen para três fragmentos recentemente desenterrados que podem ter feito parte daquilo que seria a muito aguardada — a vã espera durou décadas! — 8ª Sinfonia de Sibelius. São pouco mais do que fragmentos, mas o primeiro é particularmente magnífico, um dos melhores trechos de Sibelius que você ouvirá. Dizem que a oitava nunca saiu porque Sibelius bebia muito. Mas ele viveu 91 anos…

“Esta bebedeira – em si uma ocupação excepcionalmente agradável – foi longe demais”, Sibelius escreveu essas palavras em 1907, quando duas décadas de farras finalmente começavam a cobrar seu preço. Além de beber regularmente grandes quantidades de álcool — uma pintura famosa que coloco abaixo, O Simpósio, de Akseli Gallen-Kallela, mostra o compositor, sentado com seus companheiros, decididamente bebum durante uma sessão de álcool e rock n’ roll –, Sibelius também era um conhecedor de charutos finos, um hábito que pode ter aprendido com seu pai.

Sibelius fundou um clube de bebidas (ou para beber) em Helsinque. Ele bebia álcool para se fortalecer antes de realizar uma apresentação e era conhecido por desaparecer por dias seguidos. A última página de seu diário traz uma lista de compras de conhaque, champanhe e gim. Certa vez, Sibelius mudou-se para o campo para tentar abandonar seus hábitos de beber e fumar. Ele escreveu: “o isolamento e a solidão estão me levando ao desespero!”. Repito: viveu 91 anos, quase 92.

Jean Sibelius (1865-1957): As Sinfonias Completas e 3 fragmentos tardios (Storgårds, BBC)

Symphony No. 1 In E Minor Op. 39
1-01 I Andante Ma Non Troppo-Allegro Energico 11:16
1-02 II Andante (Ma Non Troppo Lento) 9:21
1-03 III Scherzo, Allegro 5:07
1-04 IV Finale (Quasi Una Fantasia) 12:41

Symphony No. 4 In A Minor Op. 63
1-05 I Tempo Molto Moderato, Quasi Adagio 9:19
1-06 II Allegro Molto Vivace 5:01
1-07 III Il Tempo Largo 10:54
1-08 IV Allegro 9:26

Three Late Fragments
1-09 HUL 1325 1:09
1-10 HUL 1326/9 0:15
1-11 HUL 1327/2. Allegro moderato 1:13

Symphony No. 2 In D Major Op. 43
2-01 I Allegretto 10:12
2-02 II Tempo Andante, Ma Rubato 15:05
2-03 III Vivacissimo 6:06
2-04 IV Finale, Allegro Moderato 14:14

Symphony No. 5 In E Flat Major Op. 82
2-05 I Tempo Molto Moderato-Allegro Moderato 14:03
2-06 II Andante Mosso, Quasi Allegretto 8:44
2-07 III Allegro Molto 9:37

Symphony No. 3 In C Major Op. 52
3-01 I Allegro Moderato 10:17
3-02 II Andantino Con Moto, Quasi Allegretto 9:48
3-03 III Moderato-Allegro 8:43

Symphony No. 6 In D Minor Op. 104
3-04 I Allegro Molto Moderato 8:48
3-05 II Allegretto Moderato 5:27
3-06 III Poco Vivace 3:45
3-07 IV Allegro Molto 10:04

Symphony No. 7 In C Major Op. 105
3-08 Adagio 9:40
3-09 Vivacissimo – Adagio 2:52
3-10 Allegro Molto Moderato – Allegro Moderato 4:03
3-11 Vivace – Presto 5:35

John Storgårds
BBC Philharmonic

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

O Simpósio, de Akseli Gallen-Kallela (Sibelius está à direita, abaixo)

PQP

Jean Sibelius (1865-1957): Sinfonia Nº 5 / En Saga (Ashkenazy / Philharmonia)

Jean Sibelius (1865-1957): Sinfonia Nº 5 / En Saga (Ashkenazy / Philharmonia)

Uma excelente gravação de Vladimir Ashkenazy! Ele e a Philharmonia gravaram as sinfonias e os poemas sinfônicos de Sibelius nas décadas de 1970 e 1980. Todas são performances excelentes. Eu tenho esse disco há muitos anos e gosto demais dele. Ashkenazy traz à tona o calor expressivo, a cor e o drama do compositor. Prefiro a gravação de Rattle com a CBSO, mas este CD está muito longe de ser insatisfatório. A sempre popular 5ª Sinfonia é mais um passo na busca de Sibelius pela compactação sinfônica, objetivo plenamente alcançado na 7ª. O poema sinfônico En Saga também está lindo neste CD. Quando digo que prefiro Rattle, não estou falando mal de Vladi, repito. Afinal, creio que estou falando de parte do Olimpo dos registros do compositor finlandês.

Jean Sibelius (1865-1957): Sinfonia Nº 5 / En Saga (Ashkenazy / Philharmonia)

Sinfonia nº 5 em mi bemol maior, op. 82
1 I. Tempo Molto Moderado 13:08
2 II. Andante Mosso, Quasi Allegretto 9:23
3 III. Allegro Molto 8:46

4 En Saga 19:18

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

Siba em versão gangster.

PQP

Jean Sibelius (1865-1957): Sinfonias Nº 4 e 7 (Berglund / Helsinki)

Jean Sibelius (1865-1957): Sinfonias Nº 4 e 7 (Berglund / Helsinki)

Boas gravações de Sibelius realizadas por Paavo Berglund (1929-2012) e uma orquestra finlandesa! A Sinfonia Nº 4 (1911) sempre me pareceu uma planície vasta, plana e gelada, talvez da Lapônia, com o compositor meditando em silêncio. Berglund a torna mais melancólica do que nunca, A coisa fica mais lenta à medida que avança. Sibelius sentiu que estava perto da morte quando escreveu a peça; no entanto, ele permaneceria vivo por mais quarenta e seis anos. Um alarme falso. Mais tarde, Sibelius disse sobre a sinfonia, citando o autor sueco Strindberg: “Ser humano é miséria.” Não espere muita alegria aqui. A última sinfonia de Sibelius, a de Nº 7 (1924), é de longe a mais curta, combinando quatro movimentos em uma obra fluida. Paavo Berglund e a Filarmônica de Helsinque lidam bem com isso criando uma versão majestosa. Francamente, no entanto, a maioria das outras gravações do Sétima tendem a empalidecer em comparação com o legendário registro de Mravinski com a velha Filarmônica de Leningrado. Mas Berglund é uma boa alternativa.

Jean Sibelius (1865-1957): Sinfonias Nº 4 e 7 (Berglund / Helsink)

Sinfonia nº 4 em lá menor, op. 63
1 I. Tempo Molto Moderato, Quasi Adagio 9:38
2 II. Allegro Molto Vivace 4:41
3 IIl. Tempo Largo 9:55
4 4. Alegro 9:57

Sinfonia nº 7 em dó, op. 105 (em um movimento)
5 adágio 7:14
6 Un Pochett. Meno Adágio 3:01
7 5 compassos antes: Poco Rallentando Al Adagio 6:48
8 Presto – Poco A Poco Rallentando Al Adagio 4:18

Maestro – Paavo Berglund
Orquestra – Orquestra Filarmônica de Helsinque

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

Sibeluis faceiro com a nova loção capilar.

PQP

Jean Sibelius (1865-1957): Concerto para Violino, Op. 47 / Abertura em lá menor / Menuetto / In Memoriam (Gothenburg SO, Silvia Marcovici, Neeme Järvi)

Como é bom ouvir Sibelius, não? Este CD tem seu conhecido Concerto para Violino e mais algumas obras desconhecidas e nada desprezíveis, antes pelo contrário. No Concerto, a romena Marcovici, se não chega ao Olimpo do Concerto, nos dá uma versão bem convincente. Já a orquestra e Järvi dão um banho de competência. O Concerto é uma obra melodiosa de grande expressão e virtuosismo, que goza de enorme popularidade entre os violinistas e o público. É um dos concertos para violino mais executados nas salas de concerto. E eu gosto muito dos extras, principalmente da Abertura em lá menor com sua linda introdução através dos metais. Acho que é um CD que merece ser ouvido.

Jean Sibelius (1865-1957): Concerto para Violino, Op. 47 / Overture In A Minor / Menuetto / In Memoriam (Gothenburg SO, Silvia Marcovici, Neeme Järvi)

Violin Concerto In D Minor, Op.47 (33:25)
1 Allegro Moderato 17:10
2 Adagio Di Molto 8:09
3 Allegro, Ma Non Tanto 7:48

4 Overture In A Minor (1902) 6:26

5 Menuetto (1894) 5:38

6 In Memoriam, Op.59 (Funeral March For Large Orchestra) 7:57

Conductor – Neeme Järvi
Orchestra – Gothenburg Symphony Orchestra
Violin – Silvia Marcovici (tracks: 1 to 3)

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

Silvia Marcovici

PQP

Jean Sibelius (1865-1957): Sinfonias Nos. 5 & 7 / En Saga (Hallé, Elder)

Jean Sibelius (1865-1957): Sinfonias Nos. 5 & 7 / En Saga (Hallé, Elder)

Hallé? Como assim Hallé? A Orquestra Hallé, ou simplesmente Hallé, é uma orquestra sinfônica baseada em Manchester, Inglaterra. É a orquestra mais antiga em atividade do Reino Unido e a quarta mais antiga do mundo. Conta com orquestra profissional, coro, coro jovem e uma orquestra jovem. Realiza gravações em sua própria gravadora, mas trabalha também com a Angel e EMI. O atual Diretor Musical é Sir Mark Elder.

Acho que as versões de Elder das Sinfonias 5 e 7 de Sibelius é muito boa, mas não chegam a ser first choices. Ainda fico com Rattle e a CBSO na 5ª e com o velho Mravinsky e o portento de Leningrado na 7ª. Vocês devem saber que as orquestras britânicas e seu público há muito têm uma afinidade especial com as obras orquestrais de Jean Sibelius. As interpretações de Elder são meticulosas e apaixonadas e a orquestra responde à sua direção cavando fundo. São muito bons registros. Essas sinfonias e En Saga são representativas do estilo maduro de Sibelius. Seus ritmos e desdobramentos constantes de motivos ao longo de bons períodos de tempo requerem uma escuta atenta, mas a clareza das leituras de Elder torna o progresso da música fácil de seguir.

Jean Sibelius (1865-1957): Sinfonias Nos. 5 & 7 / En Saga (Hallé, Elder)

Symphony No.5, Op.82
01. I. Tempo molto moderato (13:31)
02. II. Andante mosso, quasi allegretto (08:25)
03. III. Allegro molto (09:24)

04. Symphony No.7, Op.105 (23:12)

05. En Saga, Op.9 (17:42)

Hallé
Sir Mark Elder

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

Sir Mark Elder: “Se aproveitam de minha nobreza!”.

PQP

Piotr Illich Tchaikovsky (1840-1893) – Violin Concerto, in D Major, op. 35, Jean Sibelius (1865-1957) – Violin Concerto in D Minor, op. 47 – Stern, Ormandy, Philadelphia Orchestra

Curioso que eu nunca tenha postado aqui no PQPBach uma das gravações que mais ouvi do Concerto de Tchaikovsky, com o grande Isaac Stern ao lado de Eugene Ormandy, na Filadélfia, é claro. Já não tenho mais o LP há muitos anos, perdi ou vendi em algum momento, e apenas recentemente tive acesso a versão digital, ou seja, já fazia muito tempo que não o ouvia. Essa gravação foi realizada em 1959, jurássica, como diria o colega René Denon, mas imperdível, como diria nosso mentor PQPBach. Isaac Stern realizou diversos registros com o grande maestro hungaro radicado nos Estados Unidos, em sua querida Filadélfia, e esse Tchaikovsky foi um dos grandes momentos da dupla. Poucas vezes ouvi este concerto tocado com tanta paixão e emoção, e não por acaso, a Columbia, e posteriormente a Sony, já lançaram esta gravação tantas vezes desde então. Não sei dizer quando foi que ouvi esta gravação pela primeira vez, provavelmente ainda na adolescência, mas continua sendo uma de minhas preferidas.

Como não poderia deixar de ser, o Concerto de Sibelius, que completa o CD, também é um primor de técnica e execução, e o som da Orquestra da Filadélfia contribui com o clima, mesmo tendo sido gravado em 1976, ainda com Ormandy, que dirigiu essa orquestra por mais de quarenta anos. Stern nesta época já era um músico consagrado, com uma considerável discografia, e referência para outros jovens violinistas. Talvez a idade já esteja pesando e o som de seu violino não soe mais tão intenso e apaixonado, mas é indiscutível a qualidade de sua execução. Não por acaso os clientes da amazon deram 5 estrelas para este CD.

Espero que apreciem.

01 – Concerto for Violin and Orchestra in D Major, Op. 35- I. Allegro moderato
02 – Concerto for Violin and Orchestra in D Major, Op. 35- II. Canzonetta. Andante
03 – Concerto for Violin and Orchestra in D Major, Op. 35- III. Finale. Allegro vivacissimo
04 – Concerto in D minor for Violin and Orchestra, Op. 47- I. Allegro moderato
05 – Concerto in D minor for Violin and Orchestra, Op. 47- II. Adagio di molto
06 – Concerto in D minor for Violin and Orchestra, Op. 47- III. Allegro, ma non tanto

Isaac Stern – Violin
Philadelphia Orchestra
Eugene Ormandy – Conductor

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

Sibelius / Prokofiev / Glazunov: Concertos para Violino (Heifetz)

Sibelius / Prokofiev / Glazunov: Concertos para Violino (Heifetz)

IM-PER-DÍ-VEL !!!

Jascha Heifetz, alguma dúvida? Aqui ele toca o espetacular e ultra-solado Concerto de Sibelius, o bom Concerto de Prokofiev com seus esplêndidos segundo e terceiro movimentos e outro bem ruinzinho de Glazunov, autor cujo maior mérito foi o ter sido professor de Shostakovich, que não o suportava nem como compositor e muito menos como autor. BAITA DISCO!

Jean Sibelius (1865-1957)

Violin concerto in D minor, op. 47
Chicago Symphony Orchestra
Walter Hendl

Sergei Prokofiev (1891-1953)
Violin concerto No. 2 in G minor, op. 63
Boston Symphony Orchestra
Charles Munch

Alexander Glazunov (1865-1936)
Violin concerto in A minor, op. 82
RCA Victor Symphony Orchestra
Walter Hendl

Jascha Heifetz, violin

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

Heifetz: esse tocava

PQP

Jean Sibelius (1865-1957): As Sinfonias Completas + Tapiola & 3 Late Fragments (Mäkelä / Oslo Philharmonic)

Jean Sibelius (1865-1957): As Sinfonias Completas + Tapiola & 3 Late Fragments (Mäkelä / Oslo Philharmonic)

IM-PER-DÍ-VEL !!!

Após quatro anos de busca, a Royal Concertgebouw Orchestra encontrou um novo maestro titular. Conforme anunciado no início da manhã durante uma conferência de imprensa, o escolhido foi o finlandês Klaus Mäkelä (26 anos!!!!), que iniciará o seu novo emprego em Amsterdam a partir de agosto de 2027, por um período de cinco anos. Até lá, ele atuará como consultor artístico do grupo holandês. Mäkelä, que se torna assim o sucessor de Daniele Gatti, estreou com a Concertgebouw Orchestra em 2020 e foi recebido com entusiasmo pelos seus membros, o que influenciou definitivamente a decisão final. Mais tarde, em novembro do ano passado, ele excursionou por Reykjavík e Hamburgo com ela. Até assumir oficialmente a direção da Orquestra Real do Concertgebouw, Mäkelä continuará a liderar os dois grupos que atualmente lidera: a Filarmônica de Oslo e a Orquestra de Paris (neste último, começou a exercer em 2021).

Eu ouvi estes CDs com as Sinfonias de Sibelius e o cara é um monstro mesmo. 26 anos…

René Denon completa, com muito maior brilhantismo e informações:

A gravação deste ciclo de Sinfonias de Jan Sibelius pela Oslo Philharmonic Orchestra, com a regência de seu novo diretor Klaus Mäkelä, estava prevista para ser realizada ao longo de concertos programados entre o outono (do hemisfério norte) de 2020 e a primavera (…) de 2021. Klaus Mäkelä (que nasceu em 1996) havia firmado um contrato exclusivo com o selo DECCA. Apenas mais dois regentes haviam tido tal relação com o selo antes. O último foi Riccardo Chailly, contratado em 1978.

Mas eis que as engrenagens do destino já estavam em movimento e… você sabe o que se abateu sobre o mundo em 2020. A gravação do ciclo então se deu em outras circunstâncias. A orquestra e seu jovem regente puderam imergir no ciclo em condições únicas, devido ao período de isolamento social a que todos nós tivemos que nos submeter.

A orquestra de Oslo não é de forma alguma inexperiente em relação às sinfonias de Sibelius. Quem não se recorda dos discos gravado por ela sob a regência do então também jovem regente que a elevou ao nível das grandes orquestras europeias, o saudoso Mariss Jansons? Como Mäkelä contou em sua entrevista à Gramaphone, esse compromisso focado nas partituras de Sibelius mudou a compreensão que a orquestra tinha delas. “Tocávamos, tocávamos e aí gravávamos”. “Isto nos permitiu ir mais fundo do que teríamos feito em uma situação normal”. Manter a distância de 1,5m entre os músicos também fez com que eles ouvissem uns aos outros mais acuradamente, disse o regente. “Era algo engraçado. As seções de gravação de Sibelius eram as únicas interações sociais que muitos de nós tínhamos, naquele período no qual tudo era proibido”.
Assim, senhores, este ciclo que nos chega ganha esse selo de unicidade, é ímpar devido ao momento em que foi elaborado. Há muitas novidades vindo aí pela batuta deste ainda muito jovem regente, assim como há outros ciclos de Sinfonias de Sibelius que os apreciadores de sua música irão buscar, mas este merece ser destacado por estas tão únicas circunstâncias.

Mette Henriette

Na programação da Oslo PO desta temporada de 2021/22, música de Saariaho, Richard Strauss (Zarathustra) e duas novas obras da saxofonista e compositora Mette Henriette, sem deixar de fora o santo padroeiro Sibelius – Lemminkäinen. Bach, Mozart, Walton, Mahler e Shostakovitch também fazem parte das programações. Portanto, reservem bom pedaço do HD para o que vem por aí e aproveite desde já estas sinfonias que dispomos. Eu começarei pela Segunda…

Here was something truly special: a conductor who revelled in freshly imagining each sound.
THE TIMES, sobre Klaus Mäkelä

Jean Sibelius (1865-1957): As Sinfonias Completas + Tapiola & 3 Late Fragments (Mäkelä / Oslo Philharmonic)

1. Symphony No. 1 in E Minor, Op. 39 – I. Andante, ma non troppo – Allegro energico
2. Symphony No. 1 in E Minor, Op. 39 – II. Andante (ma non troppo lento)
3. Symphony No. 1 in E Minor, Op. 39 – III. Scherzo. Allegro
4. Symphony No. 1 in E Minor, Op. 39 – IV. Finale. Quasi una fantasia

5. Symphony No. 2 in D Major, Op. 43 – I. Allegretto
6. Symphony No. 2 in D Major, Op. 43 – II. Tempo andante, ma rubato
7. Symphony No. 2 in D Major, Op. 43 – III. Vivacissimo
8. Symphony No. 2 in D Major, Op. 43 – IV. Finale. Allegro moderato

9. Symphony No. 3 in C Major, Op. 52 – I. Allegro moderato
10. Symphony No. 3 in C Major, Op. 52 – II. Andantino con moto, quasi allegretto
11. Symphony No. 3 in C Major, Op. 52 – III. Moderato – Allegro ma non tanto

12. Symphony No. 4 in A Minor, Op. 63 – I. Tempo molto moderato, quasi adagio
13. Symphony No. 4 in A Minor, Op. 63 – II. Allegro molto vivace
14. Symphony No. 4 in A Minor, Op. 63 – III. Il tempo largo
15. Symphony No. 4 in A Minor, Op. 63 – IV. Allegro

16. Symphony No. 5 in E-Flat Major, Op. 82 – I. Tempo molto moderato
17. Symphony No. 5 in E-Flat Major, Op. 82 – II. Andante mosso, quasi allegretto
18. Symphony No. 5 in E-Flat Major, Op. 82 – III. Allegro molto

19. Symphony No. 6 in D Minor, Op. 104 – I. Allegro molto moderato
20. Symphony No. 6 in D Minor, Op. 104 – II. Allegretto moderato
21. Symphony No. 6 in D Minor, Op. 104 – III. Poco vivace
22. Symphony No. 6 in D Minor, Op. 104 – IV. Allegro molto

23. Symphony No. 7 in C Major, Op. 105 – I. Adagio –
24. Symphony No. 7 in C Major, Op. 105 – II. Vivacissimo – Adagio –
25. Symphony No. 7 in C Major, Op. 105 – III. Allegro molto moderato –
26. Symphony No. 7 in C Major, Op. 105 – IV. Vivace – Presto – Adagio

27. Tapiola, Op. 112

28. 3 Late Fragments – I. HUL 1325 (Compl. Virtanen)
29. 3 Late Fragments – II. HUL 1326/9 (Compl. Virtanen)
30. 3 Late Fragments – III. Allegro moderato, HUL 1327/2 (Compl. Virtanen)

Oslo Philharmonic Orchestra
Klaus Mäkelä

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

PQP

Carl Nielsen (1865-1931) & Jean Sibelius (1865-1957): Concertos para Violino – Johan Dalene – Royal Stockholm Philharmonic Orchestra & John Storgårds ֍

Carl Nielsen (1865-1931) & Jean Sibelius (1865-1957): Concertos para Violino – Johan Dalene – Royal Stockholm Philharmonic Orchestra & John Storgårds ֍

Nielsen & Sibelius

Concertos para Violino

Johan Dalene

Royal Stokholm PO

John Storgårds

Semana passada aqui em casa estava uma delícia, com a visita de filho, nora e (é claro) a netinha. Mas, ouvir música ficou restrito aos headphones – a Galinha Pintadinha e sua trupe reinaram aqui…

Hoje, domingo à noite, depois que lá se foram, o lugar ficou terrivelmente quieto e decidi escolher algo diferente para ouvir. Diferente dos quase sempre concertos para piano – violino então. Há um certo tempo queria conhecer o Concerto para Violino de Nielsen e uma busca me levou a este disco da postagem. Primeiro a dobradinha Nielsen e Sibelius, antecipando pelo menos uma obra que já gosto muito. E como também gosto de novidades e novos intérpretes, a escolha se definiu na hora.

Johan Dalene

Johan Dalene é um jovem violinista de 22 anos, mas perfeitamente qualificado para a tarefa. Ele ganhou em 2019 a Nielsen Competition tocando exatamente o Concerto de Nielsen com perfeita técnica, mas também com domínio artístico que se espera de um intérprete mais maduro.

Johan começou a tocar violino aos quatro anos e pouco depois já dava seus primeiros concertos. Em 2016 teve participação no Verbier Festival como student-inresidence e em 2018 foi aceito no programa norueguês Crescendo, onde teve como mentores artistas como Janine Jansen, Leif Ove Andsnes e Gidon Kremer. Em um artigo no The Strad, ele conta que estudou desde os dez anos com o mesmo professor, Per Enokssen, primeiro violino da Gothenburg Symphony Orchestra.

O disco ganhou ótima resenha na Gramaphone e tenho certeza que, se você gosta de concertos para violino, vai ganhar espaço na sua playlist!!

Carl Nielsen (1865 – 1931)

Concerto para Violino, Op. 33

  1. Praeludium
  2. Allegro cavalleresco
  3. Poco adagio
  4. Rondo

Jean Sibelius (1865 – 1957)

Concerto para Violino em ré menor, Op. 47

  1. Allegro moderato
  2. Adagio di molto
  3. Allegro, ma non tanto

Johan Dalene, violino

Royal Stockholm Philharmonic Orchestra

John Storgårds

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

FLAC | 298 MB

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

MP3 | 320 KBPS | 168 MB

Dalene adorou aparecer no PQP Bach, mas achou que o pessoal poderia ter feita a reforma do prédio antes de sua visita…

Veja o que Andrew MacGregor, da BBC, disse sobre o jovem violinista: Tecnique obviously, toughness when needed, and he can make it sing and spin out those long phrases.

Nielsen e especialmente Sibelius acharam ótimas as interpretações de Johan Dalene…

Aproveite!

René Denon

Mariss Jansons / Concertgebouw Orchestra – The Radio Recordings 1990-2014 – CDs 6-9 de 13

É claro que alguns de vocês vão baixar apenas alguns volumes desta caixa de 13 CDs de Jansons com a Orquestra do Concertgebouw de Amsterdam. Alguns terão vontade de ouvir esse grande conjunto atacando Sibelius e Beethoven mas não terão fôlego para a sétima de Mahler. Outros, mais curiosos quanto à música composta nas últimas décadas, vão querer conhecer um pouco mais sobre Berio, Andriessen e Gubaidulina. Essa caixa cheia de raridades deve agradar, pelo menos um pouquinho, a todos os apreciadores da sonoridade sempre elegante dos músicos do Concertgebouw.

Os CDs que trago hoje se iniciam com uma luxuosa gravação da Sinfonia nº 1 de Schumann (a “sinfonia pastoral” desse compositor). É coisa fina mesmo, muito bem gravada ao vivo em 2008 na famosa sala de concertos de Amsterdam. São gravações ao vivo em um só take, sem colagens de outras datas… E em seguida vêm as obras-primas do século XX, das quais faço questão de comentar três delas.

A Música para cordas percussão e celesta é uma das obras mais influentes de Bartók, composta nos anos 1930, mesma época dos quartetos de cordas 5 e 6. Em sua última fase (anos 1940) ele criaria algumas obras com melodias e harmonias mais tradicionais, como os belíssimos Concertos para Orquestra e para piano nº 3. Mas aqui temos o Bartók mais vanguardista e a orquestra do Concertgebouw (ao vivo em Berlim, 2010) acerta em todos os detalhes, além da excelente captura dos engenheiros de som.

O Hino para grande orquestra é uma das primeiras obras de Messiaen. É muito baseado nas ideias que ele tinha sobre colorido orquestral. Messiaen, que confessava ser vítima de (ou privilegiado com) sinestesia – via música nas cores e cores na música – gostava de listar em entrevistas alguns de seus grandes modelos de orquestração: Debussy, Wagner, Stravinsky e, um pouco mais surpreendente, Monteverdi e Villa-Lobos: “Os Choros de Villa-Lobos, que considero maravilhas de orquestração, foram para mim o ponto de partida de algumas justaposições de timbres”. Todos esses compositores, para os peculiares ouvidos de Messiaen, faziam música muito colorida, ao contrário da 2ª escola de Viena:

– Você disse uma vez que a música de certos autores modernos é cinza, associada a um tipo de sentimento pessimista, uma espécie de monotonia, talvez.

O.Messiaen: Bem, bem, pode ser verdade que a escola serial escreveu apenas sobre assuntos mórbidos e obras quase sempre passadas à noite. Não é por acaso que Erwartung de Schoenberg se passa à noite e é um assunto horrível, uma mulher que vê o cadáver de seu amante…

– E podemos adicionar Wozzeck e…

O.M.: Muitas outras que são obras-primas, sem dúvida, mas são obras-primas sombrias.

Messiaen bem jovem, ainda com cabelos (uma semelhança entre Schoenberg, Bartók e Messiaen: a calvície)

Trago essa longa citação para adicionarmos a essa lista de obras-primas sombrias a peça de Schoenberg que Jansons/Concertgebouw gravaram ao vivo em 2012: Um Sobrevivente de Varsóvia, Op. 46 (em inglês: A Survivor from Warsaw) é um oratório para narrador, coro masculino e orquestra. Em estilo dodecafônico, e com apenas cerca de 7 minutos, ela consegue no entanto comunicar inúmeras emoções ligadas aos campos de concentração da Segunda Guerra. É considerada uma das mais importantes obras musicais dedicadas ao holocausto. Milan Kundera, por exemplo, dizia que toda a essência existencial do drama dos judeus do século XX se mantém viva ali, em toda a sua terrível grandeza que não deve ser esquecida.

Schönberg compôs essa obra em 1947, portanto quase 40 anos após Erwartung, mas são várias as semelhanças entre essas duas obras sombrias com uma orquestra fazendo descrições sonoras impressionantes do que uma voz solo vai narrando. Ao menos para mim, essas duas obras de Schönberg com um triste enredo são muito mais interessantes do que as suas obras instrumentais para piano ou quarteto de cordas.

Mariss Jansons / Concertgebouw Orchestra – The Radio Recordings 1990-2014

CD 6:
Robert SCHUMANN
Symphony No. 1 in B flat major, Op. 38, ‘Spring’ (1841)

Jean SIBELIUS
Symphony No. 1 in E minor, Op. 39 (1899)

Baixe aqui – Download here – CD6

CD 7:
Béla BARTÓK
Music for Strings, Percussion and Celesta (1936)

Ludwig van BEETHOVEN
Overture ‘Egmont’, Op. 84 (1810)
Symphony No. 5 in C minor, Op. 67 (1808)

Baixe aqui – Download here – CD7

Arnold Schoenberg. Auto retrato, 1910

CD 8:
Arnold SCHÖNBERG
A Survivor from Warsaw, Op. 46 (1947)
Sergei Leiferkus – narrator
Rundfunkchor Berlin

Modest MUSSORGSKY
Songs and Dances of Death (1877, orch. D. Shostakovich, 1962)
Ferruccio Furlanetto – bass

Leoš JANÁČEK
Taras Bulba (1918)

Sofia GUBAIDULINA
Feast During a Plague (2005)

Baixe aqui – Download here – CD8

CD 9:
Igor STRAVINSKY
Capriccio (1929, rev.1949)
Emanuel Ax – piano

Edgard VARÈSE
Amériques (1921)

Olivier MESSIAEN
Hymne au Saint-Sacrement (1932)

Igor STRAVINSKY
Symphony of Psalms (1930, rev.1948)
Rundfunkchor Berlin

Baixe aqui – Download here – CD9

Royal Concertgebouw Orchestra Amsterdam, Mariss Jansons

Mariss Jansons (1943-2019)

Pleyel

Jean Sibelius (1865-1957): The Complete Works For Violin And Orchestra (Tetzlaff / Dausgaard)

Jean Sibelius (1865-1957): The Complete Works For Violin And Orchestra (Tetzlaff / Dausgaard)

Um disco muito bom. O Concerto para Violino de Sibelius é uma indiscutível e sensacional obra-prima e as peças restantes deste disco completista não são nada desprezíveis, muito pelo contrário. São ótimas, todas com a peculiar melancolia do compositor finlandês, mesmo quando os títulos são Humoresques. Este repertório é raro e difícil. Se o concerto para violino em Ré menor é um cavalo de batalha do repertório de violino mainstream, as outras peças para violino e orquestra incluídas neste CD são relativamente menos conhecidas do público. O domínio de Tetzlaff é magistral nessas obras estranhas e fascinantes. Os aromas do norte brilham devidos ao solista e à orquestra — a excelente Sinfônica Nacional Dinamarquesa liderada por Thomas Dausgaard.

Jean Sibelius (1865-1957): The Complete Works For Violin And Orchestra (Tetzlaff / Dausgaard)

Violin Concerto Op. 47 In D Minor
1 1. Allegro Moderato 15:25
2 2. Adagio Di Molto 9:46
3 3. Allegro Ma Non Tanto 7:11

Two Serenades For Violin And Orchestra Op. 69
4 1. No. 1 In D Major 5:23
5 2 No. 2 In G Minor 6:16

Two Pieces For Violin And Orchestra Op. 77
6 No. 1 Cantique: Laetare Anima Mea 4:57
7 No. 2 Devotion; Ab Imo Pectore 2:59

Two Humoresques Op. 87
8 1. No. 1 In D Minor 3:29
9 2. No. 2 In D Major 2:21

Four Humoresques For Violin And Orchestra Op. 89
10 1. No. 1 In G Minor For Strings 4:03
11 2. No. 2 In G Minor For Strings 3:15
12 3. No. 3 In E Flat 2:45
13 4. No 4 In G Minor 2:48

Suite For Violin And Strings Op 117
14 1. Country Scenery: Allegretto 2:18
15 2. Evening In Spring: Andantino 3:29
16 3. In The Summer: Vivace 1:47

Conductor – Thomas Dausgaard
Orchestra – Danish National Symphony Orchestra*
Violin – Christian Tetzlaff

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

É claro que esta foto já esteve no PQP Bach, mas é tão legal que a repetimos e repetimos.

PQP

Sibelius (1865-1957) & Grieg (1843-1907): Malinconia – Peças para Violoncelo e Piano (Geringas, Fountain)

Sibelius (1865-1957) & Grieg (1843-1907): Malinconia – Peças para Violoncelo e Piano (Geringas, Fountain)

Este CD vale pela incrível, belíssima Sonata de Grieg e pelos gatinhos — expressão para iniciados — do mesmo compositor.

Bem, a palavra italiana malinconia era muito usada no século XIX como título de peças melancólicas. No entanto, a ideia de malinconia cobria uma miríade de noções românticas, de modo que simplesmente traduzi-la como “melancolia” não lhe faz justiça. Inclui também muitos outros estados emocionais – todos os tipos de desânimo, tristeza, desespero, depressão e até mesmo frustração. Cada idioma desenvolveu seus próprios termos e as interpretações da própria palavra também diferem de região para região. A malinconia na ensolarada Itália ou na Espanha é bem diferente da melancolia na Noruega e na Finlândia, onde os invernos são rigorosos e longos. A variante nórdica é expressa aqui em vários exemplos musicais; palavras por si só são inadequadas.

O vencedor do concurso Tchaikovsky e aluno de Rostropovich, David Geringas, deixa uma impressão vigorosa e direta na Sonata de Grieg, próxima à franqueza de seu ex-professor em uma parceria ao vivo de 1964, em Aldeburgh, com Sviatoslav Richter ao piano e que está disponível apenas no YouTube. Tal abordagem recoloca o trabalho na tradição europeia dominante (ou seja, alemã), mas dá menos atenção às cores suaves e ao humor que certamente são aqui a base da paleta de Grieg, mesmo em momentos mais angustiados. O resultado é tornar o trabalho menos forte e individual, enfatizando a forma em detrimento do conteúdo. Mas nada destrói esta música de Grieg.

Geringas está mais perto do idioma “correto” nas duas peças de Sibelius. Ele se deleita com suas dificuldades mais do que seu pianista. Nos Griegs mais curtos, os dois apresentam imagens mais completas da música do que na Sonata. A transcrição de Allegretto da Sonata para violino Op 45 vai especialmente bem e Geringas aponta a tristeza em sua própria transcrição da ‘Canção de Solveig’.

Sibelius (1865-1957) & Grieg (1843-1907): Malinconia – Peças para Violoncelo e Piano

Jean Sibelius (1865-1957)
01. Malinconia, Op.20 (10:53)

Edvard Grieg (1843-1907)
02. Letzter Frühling, Op.34 No.2 (4:25)
03. Violin Sonata No.3 in C minor, Op.45 – II. Allegretto (7:03)

Cello Sonata in A minor, Op.36
04. I. Allegro agitato (9:10)
05. II. Andante molto tranquillo (6:03)
06. III. Allegro (11:37)

07. Intermezzo in A minor (3:21)

Peer Gynt
08. Morgenstimmung (3:10)
09. Anitra’s Tanz (3:17)
10. Solveigs Lied (5:01)

Jean Sibelius
11. Valse triste (4:14)

David Geringas, cello
Ian Fountain, piano

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

Geringas e Fountain, ainda constrangidos pela grande oportunidade que receberam de estrear no PQP Bach.

PQP

Adès / Sibelius: Concertos para Violino (Hadelich / Lintu)

Adès / Sibelius: Concertos para Violino (Hadelich / Lintu)

Não é que o concerto de Adès seja mau, é que a companhia é muito boa. O Concerto de Sibelius faz a gente esquecer até dos 3 Humoresques que fecham o CD. Pois é… O Concerto para Violino de Jean Sibelius é um favorito pós-romântico e parece ter pouco em comum com os Caminhos Concêntricos de Adès, uma peça cerebral escrito quase 100 anos depois pelo britânico Thomas Adès. As conexões, Hadelich afirma nas anotações do álbum, nem sempre são aparentes na superfície: “Os tímpanos profundos e estrondosos e os baixos em Sibelius preenchem a lacuna de Adès, um trabalho que também explora as profundidades mais baixas do som, criando abismos sobre os quais o violinista executa um ato na corda bamba.” Por falar nele, Hadelich é excelente. Ele é ousado e exato. Também tem uma forma aristocrática de acentuar o que deseja que ouçamos. Porém, é feroz no movimento central de Adès, quando temas concêntricos circulam e se transformam em um ápice emocional, depois se libertando repentinamente.

Adès / Sibelius: Concertos para Violino (Hadelich / Lintu)

Violin Concerto ‘Concentric Paths’
Composed By – Thomas Adès
1 Rings 3:58
2 Paths 10:25
3 Rounds 4:55

Violin Concerto Op. 47
Composed By – Jean Sibelius
4 Allegro Moderato 15:36
5 Adagio di Molto 8:49
6 Allegro, Ma di Tanto 7:39

Three Humoresques
7 Humoresque Op. 87 No. 2 In D Major 2:30
Composed By – Jean Sibelius
8 Humoresque Op. 89 No. 2 In G Minor 3:42
Composed By – Jean Sibelius
9 Humoresque Op. 89 No. 3 In E Flat Major 3:31
Composed By – Jean Sibelius

Conductor – Hannu Lintu
Orchestra – Royal Liverpool Philharmonic Orchestra
Performer, Violin – Augustin Hadelich

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

Alguém lembra do Cabeça de Ovo do velho Batman (POW! CRACK! STUMPF!) ?

PQP

Jean Sibelius (1865-1957): Sinfonia Nº 1 & En Saga

Jean Sibelius (1865-1957): Sinfonia Nº 1 & En Saga

IM-PER-DÍ-VEL !!!

O cabeludo maestro finlandês Santtu-Matias Rouvali vem ganhando reconhecimento na Escandinávia e na Grã-Bretanha por grandes leituras dramáticas que muitas vezes trazem algo de novo a trabalhos familiares, como a dupla de peças orquestrais de Sibelius ouvidas neste disco da Alpha. A Sinfonia Nº 1 em Mi menor, op. 39 é obviamente descrita como tchaikovskiana e, de fato, há uma abundância de músicas amplas e levemente melancólicas que lembram o compositor. Mas Rouvali, líder da Sinfônica de Gotemburgo (da qual ele foi recentemente nomeado maestro titular), concentra-se em elementos mais finlandeses do que russos. Prova é o primeiro movimento, onde o lirismo tchaikovskiano dá lugar a uma passagem tumultuada, onde cada harmonia parece arrancada da anterior de uma maneira muito característica de Sibelius. A leitura de Rouvali é emocionante. O poema sinfônico En saga, Op. 9, é uma obra-prima que, em mãos inferiores, poderia tornar-se uma porcaria, mas que ficou enérgico e envolvente nas mãos de Rouvali. É para prestar atenção a este Santtu-Matias Rouvali. Ele sabe o que faz.

Jean Sibelius (1865-1957): Sinfonia Nº 1 & En Saga

Symphony No. 1 in E minor, Op. 39
1 I. Andante Ma Non Troppo – Allegro Energico 11:27
2 II. Andante (Ma Non Troppo Lento) 09:13
3 III. Scherzo: Allegro 05:28
4 IV. Finale: Andante – Allegro Molto – Andante Assai – Allegro Molto Come Prima – Andante 13:32

5 En Saga, Op. 9 19:01

Gothenburg Symphony Orchestra
Santtu-Matias Rouvali

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

Com esses cabelos, Santtu está mais para Anjju.

PQP

Beethoven (1770-1827) & Sibelius (1865-1957): Concertos para Violino – Tetzlaff ● Symphonie-Orchester Berlin ● Ticciati

Beethoven (1770-1827) & Sibelius (1865-1957): Concertos para Violino – Tetzlaff ● Symphonie-Orchester Berlin ● Ticciati

Beethoven – Sibelius

Concertos para Violino

Christian Tetzlaff

 

 

A expressão battle horse, literalmente cavalo de batalha, aparece com frequência nas críticas escritas em inglês dos álbuns de música clássica. Refere-se àquela obra que absolutamente todos os grandes (e também os não tão grandes) intérpretes registram e apresentam em seus concertos.

Pois este disco contém dois verdadeiros cavalos-de-batalha: os concertos para violino e orquestra de Beethoven e de Sibelius. Além disso, eles têm outras coisas em comum. Por exemplo, ambos não foram muito bem em suas estreias devido ao fato de que seus compositores estavam quase terminando a parte do solista nas vésperas da apresentação e os pobres intérpretes mal tiveram tempo de se preparar para apresentar suas partes. E olha que elas demandam quase tudo que um solista precisa saber.

Beethoven compôs seu concerto para violino em 1806, mas este só se firmou no repertório graças a um garoto de 12 anos: Joseph Joachim, aquele amigo de Brahms, que também produziu um cavalo-de-batalha. Brahms, não Joachim. Ele foi o solista em uma apresentação do concerto em Londres, em 1844, com acompanhamento de Mendelssohn, regendo Philharmonic Society. Mendelssohn foi também compositor de outra dessas maravilhosas criaturas.

Jan Sibelius compôs o seu concerto em 1904, mas como já foi dito, teve que rever a obra, que demorou um pouco para se firmar. Mas não há dúvida, como você pode ouvir nesta gravação – verdadeiro puro-sangue!

Veja como é descrito o terceiro movimento do concerto de Sibelius, intitulado Allegro ma non tanto: “este movimento é largamente conhecido entre os violinistas por suas dificuldades técnicas formidáveis e é muito conhecido como um dos maiores movimentos de concerto escrito para o instrumento. Já foi descrito como uma polonaise para ursos polares, mas tem também uma qualidade bélica que evoca um campo de batalha”. Portanto, autêntico cavalo-de-batalha. Para outra excelente interpretação do concerto de Sibelius, clique aqui.

Este disco é bastante recente, mas está sendo postado seguindo nossos estritos critérios de escolha para material digno de nossos seguidores: por ser definitivamente maravilhoso. Os intérpretes não poderiam ser melhor escolhidos. Christian Tetzlaff é um dos violinistas mais em evidência no momento e tem uma longa experiência com estes concertos. Ainda na juventude, gravou o Concerto de Beethoven com Michael Gielen e usou a cadência que também usa nesta gravação. Esta cadência foi composta pelo próprio Beethoven, para a adaptação do concerto para piano e orquestra. Note a participação dos tímpanos. E a orquestra está empolgada com a atuação de seu novo regente. Ticciati tornou-se o diretor musical da Deutsches Symphonie-Orchester Berlin bem recentemente. Assim, sem mais delongas, aos arquivos!

Com um disco destes, quem não fica de bem com a vida?

Ludwig van Beethoven (1770-1827)

Concerto para violino em ré maior, Op. 61

  1. Allegro moderato
  2. Larghetto
  3. Allegro

Jan Sibelius (1865-1957)

Concerto para violino em ré menor, Op. 47

  1. Allegro moderato
  2. Adagio di molto
  3. Allegro, ma non tanto

Christian Tetzlaff, violino

Deutsches Symphonie-Orchester Berlin

Robin Ticciati

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

FLAC |204MB

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

MP3 | 320 KBPS | 164 MB

LINK ALTERNATIVO (mp3)

Quase cem anos separam as composições destas duas obras primas, mas o que as torna verdadeiros e duradouros sucessos não é o virtuosismo que certamente exigem de seus intérpretes, mas a profundidade e a beleza dos sentimentos e da música que foram colocados nelas.

Aproveite!

René Denon

Jean Sibelius (1865-1957) – Concerto para violino, Op. 47 – versões de 1904 e de 1905 – Leonidas Kavakos

41MREMQYKGLUm dos melhores CDs que tenho, e, por vários motivos, tremendamente especial: trata-se da primeira gravação jamais feita da versão original (1904) do Concerto de Sibelius, autorizada expressamente pela família do compositor, e acompanhada no álbum pela versão definitiva (de 1905), que é aquela conhecida dos leitores-ouvintes. O solista é o maravilhoso violinista grego Leonidas Kavakos, talvez o maior especialista vivo nesse repertório, e que muito esforço despendeu para reconstruir a versão original que, segundo consta, foi tosada pelo compositor após uma première fracassada. A Orquestra Sinfônica de Lahti – que é frequentemente comparada à de Cleveland sob George Szell, como orquestra de cidade média que foi conduzida à excelência por um grande regente – está, como de costume, impecável, assim como o som da sempre interessante gravadora sueca BIS.

Chamam a atenção na versão original a dificuldade ainda maior na parte solista e alguns andamentos diferentes. Talvez vocês discordem, mas sempre achei a versão final meio abrupta, rapsódica, mesmo sem fazer ideia das mutilações a que Sibelius a submeteu. Prefiro a original. E vocês?

JEAN SIBELIUS – VIOLIN CONCERTO, OP. 47 (1904 AND 1905 VERSIONS)

Johan (“Jean”) Julius Christian SIBELIUS (1865-1957)

Concerto para violino e orquestra em Ré menor, Op. 47

Primeira versão (1903-04)

01 – Allegro moderato
02 – Adagio di molto
03 – Allegro (ma non tanto)

Segunda versão (1905)

04 – Allegro moderato
05 – Adagio di molto
06 – Allegro (ma non tanto)

Leonidas Kavakos, violino
Orquestra Sinfônica de Lahti
Osmo Vänskä, regência

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

Não falo finlandês, Jean, mas acho que eu entendi.
Não falo finlandês, Jean, mas acho que eu te entendi.

Vassily Genrikhovich

Jean Sibelius (1865-1957): Finlândia / Valsa Triste / Tapiola / O Cisne de Tuonela

Jean Sibelius (1865-1957): Finlândia / Valsa Triste / Tapiola / O Cisne de Tuonela

R-1795278-1391105940-5300.jpegVelho e bom vinil que apresenta alguns dos principais poemas sinfônicos de Sibelius. Ele escreveu muitos. Este disco abre com a nacionalista — e boa — Finlândia. Depois vem O Cisne de Tuonela, que é uma peça bem legal, mas não chega aos pés da ultra famosa Valsa Triste e nem de sua maior obra no gênero, Tapiola. O Cisne de Tuonela e Tapiola são músicas glaciais baseadas em lendas finlandesas, bem no estilo do compositor. Uma coisa que sempre me encasqueta sobre Sibelius é o fato de ele ter parado de compor em 1926, ano de suas últimas e melhores composições — a Sinfonia Nº 7 e Tapiola. Daí em diante, ele ficou em silêncio, dedicando-se com devoção ao álcool e somente revendo partituras antigas. Durante alguns tempo, tentou compor uma Oitava Sinfonia, mas, para desespero dos maestros que a aguardavam, ela foi adiada, adiada, adiada… E adiada. Ou seja, passou 31 anos sem compor quase nada.

Jean Sibelius (1865-1957): Finlândia / Valse triste / Tapiola / O Cisne de Tuonela

1 Finlandia Op. 26: Andante Sostenuto – Allegro Moderato – Allegro 9:22
2 Der Schwan Von Tuonela Op. 22 Nr. 2: Andante Molto Sostenuto 7:51
3 Valse Triste Op. 44: Lento 5:59
4 Tapiola Op. 112: Largamente – Allegro moderato – Allegro – Allegro Moderato – Allegro – Allegro Moderato 20:13

Corne inglês em O Cisne de Tuonela: Gerhard Stempnik
Berliner Philharmoniker
Herbert von Karajan

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

Acho que Sibelius recém tinha acordado ou praticado intercurso antes de tirar esta foto, sei lá
Acho que Sibelius recém tinha acordado ou praticado intercurso antes de tirar esta foto, sei lá

PQP

Bruckner : Sinfonia Nº 9 / Sibelius: Sinfonia Nº 2 / Nielsen: Sinfonias Nº 5 e Nº 4

Bruckner : Sinfonia Nº 9 / Sibelius: Sinfonia Nº 2 / Nielsen: Sinfonias Nº 5 e Nº 4

Clipboard01Ouvi apenas uma vez este CD. Nele, temos uma versão convincente da 9ª de Bruckner, uma versão opaca da 2ª de Sibelius e excelentes versões da 4ª e 5ª de Nielsen. É claro que esta é uma avaliação ultra superficial e discutível, mas sou assim mesmo, fazer o quê? Muito mais importante é garantir pra 6 tudo que é um álbum triplo com belíssimo repertório sinfônico interpretado por um grande regente com uma excelente orquestra à frente. Mas há um problema: o Vivacissimo – Attacca da Sinfonia de Sibelius está com defeito. É pouco se considerarmos o restante, mas se alguém aê conseguir nos mandar o mp3 do movimento faltante ficaríamos encantados. Beijo na bunda.

Bruckner : Sinfonia Nº 9 / Sibelius: Sinfonia Nº 2 / Nielsen: Sinfonias Nº 5 e Nº 4

CD1
Symphony No. 9 In D Minor (Edition: Leopold Nowak)
Composed By – Anton Bruckner
(65:18)
1-1 I Feierlich. Misterioso 25:29
1-2 II Scherzo. Bewegt, Lebhaft – Trio. Schnell 10:42
1-3 III Adagio. Langsam, Feierlich 29:05

CD2
Symphony No. 2 In D Major Op. 43
Composed By – Jean Sibelius
(44:48)
2-1 I Allegretto 10:19
2-2 II Tempo Andante, Ma Rubato 14:18
2-3 III Vivacissimo – Attacca: 6:05
2-4 IV Finale. Allegro Moderato 14:02

CD3
Symphony No. 5 Op. 50 (FS 97)
Composed By – Carl Nielsen
3-1 I Tempo Giusto – 8:50
3-2 Adagio Non Troppo 8:56
3-3 II Allegro – 5:52
3-4 Presto – Andante Un Poco Tranquillo – Allegro 10:11

Symphony No. 4 Op. 29 (FS 76) “The Inextinguishable”
Composed By – Carl Nielsen
(35:28)
3-5 I Allegro – Attacca: 11:16
3-6 II Poco Allegretto – Attacca: 4:56
3-7 III Poco Adagio Quasi Andante – Attacca: 9:57
3-8 IV Allegro 9:19

Orquestra Sinfônica de Gotemburgo
Gustavo Dudamel

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

Dudamel com a orquestra de Gotemburgo -- sangue latino.
Dudamel com a orquestra de Gotemburgo — sangue latino.

PQP

Jean Sibelius (1865-1957) – Violin Concerto, op. 47, Carl Nielsen (1865-1931) – Violin Concerto, op. 33 – Baiba Skride, Tampere Philharmonic Orchestra, Santtu-Matias Rouvali

Cover

LINK CORRIGIDO EM 30/12/2021

PQPBach é doido por essa moça nascida na Letônia há pouco mais de trinta e sete anos, Baiba Skride. Postou dois cds dela no começo do ano tecendo altos elogios. Resolvi então trazer para os senhores um pouco mais do talento dessa moça, tocando um dos monumentos violinísticos do romantismo, o belíssimo concerto de Sibelius. A moça sua sangue e tira leite de pedra aqui. Vale cada minuto da audição. Como comentei em postagem anterior, vamos dar voz à nova geração, pois ela tem muito a dizer. Pelo menos aqui na música.
Bem, não estou trazendo apenas o Concerto de Sibelius, mas também o de Nielsen, com o qual não mantenho uma relação muito amistosa, mas deve ser alguma mania minha. Talvez se o ouvir mais, com atenção, possa vir a admirá-lo. Então, um sueco e um finlandês, direto das terras geladas, e tocados com uma paixão que poucas vezes ouvi nestas obras, principalmente no Sibelius. Lembro de Viktoria Mullova em começo de carreira, lá nos anos 80, encarando-o com Seiji Ozawa, mas Baiba Skride também bate um bolão aqui. Vale conferir.

CD 1

01. Violin Concerto in D minor, Op.47 – I. Allegro moderato
02. Violin Concerto in D minor, Op.47 – II. Adagio di molto
03. Violin Concerto in D minor, Op.47 – III. Allegro, ma non tanto
04. Serenade in D major
05. Serenade in G minor

CD 2

01. Violin Concerto – I. Präludium Largo
02. Violin Concerto – II. Allegro cavalleresco
03. Violin Concerto – III. Poco Adagio
04. Violin Concerto – IV. Rondo Allegretto scherzando

Baiba Skride – Violin
Tampere Philharmonic Orchestra
Santtu-Matias Rouvali – Conductor

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

Baiba Skride
Baiba Skride em momento fashion

Jean Sibelius (1865-1957): Peças para Piano

Jean Sibelius (1865-1957): Peças para Piano

Tenho um velho vinil de Glenn Gould interpretando peças para piano de Sibelius. São peças que não gritam pra gente “Me ouça, me ouça!”, mas que são interessantes para quem se dedica a ouvi-las. Creio que gostei mais do disco de Gould, mas Andsnes vai muito bem também. Talvez a seleção do canadense tenho sido melhor do que a do norueguês. Acho que vale a pena ouvir este compositor que quase todo mundo pensa só ter escrito para orquestra. O finlandês bebum e deprimido era bom mesmo e vale a pena conhecê-lo melhor.

Jean Sibelius (1865-1957): Peças para Piano

1 6 Impromptus, Op. 5: Impromptu V 3:51
2 6 Impromptus, Op. 5: Impromptu VI 6:09

3 Kyllikki – Three Lyrical Pieces for Piano, Op. 41: I. Largamente 3:11
4 Kyllikki – Three Lyrical Pieces for Piano, Op. 41: II. Andantino 4:22
5 Kyllikki – Three Lyrical Pieces for Piano, Op. 41: III. Commodo 2:50

6 10 Pieces for Piano, Op. 24: Romance, No. 9 3:52
7 10 Pieces for Piano, Op. 24: Barcarola, No. 10 4:25
8 10 Pieces for Piano, Op. 58: Der Hirt, No. 4 2:23

9 Valse triste, Op. 44, No. 1 (Arranged for Piano) 5:07

10 Sonatina No. 1, Op. 67: I. Allegro 2:54
11 Sonatina No. 1, Op. 67: II. Largo 2:11
12 Sonatina No. 1, Op. 67: III. Allegro moderato 1:41

13 Five Pieces for Piano, Op. 75: Björken, No. 4 1:37
14 Five Pieces for Piano, Op. 75: Granen, No. 5 2:49

15 2 Rondinos for Piano, Op. 68: Rondino II 1:47

16 13 Pieces for Piano, Op. 76: Elegiaco, No. 10 1:32

17 6 Bagatelles for Piano, Op. 97: Impromptu, No. 5 1:36
18 6 Bagatelles for Piano, Op. 97: Humoristischer Marsch, No. 4 1:07
19 6 Bagatelles for Piano, Op. 97: Lied, No. 2 2:52

20 Fünf Skizzen, Op. 114: I. Landschaft 1:48
21 Fünf Skizzen, Op. 114: II. Winterbild 1:48
22 Fünf Skizzen, Op. 114: III. Der Teich 1:39
23 Fünf Skizzen, Op. 114: IV. Lied im Walde 1:48
24 Fünf Skizzen, Op. 114: V. Im Frühling 2:05

Leif Ove Andsnes, piano

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

Aquela série Batman de 1966 com o Adam West... Lembram que um de seus inimigos era o Cabeça de Ovo?
Aquela série Batman de 1966 com o Adam West… Lembram que um de seus inimigos era o Cabeça de Ovo?

PQP