“15 anos de P.Q.P. Bach e algumas lembranças…”

Anne-Sophie Mutter e John Williams, com “Vienna Philharmonic”

Ao comemorarmos estes 15 anos de P.Q.P. Bach, ressaltamos nossa paixão pela música. E assim, como todos os entusiastas, nestes momentos, somos invadidos por certa nostalgia… Pelos caminhos que percorremos, movidos pela curiosidade e imaginação, e que levaram a tantas descobertas…

Segue “Hedwig’s Theme”, do filme “Harry Potter”, com a grande Anne-Sophie Mutter, John Williams e “Vienna Philharmonic”…

Shirley Verret, mezzo soprano norte-americano

Certamente, guardamos incríveis experiências… De como fomos surpreendidos com seus truques e como esta arte nos capturou, tornando-se indispensável à existência e cotidiano… Reservei nesta publicação, algumas lembranças que representam tais descobertas, moldando o aprendizado e gosto pessoal… E procuramos mesclar o repertório, entre o leve e o denso, visto que música pode nos emocionar de diversas formas e cores interiores… 

Segue “Mon cœur s’ouvre à ta voix”, da ópera “Samson et Dalila” de Saint-Saëns, na belíssima voz de Shirley Verrett… 

Em geral, as primeiras experiências vem da infância e do ambiente familiar. Afinal, somos embalados com música desde que nascemos… E meu pai se esforçava na velha “canção da cavalaria”, um canto sóbrio e dolente… E nosso universo familiar incluía também tangos argentinos – “Silencio” e “Cuesta Abajo”, de Gardel; ou canções como “Maria Bethânia” de Capiba, na bela voz de Nelson Gonçalves…

Também intenso foi o contato com o folclore pernambucano. Sobretudo no carnaval de Recife, onde o frevo revelava a energia e rica polifonia das bandas de sopros. Gostava tanto de música, que ficava à frente da eletrola trocando os discos e selecionando o que mais me agradava… Nesta época, também fomos impactados pelos “Beatles” e pela “Jovem Guarda”… E lembro de cantar na escola, em quarteto vocal, “Quero que vá tudo pro Inferno”, de Roberto e Erasmo Carlos… 

“Centro histórico” de Recife, PE, Brasil

A seguir, “Moraes é Frevo” (Spok), com “SpokFrevo Orquestra”…  

Capa da coleção “Festival de Música Leggera”, da “Reader’s Digest” – 12 LPs, 1961

Em casa apreciava-se música, popular e erudita. E aquela eletrola, meu pai carregava desde os primeiros anos de casamento… Um belo dia, quando morávamos em Porto Alegre, final dos anos 60, apareceu com a coleção da “Reader’s Digest”… E passou a ouvir Franz Suppé, com “Cavalaria Ligeira” e “O Poeta e o Camponês”, ou Johann Strauss, “Marcha Radetsky” e as famosas valsas… Enfim, eram horas de gravações com variado e acessível repertório, que ouvíamos juntos…

Segue “Festival de Música Leggera”, da “Reader’s Digest”, com 12 LPs, 1961, que permitiu a tantos iniciarem-se no repertório clássico…

Nesta época, ocorriam os “Festivais da Record” e empolgava-nos aquela nova geração de músicos, com Chico Buarque e Nara Leão, Geraldo Vandré, Vinícius, Edu Lobo e Elis Regina; até Milton Nascimento, Caetano, Gil e os Mutantes, e por aí vai… Além disto, caminhando pela av. Osvaldo Aranha, ouvíamos, das lojas de discos e dos bares, a voz de Mick Jagger em “Satisfaction”, “California Dreamin” dos “The Mamas and the Papas”, ou “América” do musical de Bernstein. A indústria fonográfica proporcionava aquela explosão cultural, conectando e mudando o mundo…

Av. Osvaldo Aranha, bairro Bom Fim, com o Parque Farroupilha à esquerda e, à direita, tradicional comércio de Porto Alegre, RS. Datada do sec. XIX, a avenida foi embelezada com canteiros e palmeiras imperiais…

Época das primeiras “reuniões dançantes”, quando arriscávamos os primeiros passos, tocados por canções como “Sentado à beira do Caminho” e outras. Pouco depois, iniciaria os estudos de música, aos 14 anos…

Capa LP da gravação da “Orquestra Estatal da Ópera de Viena”, dirigida por Maurice Abravanel

Finalmente, perdi a inibição e tomei a iniciativa de ouvir LPs eruditos. À época, talvez algo incomum entre adolescentes… Assim, me encantei com o colorido sonoro da “Abertura 1812”, o toque de trompete que abre o “Capricho Italiano”, de Tchaikovsky, ou o vibrante fandango asturiano do “Capricho Espanhol” de Rimsky-Korsakov… E passei a ir na “Casa Beethoven” procurar partituras e, na “King’s Discos”, adquirir LPs, então, apresentando, a meu pai, obras que ele desconhecia…

“Belcea Quartet”

Assim, conheci as célebres sonatas “patética” e “ao luar”, com Walter Gieseking. Ou as sonatas para violino – “Primavera” e “Kreutzer” – com Yehudi e Hephzibah Menuhin. Claudio Arrau, no LP duplo de Liszt, com “Anos de Peregrinação”, “Ballades”, “Sonata em si menor” e outras… E tantas obras sinfônicas e corais, como o “Réquiem” de Mozart e cantatas de Bach… Até os quartetos de cordas de Beethoven, através da magnífica programação da “Rádio da Universidade”, divulgada diariamente pelo jornal “Correio do Povo”…

Radio da Universidade da UFRGS, inaugurada em 1950, operando na faixa de 1080 kHz AM. Localizada no “Campus Central da UFRGS”, centro histórico de Porto Alegre, RS

Segue “Adagio molto e mesto” do “Quarteto Razumovsky op. 59 n°1” de Beethoven, com “Belcea Quartet” …

Tivemos vida itinerante, dado a atividade de meu pai, militar formado em letras, que lecionou francês e português nos colégios militares de Curitiba, Recife e Porto Alegre. O que nos levou interagir com algumas diversidades regionais… E lembro, vagamente, de atravessarmos o pantanal mato-grossense, final dos anos 50, num trem em direção à Corumbá, onde moramos por um ou dois anos… E podem crer, à época, aquilo parecia bem distante e isolado. Lá, conhecemos o histórico “forte de Coimbra” e ouvimos relatos, tais como de sucuris que “visitavam” a pequena vila e, por vezes, adentravam as casas… O que nos levou refletir sobre o pioneirismo e contribuição de Villa-Lobos na projeção desta imensa diversidade, através de linguagem originalíssima, unificando e conectando o país…  

Seguem as “Bachianas Brasileiras n° 5” de Villa-Lobos,  com o soprano Ana Maria Martínez, direção de Gustavo Dudamel e a “Berliner Philharmoninker”…

Praia de “Boa Viagem”, Recife, PE, Brasil

E mais tarde, em férias, pudemos retornar à Recife e visitar o bairro Parnamirim, após 20 anos, onde passei a infância. Quando vivíamos na rua, subíamos em árvores para colher mangas e jambos, ou compartilhávamos as “festas juninas”, com suas quadrilhas, fogueiras e balões, hoje proibidos… Além do convívio amiúde com lagartixas e formigas saúva, abundantes na época, usando simples sandálias havaianas e, nos fins de semana, indo à belíssima “Boa Viagem”…

Integrantes do “Conjunto Farroupilha” (Tasso Bangel, Alfeu, Danilo, Estrela D’Alva e Inah) na BBC de Londres, onde teriam conhecido os “Beatles”.

Época em que emocionava-nos o alegre “Gaúcho de Passo Fundo” e a aterrorizante “Coração de Luto”, do compacto de Teixeirinha; os belos vocais do “Conjunto Farroupilha”; ou “Samba em Prelúdio” de Baden e Vinícius, e “Desafinado” de Tom Jobim… Imensa gama de descobertas e estilos…

Primeira experiência erudita, ao vivo, foi com o “2º concerto para piano” de Brahms, com solo de Jacques Klein. Obra desafiante, à época, que mais tarde descobri e me encantei… Ou o belo recital de Alicia de Larrocha, na reitoria da UFRGS, com peças de Manuel de Falla…

Também marcantes foram “Prelúdio e morte de Amor”, da ópera “Tristão e Isolda” de Wagner, e o “1º concerto” de Brahms, com Jean Louis Steuerman, ao piano. Obras fabulosas que conheci ao vivo e que muito me impressionaram, nas belas programações da OSPA… Nesta época, também a “Discoteca pública Natho Henn” disponibilizava amplo acervo aos aficionados e iniciantes de música. Daí a importância de políticas de estado no fomento e preservação da cultura…

Capa LP do “Concerto n° 1 para piano” de Brahms, com o argentino Bruno-Leonardo Gelber e “Munich Philarmonich Orchestra”, direção de Franz-Paul Decker.

Segue link do “Concerto n° 1 para piano” de Brahms, com Bruno-Leonardo Gelber, direção de Franz-Paul Decker e “Munich Philarmonich Orchestra” – “Grand prix du disque”, 1966… 

 

Segue “Mild und Leise” (cena final, “morte de Isolda”), da ópera “Tristão e Isolda” de Richard Wagner, com o soprano Nina Stemme… 

Emil Gilels, grande pianista russo

Outra escuta surpreendente foi a primeira audição da “Sagração da Primavera” de Stravinsky, inicialmente desconcertante, mas, nas audições seguintes, ganhando forma e sentido, na gravação de Pierre Boulez… Além da intensa emoção dos quartetos com piano de Schumann e Brahms, da sinfonia de Cesar Franck e a descoberta de “Reflets dans l’eau”  e do “Quarteto op. 10”, de Debussy e todo aquele universo sonoro… Ravel veio mais tarde, com as obras para piano e o fabuloso trio, dos concertos e “Daphnis e Chloé”…

Segue “Reflets dans l’eau”, Images vol.1, de Claude Debussy, com Emil Gilels…

 

À época, havia certo distanciamento – espécie de “apartheid” – entre os ambientes de música erudita e as demais atividades, fossem na escola, no dia a dia, nas amizades em geral e mesmo na televisão e no rádio… De outro, aproximei vários amigos adolescentes do repertório erudito. Alguns, inclusive, passaram a me acompanhar nos concertos da OSPA, onde faziam divertidas observações, fosse pelo repertório, fosse pelo ambiente e personagens, por vezes, um tanto excêntricos e frequentadores de tais espaços… Ou mesmo, quando me acompanharam no teste do Instituto de Artes, onde segui os estudos de piano – sem contar outras estripulias, de que vou me abster…

E novas emoções viriam com os recitais da associação “Pró Arte”, no antigo “Theatro São Pedro” e no “Teatro da Assembleia”, onde assistimos grandes nomes do piano brasileiro, como Antônio Guedes Barbosa, Arthur Moreira Lima e Nelson Freire, todos oferecendo variado repertório, de Bach, Mozart e Beethoven; passando por Chopin, Schumann, Brahms e Liszt; até Debussy, Ravel, Scriabin e Prokofiev. Sem esquecer Villa-Lobos e Ernesto Nazareth…

Nelson Freire e Martha Argerich, grandes pianistas e amigos fraternos. Nossa homenagem ao grande músico, referência internacional da cultura e do Brasil, que nos deixou recentemente…

Segue link de Nelson Freire, na “Melodia de Orfeu e Euridice”, de Gluck-Sgambati…

Com o tempo, o cinema aproximou a música erudita do grande público. Tivemos “2001, uma Odisséia no Espaço”, “Laranja Mecânica” e outros, de Stanley Kubrick; “Apocalipse now”, com música de Wagner; ou “Excalibur”, popularizando “Carmina Burana” de Carl Orff… Além de diretores como Bergman, Tarkovsky e Eisenstein. E descobrimos filmes da década de 50 e 60, como o lindo “Rapsódia”, com Elizabeth Taylor e Vittorio Gassman; ou “Sonho de Amor” e “À noite Sonhamos”, seguido do LP de Jose Iturbi, com música de Chopin… Além dos musicais e o mundo de Disney, com “Fantasia” e tantos desenhos cativantes…

Alfred Hitchcock e Bernard Herrmann

Especialmente empolgantes eram as trilhas sonoras originais, de filmes épicos e românticos, “western” e suspense, espionagem e outros, que nos fascinavam e aguçavam a imaginação… E a lista de compositores é imensa, desde Chaplin, Bernard Hermann, Richard Rogers, Morricone, Mancini, Miklós Rózsa, até John Williams, Maurrice Jarre, John Barry, Lalo Schifrin, Gabriel Yared e muitos outros…

Segue “Scene d’amour”, composta por Bernard Herrmann para o filme de Hitchcock, “Vertigo”, com a “Philarmonic de Los Angeles”, dirigida por Esa-Pekka Salonen…

Finalmente, a ópera e a descoberta do canto. De início, o canto coral é atividade muito gratificante, onde experimentamos os efeitos da harmonia, da polifonia e das cores vocais… E, depois, adentramos o repertório lírico e as grandes vozes… Assim, tivemos “Tannhauser” e “Lohengrin”, de Wagner, “Carmem” de Bizet, e “La Traviata” de Verdi, encenadas pela OSPA, nos anos 70…  Além do “Centro Musical da PUC”, que manteve, ao longo dos anos, uma variada programação com coro e orquestra…

Segue “Ah, dite alla giovine”, da ópera “La travita” de Verdi, com Ermonela Jaho (soprano) e Dmitri Hvorostovsky (barítono)…

Capa do “Réquiem” de Verdi, com Violeta Urmana (soprano) e direção de Semyon Bychkov

Numa época em que o acesso à literatura, às partituras e gravações era bem limitado e dispendioso, apenas com o tempo, à exemplo da antiga “Reader’s Digest”, surgiram novas coleções, mais acessíveis e disponibilizadas por editoras brasileiras, além de programas de televisão com excelente programação… Hoje, a internet mudou tudo e incrível acervo está disponibilizado em tempo real, levando à novas formas de fazer e ouvir música…

Por fim, compartilhamos trecho final da “Grande Missa de Réquiem”, de Verdi, cujo texto diz: “Libera me, Domine, de morte æterna, in die illa tremenda” (Livra-me, senhor, de morte eterna, naquele dia terrível), um dos monumentos da arte musical…

Seguem os dois links de “Libera me”, do “Réquiem” de Verdi, com Violeta Urmana (soprano) e direção de Semyon Bychkov. A gravação contou também com Olga Borodina (mezzo-soprano), Ramón Vargas (tenor) e Ferruccio Furlanetto (baixo), além da “WDR Sinfonieorchester Köln”, “WDR Runfunkchor Köln”, “NDR Chor” e “Chor des Teatro Regio Turin”…

~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~

Parabenizamos o P.Q.P. Bach pelos 15 anos de atividade!

“Música é vida interior. E quem tem vida interior, jamais padecerá de solidão.” (Artur da Távola)

Alex DeLarge

TRILHA SONORA DO BAILE DE DEBUTANTES DE PQP BACH – André Rieu (1949) – Valses

TRILHA SONORA DO BAILE DE DEBUTANTES DE PQP BACH – André Rieu (1949) – Valses

(São 20h, preparem-se para o Baile.

PQP vai debutar!)

IM-PER-DÍ-VEL !!!

Estava absorto em meio aos afazeres do meu trabalho, mas o telefone insistia em tocar. Não quis atender nas primeiras vezes, pois vinha com DDI de outro país.

“Deve ser trote, golpe”, pensei.

De tanto que o aparelho insistia em vibrar, parecendo uma tupia em cima da minha mesa, resolvi aquiescer aos caprichos do telemóvel. Atendi.

Monsieur Pequepê? – uma voz estranha perguntou.

– Pois não? É ele – respondi, sem muita empolgação.

– Je soube que o senhorr está completando quinze anôs de seu maraveilleuse blog! Prrecisamos fazer uma comemorraciôn desse début!

“O que é isso? O Jacquin me ligando?”, imaginei franzindo o cenho e tapando o fone do aparelho…

– Sim… Mas… Quem é que está falando?!

– André Rieu, monsieur Pequepê! Non está me reconociendo?

– Baaaah… (entre perplexo e incrédulo, só me sobrou a exclamação).

– Non se prreocupe, monsieur Pequepê! Je já preparrê uma prrogramaciôn muito especial parra essa data ton festiva! Te enviê algo mui adequado parra este début! Una fête com um reperrtórrio todo especial parra sus quinze anôs de blog! Monsieur merece um début em gran estilô!

Tu tu tu tu tu…

Rieu desligou todo empolgado.

Fiquei de boca aberta olhando para as prateleiras por um tempo. Situação estranha! Bah!

Depois, conferindo meus e-mails, eis que a “programaciôn especial” de Rieu estava na minha caixa de entrada. Como, embora temperamental, eu não gosto de fazer desfeitas, está aí o presente que Monsieur Rieu preparou para o PQPBach na nossa festa de debutante!

PQP, 15 anos! Quem diria…

André Rieu (1949)
Valses (1997)

Dmitri Shostakovich (1906-1975)
1. Valsa nº 2
John Strauss IIFranz Léhar –  Emmerich Kálmán
2. Como um espírito alegre – Danúbio Azul – Rosas do Sul – Sangue Vienense – Lábios em silêncio – Quero dançar – Rosas do sul
Johann Strauss II (1825-1899)
3. Sob Trovões y relâmpagos
Anton Karas (1906-1985)
4. O terceiro homem
Emmerich Kálmán (1882-1953)
5. Ven Zigány
Josef Strauss (1827-1870)
6. Andorinhas da Áustria
Franz Léhar (1870-1948)
7. Canção de Vilja
Johann Strauss II (1825-1899)
8. Vida de artista
9. Marcha persa
Ralph Benatzky (1884-1957)
10. Em um Cavalo branco
Rudolf Sieczynski (1879-1952)
11. Viena, Viena, somente tu
Ferry Wunsch (1901-1963)
12. Heut’ kommen d’Engelrn auf urlaub nach Wien
Ludwig Gruber (1874-1964)
13. Minha mãe era vienense
Johann Strauss II (1825-1899)
14. Rosas do Sul

Gravado na Espanha
Johann Strauss Orchestra
André Rieu, regente
1997 (CD)

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE (62Mb)
…Mas comente… Comemore conosco…

Bisnaga (pensaram que era o PQP? Enganei vocês)

Obrigado, Julio!

Obrigado, Julio!

Não que queiramos nos gabar ou provocar inveja em ninguém — até porque não é do nosso feitio –, mas ontem postamos justas e copiosamente homenagens a Astor Piazzolla.

Pois bem, e recebemos este comentário desde Buenos Aires:

Espero que a algún bloguero argentino se le ocurra hacer un homenaje a Ástor tan bueno como el de ustedes.
Un abrazo emocionado,

Juliowolfgang desde Buenos Aires (a diez cuadras del Abasto, donde vivió Gardel).

Tão chato ser gostoso.

(O pessoal da  PQP Bach Corp. agradece igualmente emocionada).

G.P. Telemann (1681-1767): A Tafelmusik completa

G.P. Telemann (1681-1767): A Tafelmusik completa

IM-PER-DÍVEL !!!

UM TREMENDO BANQUETE PARA OS AMANTES DO BARROCO! Tafelmusik significa “música para a mesa” ou “música para jantares”. Claro que estes concertos não foram escritos como fundo musical para os lanchinhos enjoativos do McDonalds, mas para ocasiões mais formais e de alto nível gastronômico. Trata-se de uma série de concertos para diferentes formações, cada um com personalidade própria. Uma espécie de Concertos de Brandemburgo de Telemann. Coisa de primeira linha e rara. Sim, pois não há muitas gravações completas de Tafelmusik de Telemann. Esta é muito especial. É realizada por um grupo de extraordinários músicos holandeses, daqueles dos quais se costuma dizer que tomam poucos banhos e andam sempre de sandálias com meias — o mais poderoso dentre os anticoncepcionais conhecidos — ou crocs.

Este grande trabalho foi um presente vindo de um antigo pequepiano português que nos mandou tudo organizadinho acompanhado da mensagem que segue. Muito obrigado, HB! Ficamos autenticamente comovidos!

Carta de Reconhecimento Eterno

Caríssimo PQP,

faz muito tempo que acompanho o seu blog desde Portugal. Descobri-o através de um amigo que me falou nele pouco tempo depois de ter iniciado. Havia acabado a universidade. À época, eu próprio tinha um blog de partilha de música, mas não com a dimensão pantagruélica do PQP. Escrevo porque queria expressar o meu agradecimento pelo vosso trabalho. Há quase dez anos, senão mais, já não sei, que tenho o ritual diário de ir ao PQP. Os excelentes textos que acompanham a música são sempre rastilho e combustível para o dia. Já me surpreendi rindo alto lendo alguns deles. Enfim, todo o dia me é oferecido algo, sem pedir nada, apenas que desfrute ou deixe comentário. Devo reconhecer que não sou um prolífico comentador, e por isso me penitencio. Mas meu agradecimento é eterno e gostaria que fosse concreto, e nessa medida pagarei com amor o amor que o PQP me devotou. Assim, envio uma obra de que gosto muito, a Tafelmusik do Telemann, numa caixa de 4cd da Brilliant Classics. Confesso que não sei em pormenor a história da gravação desta obra. Não faço ideia do valor desta versão, se é pior ou melhor do que outras. Sei que foi a primeira que adquiri, pelo valor baixo da compra, mas igualmente porque me apercebi do próprio valor da Brilliant Classics. Neste particular, deixo pois para vocês o texto final.

Acabo dizendo a todos que foram, e têm sido importantes na minha educação musical, e por isso vos agradeço lamentando ser incapaz de vos corresponder a essa eterna dádiva. Terão de se contentar com o meu igualmente eterno agradecimento… e uns cds do Telemann.

Abraço de Portugal

H.

G.P. Telemann (1681-1767): A Tafelmusik completa

Disc: 1

1. Overture, suite for 2 flutes, strings & continuo in E minor (Tafelmusik I/1), TWV 55:e1: Ouverture (Lentement – Vite – Lentement – Vi
2. Overture, suite for 2 flutes, strings & continuo in E minor (Tafelmusik I/1), TWV 55:e1: Réjouissance
3. Overture, suite for 2 flutes, strings & continuo in E minor (Tafelmusik I/1), TWV 55:e1: Rondeau
4. Overture, suite for 2 flutes, strings & continuo in E minor (Tafelmusik I/1), TWV 55:e1: Loure
5. Overture, suite for 2 flutes, strings & continuo in E minor (Tafelmusik I/1), TWV 55:e1: Passepied
6. Overture, suite for 2 flutes, strings & continuo in E minor (Tafelmusik I/1), TWV 55:e1: Air. Un peu vivement
7. Overture, suite for 2 flutes, strings & continuo in E minor (Tafelmusik I/1), TWV 55:e1: Gigue

8. Quartet for flute, oboe, violin & continuo in G major (Tafelmusik I/2), TWV 43:G2: Largo – Allegro – Largo
9. Quartet for flute, oboe, violin & continuo in G major (Tafelmusik I/2), TWV 43:G2: Vivace – Moderato – Vivace
10. Quartet for flute, oboe, violin & continuo in G major (Tafelmusik I/2), TWV 43:G2: Grave
11. Quartet for flute, oboe, violin & continuo in G major (Tafelmusik I/2), TWV 43:G2: Vivace

12. Concerto for flute, violin, cello, strings & continuo in A major (Tafelmusik I/3), TWV 53:A2: Largo
13. Concerto for flute, violin, cello, strings & continuo in A major (Tafelmusik I/3), TWV 53:A2: Allegro
14. Concerto for flute, violin, cello, strings & continuo in A major (Tafelmusik I/3), TWV 53:A2: Grazioso
15. Concerto for flute, violin, cello, strings & continuo in A major (Tafelmusik I/3), TWV 53:A2: Allegro

Disc: 2

1. Trio for 2 violins & continuo in E flat major (Tafelmusik I/4), TWV 42:Es1: Affetuoso
2. Trio for 2 violins & continuo in E flat major (Tafelmusik I/4), TWV 42:Es1: Vivace
3. Trio for 2 violins & continuo in E flat major (Tafelmusik I/4), TWV 42:Es1: Grave
4. Trio for 2 violins & continuo in E flat major (Tafelmusik I/4), TWV 42:Es1: Allegro

5. Solo (Sonata), for flute & continuo in B minor (Tafelmusik I/5), TWV 41:h4: Cantabile
6. Solo (Sonata), for flute & continuo in B minor (Tafelmusik I/5), TWV 41:h4: Allegro
7. Solo (Sonata), for flute & continuo in B minor (Tafelmusik I/5), TWV 41:h4: Dolce
8. Solo (Sonata), for flute & continuo in B minor (Tafelmusik I/5), TWV 41:h4: Allegro

9. Sinfonia (Conclusion) for 2 flutes, 2 oboes, bassoon, strings & continuo in E minor (Tafelmusik I/6), TWV 50:5

10. Overture, suite for trumpet, oboe, strings & continuo in D major (Tafelmusik II:1), TWV 55:D1: Ouverture (Lentement – Vite – Lentemen
11. Overture, suite for trumpet, oboe, strings & continuo in D major (Tafelmusik II:1), TWV 55:D1: Air. Tempo giusto
12. Overture, suite for trumpet, oboe, strings & continuo in D major (Tafelmusik II:1), TWV 55:D1: Air. Vivace
13. Overture, suite for trumpet, oboe, strings & continuo in D major (Tafelmusik II:1), TWV 55:D1: Air. Presto
14. Overture, suite for trumpet, oboe, strings & continuo in D major (Tafelmusik II:1), TWV 55:D1: Air. Allegro

Disc: 3

1. Quartet for 2 flutes, recorder, bassoon (or cello or recorder) & continuo in D minor (Tafelmusik II/2), TWV 43:d1: Andante
2. Quartet for 2 flutes, recorder, bassoon (or cello or recorder) & continuo in D minor (Tafelmusik II/2), TWV 43:d1: Vivace
3. Quartet for 2 flutes, recorder, bassoon (or cello or recorder) & continuo in D minor (Tafelmusik II/2), TWV 43:d1: Largo
4. Quartet for 2 flutes, recorder, bassoon (or cello or recorder) & continuo in D minor (Tafelmusik II/2), TWV 43:d1: Allegro

5. Concerto for 3 violins, strings & continuo in F major (Tafelmusik II/3), TWV 53:F1: Allegro
6. Concerto for 3 violins, strings & continuo in F major (Tafelmusik II/3), TWV 53:F1: Largo
7. Concerto for 3 violins, strings & continuo in F major (Tafelmusik II/3), TWV 53:F1: Vivace

8. Trio for flute, oboe & continuo in E minor (Tafelmusik II/4), TWV 42:e2: Affetuoso
9. Trio for flute, oboe & continuo in E minor (Tafelmusik II/4), TWV 42:e2: Allegro
10. Trio for flute, oboe & continuo in E minor (Tafelmusik II/4), TWV 42:e2: Dolce
11. Trio for flute, oboe & continuo in E minor (Tafelmusik II/4), TWV 42:e2: Vivace

12. Solo, for violin & continuo in A major (Tafelmusik II/5), TWV41:A4: Andante
13. Solo, for violin & continuo in A major (Tafelmusik II/5), TWV41:A4: Vivace
14. Solo, for violin & continuo in A major (Tafelmusik II/5), TWV41:A4: Cantabile
15. Solo, for violin & continuo in A major (Tafelmusik II/5), TWV41:A4: Allegro

Disc: 4

1. Overture, suite for 2 oboes, 2 violins, strings & continuo in B flat major (Tafelmusik III/1), TWV 55:B1: Ouverture (Lentement – Pres
2. Overture, suite for 2 oboes, 2 violins, strings & continuo in B flat major (Tafelmusik III/1), TWV 55:B1: Bergerie (un peu vivement)
3. Overture, suite for 2 oboes, 2 violins, strings & continuo in B flat major (Tafelmusik III/1), TWV 55:B1: Allegresse (vite)
4. Overture, suite for 2 oboes, 2 violins, strings & continuo in B flat major (Tafelmusik III/1), TWV 55:B1: Postillons
5. Overture, suite for 2 oboes, 2 violins, strings & continuo in B flat major (Tafelmusik III/1), TWV 55:B1: Flaterie
6. Overture, suite for 2 oboes, 2 violins, strings & continuo in B flat major (Tafelmusik III/1), TWV 55:B1: Badinage (très vite)
7. Overture, suite for 2 oboes, 2 violins, strings & continuo in B flat major (Tafelmusik III/1), TWV 55:B1: Menuet

8. Quartet for flute, violin, cello & continuo in E minor (Tafelmusik III/2), TWV 43:e2: Adagio
9. Quartet for flute, violin, cello & continuo in E minor (Tafelmusik III/2), TWV 43:e2: Allegro
10. Quartet for flute, violin, cello & continuo in E minor (Tafelmusik III/2), TWV 43:e2: Dolce
11. Quartet for flute, violin, cello & continuo in E minor (Tafelmusik III/2), TWV 43:e2: Allegro

12. Concerto for 2 horns, strings & continuo in E flat major (Tafelmusik III/3), TWV 54:Es1: Maestoso
13. Concerto for 2 horns, strings & continuo in E flat major (Tafelmusik III/3), TWV 54:Es1: Allegro
14. Concerto for 2 horns, strings & continuo in E flat major (Tafelmusik III/3), TWV 54:Es1: Grave
15. Concerto for 2 horns, strings & continuo in E flat major (Tafelmusik III/3), TWV 54:Es1: Vivace

16. Trio for 2 flutes & continuo in D major (Tafelmusik III/4), TWV 42:D5: Andante
17. Trio for 2 flutes & continuo in D major (Tafelmusik III/4), TWV 42:D5: Allegro
18. Trio for 2 flutes & continuo in D major (Tafelmusik III/4), TWV 42:D5: Grave – Largo – Grave
19. Trio for 2 flutes & continuo in D major (Tafelmusik III/4), TWV 42:D5: Vivace

20. Solo, for oboe & continuo in G minor (Tafelmusik III/5), TWV 41:g6: Largo
21. Solo, for oboe & continuo in G minor (Tafelmusik III/5), TWV 41:g6: Presto – Tempo giusto – Presto
22. Solo, for oboe & continuo in G minor (Tafelmusik III/5), TWV 41:g6: Andante
23. Solo, for oboe & continuo in G minor (Tafelmusik III/5), TWV 41:g6: Allegro

24. Conclusion, sinfonia for 2 oboes, strings & continuo in B flat major (Tafelmusik III/6), TWV 50:10

Wilbert Hazelzet transverse flute
Rémy Baudet violin
Jaap ter Linden cello
Musica Amphion
Pieter-Jan Belder harpsichord and concert master

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

Dimensões pantagruélicas é com a gente mesmo!
Dimensões pantagruélicas é com a gente mesmo!

PQP

P.Q.P.!!! DEZ anos de PQP!!!

Só agora — dia 14, 17h45 — vi esta postagem comemorativa preparada pelo Bisnaga. Ela ficará fixada no topo do blog no dia de hoje. Bem, como o grupo me chama de sumo-sacerdote, escrevo no topo da postagem-topo de hoje. Sou um chefe muito liberal, mas hoje vou tomar a precedência na marra. Confirmo o que o Bisnaga dirá a seguir: jamais imaginaria que nosso blog chegaria aos dez anos. É claro que era feriado no dia 15 de novembro de 2006. Naquela manhã, resolvi que abriria um repositório de música e o nome foi decidido em um minuto: eu seria o filho bastardo de Bach, PQP, irmão de CPE, WF, JC e outros dezessete. Nunca quis que este fosse um blog pessoal do gênero “eu e a música”. Tenho gostos muito pessoais e não desejava impô-los. E comecei a convidar amigos. Acho que FDP entrou ainda em 2006. Fazia apenas duas exigências: (1) que cada postagem tivesse uma explicação, uma espécie de curadoria que dissesse o que estava sendo postado, se prestava ou não e (2) que utilizássemos um tom leve, nada pomposo. Em meados deste ano, ameacei fechar o blog. A reação foi algo inesquecível. Só faltaram ameaças de morte ou suicídio. Eu simplesmente não podia fechar o blog. Parecia o poema de Drummond, as pessoas estavam desfechando tiros no peito, do meu quarto ouvia a fuzilaria. Pum pum pum, adeus, enjoado. Eu vou, tu ficas, mas nos veremos, seja no claro céu ou turvo inferno. OK, esqueçam isto. Saibam que conseguimos: a gente se diverte fazendo o PQP. Temos ideologia: a arte é filha da criatividade, da habilidade, do conhecimento, da inteligência e do artifício. E todos estes itens guardam parentesco maior com a alegria do que com a sisudez. Então sigamos assim, postando com bom humor e irreverência porque lá fora tá foda.

E agora, com vocês, Bisnaga.

TOQUEM AS TROMBETAS! RUFEM OS TAMBORES! PQP BACH ESTÁ COMPLETANTO DEZ ANOS!!!
TOQUEM AS TROMBETAS! RUFEM OS TAMBORES! PQP BACH ESTÁ COMPLETANTO DEZ ANOS!!!

Peguei uma postagem de 2011 e escrevo novamente sobre ela: naquele ano, o PQP.Bach estava fazendo 5 anos, era uma criança, agora chegou a festa de aniversário de DEZ anos: já é pré-adolescente…

No mesmo auspicioso dia de 15 de novembro, no quase-longínquo ano de 2006, o chefe e sumo-sacerdote deste blog lançava a semente deste que — duvido que ele imaginava — seria um dos maiores repositórios de música clássica de toda a esfera terrestre. Hoje o P.Q.P. Bach, imenso de quantidade, mas muito mais em qualidade, está sua décima aniversagem!

O projeto inicial de Peter Qualvoll Publizieren Bach (ou só P.Q.P. Bach), como ele mesmo dizia, “de polinizar beleza pela blogosfera e suas margens”, cresceu e ganhou adeptos. Talvez ele nem imaginasse a que tamanho a coisa ia chegar.

Atualmente (isso em 2011) o site conta com 13 membros: ao P.Q.P se uniram os amigos/parentes Clara SchumannF.D.P. Bach, C.D.F. Bach e filhos renegados ou amados de outros brilhantes compositores, como Cícero Villa-Lobos (Ciço para os íntimos – nós – , ou só C.V.L.) e Marcelo Stravinsky (que chamamos aqui pelo apelido do da pelada de fim-de-semana: Strava); depois vieram o misterioso Blue Dog e os filósofos e pensadores, como o Monge Ranulfus, o professor latino Carlinus e o Mestre Avicenna; e, por fim (em 2011, gente…), chegaram outros contribuintes ao blog com suas belas coleções: Gabriel della Clarinet, Itadakimatsu, Raphael Cello e este Bisnaga que vos escreve a missiva.

De 2011 para cá, ganhamos novos reforços no time: o divertido Das Chucruten, o genial Vassily Genrikhovich, o Well Bach – um cara que entende mesmo de música – e o superdotado caçula (de tempo e de idade) da turma, Luke de Chevalier.

Alguns colegas não puderam nos acompanhar por mais tempo: Clara Schumann (temos remorsinho dela, que partiu sem deixar notícias e apagou as postagens…). CDF, CVL, Strava e Blue Dog, Gabriel, Raphael Cello, Chucruten e Vassily foram engolidos pelos afazeres da vida mundana e nos deixaram imensas saudades (ainda temos contato com eles) e muitas e belas postagens no ar. Eu (Bisnaga) e Itadakimatsu estamos parados (eu mesmo não consigo postar nada desde abril…), enroscados, mas sempre prometendo voltar: juramos de pés juntos que não abandonamos a blogosfera. De repente vocês vêem algum rompante de postagem de nossa parte. Quem está segurando mesmo o rojão é o pai-mestre-chefe-sumo-sacerdote PQP, o meninão Luke, FDPAvis, Ranulfus e Carlinus

Essa equipe, hoje pela manhã (dia 15 de novembro de 2016), com quem ficou e quem saiu, já tinha assinado nada menos 4.584 postagens que vão do erudito ao jazz, passando por uma imensa gama de influências dos ritmos e estilos populares na música.

A participação dos internautas apresenta-se em 35.048 comentários. Até este dia (às 11h da manhã), o número dos que visitaram o blog atingia, desde novembro de 2006 até a mudança de domínio em 2012, a singela conta de 3.254.118 acessos e, desde que passamos para o Sul21, somamos mais 2.895.797 acessos, ou seja, já contamos, em nossa trajetória, mais de 6 MILHÕES de usuários (IP’s) diferentes.

Esses internautas são amantes da música erudita/instrumental de 192 países, de todos os continentes. Sim, a maioria é de brasileiros, mas os estrangeiros respondem por 31% dos acessos, com certeza, não entendendo nada das gírias e expressões que utilizamos, pois não fazemos questão nenhuma de postar em outra língua que não seja o belo e melodioso português.

Sem preconceitos para com a música de lá ou de cá, desta época ou de períodos anteriores, as postagens trazem nada menos que 1.526 compositores de todas as partes do globo, do século XII até a atualidade, que são contemplados neste espaço.

Com tanta coisa aqui no P.Q.P. Bach, só posso dizer: Aproveite! Ouça! Deleite-se!

TOQUEM AS TROMBETAS! RUFEM OS TAMBORES! PQP BACH ESTÁ COMPLETANTO DEZ ANOS!!!
Bach, o pai, o inspirador: fodão!

Bisnaga

Comentário do PQP em 2012:
Um pequeno adendo de PQP Bach: o blog teve um ano e meio de blogspot antes do opsblog. A contagem do Bisnaga não tem os números do blogspot que, aliás, nem eu tenho. O número de 3 milhões são de visitantes únicos e não de page views, OK? O que me deixou abobado foi o número de 847 compositores! Ah, tenho que colocar contadores decentes no blog, mas dá uma preguiça fazer essas coisas… É muito melhor ouvir música.

Muito obrigado pelo belíssimo comentário

Muito obrigado pelo belíssimo comentário

mpCaro (a) mantenedor (a) do PQP Bach

Abaixo vai meu agradecimento por manter esse blog. Agradecimento em forma da história da música em minha vida.

Estimulado a ler, me lembro de ir, ainda garotinho, década de 70, ir com minha mãe à livraria comprar um livrinho de “estória”, eu lia tudo que aparecia: mesmo que não entendesse o que significava, ainda assim eu lia; com uns 6 ou 7 anos eu me lembro de ler os cadernos do meu tio que estava no “ginásio”, em particular lembro-me de ter lido um trabalho sobre “fósseis”, a ilustração era feita à mão livre usando canetas BIC nas cores azul, vermelho e verde.

A música tinha reprodução difícil e só havia LP’s com custo alto e eu não tinha acesso livre a eles. Ganhei um toca-discos verde, portátil, da Sonata, com alguns disquinhos coloridos de “estória” infantil, mas eu queria escutar aqueles discos pretos que não me deixavam colocar as mãos; aqueles eram discos de MPB de época, Fado e congêneres, hoje sei que de “clássicos” nada havia. E assim a música ficou meio que latente, suprimida mesmo, em mim.

Não sei onde escutei, imagino que na televisão, uma música “mágica”, que me encantou de um jeito que seus acordes não me saiam da cabeça. Lembro de cantarolar o um pequeno trecho dessa música linda, em uma língua da qual nada entendia, e dela não sabia nem o nome. Essa música era tão intensa, rica em sons que expandiam em minha mente, eu me sentia tão bem quando lembrava dela, e eu tinha sede de escutá-la novamente: recordo-me de ter cantarolado para algumas pessoas o único trechinho que eu sabia, na esperança de alguém me dizer o nome, mas não tive êxito. A única palavra mais clara que “saia” no cantarolar era “Aleluia”, e pelo ritmo, ninguém soube me dizer. Nessa época eu tinha entre 7 e 8 anos pois recordo-me de ter feito a Primeira Comunhão sem dela nada saber. Cheguei a perguntar à professora de Catecismo, mas ela disse não saber do eu falava. Se a palavra central era “Aleluia” imaginei que alguém na Igreja me diria que de se tratava, mas os esforços foram em vão. Na época já havia fitas K7, mas eu não tinha nem toca fitas em casa.

Quando eu tinha 12 anos de idade, era 1985, assisti na TV um filme chamado “O enigma da Pirâmide” e, em uma certa cena do filme, uma música “toucou” e eu fiquei abalado. O que era aquilo? Que música era aquela que jamais houvera escutado, mas que me causava tanta emoção?! Ninguém soube me dizer nada sobre aquele som.

Tudo que eu sabia daquelas duas músicas era que provavelmente aquilo era “música clássica” e nada mais, até que em 1995 a revista Caras lançou uma coletânea de música clássica em CD’s, e eu mesmo sem ter um “toca CD’s” comprava as revistas só pra poder conseguir os CD’s onde poderia estar o que eu tanto procurava. Quando um bom tempo depois comprei um aparelho para escutar os CD’s, finalmente descobri qual era aquela primeira música que me encantou, era o Coro de Aleluia, do Messias, de Handel. Chorei como uma criança ao escutar aquela música que houvera habitado em minha lembrança por tantos anos. Escutei aquilo por dezenas de vezes. Descobri que havia sutis diferenças na mesma peça se tocada por diferentes orquestras; é que “Aleluia” veio gravada nos CD’s 2 e 8 da coletânea Caras: sob a direção de Von Cammus pela Orquestra da Rádio de Berlim e pela orquestra de Praga, por Randell Gork-Choken.

Reconheci algumas outras coisas das quais não sabia o nome como a “Privavera” de Vivaldi, “Danúbio Azul” de Strauss, “chegada dos convidados” e “Cavalgada das Valquírias” de Wagner e a “Dança Germânica op33” de Schubert, entre outras coisas. Só tempos depois fui me dando conta que eu “re”conhecia aqueles sons por eu, em busca das canções da infância, ter passado a prestar atenção em trilhas sonoras de filmes e tudo mais que aparecia na TV, única fonte de informação na época. Em 1999 uma loja de CD’s, do interior de MG onde morava, fez uma “banca de ofertas” daquilo que estava “encalhado” e eu comprei da Deutsche Grammophon um CD do Ravel com seu fabuloso “Bolero”.

Mas, só em 2001 quando tive acesso à internet, eu consegui descobrir a segunda música da infância; aquela do filme “o enigma da pirâmide”, e aquela música mágica era parte de uma obra maior que me inebriou e que tornou-se um “amor”. A música do filme era um trecho de “O fortuna” de Carmina Burana, do Orff. Procurei a história da obra e descobri que a origem dessa obra de Orff eram os manuscritos medievais: e, quando conheci as músicas antigas e medievais eu me apaixonei de modo febril e crônico e, desde então, não parei mais de baixar músicas. E, quando em 2004 consegui entrar pra universidade, o conhecimento de história, sociologia e tudo mais adquirido de modo intuitivo na internet foi tomando forma através de um estudo mais sistematizado me abriu definitivamente os sentidos para uma face do mundo que eu só imaginava existir.

Escrevi esse relato como uma forma de dizer que a pessoa que mantém esse blog presta um grande serviço à humanidade e aos “espíritos” que nela habitam na forma de pessoas que, apesar de não terem tido esse conhecimento posto em seu processo educacional, ainda assim, têm a chance de conhecer obras fabulosas como as aqui postadas.

Att
Renato Scortegagne

Diretamente da África do Sul

Um dos privilégios em postar no PQPBach é receber mensagens que nos faz encher o peito de orgulho do trabalho realizado.
Thank you, Jan, for your kind message. I want to share this gift with all members of our blog.

THANK YOU!

Avicenna

Avicenna

Greetings from South Africa….Remember, I am the happiest Carlos Gomes Fan, since you introduced me. Now you pushed me into heaven with Nunes Garcia. What an elegant composer, so much Romantic before the actual Romantic area began!! After the first notes of the Te Deum I am already totally ‘hooked”. It seems your country (and South America) is so very rich in musical treasures the world does not know about. You efforts to bring these treasure to a wider audience deserves a Musical Nobel Prize. You make a lot of people very happy (even if some won’t bother to say “Thanks”, they still enjoy it I guess…lol) and I am one of these lucky guys!! I understand the demand for Callas, Mozart and other mainstreamers, so I think it’s even more important to never forget the lesser known composers… THANK YOU!!

Jan

Jan, you can get more info on Nunes Garcia, in English, at: http://www.josemauricio.com.br/

P.Q.P.Bach na Revista Concerto

Meus caros, P.Q.P.Bach está conhecido no meio especializado! Seu trabalho de polinização da beleza pela blogosfera e arredores tem dado frutos. O reconhecimento e a fama vieram por conseguinte.

Esse mês, na reportagem da Revista Concerto, o blog foi citado na reportagem de capa. Estamos lá, ó:
.

QUEM TEM MEDO DE MÚSICA CLÁSSICA?

(…) E se por algum motivo não for possível se aproximar do universo clássico indo a apresentações ao vivo? Como alguém interessado no assunto poderia se aprofundar? Em primeiro lugar, dispomos em São Paulo (e, pela internet, em todo o Brasil) de uma rádio dedicada exclusivamente à música clássica, a Rádio Cultura FM (103,3 MHz ou www.culturafm.cmais.com.br). Emissora sustentada pelo governo do estado, a Cultura FM transmite uma programação diversificada que vai de programas introdutórios a difusão de concertos completos, 24 horas por dia. No Rio de Janeiro, a rádio MEC FM (989 MHz ou vvvv.radiomec.com.br), hoje filiada à estatal EBC (Empresa Brasil de Comunicação), cumpre papel análogo. Outra grande fonte de informações e oportunidades para um contato mais estreito com a musica de concerto é oferecida pela internet. Hoje, praticamente qualquer peça pode ser encontrada e, em parte, ouvida no YouTube. O mesmo acontece se a busca for sobre determinado intérprete, vivo ou morto. Aqui, contudo, o que geralmente se vê são pequenos trechos sem contextualizações adequadas. Outra boa pedida são sites e blogs especializados, como os estrangeiros Classical Archives (classicalarchives.com) ou Classics Online (classicsonline.com), nos quais é possível escutar peças e ler textos sobre determinado compositor ou obra. Ouvir 30 segundos de cada composição é gratuito, mas com uma assinatura mensal (que gira em torno de USS 7) é possível ter acesso a qualquer CD na íntegra.Há ainda a opção de compra de determinadas faixas ou álbuns, ‘independentemente de assinatura.

Já no caso dos blogs, existem boas opções em português e que disponibilizam algumas preciosidades em áudio. Vale a pena visitar o Música Sacra e Profana Brasileira (http://musicasacrabrasileira.blogspot.com.br), o Brazilian Concert Music (http://musicabrconcerto.blogspot.com.br) ou o P.Q.P.BACH (http://www.sul21.com.br/blogs/pqpbach).

[e ainda citou blogs que admiramos: MSPB e MBC…]

(…) Para todas essas opções que excluem a experiência do “ao vivo”, deve-se atentar, contudo, para um detalhe importante: a qualidade do som. Se hoje, por um lado, há muito mais possibilidades de contato com o universo da música clássica por meios de reproduções mecânicas e/ou digitais, por outro a qualidade do som não deve ser desprezada, já que é fator fundamental para se ouvir musica clássica (e especialmente sinfônica). Não é qualquer pequena caixa de som ligada a um tocador de MP3 que dará conta de uma sinfonia de Mahler, por exemplo, o mais provável é que o ouvinte fique enfadado ao ouvir um som achatado, uma massa sonora pouco discernível e um tanto irritante.

Morreremos felizes

Comentário que apareceu neste post. Nossa equipe de postadores compulsivos pode morrer feliz. Vamos ao Paraíso, onde teremos tantas virgens que até os muçulmanos nos invejarão.

Meu caro PQP

Fosse eu um ilustrado escritor e teria forma de expressar toda a gratidão e reconhecimento pelo seu trabalho em prol, não só da cultura musical de todos nós, mas também do meu melómano prazer, mania até!

Sendo apenas um “irmão” de pátria-lingua deixo aqui o meu esforçado testemunho de tudo o que referi.

Aqui em Angola, infelizmente, ainda não chegou a vez da Cultura, a cultura (de semear) as mentes e as Almas. Ainda estamos no materialismo básico da escola, do hospital, da estrada, do matar a fome, do tirar da miséria. O materialismo impulsivo da compra ainda nao está disponivel (Bem Haja!). Por isso fica minha consciencia aliviada por me ter tornado, com sua preciosa colaboração, num pirata culto-cibernético…

No entanto, sempre que posso e me encontro em frente aquelas deslumbrantes estantes dos livros e dos CD’s do chamado Mundo Desenvolvido – uma das ultimas a magnifica “biblioteca de Alexandria” da Leitura em São Paulo – babo-me de deleite e prazer e contribuo para os criadores comprando livros e cd’s.

Meu caro Amigo – Amigo, pois faz muito mais por mim do que muitos dos que se intitulam “amigos” – no que de mim depender terá o seu lugar assegurado no Nirvana, no Paraíso ou em qualquer outro Refugio Final que for do seu agrado ou conveniência. Serei sua testemunha abonatória… E mais não lhe consigo dizer.

Alexandre Sines Fernandes

PQP

Também estamos no Clarín, de Buenos Aires – Sobre literatura, formatos, plágio, difusão, direitos, cópias…

De Marcos Mayer

Stevenson contaba la historia de un mendigo, de quien casi se había hecho amigo, que siempre le pedía libros de poesía y rechazaba sistemáticamente novelas y cuentos. Pese a la pasión del hombre, no podía evitar la sospecha de que en realidad no comprendía el verdadero sentido de las palabras que se leía en voz alta a sí mismo, sino que se dejaba llevar por los sonidos, las reiteraciones, las palabras difíciles. Y luego de contar este episodio, Stevenson concluía que el caso era más habitual de lo que podría suponerse. Hombre abierto como pocos a las experiencias ajenas, percibía que la lectura en silencio no es el único destino posible de la literatura, aunque probablemente sea el mejor camino para desentrañar sus sentidos. Lo que le quedaba claro era que había en ese transcurrir en voz alta un aspecto festivo del relato, del que ciertamente sacó buen provecho durante su estadía en Samoa, cuyos habitantes lo bautizaron como “Tusitala”, el contador de historias.

Es decir que hay un modo de vida de lo literario, que lleva ya casi dieciocho siglos, si se cree el testimonio de San Agustín de que fue San Ambrosio quien inauguró la costumbre de leer para uno mismo. Y otro, que es a la vez regreso de lo antiguo, de la reunión en que los relatos pueden decirse y circular de modo comunitario y que tiene que ver con las experiencias que anuncia el FILBA-Festival Internacional de Literatura- que además, desde su mismo título, promete ser un espacio vinculado al barullo y a la fiesta, a diferencia de los encuentros y congresos que postulan que de toda biblioteca –aquel lugar donde la norma es el silencio- sólo se sale provisoriamente.

La costumbre de los festivales se va difundiendo por el mundo –acaba de tener lugar en Alemania el Mord am Hellweg (algo así como Asesinato en el riel) una celebración multitudinaria del relato policial, que reúne en una serie de lecturas públicas ( a un costo de diez euros cada una) de varios días bastante más de tres mil personas, o sea el equivalente de una tirada optimista de un libro nacional, además del cervantino que se celebra en Guadalajara, o el que se reúne en la pequeña ciudad galesa de Hay, según la leyenda el lugar con más librerías del planeta por metro cuadrado.

Pero también los festivales tienen que ver con un estado de cosas actual en el que ya no parecería posible seguir pensando la circulación de la palabra escrita en un formato único. Y es por eso que en la programación del festival porteño, como una derivación lógica de las cosas, por un lado aparecen las reflexiones sobre lo literario, pero en paralelo y de manera asistemática –como debe ser- cuestiones centrales que tienen que ver con el cuerpo de autores y lectores –lo concreto, lo contundente- y lo virtual –el ciberespacio.

De allí que se hable mucho de viajes, de experiencias de autores y de blogs, todos temas que están lejos de estar zanjados.

Parecen haber pasado siglos desde que Michel Foucault festejara la “muerte al autor” y en las facultades se penara casi hasta la excomunión confundir narrador –una función dentro del texto- con autor-sujeto de existencia improbable, en verdad una construcción del texto. Hoy hay una demanda de que salga el autor y los festivales, que mucho tienen de teatral –en el buen y en el mal sentido-, saben que no hay escena sin un caballero o una dama que acepte el papel y lo encarne con la mayor enjundia. El autor ya no es sólo el guardián del sentido último de su libro, su mejor exegeta, sino alguien a quien se le pide que confiese sus debilidades personales, cuente los secretos de su oficio, y trace al mismo tiempo un mapa inteligible del mundo. El autor es garantía de que la literatura sigue perteneciendo al mundo de lo social. A él apuestan editores, agentes de prensa y, por supuesto, organizadores de festivales. No se trata, sin embargo, de un star system escritural, aunque muchas veces lo parezca y a pesar de que participe de los fatigosos rituales de la celebridad que asolan otros ámbitos. Sino que en un mundo donde la circulación de discursos es cada vez más alucinada e incontrolable, el autor, alguien con rostro, cuerpo, hábitos, una biografía, se hace una parada imprescindible. Con menos prensa, los lectores también son figuras necesarias, contraseñas de la pertenencia a lo humano y por lo tanto también se habla de ellos, no sólo como oficiantes del rito de acercarse a los textos sino también en sus otros anclajes con el mundo.

La red ha puesto sin dudas a la literatura en una zona de barullo. En dos cuestiones principales que aparecen como temáticas del FILBA: el plagio y los blogs. Internet ha amplificado las partes débiles de la idea de propiedad intelectual. Por una parte, ha puesto al alcance de manera gratuita, o casi, textos, músicas, cuadros, a los cuales antes sólo podía accederse mediante el dinero o con altos grados de dificultad. La red es una especie de reserva a la que se puede saquear en la mayoría de los casos impunemente. Por otro lado multiplica sin jerarquizar, todo se baraja de nuevo y cualquier cosa puede parecerse a cualquier otra. Lo que facilita la postulación de similitudes entre objetos, en los que el plagio es en ocasiones una constatación, entre otras una sospecha y en muchas una calumnia. Lo cierto es que como se decía antes que alguien pensaba con la ventana abierta, hoy puede decirse que muchos escriben sin desconectarse de la red. Hoy, el plagio oscila entre la epidemia, el pequeño delito, el avasallamiento (muchas veces inconsciente) de las propiedades intelectuales y la difamación.

Los ruidos que trae el blog son de otra índole. Es sin dudas, un nuevo medio de comunicación, lo cual hace un poco incomprensible su descalificación, como la emprendida por Horacio González y José Pablo Feinmann, salvo que se suponga que estos tiempos son incorregibles y que esa cualidad se contagia a todo lo que generan. Lo cierto que, pensado en términos literarios, los blogs abren una dimensión que tal vez no se encuentre en aquellos sitios que se proclaman como tales. Por cierto, hay muchos escritores que tienen su blog donde se puede acceder a sus works in progress. Otros, como ha sido el caso de Marcelo Figueras en El año que viví en peligro han ido posteando los textos que, se sabía de antemano, irían a desembocar en un libro. Uno diría que aquí se trata de casos de simple cambio de formato, como las novelas con e-mails que pretenden reemplazar a las epistolares.

Pero si, por ejemplo, hacemos una parada en el blog brasilero PQP Bach y cliqueamos sobre los datos del autor, encontraremos la siguiente reseña: “Como decía Tolstoi, las familias son infelices cada una a su manera. La de Johann Sebastian Bach fue feliz hasta el nacimiento del malhadado vigésimo primer hijo, Peter Qualvoll Publizieren Bach. Wilhelm Friedmann, Johann Christian y Carl Philipp Emanuel detestaban a su hermano, quien fue despreciado por el padre y al que no se le enseñó nada útil. Por lo tanto se dedicó a la actividad de desparramar belleza por la blogosfera.” El sitio es mantenido a medias por Clara Schumann, de la que se desconoce si es o no la verdadera. Otro tanto ocurre con el blog de Pituco quien cuenta anécdotas tan inverosímiles como maravillosas de su relación con músicos famosos, que van del Flaco Spinetta a Bob Dylan. La red da, para bien y para mal, una sensación de impunidad que permite experimentar por fuera de las reglas de juego y muy de tanto en tanto acertar con alguna invención.

Todos estos mundos posibles e imposibles rodean el ejercicio de la literatura y su circulación. Un festival suele ser eso, el sitio que reúne a los escritores, a los mendigos, y a los aprendices de inventores a que escuchen en voz alta los ruidos que acechan las mejores y peores páginas que podemos leer.

Op. 132

De uma forma ou outra, os elogios são quase diários. E a gente faz questão deles, sim. É nosso salário moral e, na semana passada, recebemos um elogio especial. Veio num e-mail com o título acima: “Op. 132”. Nem mais, nem menos. Era de um visitante de nosso blog cujo nome não vou revelar por ainda não ter pedido permissão a ele. Dirige-se aos que fazem o PQP Bach: eu, FDP Bach, Clara Schumann, Blue Dog, CDF Bach e Ciço Villa-Lobos. Mas ele toca numa coisa da qual faço absoluta questão e do qual sou o maior falsário: os textos que acompanham as postagens. Quando inventei o blog, quis que ele fosse uma coisa minimamente pedagógica. Pensava que as pessoas deveriam ao menos saber — se quisessem — onde inserir a obra postada na história da música, sua importância, etc. Não faço isso, prefiro a diversão de expressar meu prazer ou não na audição da obra. Sei lá. O que sei é meus textos são escritos em dez minutos e olhem lá. Daí, o fato de ter utilizado a palavra falsário. De qualquer maneira, gostaria de dividir esta mensagem com os ouvintes-leitores do blog, pedindo que vocês reduzam à razoabilidade o volume dos elogios às vezes exagerados do autor.

Caro PQP,

Estou saindo de casa agora para tomar meu vôo para Praga, mas antes decidi responder o seu email. Eu fiquei muito contente com a sua mensagem, eu te acho um cara fascinante e ultimamente tenho frequentado mais o PQP para ler as resenhas do que para baixar música. Isto sim é revigorante!

Ah, caro PQP, eu te agradeço por muita coisa! Talvez como criador do blog você diminua a importância que ele tem para seus leitores. Isso seria normal. Mas acredite no que eu e todos os outros te falamos! Não é pelos downloads, não mesmo!

Eu, como já te disse, estudo composição e regência. Pretendo, assim que me estabelecer no Velho Mundo, criar um website com algumas partituras e mp3 de músicas minhas e, se isso realmente sair do papel, eu gostaria muitíssimo que você pudesse ouvir algo. Ando um tanto sem motivação para mostrar minhas músicas por aí, o último concerto com obras minhas foi um fiasco por parte dos executantes nervosos e da platéia desinteressada… mas a vida continua. Acredito que por lá encontrarei instrumentistas mais interessados, pelo menos assim espero.

E muito obrigado também pela doce imagem da pequena garota dançando uma valsinha que sempre me aparece quando ouço o último movimento do Op.132 do grande Ludwig. Sempre penso nisso sorrindo muito.

Um grande abraço! Mantenha contato.
X.

PQP