Béla Bartók (1881-1945): Sonatas para Violino e Piano Nros. 1 e 2 / Sonata para Violino Solo (Kremer, Smirnov, Kovács) #BRTK140 Vol. 5 de 29

Béla Bartók (1881-1945): Sonatas para Violino e Piano Nros. 1 e 2 / Sonata para Violino Solo (Kremer, Smirnov, Kovács) #BRTK140 Vol. 5 de 29

Aqui, toda a coleção.

IM-PER-DÍ-VEL !!!

As Sonatas para Violino e Piano estão entre as obras mais ousadas de Bartók. Como tais, elas pertencem ao período de sua música que radicais como Boulez consideram o seu melhor. Não tenho certeza se isso está correto, porque acho que MUITAS, MAS MUITAS MESMO DE SUAS PEÇAS, inclusive as menos pontiagudas, também são obras-primas. Essas 2 sonatas são incríveis, com certeza. E o desempenho de Kremer é ESPETACULAR! Por que eu sempre tive problemas com Gidon Kremer? Acho que ele esforçava tanto para ser uma estrela pop — a tal síndrome de Kronos — que me irritava. Já aqui, as esmagadoras demandas do compositor foram, uma a uma, compreendidas e sabiamente tocadas por este soberbo mestre.

A Sonata para Violino Solo foi encomendada por Yehudi Menuhin em novembro de 1943. Ele escreveu cartas a Menuhin em abril e junho de 1944 para concordar com pequenas alterações para tornar a Sonata mais fácil de tocar. O Tempo di ciaccona é essencialmente um movimento em forma de sonata escrito um pouco no estilo de uma chacona. Está repleto de harmonias e intervalos folclóricos típicos da Hungria. A Fuga é em quatro vozes em uma melodia em staccato. Depois de uma seção em que a melodia é acompanhada silenciosamente por notas rápidas, ela retorna como uma série de acordes, tocados alternadamente com o arco e dedilhados. No entanto, não é uma fuga estrita, já que cada episódio introduz um novo material. A Melodia começa com um tema lírico, enunciado isoladamente. O Presto alterna entre uma passagem muito silenciosa, rápida e semelhante a uma abelha — tocada com surdina — e uma melodia alegre. Bartók escreveu originalmente as passagens rápidas em quartos de tom, mas muitos violinistas optam por executar uma versão sugerida por Menuhin, que usa apenas as 12 notas padrão da música clássica ocidental. Aqui, Dénes Kovács toca como Bartók desejava. Há três temas contrastantes que aparecem ao longo deste movimento, todos os quais reaparecem na coda final. A Sonata Solo apresenta muitas dificuldades aos violinistas e usa toda a gama de técnicas de violino: várias notas tocadas simultaneamente, harmônicos artificiais , pizzicato para a mão esquerda executado simultaneamente com uma melodia tocada com o arco e grandes saltos entre as notas. Ele pegou pesado, mas era para o Menuhin, que amarelou… Mas o que interessa é que a música é belíssima, não é um caso de ser só difícil.

Béla Bartók (1881-1945): Sonatas para Violino e Piano Nros. 1 e 2 / Sonata para Violino Solo #BRTK140 Vol. 5 de 29

1 Sonata for violin & piano No. 1 in C-sharp minor, Sz. 75, BB 84 (Op. 21): I. Allegro appassionato
piano:
Jury Smirnov
violin:
Gidon Kremer (violinist)
recording of:
Sonata no. 1 for Violin and Piano, op. 21, Sz. 75, BB 84: I. Allegro appassionato
composer:
Béla Bartók (composer) (in 1923)
part of:
Sonata no. 1 for Violin and Piano, op. 21, Sz. 75, BB 84
12:42

2 Sonata for violin & piano No. 1 in C-sharp minor, Sz. 75, BB 84 (Op. 21): II. Adagio
piano:
Jury Smirnov
violin:
Gidon Kremer (violinist)
recording of:
Sonata no. 1 for Violin and Piano, op. 21, Sz. 75, BB 84: II. Adagio
composer:
Béla Bartók (composer) (in 1923)
part of:
Sonata no. 1 for Violin and Piano, op. 21, Sz. 75, BB 84
9:36

3 Sonata for violin & piano No. 1 in C-sharp minor, Sz. 75, BB 84 (Op. 21): III. Allegro
piano:
Jury Smirnov
violin:
Gidon Kremer (violinist)
recording of:
Sonata no. 1 for Violin and Piano, op. 21, Sz. 75, BB 84: III. Allegro molto
composer:
Béla Bartók (composer) (in 1923)
part of:
Sonata no. 1 for Violin and Piano, op. 21, Sz. 75, BB 84
10:01

4 Sonata for violin & piano No. 2 in C major, Sz. 76, BB 85: I. Molto moderato
piano:
Jury Smirnov
violin:
Gidon Kremer (violinist)
recording of:
Sonata no. 2 for Violin and Piano, Sz. 76, BB 85: I. Molto moderato
composer:
Béla Bartók (composer) (in 1922)
part of:
Sonata no. 2 for Violin and Piano, Sz. 76, BB 85
8:28

5 Sonata for violin & piano No. 2 in C major, Sz. 76, BB 85: II. Allegretto
piano:
Jury Smirnov
violin:
Gidon Kremer (violinist)
recording of:
Sonata no. 2 for Violin and Piano, Sz. 76, BB 85: II. Allegretto
composer:
Béla Bartók (composer) (in 1922)
part of:
Sonata no. 2 for Violin and Piano, Sz. 76, BB 85
11:54

6 Sonata for solo violin, Sz. 117, BB 124 (edited by Yehudi Menhuin): I. Tempo di ciaccona
violin:
Dénes Kovács
recording of:
Sonata for Solo Violin, Sz.117, BB 124: I. Tempo di ciaccona
composer:
Béla Bartók (composer) (in 1944)
publisher:
Boosey & Hawkes (publisher; do NOT use as release label)
part of:
Sonata for Solo Violin, Sz.117, BB 124
7:55

7 Sonata for solo violin, Sz. 117, BB 124 (edited by Yehudi Menhuin): II. Fuga
violin:
Dénes Kovács
recording of:
Sonata for Solo Violin, Sz.117, BB 124: II. Fuga: Risoluto, non troppo vivo
composer:
Béla Bartók (composer) (in 1944)
publisher:
Boosey & Hawkes (publisher; do NOT use as release label)
part of:
Sonata for Solo Violin, Sz.117, BB 124
4:02

8 Sonata for solo violin, Sz. 117, BB 124 (edited by Yehudi Menhuin): III. Melodia
violin:
Dénes Kovács
recording of:
Sonata for Solo Violin, Sz.117, BB 124: III. Melodia: Adagio
composer:
Béla Bartók (composer) (in 1944)
publisher:
Boosey & Hawkes (publisher; do NOT use as release label)
part of:
Sonata for Solo Violin, Sz.117, BB 124
6:00

9 Sonata for solo violin, Sz. 117, BB 124 (edited by Yehudi Menhuin): IV. Presto
violin:
Dénes Kovács
recording of:
Sonata for Solo Violin, Sz.117, BB 124: IV. Presto
composer:
Béla Bartók (composer) (in 1944)
publisher:
Boosey & Hawkes (publisher; do NOT use as release label)
part of:
Sonata for Solo Violin, Sz.117, BB 124

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

Béla Bartók em 1915 com seu filho Béla

PQP

.: interlúdio :. Joni Mitchell: Blue

.: interlúdio :. Joni Mitchell: Blue

Ontem, muita gente estava comemorando os 50 anos do álbum Blue, de Joni Mitchell. Um amigo até me mandou um link do Guardian onde uma série de artistas que foram inspirados pelo trabalho de Joni escolhiam sua canção preferida do disco. Mais de 6 delas foram citadas. Blue tem 10.

Eu fiz questão de reouvir o disco para escolher a minha. Fiquei entre a comovente River e as harmonias de A Case of You. Eu não posso escolher só uma delas.

Conheci Blue lá por 1975 e acho que o ouço a cada dois ou três anos — o que é muito pra mim — e ele só melhora. Sou meio desligado da música popular, mas há coisas que vêm e ficam. Joni é uma grande compositora, letrista e contadora de histórias.

Aliás, que ano foi 1971! Construção (Chico), London London (Caetano), Who`s Next (The Who), Led Zeppelin IV, Fa-Tal (Gal), Ela (Elis Regina), Tapestry (Carole King), Ram (Paul McCartney), Imagine (John Lennon), Aqualung (Jethro Tull), All things must pass (George Harrison), o que mais?

.: interlúdio :. Joni Mitchell: Blue

1 All I Want 3:32
2 My Old Man 3:33
3 Little Green 3:25
4 Carey 3:00
5 Blue 3:00
6 California 3:48
7 This Flight Tonight 2:50
8 River 4:00
9 A Case Of You 4:20
10 The Last Time I Saw Richard 4:13

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

Blue, uma das obras-primas de Joni

PQP

Glenn Gould (1932-1982): Quarteto de Cordas Nº 1

Glenn Gould (1932-1982): Quarteto de Cordas Nº 1

O legado póstumo de Gould na Biblioteca Nacional do Canadá inclui sete caixas de composições. Além deste grande Opus 1, a maioria são ensaios breves e geralmente inacabados. Eles exibem tentativas em todos os estilos, de Palestrina (que foi feita para agradar a seus professores) a Schoenberg (que foi feito para irritá-los). O estilo do quarteto reflete o amor de Gould por Bruckner, Wagner e Richard Strauss. Glenn Gould foi sem dúvida um dos maiores pianistas do século XX. Claro, ele também era um verdadeiro excêntrico, opiniático e genial, frequentemente dividindo a cena da música erudita em dois campos, o dos a favor e o dos contra. Aqui temos o Gould compositor. Bem, ele não foi tão bom aqui quanto foi como pianista, mas o Quarteto é uma peça desafiadora de se ouvir, particularmente para podermos expandir a percepção sobre a mente criativa de Gould. Essa música não é para todos — aqueles que conhecem apenas o Bach de Gould ficarão chocados — mas, ainda assim, é um documento importante de um artista (muito) multifacetado.

Glenn Gould (1932-1982): Quarteto de Cordas Nº 1

1 String Quartet, Op. 1 (recorded under the supervision of the composer)

Symphonia Quartet

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

Podia estar quente, mas Gould estava sempre vestido assim na rua.

PQP

Edgard Varèse (1883-1965): Boulez Conducts Varèse

Edgard Varèse (1883-1965): Boulez Conducts Varèse

Eu amo a música moderna, principalmente aquela mais destrutiva. Varèse não é difícil se você já conhece e ama certo Messiaen. Em parte e em determinado período de suas vidas, ambos adotaram o vocabulário de Stravinsky de A Sagração da Primavera e o levaram para um território novo e altamente pessoal. Mas o número de ouvintes que querem pisar nesta selva é diminuto — as pessoas querem a beleza… Ora, vivemos num país horrível, com um governo que estimula a violência e a feiura. Gosto do belo, mas acho que o caos deve ter sua representação. Principalmente o caos erudito. Bem, Boulez entra no mundo sonoro de Varèse com o colorido de Strava em mente. Eu passei anos evitando Varèse, achando seus ataques massivos muito exaustivos. Mas o amor óbvio de Boulez por essa música e suas performances me convenceram. Varèse, eu agora concordo, é um original que precisa ser atendido em seus próprios termos, que incluem melodias e ritmos de dança — jamais ficamos totalmente inundados de ruído, apesar da notória sirene de incêndio em Amériques e Ionisation (na verdade, essa sirene é um instrumento musical eficaz, produzindo urgência, urgência!). Amériques é sensacional, mas as mais delicadas Déserts e Ionisation, talvez sejam pontos melhores para se entrar no mundo de Varèse. A gravação de DG é clara e tem muito impacto, mas fica aquém do espetacular retrato sonoro de Chailly para a Decca.

Edgard Varèse (1883-1965): Boulez Conducts Varèse

1 Amériques 25:12
2 Arcana 19:42
3 Déserts 17:11
4 Ionisation 5:51

Chicago Symphony Orchestra
Pierre Boulez

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

Quando ficou hospedado no PQP Bach Motel, Varèse bagunçou todo o quarto.

PQP

Max Bruch (1838-1920) – Concerto for Clarinet & Viola in E, Op. 88, etc. – Meyer, Caussé, Duchable, Nagano, Orchestre de L´Opéra de Lyon

Este foi um dos mais belos Cds que ouvi neste ano, com certeza. Não apenas pelo timaço de músicos envolvidos mas principalmente pelas belíssimas obras nele gravadas. E olha que esse registro já foi feito há mais de trinta anos, quando este que vos escreve era apenas um garoto do interior morando na cidade grande.

Max Bruch foi um grande melodista e, além do magnífico Concerto para Violino, deixou também outras obras igualmente belas, porém desconhecidas e pouco gravadas. Eu particularmente não conhecia este Concerto para Viola e para Clarinete até há alguns meses, quando escolhi por acaso algo para ouvir em uma destas plataformas de streaming, e fiquei encantado. Repassei para o grupo e um dos colegas, que comentou: mas este Concerto Duplo é lindo demais… concordo. Talvez o único ‘pecado’ dele seja sua curta duração, uma pena, realmente. Nesta obra também podemos idenficar a forte influência que Bruch teve de Brahms, é inegável em alguns trechos das obras.

Além do Concerto Duplo, podemos também ouvir as 8 peças para Clarinete, Piano e Viola, peças igualmente belas e sensíveis.

Os músicos envolvidos são o clarinetista Paul Meyer, o violista Gérard Caussé, o pianista François-René Duchâble e o maestro Kent Nagano dirige a Orquestra da Ópera de Lyon. Não por acaso, os clientes da amazon foram unânimes em dar cinco estrelas para este CD.

Konzert Für Klarinette Viola Und Orchester Opus 88
1.  Andante Con Moto
2. Allegro Moderato
3. Allegro Molto

Acht Stücke Für Klarinette, Viola Und Klavier Opus 83
4. № 1 Andante
5. № 2 Allegro Con Moto
6. № 3 Andante Con Moto
7. № 4 Allegro Agitato
8. № 5 Andante
9. № 6 Andante Con Moto
10. № 7 Allegro Vivace Ma Non Troppo
11. № 8 Moderato

Paul Meyer – Clarinete
Gerard Caussé – Viola
François-René Duchâble – Piano
Orchestre de L´Opéra de Lyon
Kent Nagano – Condutor

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

 

 

.: interlúdio :. Amina Alaoui: Arco Iris

.: interlúdio :. Amina Alaoui: Arco Iris

Arco Iris é o primeiro trabalho de Alaoui para a ECM. É focado no canto, mas apresenta belíssimo e inesquecível  acompanhamento de cordas e percussão. O disco é muito lindo, sutil e poético. Dificilmente você poderá ouvi-lo apenas uma vez. Eu amei Fado Menor e várias das outras faixas. Foi gravado em abril de 2010 em Lugano e lançado em 2011. Trata-se de uma esplêndida fusão de diferentes tradições para formar uma Península Ibérica toda própria. Há referências às tradições musicais do fado português, do flamenco espanhol, da música clássica persa e árabe-andaluza.

Amina Alaoui é uma marroquina que canta em árabe, persa clássico , haketia , espanhol e português. Ela nasceu em 1964 em uma família aristocrática em Fez, Marrocos. Aos seis anos começou a aprender música clássica andaluza em ambiente familiar. Aprendeu a tocar piano e foi iniciada na música clássica europeia. Amina também estudou no conservatório de Rabat de 1979 a 1981 e estudou dança moderna e clássica. Também é formada em filologia (Lycée Descartes) e linguística espanhola e árabe na Universidade de Madrid e na Universidade de Granada.

.: interlúdio :. Amina Alaoui: Arco Iris

1 “Hado” – 1:50
2 “Búscate En Mí” – 6:31
3 “Fado Al-Mu’tamid” – 5:30
4 “Flor De Nieve” – 4:07
5 “Oh Andaluces” – 6:55
6 “Ya Laylo Layl” – 9:18
7 “Fado Menor” – 5:26
8 “Búscate En Mí, Var.” – 5:32
9 “Moradía” – 3:59
10 “Las Morillas De Jaén” – 7:05
11 “Que Faré” – 4:26
12 “Arco Iris” – 6:34

Amina Alaoui – vocals, daf
Saïf Alah Ben Abderrazak – violin
Eduardo Miranda – mandolin
José Luis Montón – flamenco guitar
Sofiane Negra – oud
Idriss Agnel – percussion

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

Amina Alaoui, em visita à sede árabe da PQP Bach Corp. de Granada.

PQP

Mendelssohn (1809 – 1847) & Tchaikovsky (1840 – 1893): Concertos para Violino – Akiko Suwanai – Czech Philharmonic Orchestra & Vladimir Ashkenazy ֍

Mendelssohn (1809 – 1847) & Tchaikovsky (1840 – 1893): Concertos para Violino – Akiko Suwanai – Czech Philharmonic Orchestra & Vladimir Ashkenazy ֍

Mendelssohn • Tchaikovsky

Concertos para Violino

Akiko Suwanai

Czech Philharmonic Orchestra

Vladimir Ashkenazy

Eu achava que se houvesse um pedacinho da cozinha do céu aqui na terra, esse seria o Bar das Freiras, que fazia o melhor queijo quente com banana do planeta. Ao lado da lanchonete das freirinhas, cuja féria vai toda para a caridade, fica o elevador que era pilotado pela Chica, a ascensorista com o maior sorriso que eu conheci e que morava em Niterói. Isto tudo aconteceu na minha outra vida, antes que eu soubesse que também moraria em Niterói.

Numa daquelas tardes, tive que correr para pegar o elevador: Chica, Chica, péra-aí! A porta já quase fechava e eu estava atrasado para o Seminário de Topologia. Acomodei-me e ataquei de assobio o tema do último movimento do Concerto para Violino que naqueles dias não saia da minha vitrola – fá, fá-fá-fi-fáá… Afinal, havia comprado na famosa Modern Sound aquele cobiçado LP do Heifetz e não ouvia outra coisa.   Foi então que ouvi a pergunta vinda do senhor professor: Mendelssohn ou Tchaikovsky? Olhei-o com alguma surpresa, afinal, não imaginava que professores de física se interessassem por música. Deve ser um destes concertos românticos, acrescentou ele. Eu ri e disse que era o tema do último movimento do Concerto de Brahms. Não muito fora da marca, riu ele, faz tempo que não ouço meus discos. Ficamos amigos e falávamos com frequência sobre nossas audições, sempre no vai-e-vem do elevador, cada um para o seu respectivo andar.

Lembrei-me dessas coisas ouvindo este disco da postagem com dois dos grandes concertos românticos para violino: Mendelssohn e Tchaikovsky! Quais outros? Bem, tem o pai de todos, o Concerto de Beethoven, o já mencionado Concerto de Brahms, já são quatro. Eu acrescentaria ‘o’ Concerto de Bruch, de Sibelius (certamente) e, talvez, Glazunov? Na verdade, basta olhar as gravações de Heifetz…

Na gravação deste disco a solista Akiko Suwanai usa o violino Dolphin Stradivarius, um violino feito em 1714 pelo famoso Antonio Stradivari e que também pertenceu ao Jascha Heifetz.

Atualmente a moça toca outro instrumento, mas nesta gravação temos uma feliz coincidência, afinal deve ser o mesmo instrumento ouvido nas gravações de Heifetz. E para acrescentar muita qualidade ao disco, temos a ótima Orquestra Filarmônica Tcheca, regida por Vladimir Ashkenazy, com gravações feitas no excelente Dvořák Hall – Rudolfinum -, em Praga.

Felix Mendelssohn (1809 – 1847)

Concerto para Violino em mi menor, Op. 64

  1. Allegro molto appassionato
  2. Andante
  3. Allegretto non troppo – Allegro molto vivace

Piotr Tchaikovsky (1840 – 1893)

Concerto para Violino em ré maior, Op. 35

  1. Allegro moderato
  2. Canzonetta: Andante
  3. Allegro vivacíssimo

Akiko Suwanai, violino

Czech Philharmonic Orchestra

Vladimir Ashkenazy

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

FLAC | 249 MB

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

MP3 | 320 KBPS | 196 MB

Momento ‘Sol Nascente’: メンデルスゾーンとチャイコフスキーのヴァイオリン協奏曲どちらも大好きですが、諏訪内晶子さんの演奏も素敵な魅力を感じました。

Eu amo os concertos para violino de Mendelssohn e Tchaikovsky, mas a performance de Akiko Suwanai também foi fascinante. (Tradutor do Google)

E também: Akiko Suwanai’s Tchaikovsky is one of the most musical renditions of the Tchaikovsky violin concerto. Just listen to around 1:00 of the first track, where she introduces the main theme. It is so beautiful and moving, not like any version I listened to.

Forte, ma non tanto…

Aproveitem!

René Denon

W.A. Mozart sobre J.S. Bach: Adagios & Fugues (Akademie Für Alte Musik Berlin)

W.A. Mozart sobre J.S. Bach: Adagios & Fugues (Akademie Für Alte Musik Berlin)

Depois de se estabelecer em Viena, sem se importar com a terrível advertência de papai Leopold, Mozart aproveitou todas as oportunidades para impressioná-lo com a seriedade de seus propósitos. Em abril de 1782, ele informou a seu pai que ‘Todos os domingos, às 12 horas, vou à casa do Barão van Swieten, onde não se toca nada além de Bach e Handel. No momento, estou fazendo uma coleção de fugas de Bach…”. Para as matinês semanais barrocas do Barão, Mozart também transcreveu diversas fugas de Bach para cordas, seis para trio e cinco para quarteto. Seu entusiasmo por Bach pode ter sido estimulado ainda mais por sua noiva, Constanze, que se era uma espécie de fugólatra.

Para seus arranjos de quarteto, Mozart favoreceu as fugas de som mais arcaico. Quando foram publicadas, eram precedidas, de maneira um tanto incongruente, por novos prelúdios de autoria desconhecida — era um Bach filtrado por um prisma galante. A Akademie für Alte Musik complementa três das transcrições de Mozart com arranjos anônimos de quinteto de cordas, com novos prelúdios. Fica tudo muito estranho. Para compensar a severidade potencial em uma sucessão de fugas lentas, a Akademie varia as cores instrumentais: cordas solo, orquestra de cordas, oboés, trombones e fagote.

Um disco interessantíssimo!

W.A. Mozart sobre J.S. Bach: Adagios & Fugues (Akademie Für Alte Musik Berlin)

1 Prelude & Fugue In D Minor K405/4 6:03
2 Larghetto Cantabile In D Major & Fugue K405/5 4:45
3 Adagio & Fugue in A Minor 5:55
4 Allegro In C Minor K Anh 44 & Fuga A Due Cembali K426 4:33
5 Adagio Cantabile & Fugue In E Flat Major 3:55
6 Adagio & Fugue In C Minor K546 6:32
7 Adagio & Fugue in E Major K405/3 5:08
8 Adagio & Fugue in B Minor 6:08
9 Adagio & Fugue in D Minor 7:28

Akademie Für Alte Musik Berlin

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

Bach e Mozart: conexões

PQP

Béla Bartók (1881-1945): Rapsódias para Violino (Cello) e Piano, Canções Húngaras para Violino e Piano, Sonata para Violino e Piano BB 28 (Székely, Moore, László, Tusa, Szűcs, Szabadi, Beck) #BRTK140 Vol. 4 de 29

Béla Bartók (1881-1945): Rapsódias para Violino (Cello) e Piano, Canções Húngaras para Violino e Piano, Sonata para Violino e Piano BB 28 (Székely, Moore, László, Tusa, Szűcs, Szabadi, Beck) #BRTK140 Vol. 4 de 29

Aqui, toda a coleção.

Maravilhoso disco! Aqui, mesmo as tais estranhezas do idioma de Bartók soam naturais. Também aquelas peças mais desconsideradas de seu repertório ganham brilho com os caras da Hungaroton no comando. Se você pensava que tinha todo o Bartók digno de se ter — os monumentais Quartetos de Cordas, a Música para Cordas, Percussão e Celesta, o Concerto para Orquestra, os três emocionantes concertos para piano — considere este conjunto de 29 discos. Nesta coleção todos os artistas são húngaros, mas esse não é o único aspecto importante. Ela é bastante democrática, dando espaço a vários artistas desconhecidos fora da Hungria. Por onde começar? Ora, por onde você quiser. Aproveite!

As Rapsódias são lindas e conhecidas, menos conhecida é a Sonata para Violino e Piano BB28 sem número.

Este é um trabalho do último ano dos estudos de Bartók no Conservatório de Budapeste. Mesmo que Bartók tenha atribuído a ela um número de opus, ele numerou sua próxima sonata para violino (a primeira das duas grandes que escreveu em 1921 e 1922) como a “No. 1”, garantindo assim o esquecimento desta. Embora seja boa música, ela carece da maioria das características do Bartók maduro. Seu estilo básico e ideias formais derivam diretamente de Brahms , embora a essa altura ele já tivesse se apaixonado pela abordagem de Richard Strauss. Embora Bartók já fosse um fervoroso nacionalista húngaro, ele desconhecia a existência de um corpo de genuína música folclórica húngara antiga. Seria necessário que sua parceria de coleta de canções folclóricas com Zoltán Kodály o colocasse em contato com essa grande tradição, e é a influência dessa música que criaria a verdadeira voz de Bartók. Em vez disso, Bartók recorreu à música de origem cigana de Liszt , então amplamente considerada a verdadeira música folclórica húngara, para parte de seu material musical, particularmente no movimento final. A obra está colocada firmemente no final da Era Romântica. Sua estreia veio em janeiro de 1904 com Bartók ao piano mais o violinista Jenš Hubay.

Béla Bartók (1881-1945): Rapsódias para Violino (Cello) e Piano, Canções Húngaras para Violino e Piano, Sonata para Violino e Piano BB 28 #BRTK140 Vol. 4 de 29

1 Rhapsody for violin & piano (with first ending) in A major, DD 70, BB 26b
recording of:
Andante in A major, BB 26b
composer:
Béla Bartók (composer)
part of:
Béla Bartók’s Works (BB) (number: BB 26b)
3:49

2 Rhapsody for violin & piano No. 1. Sz. 86, BB 94/a: I. Moderato. Lassú
piano:
Isobel Moore
violin:
Zoltán Székely
recording of:
Rhapsody no. 1 for violin and piano, Sz. 86: I. Prima parte “lassú”. Moderato
composer:
Béla Bartók (composer) (in 1928)
arrangements:
Rhapsody for cello and piano, Sz. 88, BB 94: I. Prima parte “lassú”. Moderato
later versions:
Rhapsody no. 1 for Violin and Orchestra, Sz. 87: I. Prima parte “lassú”. Moderato
part of:
Rhapsody no. 1 for violin and piano, Sz. 86
4:18

3 Rhapsody for violin & piano No. 1. Sz. 86, BB 94/a: II. Allegretto moderato. Friss
piano:
Isobel Moore
violin:
Zoltán Székely
recording of:
Rhapsody no. 1 for violin and piano, Sz. 86: II. Seconda parte “friss”. Allegretto moderato
composer:
Béla Bartók (composer) (in 1928)
arrangements:
Rhapsody for cello and piano, Sz. 88, BB 94: II. Allegretto moderato. Friss
later versions:
Rhapsody no. 1 for Violin and Orchestra, Sz. 87: II. Seconda parte “friss”. Allegretto moderato
part of:
Rhapsody no. 1 for violin and piano, Sz. 86
5:49

4 Rhapsody for violin & piano No. 2. Sz. 89, BB 96/a: I. Moderato. Lassú
piano:
Isobel Moore
violin:
Zoltán Székely
recording of:
Rhapsody no. 2 for violin and piano, Sz. 89: I. Prima parte “lassú”. Moderato
composer:
Béla Bartók (composer) (in 1928)
later versions:
Rhapsody no. 2 for Violin and Orchestra, Sz. 90: I. Prima parte “lassú”. Moderato
part of:
Rhapsody no. 2 for violin and piano, Sz. 89
4:34

5 Rhapsody for violin & piano No. 2. Sz. 89, BB 96/a: II. Allegretto moderato. Friss
piano:
Isobel Moore
violin:
Zoltán Székely
recording of:
Rhapsody no. 2 for violin and piano, Sz. 89: II. Seconda parte “friss”. Allegro moderato
composer:
Béla Bartók (composer) (in 1928)
later versions:
Rhapsody no. 2 for Violin and Orchestra, Sz. 90: II. Seconda parte “friss”. Allegro moderato
part of:
Rhapsody no. 2 for violin and piano, Sz. 89
6:30

6 Rhapsody for cello & piano, Sz. 88, BB 94/c: I. Moderato. Lassú
cello:
Mező László
piano:
Erzsébet Tusa (pianist)
recording of:
Rhapsody for cello and piano, Sz. 88, BB 94: I. Prima parte “lassú”. Moderato
composer:
Béla Bartók (composer) (in 1929)
arrangement of:
Rhapsody no. 1 for violin and piano, Sz. 86: I. Prima parte “lassú”. Moderato
part of:
Rhapsody for cello and piano, Sz. 88, BB 94
4:29

7 Rhapsody for cello & piano, Sz. 88, BB 94/c: II. Allegretto moderato. Friss
cello:
Mező László
piano:
Erzsébet Tusa (pianist)
recording of:
Rhapsody for cello and piano, Sz. 88, BB 94: II. Allegretto moderato. Friss
composer:
Béla Bartók (composer) (in 1929)
arrangement of:
Rhapsody no. 1 for violin and piano, Sz. 86: II. Seconda parte “friss”. Allegretto moderato
part of:
Rhapsody for cello and piano, Sz. 88, BB 94
5:48

8 Hungarian folk tunes, for violin & piano, Sz. 42, BB 109: No. 1/34. Andante. Un poco più lento
piano:
Erzsébet Tusa (pianist)
violin:
Mihály Szűcs (Hungarian violinist)
recording of:
Hungarian Folksongs, BB 109: Book II no. 34. Andante
composer:
Béla Bartók (composer)
arranger:
Béla Bartók (composer) and Tivadar Országh
arrangement of:
For Children, Book 2: No. 34. Allegretto
part of:
Hungarian Folksongs, BB 109
1:33

9 Hungarian folk tunes, for violin & piano, Sz. 42, BB 109: No. 1/36. Allegretto
piano:
Erzsébet Tusa (pianist)
violin:
Mihály Szűcs (Hungarian violinist)
recording of:
Hungarian Folksongs, BB 109: Book II no. 36. Allegretto
composer:
Béla Bartók (composer)
arranger:
Béla Bartók (composer) and Tivadar Országh
arrangement of:
For Children, Book 2: No. 36. Drunkard’s Song. Vivace
part of:
Hungarian Folksongs, BB 109
0:35

10 Hungarian folk tunes, for violin & piano, Sz. 42, BB 109: No. 1/17. Lento, ma non troppo
piano:
Erzsébet Tusa (pianist)
violin:
Mihály Szűcs (Hungarian violinist)
recording of:
Hungarian Folksongs, BB 109: Book I no. 17. Lento, ma non troppo
composer:
Béla Bartók (composer)
arranger:
Béla Bartók (composer) and Tivadar Országh
arrangement of:
For Children, Book 1: No. 17. Round Dance. Lento
part of:
Hungarian Folksongs, BB 109
1:25

11 Hungarian folk tunes, for violin & piano, Sz. 42, BB 109: No. 1/31. Allegro
piano:
Erzsébet Tusa (pianist)
violin:
Mihály Szűcs (Hungarian violinist)
recording of:
Hungarian Folksongs, BB 109: Book II no. 31. Allegro
composer:
Béla Bartók (composer)
arranger:
Béla Bartók (composer) and Tivadar Országh
arrangement of:
For Children, Book 2: No. 31. Andante tranquillo
part of:
Hungarian Folksongs, BB 109
1:01

12 Hungarian folk tunes, for violin & piano, Sz. 42, BB 109: No. 2/16. Lento, poco rubato
piano:
Erzsébet Tusa (pianist)
violin:
Mihály Szűcs (Hungarian violinist)
recording of:
Hungarian Folksongs, BB 109: Book I no. 16. Lento, poco rubato
composer:
Béla Bartók (composer)
arranger:
Béla Bartók (composer) and Tivadar Országh
arrangement of:
For Children, Book 1: No. 16. Old Hungarian Tune. Andante rubato
part of:
Hungarian Folksongs, BB 109
1:53

13 Hungarian folk tunes, for violin & piano, Sz. 42, BB 109: No. 2/14. Allegretto
piano:
Erzsébet Tusa (pianist)
violin:
Mihály Szűcs (Hungarian violinist)
recording of:
Hungarian Folksongs, BB 109: Book I no. 14. Allegretto
composer:
Béla Bartók (composer)
arranger:
Béla Bartók (composer) and Tivadar Országh
arrangement of:
For Children, Book 1: No. 14. Allegretto
part of:
Hungarian Folksongs, BB 109
0:29

14 Hungarian folk tunes, for violin & piano, Sz. 42, BB 109: No. 2/19. Allegretto, scherzando
piano:
Erzsébet Tusa (pianist)
violin:
Mihály Szűcs (Hungarian violinist)
recording of:
Hungarian Folksongs, BB 109: Book I no. 19. Allegretto scherzando
composer:
Béla Bartók (composer)
arranger:
Béla Bartók (composer) and Tivadar Országh
arrangement of:
For Children, Book 1: No. 19. Allegretto
part of:
Hungarian Folksongs, BB 109
0:37

15 Hungarian folk tunes, for violin & piano, Sz. 42, BB 109: No. 2/8. Sostenuto – allegro – adagio
piano:
Erzsébet Tusa (pianist)
violin:
Mihály Szűcs (Hungarian violinist)
recording of:
Hungarian Folksongs, BB 109: Book I no. 8. Sostenuto
composer:
Béla Bartók (composer)
arranger:
Béla Bartók (composer) and Tivadar Országh
arrangement of:
For Children, Book 1: No. 8. Children’s Game. Allegretto
part of:
Hungarian Folksongs, BB 109
1:13

16 Hungarian folk tunes, for violin & piano, Sz. 42, BB 109: No. 2/21. Allegro robusto
piano:
Erzsébet Tusa (pianist)
violin:
Mihály Szűcs (Hungarian violinist)
recording of:
Hungarian Folksongs, BB 109: Book I no. 21. Allegro robusto
composer:
Béla Bartók (composer)
arranger:
Béla Bartók (composer) and Tivadar Országh
arrangement of:
For Children, Book 1: No. 21. Allegro robusto
part of:
Hungarian Folksongs, BB 109
1:06

17 Sonata for violin & piano in E minor, BB 28, DD 72: I. Allegro moderato (molto rubato)
engineer:
János Gyóri (in 1993)
producer:
László Beck (in 1993)
piano:
Márta Gulyás (in 1993)
violin:
Vilmos Szabadi (violin) (in 1993)
recording of:
Sonata for Violin and Piano in E minor, BB 28, DD 72: I. Allegro moderato (Molto rubato) (in 1993)
composer:
Béla Bartók (composer) (from 1903-02 until 1903-05)
part of:
Sonata for Violin and Piano in E minor, BB 28, DD 72
9:17

18 Sonata for violin & piano in E minor, BB 28, DD 72: II. Andante
engineer:
János Gyóri (in 1993)
producer:
László Beck (in 1993)
piano:
Márta Gulyás (in 1993)
violin:
Vilmos Szabadi (violin) (in 1993)
recording of:
Sonata for Violin and Piano in E minor, BB 28, DD 72: II. Andante (in 1993)
composer:
Béla Bartók (composer) (from 1903 until 1903-08)
part of:
Sonata for Violin and Piano in E minor, BB 28, DD 72
9:40

19 Sonata for violin & piano in E minor, BB 28, DD 72: III. Vivace
engineer:
János Gyóri (in 1993)
producer:
László Beck (in 1993)
piano:
Márta Gulyás (in 1993)
violin:
Vilmos Szabadi (violin) (in 1993)
recording of:
Sonata for Violin and Piano in E minor, BB 28, DD 72: III. Vivace (in 1993)
composer:
Béla Bartók (composer) (from 1903-02 until 1903-05)
part of:
Sonata for Violin and Piano in E minor, BB 28, DD 72
9:39

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

Béla Bartók em 1886 com a idade de 5 anos

PQP

.: interlúdio [em caixinhas de música] :. Yuko Ikoma & Cécile “Colleen” Schott

.: interlúdio [em caixinhas de música] :. Yuko Ikoma & Cécile “Colleen” Schott

(Acontece seguido, me pararem na rua para perguntar: como vocês do PQP conseguem manter o fluxo de postagens excelentes, uma atrás da outra? Eu respondo contando um segredinho: ouvimos tanta música boa que precisamos organizar escalas para publicar um post, e frequentemente nos arremessamos à jugular um do outro por um lugar na fila. É assim que hoje, nesta madrugada, eu encaixo um interlúdio furtivo, enquanto espio nas postagens agendadas uma pérola do Avicenna esperando a manhã chegar para tomar seu justo lugar no topo do blog.

E é assim que eu imaginei o par de discos que trouxe hoje: quietos, noturnos, querendo passar despercebidos. Por um lado, sua natureza: (muito) mais próximos à musique concrète do que o costumeiro jazz dessa coluna. Por outro, pelo próprio clima das composições: as leituras para caixinha de música que Yuko Ikoma, a acordeonista que vimos logo ali, fez de Erik Satie, ressoam claras nas frequências agudas, e crocantes nas médias; com simplicidade, cortam a noite trazendo um conforto paradoxal, evocando imagens circenses e, claro, alguma infância.

E se a palavra é simplicidade, bem, que a reforcemos: tanto os temas escolhidos quanto os arranjos em si não primam por invenções de qualquer espécie. São composições conhecidas, e daí parte do prazer que o álbum proporciona: reassimilar estas versões suaves, macias, e no entanto de notas bem definidas, de um cuidado maior do que o aparente.

Dois anos antes, em Paris, uma artista realizou um experimento semelhante; Cécile “Colleen” Schott gravou um disco de composições suas para caixinha de música. Nesse caso, e como é de seu perfil, Colleen explora mais; utiliza pedais de loop e edição em computador para criar atmosferas mais complexas. Às vezes em vinhetas simples, passáveis; noutras em melodias brilhantes e determinadamente angélicas. (Blue Dog é um grande fã de Colleen e tem sonhos com Your Heart is So Loud como trilha sonora, porque é um sortudo.)

Não é um par de discos que se vai ouvir a toda hora, de cabo a rabo; no entanto podem relocalizar qualquer situação. É uma música que serve para fundo de longos olhares, e que acalma a noite dos insones; e que como toda boa música, se escutada de perto, traz alguma inquietação. E ainda por cima mostra que, com um único e medieval elemento, se pode fazer música contemporânea experimental de grande sensibilidade.)

Yuko Ikoma – Moisture with Music Box /2008 [192]

DOWNLOAD

01 1ére Gymnopédie
02 2éme Gymnopédie
03 3éme Gymnopédie
04 Je te veux
05 Menues Propos Enfantins – Chant guerrier du roi des haricots
06 Menues Propos Enfantins – Ce que dit la petite princesse des Tulipes
07 Menues Propos Enfantins – Valse du Chocolat aux amandes
08 Prestidigitateur Chinois
09 Rêverie du Paurve
10 1ére Gnossienne
11 4éme Gnossienne
12 Berceuse

Colleen – Et les Boîtes à Musique /2006 [V2]

DOWNLOAD

01 John Levers the Ratchet
02 What is a Componium? (Part 1)
03 Charles’s Birthday Card
04 Will You Gamelan for Me?
05 The Sad Panther
06 Under the Roof
07 What is a Componium? (Part 2)
08 A Bear is Trapped
09 Please Gamelan Again
10 Your Heart is so Loud
11 Calypso in a Box
12 Bicycle Bells
13 Happiness Nuggets
14 I’ll Read You a Story

Boa audição!

Yuko Ikoma: brincando lindamente com Satie. E longe do acordeon.

Blue Dog

Prokofiev (1891 – 1953): Concertos para Piano Nos. 1 & 3 – Simon Trpčeski – RLPO – Vasily Petrenko ֍

Prokofiev (1891 – 1953): Concertos para Piano Nos. 1 & 3 – Simon Trpčeski – RLPO – Vasily Petrenko ֍

PRKFV

Concertos para Piano Nos. 1 & 3

Abertura sobre Temas Hebraicos

Simon Trpčeski, piano

Royal Liverpol Philharmonic Orchestra

Vasily Petrenko

Não me canso de ouvir estes concertos para piano… São os dois entre os cinco compostos por Prokofiev que ouço com mais frequência. O juvenil e impetuoso Concerto No. 1 é conciso e brilhante, como se esperava de um autoconfiante estudante que buscava se firmar como compositor e pianista. O outro concerto, o Terceiro, é mais espetacular ainda. Se bem que não é necessário fazer comparações…

Simon Trpčeski

Essas maravilhosas peças andaram em minha vitrola no disco que o FDP Bach repostou dia destes, na interpretação do ótimo Horácio Gutiérrez e como nada é por acaso, pouco depois me dei com este disco. O pianista macedônio Simon Trpčeski nos oferece uma excelente interpretação. Veja o que nos diz uma crítica que apareceu no The Guardian: ‘Nas mãos de ST, os dois concertos de Prokofiev no disco estão maravilhosamente apresentados – articulação impetuosa, ritmos atrevidos, uma habilidade de contornar as curvas com uma arrogância a um só tempo ágil e robusta’.

Vasily Petrenko

A Royal Liverpol Philharmonic Orchestra sob a regência de Vasily Petrenko está em ótima forma, inclusive na faixa entre os dois concertos, a bem-humorada Abertura sobre Temas Hebraicos.

Realmente, a tríplice aliança Trpčeski / RLPO / Petrenko tem colocado ótimos discos no mercado e, assim que obtivermos sinal verde da direção para postar Rachmaninov no blog, além de Prokofiev, voltaremos à carga…

Sergei Prokofiev (1891 – 1953)

Concerto para Piano No. 1 em ré bemol maior, Op. 10

  1. Allegro brioso – Andante assai – Allegro scherzando

Abertura sobre Temas Hebraicos, Op. 34 bis

  1. Abertura

Concerto para Piano No. 3 em dó maior, Op. 26

  1. Andante – Allegro
  2. Tema e Variações: Andantino
  3. Allegro ma non troppo

Simon Trpčeski, piano

Royal Liverpol Philharmonic Orchestra

Vasily Petrenko

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

FLAC | 233 MB

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

MP3 | 320 KBPS | 135

Simon, Vasily e a RLP

Momento ‘The Book is on The Table’: The performances by Trpčeski and the Royal Liverpool Philharmonic Orchestra under Vasily Petrenko are very strong, capturing the exuberance of the Piano Concerto No. 1 and delivering a crowd-pleasing, sparkling Third with no hint of the mordant quality many attach to the work. The Overture on Hebrew Themes, Op. 34bis, is a fine, little-known entr-acte. A crowd-pleasing Prokofiev release.

Aproveite!

René Denon

Tchaikovsky (1840 – 1893): Concertos para Piano Nos. 1 & 2 – Simon Trpčeski – RLPO – Vasily Petrenko ֍

Tchaikovsky (1840 – 1893): Concertos para Piano Nos. 1 & 2 – Simon Trpčeski – RLPO – Vasily Petrenko ֍

Tchaikovsky

Concertos para Piano Nos. 1 & 2

Simon Trpčeski, piano

Royal Liverpol Philharmonic Orchestra

Vasily Petrenko

 

Naqueles dias éramos felizes (sem o saber) e uma das diversões era a ronda – a visita às lojas de discos. Havia as lojas elitistas, com seus conhecidos, conhecedores e em geral desdenhosos vendedores, assim como também havia os xexelentos sebos, em geral com seus peculiares donos.

Nós, os frequentadores, já nos conhecíamos e entre nós havia alguma intimidade nascida das constantes coincidências. É claro que acabávamos descobrindo as preferências e gostos uns dos outros. Um dos insultos que prazerosamente lançávamos uns aos outros era a resposta dada à pergunta feita por quem acabava de entrar na loja, em geral em tom mais afoito: Muitas novidades? Mandávamos de volta: Já pegamos tudo que havia de bom, sobrou aí uma porção de Tchaikovskys para você!

O fato era que as novidades chegavam em geral em pequenos números de discos. Quantas vezes suspirávamos vendo alguém levar ao caixa o último CD de algum disco com Gilels tocando Sonatas para Piano de Beethoven… O sortudo ia exibindo o disco como um troféu e cabia a nós outros torcer para que a nova remessa fosse logo liberada pela alfândega e fosse um pouquinho mais pródiga.

Simon Trpčeski

Mas, os Tchaikovskys, estes nunca faltavam e daí, em parte, a razão de nossa brincadeira. Em especial, estava sempre presente em todas as lojas ‘o’ Concerto para Piano, em muitos casos em diferentes gravações – antigas ou recentes… Demorou para que me desse conta que Piotr havia escrito mais do que um concerto para piano. Este, o Número Um, o mais popular e frequentemente tocado e gravado entre todos os concertos para piano, recebe aqui uma gravação que achei primorosa. É verdade, fazia uma era que não ouvia o velho Cavalo de Batalha, mas o ouvi com muito prazer. Claro, isso foi graças a excelente interpretação do pianista macedônio Simon Trpčeski, acompanhado pela Royal Liverpol Philharmonic Orchestra, regida por Vasily Petrenko. A escolha do disco, que passou pelos intérpretes, também teve sua dose de influência pelo lado B, o Segundo Concerto, do qual gostei bastante e que apesar de bem menos famoso do que seu irmão mais velho, oferece muitos ótimos momentos, especialmente nesta gravação.

Assim, só posso lhe dizer, aproveite muito bem estes Tchaikovskys que aí estão!

Piotr Tchaikovsky (1840 – 1893)

Concerto para Piano No. 1 em si bemol menor, Op. 23

  1. Allegro non troppo e molto maestoso – Allegro con spirito
  2. Andante semplice – Prestissimo
  3. Allegro con fuoco

Concerto para Piano No. 2 em sol maior, Op. 44

  1. Allegro brillante e molto vivace
  2. Andante non troppo
  3. Allegro com fuoco

Simon Trpčeski, piano

Royal Liverpol Philharmonic Orchestra

Vasily Petrenko

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

FLAC | 249 MB

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

MP3 | 320 KBPS | 165 MB

O maestro é o que está com a batuta…

Veja como o disco foi bem acolhido pela crítica:

“[In No. 2] Trpčeski begins like a racehorse out of the starting gate…Still, overall he sounds less impetuous and more poised than Denis Matsuev in his recent recording…Petrenko is always of a mind with his soloist, and shapes some powerful long crescendos, but lets the orchestra veer dangerously close to bombast.” BBC Music Magazine, September 2014 ***

“Trpceski’s take on the B flat minor dazzles.” Sunday Times, 5th October 2014

Aproveite!

René Denon

Béla Bartók (1881-1945): O Príncipe de Madeira / O Mandarim Miraculoso (Kórodi / Sándor) #BRTK140 Vol. 3 de 29

Béla Bartók (1881-1945): O Príncipe de Madeira / O Mandarim Miraculoso (Kórodi / Sándor) #BRTK140 Vol. 3 de 29

Aqui, toda a coleção.

Hoje é o Dia dos Namorados e não encontrei nada mais romântico e adequado à data do que o romantismo de O Mandarim Miraculoso.

O Mandarim Miraculoso é um balé pantomima de um ato composto por Béla Bartók entre 1918 e 1924, baseado numa história de Melchior Lengyel. Estreado em 1926 na Alemanha, causou grande escândalo e foi posteriormente banido por motivos morais. Após uma introdução orquestral retratando o caos da cidade grande, a ação começa em um apartamento onde moram três criminosos. Eles procuram em seus bolsos e gavetas por dinheiro, mas não encontram nenhum. Então forçam uma garota a ficar perto da janela e atrair os homens que passam. A garota começa uma dança bastante atrevida. Ela primeiro atrai um velho libertino, que faz gestos românticos cômicos. A menina pergunta: “Tem algum dinheiro?” Ele responde: “Quem precisa de dinheiro? Tudo o que importa é o amor.” Ele começa a perseguir a garota, ficando cada vez mais insistente até que os criminosos o agarram e o expulsam.

A garota volta para a janela e executa uma segunda dança. Desta vez, ela atrai um jovem tímido, que também não tem dinheiro. Ele começa a dançar com a garota. A dança fica mais apaixonada, mas o trio salta sobre ele e o expulsa também.

A garota começa a dançar novamente. Os mendigos e a garota veem uma figura bizarra na rua, que logo sobe as escadas. Os criminosos se escondem, e a figura, um mandarim (um chinês rico), fica imóvel na porta. Eles incitam a garota a atraí-lo. Ela começa outra dança picante. De repente, ele salta e abraça a garota. Eles lutam e ela escapa; ele começa a persegui-la. Os criminosos saltam sobre ele, despojam-no de seus objetos de valor e tentam sufocá-lo sob travesseiros e cobertores. No entanto, ele continua a olhar para a garota. Eles o esfaqueiam três vezes com uma espada enferrujada; ele quase cai, mas se joga novamente sobre a garota. O trio o agarra novamente e o pendura em um gancho de lâmpada. A lâmpada cai, mergulhando a sala na escuridão, e o corpo do mandarim começa a brilhar com uma luz verde-azulada assustadora. Os quatro ficam apavorados. De repente, a garota sabe o que devem fazer. Ela diz aos criminosos para soltarem o mandarim; eles obedecem. Ele pula de novo na garota, e dessa vez ela não resiste e eles se abraçam. Com o desejo do mandarim satisfeito, suas feridas começam a sangrar e ele morre.

O Príncipe de Madeira nunca alcançou a fama de O Mandarim Milagroso. A peça usa uma orquestra enorme (inclui até saxofones ). A música mostra a influência de Debussy e Richard Strauss, bem como de Wagner (a introdução ecoa o prelúdio de Das Rheingold). Um príncipe se apaixona por uma princesa, mas é impedido de alcançá-la por uma fada que faz uma floresta e um riacho anteporem-se contra ele. Para atrair a atenção da princesa, o príncipe pendura seu manto em um cajado. Coloca nele uma coroa e mechas de cabelo. A princesa avista este “príncipe de madeira” e vem dançar com ele. A fada traz o príncipe de madeira à vida e a princesa vai embora com ele, em vez do príncipe real, que se desespera. A fada fica com pena dele enquanto ele dorme, veste-o com roupas elegantes e reduz o príncipe de madeira a sem vida novamente. A princesa retorna e finalmente se une ao príncipe humano.

Feliz Dia dos Namorados!

Béla Bartók (1881-1945): O Príncipe de Madeira / O Mandarim Miraculoso (Kórodi / Sándor) #BRTK140 Vol. 3 de 29

1 The Wooden Prince, Sz. 60, BB 74 (Op. 13): Curtain
orchestra:
Budapest Philharmonic Orchestra
conductor:
András Kórodi (conductor)
recording of:
The Wooden Prince, Sz. 60: I. Prelude
composer:
Béla Bartók (composer) (from 1914 until 1917)
part of:
The Wooden Prince, op. 13, Sz. 60
4:21

2 The Wooden Prince, Sz. 60, BB 74 (Op. 13): I. Dance. Dance of the princess in the forest
orchestra:
Budapest Philharmonic Orchestra
conductor:
András Kórodi (conductor)
recording of:
The Wooden Prince, Sz. 60: II. Dance 1: Dance of the Princess in the Forest
composer:
Béla Bartók (composer) (from 1914 until 1917)
part of:
The Wooden Prince, op. 13, Sz. 60
2:21

3 The Wooden Prince, Sz. 60, BB 74 (Op. 13): The prince starts on his way
orchestra:
Budapest Philharmonic Orchestra
conductor:
András Kórodi (conductor)
2:27

4 The Wooden Prince, Sz. 60, BB 74 (Op. 13): II. Dance. Dance of the trees (Struggle-dance)
orchestra:
Budapest Philharmonic Orchestra
conductor:
András Kórodi (conductor)
recording of:
The Wooden Prince, Sz. 60: III. Dance 2: Dance of the Trees
composer:
Béla Bartók (composer) (from 1914 until 1917)
part of:
The Wooden Prince, op. 13, Sz. 60
4:12

5 The Wooden Prince, Sz. 60, BB 74 (Op. 13): Restored from his lassitude the prince walks / III. Dance. Dance of the waves – An idea enters his mind
orchestra:
Budapest Philharmonic Orchestra
conductor:
András Kórodi (conductor)
recording of:
The Wooden Prince, Sz. 60: IV. Dance 3: Dance of the Waves
composer:
Béla Bartók (composer) (from 1914 until 1917)
part of:
The Wooden Prince, op. 13, Sz. 60
5:38

6 The Wooden Prince, Sz. 60, BB 74 (Op. 13): Anxious suspence
orchestra:
Budapest Philharmonic Orchestra
conductor:
András Kórodi (conductor)
3:10

7 The Wooden Prince, Sz. 60, BB 74 (Op. 13): IV. Dance. Dance of the princess with the wooden puppet
orchestra:
Budapest Philharmonic Orchestra
conductor:
András Kórodi (conductor)
recording of:
The Wooden Prince, Sz. 60: V. Dance 4: Dance of the Princess With the Wooden Doll
composer:
Béla Bartók (composer) (from 1914 until 1917)
part of:
The Wooden Prince, op. 13, Sz. 60
4:14

8 The Wooden Prince, Sz. 60, BB 74 (Op. 13): The prince behind in greatest despair / The fairy steps out of the forest
orchestra:
Budapest Philharmonic Orchestra
conductor:
András Kórodi (conductor)
5:37

9 The Wooden Prince, Sz. 60, BB 74 (Op. 13): The fairy takes curly golden hair
orchestra:
Budapest Philharmonic Orchestra
conductor:
András Kórodi (conductor)
2:53

10 The Wooden Prince, Sz. 60, BB 74 (Op. 13): V. Dance. The princess in her endeavour to make him dance
orchestra:
Budapest Philharmonic Orchestra
conductor:
András Kórodi (conductor)
recording of:
The Wooden Prince, Sz. 60: VI. Dance 5: The Princess Pulls and Pushes Him and Tries to Make Him Dance
composer:
Béla Bartók (composer) (from 1914 until 1917)
part of:
The Wooden Prince, op. 13, Sz. 60
0:57

11 The Wooden Prince, Sz. 60, BB 74 (Op. 13): VI. Dance. The princess tries to persuade the prince to her side to dance with her
orchestra:
Budapest Philharmonic Orchestra
conductor:
András Kórodi (conductor)
recording of:
The Wooden Prince, Sz. 60: VII. Dance 6: She Tries to Attract Him With a Seductive Dance
composer:
Béla Bartók (composer) (from 1914 until 1917)
part of:
The Wooden Prince, op. 13, Sz. 60
0:54

12 The Wooden Prince, Sz. 60, BB 74 (Op. 13): VII. Dance. Quite alarmed the princess hurries forward him
orchestra:
Budapest Philharmonic Orchestra
conductor:
András Kórodi (conductor)
recording of:
The Wooden Prince, Sz. 60: VIII. Dance 7: Alarmed, the Princess Rushes After Him, but the Forest Stops Her
composer:
Béla Bartók (composer) (from 1914 until 1917)
part of:
The Wooden Prince, op. 13, Sz. 60
2:27

13 The Wooden Prince, Sz. 60, BB 74 (Op. 13): Yet the prince persists. / And finally embraces her. Long kiss
orchestra:
Budapest Philharmonic Orchestra
conductor:
András Kórodi (conductor)
recording of:
The Wooden Prince, Sz. 60: IX. Postlude
composer:
Béla Bartók (composer) (from 1914 until 1917)
part of:
The Wooden Prince, op. 13, Sz. 60
2:41

14 The Miraculous Mandarin, Sz. 73, BB 82 (Op. 19): Allegro. Curtain rises. The first tramp goes through his pocket
orchestra:
Budapest Philharmonic Orchestra
conductor:
János Sándor
partial recording of:

The Miraculous Mandarin, BB 82, Sz. 73, op. 19
composer:
Béla Bartók (composer) (from 1918 until 1924)
premiered at:
[stage performance] (1926-11-27)
publisher:
Universal Edition (publisher; do NOT use as release label) (in 1927)
part of:
Bartók Béla válogatott zenei írásai (number: Sz. 73) and Béla Bartók’s Works (BB) (number: BB 82)
is the basis for:
The Miraculous Mandarin Suite, op. 19
3:21

15 The Miraculous Mandarin, Sz. 73, BB 82 (Op. 19): Moderato. First decoy game
orchestra:
Budapest Philharmonic Orchestra
conductor:
János Sándor
partial recording of:
The Miraculous Mandarin, BB 82, Sz. 73, op. 19
composer:
Béla Bartók (composer) (from 1918 until 1924)
premiered at:
[stage performance] (1926-11-27)
publisher:
Universal Edition (publisher; do NOT use as release label) (in 1927)
part of:
Bartók Béla válogatott zenei írásai (number: Sz. 73) and Béla Bartók’s Works (BB) (number: BB 82)
is the basis for:
The Miraculous Mandarin Suite, op. 19
3:47

16 The Miraculous Mandarin, Sz. 73, BB 82 (Op. 19): Lento. Second decoy game
orchestra:
Budapest Philharmonic Orchestra
conductor:
János Sándor
partial recording of:
The Miraculous Mandarin, BB 82, Sz. 73, op. 19
composer:
Béla Bartók (composer) (from 1918 until 1924)
premiered at:
[stage performance] (1926-11-27)
publisher:
Universal Edition (publisher; do NOT use as release label) (in 1927)
part of:
Bartók Béla válogatott zenei írásai (number: Sz. 73) and Béla Bartók’s Works (BB) (number: BB 82)
is the basis for:
The Miraculous Mandarin Suite, op. 19
3:20

17 The Miraculous Mandarin, Sz. 73, BB 82 (Op. 19): Sostenuto. Third decoy game
orchestra:
Budapest Philharmonic Orchestra
conductor:
János Sándor
partial recording of:
The Miraculous Mandarin, BB 82, Sz. 73, op. 19
composer:
Béla Bartók (composer) (from 1918 until 1924)
premiered at:
[stage performance] (1926-11-27)
publisher:
Universal Edition (publisher; do NOT use as release label) (in 1927)
part of:
Bartók Béla válogatott zenei írásai (number: Sz. 73) and Béla Bartók’s Works (BB) (number: BB 82)
is the basis for:
The Miraculous Mandarin Suite, op. 19
1:42

18 The Miraculous Mandarin, Sz. 73, BB 82 (Op. 19): Maestoso. The Mandarin enters
orchestra:
Budapest Philharmonic Orchestra
conductor:
János Sándor
partial recording of:
The Miraculous Mandarin, BB 82, Sz. 73, op. 19
composer:
Béla Bartók (composer) (from 1918 until 1924)
premiered at:
[stage performance] (1926-11-27)
publisher:
Universal Edition (publisher; do NOT use as release label) (in 1927)
part of:
Bartók Béla válogatott zenei írásai (number: Sz. 73) and Béla Bartók’s Works (BB) (number: BB 82)
is the basis for:
The Miraculous Mandarin Suite, op. 19
2:43

19 The Miraculous Mandarin, Sz. 73, BB 82 (Op. 19): Lento. Wild erotic dance
orchestra:
Budapest Philharmonic Orchestra
conductor:
János Sándor
partial recording of:
The Miraculous Mandarin, BB 82, Sz. 73, op. 19
composer:
Béla Bartók (composer) (from 1918 until 1924)
premiered at:
[stage performance] (1926-11-27)
publisher:
Universal Edition (publisher; do NOT use as release label) (in 1927)
part of:
Bartók Béla válogatott zenei írásai (number: Sz. 73) and Béla Bartók’s Works (BB) (number: BB 82)
is the basis for:
The Miraculous Mandarin Suite, op. 19
4:35

20 The Miraculous Mandarin, Sz. 73, BB 82 (Op. 19): Sempre vivace. She flees from him and he chases more and more wildly
orchestra:
Budapest Philharmonic Orchestra
conductor:
János Sándor
partial recording of:
The Miraculous Mandarin, BB 82, Sz. 73, op. 19
composer:
Béla Bartók (composer) (from 1918 until 1924)
premiered at:
[stage performance] (1926-11-27)
publisher:
Universal Edition (publisher; do NOT use as release label) (in 1927)
part of:
Bartók Béla válogatott zenei írásai (number: Sz. 73) and Béla Bartók’s Works (BB) (number: BB 82)
is the basis for:
The Miraculous Mandarin Suite, op. 19
1:59

21 The Miraculous Mandarin, Sz. 73, BB 82 (Op. 19): Sempre vivo. The tramps leap out
orchestra:
Budapest Philharmonic Orchestra
conductor:
János Sándor
partial recording of:
The Miraculous Mandarin, BB 82, Sz. 73, op. 19
composer:
Béla Bartók (composer) (from 1918 until 1924)
premiered at:
[stage performance] (1926-11-27)
publisher:
Universal Edition (publisher; do NOT use as release label) (in 1927)
part of:
Bartók Béla válogatott zenei írásai (number: Sz. 73) and Béla Bartók’s Works (BB) (number: BB 82)
is the basis for:
The Miraculous Mandarin Suite, op. 19
2:20

22 The Miraculous Mandarin, Sz. 73, BB 82 (Op. 19): Adagio. Suddenly the Mandarin’s head appears
orchestra:
Budapest Philharmonic Orchestra
conductor:
János Sándor
partial recording of:
The Miraculous Mandarin, BB 82, Sz. 73, op. 19
composer:
Béla Bartók (composer) (from 1918 until 1924)
premiered at:
[stage performance] (1926-11-27)
publisher:
Universal Edition (publisher; do NOT use as release label) (in 1927)
part of:
Bartók Béla válogatott zenei írásai (number: Sz. 73) and Béla Bartók’s Works (BB) (number: BB 82)
is the basis for:
The Miraculous Mandarin Suite, op. 19
1:05

23 The Miraculous Mandarin, Sz. 73, BB 82 (Op. 19): Allegro molto. At last the three tramps master their horror
orchestra:
Budapest Philharmonic Orchestra
conductor:
János Sándor
partial recording of:
The Miraculous Mandarin, BB 82, Sz. 73, op. 19
composer:
Béla Bartók (composer) (from 1918 until 1924)
premiered at:
[stage performance] (1926-11-27)
publisher:
Universal Edition (publisher; do NOT use as release label) (in 1927)
part of:
Bartók Béla válogatott zenei írásai (number: Sz. 73) and Béla Bartók’s Works (BB) (number: BB 82)
is the basis for:
The Miraculous Mandarin Suite, op. 19
2:01

24 The Miraculous Mandarin, Sz. 73, BB 82 (Op. 19): Agitato. The terrified tramps discuss
orchestra:
Budapest Philharmonic Orchestra
conductor:
János Sándor
partial recording of:
The Miraculous Mandarin, BB 82, Sz. 73, op. 19
composer:
Béla Bartók (composer) (from 1918 until 1924)
premiered at:
[stage performance] (1926-11-27)
publisher:
Universal Edition (publisher; do NOT use as release label) (in 1927)
part of:
Bartók Béla válogatott zenei írásai (number: Sz. 73) and Béla Bartók’s Works (BB) (number: BB 82)
is the basis for:
The Miraculous Mandarin Suite, op. 19
1:20

25 The Miraculous Mandarin, Sz. 73, BB 82 (Op. 19): Molto moderato. The body of the Mandarin begins to glow
orchestra:
Budapest Philharmonic Orchestra
conductor:
János Sándor
partial recording of:
The Miraculous Mandarin, BB 82, Sz. 73, op. 19
composer:
Béla Bartók (composer) (from 1918 until 1924)
premiered at:
[stage performance] (1926-11-27)
publisher:
Universal Edition (publisher; do NOT use as release label) (in 1927)
part of:
Bartók Béla válogatott zenei írásai (number: Sz. 73) and Béla Bartók’s Works (BB) (number: BB 82)
is the basis for:
The Miraculous Mandarin Suite, op. 19
1:58

26 The Miraculous Mandarin, Sz. 73, BB 82 (Op. 19): Più mosso. The kiss – The Mandarin falls on the floor
orchestra:
Budapest Philharmonic Orchestra
conductor:
János Sándor
partial recording of:
The Miraculous Mandarin, BB 82, Sz. 73, op. 19
composer:
Béla Bartók (composer) (from 1918 until 1924)
premiered at:
[stage performance] (1926-11-27)
publisher:
Universal Edition (publisher; do NOT use as release label) (in 1927)
part of:
Bartók Béla válogatott zenei írásai (number: Sz. 73) and Béla Bartók’s Works (BB) (number: BB 82)
is the basis for:
The Miraculous Mandarin Suite, op. 19

Budapest Philharmonic Orchestra
András Kórodi (Príncipe)
János Sándor (Mandarim)

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

Bartók lendo, estarrecido, sobre a CPI do Covid.

PQP

Wilhelm Friedemann Bach (1710-1784): Sinfonias, Suítes, Concerto para Cravo e Orq. (Lamon)

Wilhelm Friedemann Bach (1710-1784): Sinfonias, Suítes, Concerto para Cravo e Orq. (Lamon)

Nós éramos muitos. Meu irmão WF foi o mais velho dentre os irmãos. Para mim, é difícil vê-lo como o homem velho — organista, cravista, professor e compositor — que aparece no Google. Para mim, ele sempre será o chato que era o preferido de nosso pai. Quando nosso pai morreu, ele começou a ter dificuldades pelo consumo excessivo de álcool. Ele se tornou muito sensível e nada confiável e, embora nunca houvesse dúvidas sobre seu talento, ele imaginava que sim. Viveu muito. Ensinou muito. Tocou muito. Complicou muito. Complicou inclusive a sua vida, meu caro bachiano, ao perder 100 Cantatas de nosso pai. Mas este disco é do caraglio. Ouça porque vale a pena. Lamon e seus músicos de mesa são muito competentes neste repertório que fica na transição entre o estilos barroco e o rococó-classicismo.

Wilhelm Friedemann Bach (1710-1784): Sinfonias, Suítes, Concerto para Cravo e Orq. (Lamon)

Sinfonia In D Major, F. 64
1 1. Allegro E Maestoso 3:55
2 2. Andante 3:15
3 3. Vivace 3:24

Sinfonia In D Minor, F. 65
4 Adagio & Fugue

Suite In G Minor, BWV 1070 (Attrib.: W. F. Bach)
5 1. Ouverture – Larghetto 4:35
6 2. Torneo 1:58
7 3. Aria – Adagio 5:22
8 4. Menuetto Alternativo – Trio 4:48
9 5. Capriccio 3:31

Concerto For Harpsichord, Strings And Basso Continuo In D Major, F. 41
10 1. Allegro 5:50
11 2. Andante 5:34
12 3. Vivace 4:28

Sinfonia In F Major For Strings, F. 67
13 1. Vivace 4:22
14 2. Andante 4:48
15 3. Allegro 3:18
16 4. Menuetto 1 & 2 2:30

Bassoon – Michael McCraw
Cello – Christina Mahler, Sergei Istomin
Concert Flute – Christopher Krueger, Elissa Poole
Directed By – Jeanne Lamon
Double Bass – Alison Mackay
Harpsichord – Charlotte Nediger
Horn – Derek Conrod, Teresa Wasiak
Oboe – John Abberger, Washington McClain
Orchestra – Tafelmusik Baroque Orchestra
Viola – Elly Winer, Ivars Taurins, Patrick G. Jordan
Violin – Christopher Verrette, David Greenberg, Kevin Mallon, Linda Melsted, Rona Goldensher, Stephen Marvin, Thomas Georgi
Violin [Leader] – Jeanne Lamon

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

O queridinho do papai.

PQP

Béla Bartók (1881-1945): O Castelo do Barba Azul (Melis / Kasza / Ferencsik) #BRTK140 Vol. 2 de 29

Béla Bartók (1881-1945): O Castelo do Barba Azul (Melis / Kasza / Ferencsik) #BRTK140 Vol. 2 de 29

Aqui, toda a coleção.

O Castelo do Barba Azul, aqui cantada em húngaro, é única ópera de Bartók. Trata-se de uma versão moderna da lenda europeia sobre o cruel príncipe Barba Azul e suas esposas desaparecidas. É uma metáfora para a impossibilidade de amor entre homens e mulheres. Sete portas escondem os mais recônditos e obscuros segredos do Duque Barba Azul. Sua quarta mulher, Judite, chega ao seu castelo e pretende desvendar esses mistérios. Para isso terá que abrir cada uma das portas, dando início a um drama psicológico. A ópera tem apenas um ato e é protagonizada por apenas soprano e barítono.

Quando Judite chega ao castelo de Barba Azul, fica intrigada com as sete portas fechadas à chave. Dominada pela curiosidade sobre o segredo que esconde cada uma das áreas, exige que o marido lhe dê as chaves.

Logo na primeira porta encontra uma câmara da tortura…

O suspense sobre o que está por detrás de cada porta sobrepõe-se à ação. No entanto, só depois da revelação de um jardim que está por detrás da quinta porta, e de um lago feito de lágrimas, é que a narrativa explode de forma angustiante.

Béla Balázs, autor do libreto que deu origem à ópera de Béla Bartók proferiu esta curiosa afirmação “A minha balada é sobre a vida interior. O castelo do Barba Azul não é um castelo de pedras. O castelo é a sua alma. É solitário, escuro e secreto: o castelo de portas fechadas”.

Béla Bartók (1881-1945): O Castelo do Barba Azul (Melis / Kasza / Ferencsik) #BRTK140 Vol. 2 de 29

1 Duke Bluebeard’s Castle, Sz. 48, BB 62 (Op. 11): “Here we are now. Now at last you see” 8:58
2 Duke Bluebeard’s Castle, Sz. 48, BB 62 (Op. 11): “Ah, I see seven great shut door-ways” 4:20
3 Duke Bluebeard’s Castle, Sz. 48, BB 62 (Op. 11): “Woe! What seest thou? (Door 1)” 3:44
4 Duke Bluebeard’s Castle, Sz. 48, BB 62 (Op. 11): “What seest thou? Piles of cruel arms and armour (Door 2)” 3:47
5 Duke Bluebeard’s Castle, Sz. 48, BB 62 (Op. 11): “Mountains of gold! (Door 3)” 2:01
6 Duke Bluebeard’s Castle, Sz. 48, BB 62 (Op. 11): “Ah! Tender flowers! (Door 4)” 4:27
7 Duke Bluebeard’s Castle, Sz. 48, BB 62 (Op. 11): “Look, my castle gleams and brightens (Door 5)” 4:58
8 Duke Bluebeard’s Castle, Sz. 48, BB 62 (Op. 11): “Two more doors” 1:18
9 Duke Bluebeard’s Castle, Sz. 48, BB 62 (Op. 11): “I can see a sheet of water (Door 6)” 5:38
10 Duke Bluebeard’s Castle, Sz. 48, BB 62 (Op. 11): “Tell me, tell me, dearest Bluebeard” 2:46
11 Duke Bluebeard’s Castle, Sz. 48, BB 62 (Op. 11): “Now I know it all, oh, Bluebeard” 3:43
12 Duke Bluebeard’s Castle, Sz. 48, BB 62 (Op. 11): “Hearts that I have loved and cherished (Door 7)” 2:27
13 Duke Bluebeard’s Castle, Sz. 48, BB 62 (Op. 11): “The first I found at daybreak” 4:16
14 Duke Bluebeard’s Castle, Sz. 48, BB 62 (Op. 11): “Henceforth all shall be darkness” 1:52

baritone vocals: György Melis (baritone)
soprano vocals: Katalin Kasza
orchestra: Budapest Philharmonic Orchestra
conductor: János Ferencsik (conductor)
librettist: Béla Balázs

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

Bartók de barba, preparando-se para a abrir uma porta…

PQP

Robert Schumann (1810-1856): Música para Violoncelo e Piano

Robert Schumann (1810-1856): Música para Violoncelo e Piano

Steven Isserlis talvez seja a melhor voz de Schumann no violoncelo. Ele apresenta as obras em um modo sensível e divertido. Pena que Schumann não gostasse tanto do violoncelo, apesar de tê-lo tocado em seus primeiros anos. Algumas peças para o instrumento foram destruídas por Clara após sua morte. Várias obras deste CD são transcrições. (1) As três Fantasiestucke foram originalmente escritas para clarinete, mas o próprio Schumann produziu uma edição para violoncelo e, ironicamente, esta é provavelmente a versão agora ouvida com mais frequência. (2) A Sonata para Violino Nº 3 é uma obra reconstruída e transcrita aqui para violoncelo pelo próprio Isserlis. (3) Abendlied é uma transcrição por Joachim a partir de uma versão para dueto de piano. (4) Drei Romanzen Op. 94 eram originalmente para oboé e piano. Aqui o violoncelo leva a linha do oboé para uma oitava abaixo. Todos estes trabalhos vão muito bem no violoncelo e você fica imaginando e lamentando o que Clara destruiu.

Robert Schumann (1810-1856): Música para Violoncelo e Piano

Soiréestücke (Fantasiestücke) Op 73 (11:28)
1 Zart Und Mit Ausdruck 4:09
2 Lebhaft, Leicht 3:09
3 Rasch Und Mit Feuer 4:06

Adagio And Allegro Op 70 (8:57)
4 Adagio 4:17
5 Allegro 4:36

Violin Sonata No 3 In A Minor – Arranged By – Steven Isserlis (20:06)
6 Ziemlich Langsam – (Lebhaft) – 7:05
7 Scherzo: Lebhaft 3:12
8 Intermezzo: Bewegt, Doch Nicht Zu Schnell 3:21
9 Finale: Markiertes, Ziemlich Lebhaftes Tempo 6:20
10 Abendlied Op 85 No 12
Arranged By – Joseph Joachim, Steven Isserlis
3:04

Drei Romanzen Op 94 – Arranged By – Steven Isserlis (11:07)
11 Nicht Schnell 3:10
12 Einfach, Innig – Etwas Lebhafter 3:50
13 Nicht Schnell 4:04

Fünf Stücke Im Volkston Op 102 (15:26)
14 Mit Humor 2:48
15 Langsam 3:37
16 Nicht Schnell, Mit Viel Ton Zu Spielen 4:08
17 Nicht Zu Rasch 1:47
18 Stark Und Markiert 3:03

Cello, Liner Notes – Steven Isserlis
Piano [Steinway] – Dénes Várjon

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

Isserlis aponta o caminho para Várjon: vá ao PQP Bach!

PQP

Martinů (1890-1959) • Honegger (1892–1955) • Stravinsky (1882–1971): Peças para Orquestra – Kammerorchester Basel & Christopher Hogwood ֍

Martinů (1890-1959) • Honegger (1892–1955) • Stravinsky (1882–1971): Peças para Orquestra – Kammerorchester Basel & Christopher Hogwood ֍

Martinů • Honegger

Stravinsky

Peças para Orquestra

Kammerorchester Basel

Christopher Hogwood

Paul Sacher

Paul Sacher viveu por todo o século XX e de 1926 até 1987 dirigiu a orquestra que ele mesmo fundou, a Basler Kammerorchester. Isto já é impressionante, mas além disso, Sacher foi um homem de seu próprio tempo e queria ouvir e interpretar música que estava sendo composta naqueles dias. Para estrear nos concertos da orquestra, ele encomendou obras aos renomados (e em alguns casos, nem tão renomados assim) compositores atuantes e o catálogo das obras compostas nestas condições é enorme.

Este disco reúne três destas obras e replica o concerto da noite de 21 de janeiro de 1947, celebrando vinte anos da orquestra. Estas foram encomendadas especialmente para este dia.

Bohuslav Martinů compôs uma peça em três movimentos – Toccata e due canzoni, que tem um piano obbligato. Veja como a peça é descrita no allmusic.com: Com a duração de aproximadamente 25 minutos, esta obra com três movimentos para orquestra e com uma proeminente parte para piano é equivalente a uma sinfonia em importância e escopo, se não pelo nome ou forma. O tom consistentemente cada vez mais expressivo da obra contradiz a impressão que o título dá, de que este pode ser um exercício leve em formas neoclássicas.

A obra de Stravinsky, o Concerto em ré maior para Orquestra de Cordas – Basler – é bastante famoso e reflete o período clássico do compositor. Completando o programa uma sinfonia, a quarta de Arthur Honegger, com o sugestivo nome ‘Deliciae Basilienses’, com um lindo colorido orquestral e ritmos influenciados por jazz.

A surpresa do disco é a regência de Christopher Hogwood, mais comumente associado ao repertório barroco e clássico, assim como à prática dos instrumentos de época e tal. Para a nossa sorte, em 2001 quando o disco foi produzido, a onda HIP já havia se arrefecido e Christopher estava empregando seus méritos, préstimos e talento em outras freguesias. Ouvindo o disco numa tarde estranhamente quieta de um domingo de maio, acredito que o pessoal aplaudiu o Paul Sacher e sua orquestra de pé e voltou encantado para casa.

Bohuslav Martinů (1890-1959)

Toccata e due canzoni (1946)

  1. Toccata
  2. Canzone No. 1
  3. Canzone No. 2

Igor Stravinsky (1882–1971)

Concerto em ré maior para Orquestra de Cordas ‘Basler’

  1. Vivace
  2. Arioso
  3. Rondo

Arthur Honegger (1892–1955)

Sinfonia No. 4 ‘Deliciae Basilienses’

  1. Lento e misterioso
  2. Larghetto
  3. Allegro

Kammerorchester Basel

Christopher Hogwood

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

FLAC | 253 MB

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

MP3 | 320 KBPS | 149 MB

Kammerorchester Basle

Depois que vocês gostaram do disco, o pessoal ficou bem mais animado…

 

 

 

 

 

 

“Christopher Hogwood leads near ideal performances of all three items, and they respond well to his crisp, period-instrument-influenced approach…wholly recommendable.” CLASSICS TODAY

The archives of the Sacher Stiftung in Basel contain many treasures of contemporary music commissioned by Sacher, and first performed by him. In addition the documentation of more than 50 years of concert giving, both with the Basler Kammerorchester and the Collegium Musicum Zürich demonstrates his masterly sense of the possibilities of combining old and new music to best effect.

Aproveite!

René Denon

.: interlúdio :. Eric Reed: The Dancing Monk

.: interlúdio :. Eric Reed: The Dancing Monk

Um bom e elegante CD. Reed é excelente pianista e seu grupo é ótimo ao recriar temas do grande Thelonius Monk. Reed não chega a transcender, ele não “magica”, então o disco não é um perfeição, mas dá seu recado. Todo pianista de jazz está em algum lugar na sombra de Thelonious Monk (1917-1982) e Eric Reed abraça essa sombra em The Dancing Monk. Interpretar a música mítica do pianista / compositor — quanto mais fazer um álbum inteiro com suas músicas — representa um desafio e tanto para qualquer músico moderno, especialmente para um pianista. Primeiro, as composições de Monk são, de fato, desafiadoras por si mesmas. São cheias de compassos estranhos, sincopados e ele escreveu algumas das melodias mais anti-intuitivas conhecidas. Em segundo lugar, o trabalho de Monk no teclado era completamente único e entrelaçado com sua música. Seu jeito de tocar piano era parte integrante dessas canções e um dos principais componentes de sua grandeza. É difícil imaginar um sem o outro. É aí que reside o problema. Um pianista moderno que interpreta essa música se depara com a difícil tarefa de separar a música de Monk de sua maneira de tocar piano, mantendo as composições e, em seguida, trazendo algo novo para a festa. A alternativa é arriscar simplesmente fazer uma cópia de performances que agora têm entre quarenta e sessenta anos. É preciso muita sensibilidade para tocar essa música de uma forma que retenha o que há de bom nas composições, sem massacrar a performance com um pianismo incongruente. Claro, é provável que seja exatamente esse desafio que mantém os músicos regularmente tentando esse feito musical, com graus amplamente variados de sucesso. Reed sai-se bem, mas… Que saudades dos originais de Thelonius!

.: interlúdio :. Eric Reed: The Dancing Monk

1 Ask Me Now 4:00
2 Eronel 3:42
3 Reflections 5:47
4 Light Blue 4:43
5 Ruby, My Dear 5:58
6 Pannonica 4:52
7 Ugly Beauty 4:19
8 The Dancing Monk 3:47
9 ‘Round Midnight 6:54
10 Blue Monk 4:44

Bass – Ben Wolfe
Drums – McClenty Hunter
Piano– Eric Reed

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

Eric Reed tomando um solzinho na sede de Filadélfia da PQP Bach Corp.

PQP

O Cieco Mondo: The Italian Lauda, c.1400-1700 (Huelgas Ensemble)

O Cieco Mondo: The Italian Lauda, c.1400-1700 (Huelgas Ensemble)

IM-PER-DÍ-VEL !!!

Um disco maravilhoso. Belas canções anônimas interpretadas magnificamente pelo Huelgas-Ensemble. Ouvi, ouvi e ouvi e foi difícil de passar para o próximo CD.

O Huelgas é um grupo belga de música antiga formado pelo maestro flamengo Paul Van Nevel em 1971. A atuação do grupo e sua extensa discografia se concentram na polifonia renascentista . O nome do conjunto refere-se a um manuscrito de música polifônica, o Codex Las Huelgas. Van Nevel é conhecido por seu estilo de executar muitas peças com os cantores e ele mesmo em um grande círculo, girando, tanto em apresentações ao vivo ou em gravações ao redor do microfone pairando acima, no centro.

Ouçam, ouçam, ouçam!

O Cieco Mondo: The Italian Lauda, c.1400-1700 (Huelgas-Ensemble)

1 Volgi Gli Ochi, O Madre Pia 5:24
2 Ave Corpus Vere Natum 2:34
3 Dolor Pianto 5:05
4 Ave Maria Stella 2:51
5 Io Ti Lascio 5:43
6 Signor Pe La Tua Fe 4:01
7 Helas Me Celes 3:16
8 Chi C’Insegna Ov’e Gesu? Nell’ Arrivare Alla Chiesa 7:13
9 O Cieco Mondo 5:43
10 Chi Vol Seguir La Guerra 2:28
11 Che Bella Vit’ha’l Mond’Un Villanello 3:09

Huelgas-Ensemble
Paul Van Nevel

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

O Huelgas-Ensemble na Sala dos Ateus da Mansão PQP Bach: de beleza extrema

PQP

Viva a Rainha! – As Idades de Marthinha, parte III (1961-1971) [Martha Argerich, 80 anos]


Em homenagem aos oitenta anos da Rainha, adicionaremos mais uma camada à sua já extensa discografia aqui no PQP Bach. Eis a terceira de oito partes:


Os conturbados anos sessenta foram um redemoinho para Martha. Depois dum breve período a morar sozinha, longe da mãe, a viver la vida loca em Viena, desiludiu-se com a carreira de concertista e cogitou de tudo, até estudar Medicina (!). Insegura sobre sua capacidade como artista, resolveu dar um tempo ao piano e mudou-se para Nova York.

O motivo? Vladimir Horowitz.

Martha soube que sua gravação da Rapsódia Húngara no. 6 impressionara Horowitz, e achou que isso seria credencial bastante para tornar-se aluna do ídolo. Enganou-se: isso nunca aconteceu – nunca, aliás, se encontraram – e, para desnortear ainda mais seu rumo, viu-se grávida de sua primeira filha, Lyda.


Depois de três anos sem tocar, Martha retorna ao piano. Seu objetivo é o Concurso Internacional Chopin, em Varsóvia, em 1965.


Logo na primeira etapa da competição, fica óbvio que seu maior concorrente seria o brasileiro Arthur Moreira Lima, aluno do Conservatório de Moscou, que conquistou o público com suas interpretações e com sua semelhança física com o próprio Chopin, de quem seria um dos mais distintos intérpretes. Arthur venceu a primeira etapa, Martha, as duas seguintes, e na grande final, com sua interpretação do concerto em Mi menor, ela acabou por conquistar o primeiro prêmio.

Ei-los

O resto, como dizem, é história.

ooOoo

Apresento-lhes agora todas as gravações que consegui recolher da trajetória de Martha no VII Concurso Internacional Chopin, em 1965, que deixa óbvio por que nossa Rainha conquistou o júri, atacando o teclado com a fúria e a paixão habituais, sem medo de correr riscos (ao que abdicam muitos participantes de concursos pianísticos). O mais impressionante, talvez, é que não fosse a qualidade medíocre do som, poderíamos jurar que as performances são de anteontem, tamanha era a maturidade da artista, então com 23 anos, e tão espetacular que é sua técnica hoje, aos oitenta.

1 – Anúncio

Fryderyk Francyszek CHOPIN (1810-1849)

Sonata para piano no. 3 em Si menor, Op. 58
2 – Allegro maestoso
3 – Scherzo: Molto vivace
4 – Largo
5 – Finale: Presto non tanto

Dos Dois noturnos para piano, Op. 55:
6 – No. 2 em Mi bemol maior

Dos Doze estudos para piano, Op. 10:
7 – No. 10 em Lá bemol maior

8 – Barcarola em Fá sustenido maior, Op. 60

Dos Doze estudos para piano, Op. 10:
9 – No. 1 em Dó maior
10 – No. 5 em Dó sustenido menor

Dos Vinte e quatro prelúdios para piano, Op. 28
11 – No. 19 em Mi bemol maior
12 – No. 20 em Dó menor
13 – No. 21 em Si bemol maior
14 – No. 22 em Sol menor
15 – No. 23 em Fá maior
16 – No. 24 em Ré menor

17 – Polonaise em Lá bemol maior, Op. 53, “Heroica”

Dos Três noturnos para piano, Op. 15
18 – No. 1 em Fá maior

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

Das Três valsas para piano, Op. 34:
1 – No. 2 em Lá bemol maior

2 – Scherzo para piano no. 3 em Dó sustenido menor, Op. 39

Concerto para piano e orquestra no. 1 em Mi menor, Op. 11
3 – Allegro maestoso
4 – Larghetto
5 – Rondo. Vivace.

Orkiestra Filharmonii Narodowej w Warszawie (Orquestra Filarmônica Nacional de Varsóvia)
Witold Rowicki, regência

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

Martha Argerich, piano
Gravado ao vivo na Sala Filarmônica de Varsóvia, Polônia, em março de 1965

Programa original da participação de Martha no VII Concurso Internacional Chopin, em 1965. Notem que há diferenças entre o programa previsto e aquele realmente executado, mais notavelmente o concerto da etapa final.

 

Trailer do documentário “Martha Argerich in Warsaw 1965”, que aborda o marco zero do nascimento da superestrela. Notem a participação de Arthur Moreira Lima, um excelente artista que, convenhamos, teve muito azar de disputar a primazia com uma das melhores pianistas de todos os tempos.

Our Queen speaking in English

 

PQP Bach, pelo saudoso Ammiratore (1970-2021)

Vassily

Viva a Rainha! – As Idades de Marthinha, parte II (1951-1961) [Martha Argerich, 80 anos]


Em homenagem aos oitenta anos da Rainha, adicionaremos mais uma camada à sua já extensa discografia aqui no PQP Bach. Eis a segunda de oito partes:


Logo que ficou ficou óbvio que não haveria professores no Hemisfério Sul capazes de darem conta da pequena María Martha (porque eu tinha HOJE anos de idade quando descobri que Martha também é María), começaram as tratativas para que a niña precoz fosse estudar na Europa. A escolha de María era clara: queria ir para Viena estudar com Friedrich Gulda, um pianista brilhante que já granjeara fama de excêntrico e anticonvencional, e cujo antiacademicismo mui provocativo o tornava o mais improvável dos professores.

E isso tudo antes de adotar o visual que, a partir dos anos 70, fê-lo ser mimosamente comparado a um “cafetão sérvio”.

Como os Argerich não nadavam em recursos, a mãe de María resolveu tomar providências. A (assim a chamemos) mui assertiva Juanita, com quem Martha sempre teria uma relação complicada, resolveu as coisas com ninguém menos que Juan Domingo Perón. Nas palavras da filha:

Eu tinha pouco mais de 12 anos, tinha tocado no Teatro Colón e o Perón tinha me convidado para um encontro na residência presidencial. Mamãe perguntou se ela poderia vir comigo, e eles disseram que sim, é claro. Eu não era muito peronista; lembro-me que estava sempre colando pedacinhos de papel em todos os lugares que diziam “Balbín-Frondizi” [antiperonistas ferrenhos e candidatos da oposição às eleições de 1951]. Perón nos recebeu e me perguntou: “E para onde você quer ir, ñatita?” E eu queria ir para Viena, estudar com Friedrich Gulda. Ele gostou de eu não querer ir para os Estados Unidos. O mais engraçado foi que minha mãe, para bajulá-lo, disse a ele que eu adoraria fazer um show na UES [União dos Alunos do Ensino Médio]. E devo ter feito uma cara um tanto reveladora de que não gostei da ideia, pois o Perón começou a concordar com mamãe, dizendo “claro senhora, vamos organizar”, enquanto piscava para mim e, por baixo da mesa, fazia com um dedo que não. Ele estava contendo mamãe e isso me acalmou – percebeu que eu não queria. Fantástico, não é? E ele deu um emprego ao meu pai. Ele o nomeou adido econômico em Viena. E disse à mamãe que a achava também muito inteligente, empreendedora e capaz, e que conseguiu outro cargo para ela na embaixada.

Naqueles tempos, o que Perón mandava, o governo fazia: no ano seguinte, os Argerich deixariam Buenos Aires com mala e cuias, rumo a Viena e ao encontro de Gulda.

Martha e Gulda em Viena, sob o olhar atendo do filho mais ilustre de Aracati, o grande Jacques Klein (à esquerda). Foto do acervo de Nelson Freire, disponibilizada pelo Instituto Piano Brasileiro.

Foram apenas dezoito meses de estudo, durante os quais Martha foi a única aluna de Gulda, um mestre apenas onze anos mais velho que ela e de ademais pouquíssimos alunos. Ainda que viesse a receber lições de Maria Curcio, de Stefan Askenaze e de Arturo Benedetti Michelangeli, Gulda foi a mais decisiva influência na carreira de nossa Rainha. Ela sempre o idolatrou, e frequentemente o cita em suas entrevistas. O austríaco, no entanto, não se impressionou com o estrelato posterior de sua aluna, aparentemente por achá-lo convencional demais para seus heterodoxos parâmetros. E a vida pessoal de Martha, também, parecia bater recordes mesmo para os caóticos padrões guldanianos: ao encontrá-la num camarim, décadas depois, depois de um recital, Gulda – que ficaria notório por divulgar a notícia de sua morte um ano antes de morrer de fato, e que intitulou seu concerto seguinte “Festa da Ressurreição” – tascou:

O que fizeste da tua vida???
O que fazer da vida é a preocupação de todas as ex-crianças prodígio, e Martha, egressa dos estudos com Gulda, não sabia o que fazer dela. Estava longe da bajulação que tinha na Argentina, mas ainda controlada a cabresto pela mãe, e no coração dum continente onde se levantava uma pedra e, debaixo dela, saíam enxames de pianistas promissores. A saída mais óbvia eram as láureas em concursos de piano, e ela conseguiu duas em menos de um mês, em 1957: no Concurso Internacional Busoni em Bolzano (Itália), e no Concurso Internacional de Genebra (Suíça), o qual Gulda também vencera com 16 anos.

Enquanto botava as manguinhas de fora para morar sozinha, Martha excursionava extensamente pelo continente e, antes dos vinte anos, fez sua estreia discográfica oficial pela prestigiosa Deutsche Grammophon, ostentando na capa os cabelos cacheados e o olhar tristonho típicos daquela década. A relação da promissora jovem com seu instrumento, enfim, sempre tivera profundas rachaduras e muito poucas alegrias. Num dos trechos mais tocantes do documentário assinado por sua filha, Stéphanie, Martha está a olhar álbuns da infância e estimar sua idade nas fotos pela presença do sorriso – sinal de que o piano ainda não entrara em sua vida.

Esse difícil período de transição entre ex-criança prodígio e superestrela do teclado é admiravelmente coberto por esta caixa da Hänssler, que mostra que nossa Rainha era uma artista consumada antes de completar 20 anos. Em diversas gravações ao vivo de qualidade variável, além da supracitada gravação de estreia em estúdio, são óbvias as qualidades que até hoje, mais de sessenta anos depois, nos deixam boquiabertos. Entre várias interpretações de Mozart, um compositor a que voltaria relativamente pouco em sua carreira, e o primeiro de seus sete registros do concerto de Ravel, que é de seus cavalos de batalha favoritos, o curioso destaque – e a prova principal de que Martha estava disponível para todas empreitadas – é o registro de dois recitais em Leningrado (atual São Petersburgo), no qual ela acompanhava o já famoso violinista Ruggiero Ricci, vinte anos mais velho, e que permaneceu seu amigo por toda vida.


Joseph Maurice RAVEL (1875-1937)

Concerto em Sol maior para piano e orquestra, M. 83
1 – Allegramente
2 – Allegro assai
3 – Presto
Südwestfunk-Sinfonieorchester Baden-Baden
Ernest Bour, regência
Gravação de 1960

Gaspard de la Nuit, três poemas para piano após Aloysius Bertrand, M. 55
4 – Ondine
5 – Le Gibet
6 – Scarbo
Gravação de 1960

Sonatina para piano em Fá sustenido menor, M. 40
7 – Modéré
8 – Mouvement de Menuet
9 – Animé
Gravação de 1960

Jeux d’eau, para piano, M. 30
10 – Très doux
Gravação de 1960

Béla Viktor János BARTÓK (1881-1945)
Sonatina para violino e piano, Sz. 55, BB 102a (arranjo de A. Gertler)
11 – Cornemuses. Allegretto
12 – Danse De L’ours. Moderato
13 –  Finale: Allegro Vivace
Ruggiero Ricci, violino
Gravação de 1961

Pablo Martín Melitón de SARASATE y Navascués (1844-1908)
Introdução e tarantela para violino e piano, Op. 43
14 – Moderato
Ruggiero Ricci, violino
Gravação de 1961

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE


Wolfgang Amadeus MOZART (1756-1791)
Concerto para piano e orquestra no. 21 em Dó maior, K. 467
1 -Allegro maestoso
2 – Andante
3 –  Allegro vivace assai
Kölner Rundfunk-Sinfonieorchester
Peter Maag, regência
Gravado em 1960

Ludwig van BEETHOVEN (1770-1827)
Das Três sonatas para piano, Op. 10: 
No. 3 em Ré maior
4 – Presto
5 – Largo e Mesto
6 – Menuetto. Allegro
7 – Rondo. Allegro
Gravado em 1960

Das Três sonatas para violino e piano, Op. 12:
No. 3 em Mi bemol maior
8 – Allegro con spirito
9 – Adagio con molt’espressione
10 – Rondo. Allegro molto
Ruggiero Ricci, violino
Gravado em 1961

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE


Wolfgang Amadeus MOZART
Sonata para piano no. 8 em Lá menor, K. 310
1 – Allegro maestoso
2 – Andante cantabile con espressione
3 – Presto

Sonata para piano no. 13 em Si bemol maior, K. 333
4 – Allegro
5 – Andante cantabile
6 – Allegretto grazioso

Sonata para piano no. 18 em Ré maior, K. 576
7 – Allegro
8 –  Andante cantabile
9 – Allegretto grazioso
Gravadas em 1960

Robert Alexander SCHUMANN (1810-1856)
Toccata em Dó maior para piano, Op. 7
10 – Allegro
Gravadas em 1960

Johannes BRAHMS (1833-1897)
Duas rapsódias para piano, Op. 79
11 – Agitato, em Si menor
12 – Molto passionato, ma non troppo allegro, em Sol menor
Gravadas em 1961

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE


Franz LISZT (1811-1886)
1 – Rapsódia Húngara no. 6, para piano
Gravada em 1961

Fryderyk Francyszek CHOPIN (1810-1849)
2 – Barcarola em Fá sustenido maior para piano, Op. 60
3 – Scherzo para piano no. 3 em Dó sustenido menor, Op. 39
4 – Balada para piano no. 4 em Fá menor, Op. 52
Gravadas em 1960-61

Dos Doze estudos para piano, Op. 10
5 – No. 1 em Dó maior
Gravado em 1955 em Buenos Aires

Sergey Sergeyevich PROKOFIEV (1891-1953)
6 – Toccata para piano, Op. 11
7 – Sonata para piano no. 3 em Lá menor, Op, 28
Gravadas em 1961

Franz LISZT
8 1 – Rapsódia Húngara no. 6, para piano
Gravada ao vivo em 1957, durante o Concurso Internacional de Genebra

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE



Unsere Königin spricht Deutsch

 

PQP Bach, pelo saudoso Ammiratore (1970-2021)

Vassily

Viva a Rainha! – As Idades de Marthinha, parte I (1941-1951) [Martha Argerich, 80 anos]


Em homenagem aos oitenta anos da Rainha, adicionaremos mais uma camada à sua já extensa discografia aqui no PQP Bach. Eis a primeira de oito partes:


Marthinha, nossa Rainha, começou a tocar piano aos três anos.

Três anos!

Ela foi tão escandalosamente bem que, ao cinco, arranjaram-lhe aulas com o mais famoso professor de Buenos Aires, o calabrês Scaramuzza.

Cinco anos!

Scaramuzza era austero e feroz, mas bom pedagogo, e alguns anos sob sua tutela foram bastantes para que a menina virasse, juntamente com o garoto Daniel, a mais célebre Wunderkind portenha. Daí para que ela estreasse nos palcos foi um tapinha:

Programa da estreia de Marthita sob a regência de seu professor, Scaramuzza, em setembro de 1949. Notem que, a despeito dela ter completado oito anos em junho, atribuem-lhe sete anos.

Seus programas, além do concerto em Ré menor de Mozart, incluíam duas obras que seriam pedras angulares de seu repertório: o concerto no. 1 de Beethoven, e o concerto em Lá menor de Schumann – exatamente aqueles que, pelo resto da vida, seriam seus compositores favoritos. As gravações a seguir, restauradas a partir de registros de rádios argentinas, mostram a pequena notável já em grande forma, devorando os concertos com a naturalidade que lhe é tão peculiar.


Ludwig van BEETHOVEN (1770-1827)

Concerto para piano e orquestra no. 1 em Dó maior, Op. 15
1 – Allegro con brio
2 – Largo
3 – Rondo: Allegro

Martha Argerich, piano (aos oito anos)
Orquesta Sinfónica de Radio El Mundo
Alberto Castellanos, regência

Robert Alexander SCHUMANN (1810-1856)
Concerto em Lá menor para piano e orquestra, Op. 54
4 – Allegro affettuoso
5 – Intermezzo: Andantino grazioso
6 – Allegro vivace

Martha Argerich, piano (aos onze anos)
Orquesta Sinfónica de la Ciudad de Buenos Aires
Washington Castro, regência

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE


BÔNUS: o concerto em Ré menor de Mozart, numa transmissão radiofônica cujo locutor, curiosamente, atribui sete anos à solista de oito (o que, obviamente, não diminui meu pasmo com a precocidade de nossa Rainha)

1 – Introdução em espanhol (excerto)

Wolfgang Amadeus MOZART
 (1756-1791)
Concerto para piano e orquestra no. 20 em Ré maior, K. 466
2 – Allegro
3 – Romanze
4 – Rondo: Allegro assai

Ludwig van BEETHOVEN (1770-1827)

Concerto para piano e orquestra no. 1 em Dó maior, Op. 15
4 – Allegro con brio
5 – Largo
6 – Rondo: Allegro

Martha Argerich, piano (aos oito anos)
Gran Orquesta Clásica de LR1
Alberto Castellanos, regência

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE


Nuestra Reina, en castellano

Se você gosta de Marthinha e dos concertos de Beethoven, recomendo fortemente esta gravação – sua única do concerto no. 3, que ela diz que “toca, mas mal”:

Beethoven (1770-1827): Concertos para Piano No 3 & No 2 – Martha Argerich – Mahler CO – Claudio Abbado

 

PQP Bach, pelo saudoso Ammiratore (1970-2021)

Vassily

 

 

Viva a Rainha! – Martha Argerich, 80 anos [Debussy: Fantasia para piano e orquestra]

Nossa Rainha completa hoje oitenta outonos, e nós, seus súditos aqui no PQP Bach, não poderíamos deixar de lhe prestar nossas embevecidas homenagens.

Não que elas tenham faltado, claro, ao longo desses quase quinze anos de blog. Foram algumas toneladas de seda rasgadas, que custaram talvez mais que o PIB duma micronação no Pacífico, o que é absolutamente natural, porque não há a respirar nessa atmosfera uma outra pianista como Marthinha – e porque, para nossa felicidade,  também não há sinais de que ela deixe de nos embevecer tão cedo.

Os heréticos que dela duvidam talvez possam arder de arrependimento ao vê-la voltar aos recitais solo (ainda que sem público) e à sonata no. 3 de Chopin, ambos depois de décadas, para fazer ISSO em Hamburgo, no ano passado:

Se poucos são os pianistas que, ao entrarem em seu octagésimo ano de vida, se animariam a enfrentar uma obra tão exigente, em número ainda menor são aqueles que o fariam com tanto vigor, correndo tantos riscos, e de lambujem trazendo ainda mais beleza à sua leitura: o cantabile do Largo, na minha desimportante opinião, é ainda mais maravilhoso que em suas versões anteriores da sonata.

Não conheço, tampouco, outros artistas na idade que Marthita atinge hoje que se animem a aprender repertório novo. A última edição da revista Gramophone dá conta de que ela está aprendendo as schumannianas “Estações” de Tchaikovsky, e que pediu ao amigo e afilhado artístico Nelson Goerner a partitura do “Imperador” de Beethoven, que ela aprendeu (e esqueceu) na juventude:

Novidade em seu repertório é, também, a Fantasia para piano e orquestra de Claude Debussy que está no disco lançado ontem, em parceria com velho amigo e conterrâneo Daniel Barenboim, e que ora lhes alcançamos: no aniversário da Rainha, os parabéns vão para ela – mas o presente, fomos nós que o recebemos.

Achille Claude DEBUSSY (1862-1918)

Fantaisie, para piano e orquestra, L. 73
1 – Andante ma non troppo
2 – Lento e molto espressivo
3 – Allegro molto

Martha Argerich, piano
Staatskapelle Berlin
Daniel Barenboim, regência

Sonata em Sol menor para violino e piano, L. 140
4 – Allegro vivo
5 – Intermède. Fantasque et léger
6 – Finale. Très animé

Michael Barenboim, violino
Daniel Barenboim, piano

Sonata em Ré menor para violoncelo e piano, L. 135
7 – Prologue. Lent
8 – Sérénade et Finale. Modérément animé
9 – Finale. Animé

Kian Soltani, violoncelo
Daniel Barenboim, piano

La Mer, Três Esboços Sinfônicos para orquestra, L. 109
10 – De l’aube a midi sur la mer
11 – Jeux de vagues
12 – Dialogue du vent et de la mer

Staatskapelle Berlin
Daniel Barenboim, regência

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

Se você nasceu e cresceu na Lua e não conhece Martha Argerich (que, como diz nosso amigo René Denon, é de Marthe), esse vídeo do músico e youtuber Rick Beato foi feito para você.

Como mimo extra à Rainha, e para que vocês se esbaldem, restaurei todos os links inativos das numerosas postagens com sua arte, espalhados ao longo de quase quinze anos de blog. Aproveitem!

[Restaurado] Maurice Ravel (1875-1937) – Concerto para Piano em Sol Maior, Gaspard de la Nuit e Sonatine

[Restaurado] Sergey Rachmaninov (1873-1943) – Piano Concerto nº3, in D Minor, op. 30, Piotr Illich Tchaykovsky (1840-1893) – Piano Concerto nº1, in B Flat Minor, op. 23

[Restaurado] Schubert – Sonata para Arpeggione e Piano / Schumann – Fantasiestücke, 5 Stücke im Volkston

[Restaurado] Sergei Prokofiev (1891-1953) – Sonatas para Violino e Piano e 5 Melodias

[Restaurado] Prokofiev (1891-1953): Concertos para piano Nº 1 & 3 / Bartók (1881-1945): Concerto para piano Nº 3

[Restaurado] Dmitri Shostakovich (1906-1975) – Concerto For Piano, Trumpet And Strings In C Minor, Op. 35, Concertino For 2 Pianos In A Minor, Op.94 e Quintet For Piano And Strings In G Minor, Op. 57

[Restaurado] Johannes Brahms (1833 – 1897) – Variações sobre um tema de Joseph Haydn, Op. 56b – Versão para dois pianos, Sergei Rachmaninov (1873-1943) – Danças Sinfônicas, Op. 45 – Versão para dois pianos, Franz Schubert (1797-1828) – Rondo em A maior, D. 951 – Grande Rondeau – Para piano a quatro mãos e Maurice Ravel (1875-1937) – La Valse – Versão para dois pianos

[Restaurado] Wolfgang Amadeus Mozart (1756-1791) – Sonata em Ré maior, K. 448 (375a) – para 2 pianos, Andante & 5 Variações em Sol maior, K. 501 – para 4 mãos e Sonata em Ré maior, K. 381 (123a)

[Restaurado] Argerich Collection – Beethoven, Chopin, Tchaikovsky, Schumann, Liszt, Prokofiev e Ravel

[Restaurado] Robert Schumann (1810-1856) – Sonatas para Piano e Violino – Kremer, Argerich

[Restaurado] Sergey Prokofiev – Prokofiev for Two – Martha Argerich, Sergei Babayan

[Restaurado] Robert Schumann – Cello Concerto, Adagio and Allegro in A-Flat Major, Op. 70, etc. – Gautier Capucon, Martha Argerich,, Bernard Haitink, Chamber Orchestra of Europe

[Restaurado] Serguei Prokofiev – Sonate for Flute in D, op. 94, Cesar Franck – Sonata in A (transcribed for Flute) – Martha Argerich, James Galway

[Restaurado] Frédéric Chopin (1810-1849) – Argerich plays Chopin

[Restaurado] Chopin: Cello Sonata; Polonaise Op.3; Schumann: Adagio & Allegro – Rostropovich – Argerich

PQP Bach, pelo saudoso Ammiratore (1970-2021)

Vassily

J. S. Bach (1685-1750): Trio Sonatas, BWV 525-527 para Cravo, Marimba & Violoncelo (Beausejour + Stick & Bow)

J. S. Bach (1685-1750): Trio Sonatas, BWV 525-527 para Cravo, Marimba & Violoncelo (Beausejour + Stick & Bow)

Eu amo as 6 Trio Sonatas de Bach e sempre ouço as que passam pela minha frente. Elas foram escritas para órgão solo, e aqui vocês têm uma boa versão original postada pelo Denon. Esta versão de três das Trio Sonatas é uma adaptação para cravo, marimba e cello que é difícil não gostar se você não for purista. O cravista Beausejour e dupla arco e flecha (Krystina Marcoux e Juan Sebastian Delgado) apresentam as obras em outra sonoridade, fato que não é tão anormal assim. Muitos pequenos grupos já tocaram estas obras em formações de camarísticas.

As Trio Sonatas, BWV 525–530, são uma coleção de seis sonatas em forma de trio . Cada uma das sonatas possui três movimentos, sendo que as três partes são os dois manuais e o pedal como obbligato . A coleção foi reunida em Leipzig no final da década de 1720 e continha retrabalhos de composições anteriores de Bach de cantatas anteriores, obras de órgão e música de câmara, bem como alguns movimentos recém-compostos. A sexta sonata, BWV 530, é a única para a qual os três movimentos foram especialmente compostos para a coleção. As Trio Sonatas foram escritas com propósitos parcialmente didáticos, tanto do ponto de vista da execução quanto da composição. Embora destinados inicialmente ao filho mais velho de Bach, Wilhelm Friedemann Bach , eles também se tornaram parte do repertório básico de seus alunos.

J. S. Bach (1685-1750): Trio Sonatas, BWV 525-527 para Cravo, Marimba & Violoncelo

01. Trio Sonata No. 3 in D Minor, BWV 527 (Arr. for Harpsichord, Marimba & Cello): I. Andante (04:43)
02. Trio Sonata No. 3 in D Minor, BWV 527 (Arr. for Harpsichord, Marimba & Cello): II. Adagio e dolce (05:35)
03. Trio Sonata No. 3 in D Minor, BWV 527 (Arr. for Harpsichord, Marimba & Cello): III. Vivace (03:40)

04. Sinfonia No. 4 in D Minor, BWV 790 (Arr. for Harpsichord, Marimba & Cello) (01:51)

05. Trio Sonata No. 2 in C Minor, BWV 526 (Arr. for Harpsichord, Marimba & Cello): I. Vivace (03:30)
06. Trio Sonata No. 2 in C Minor, BWV 526 (Arr. for Harpsichord, Marimba & Cello): II. Largo (03:19)
07. Trio Sonata No. 2 in C Minor, BWV 526 (Arr. for Harpsichord, Marimba & Cello): III. Allegro (03:38)

08. Sinfonia No. 9 in F Minor, BWV 795 (Arr. for Harpsichord, Marimba & Cello) (03:29)

09. Trio Sonata No. 1 in E-flat Major, BWV 525 (Arr. for Harpsichord, Marimba & Cello): I. Allegro (02:42)
10. Trio Sonata No. 1 in E-flat Major, BWV 525 (Arr. for Harpsichord, Marimba & Cello): II. Adagio (06:36)
11. Trio Sonata No. 1 in E-flat Major, BWV 525 (Arr. for Harpsichord, Marimba & Cello): III. Allegro (03:44)

Luc Beauséjour
Stick & Bow (Krystina Marcoux e Juan Sebastian Delgado)

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

O Power Trio.

PQP

Duarte Lôbo (1565-1646) / Filipe de Magalhães (1571-1652): Obras-primas da Polifonia Portuguesa (William Byrd Choir)

Duarte Lôbo (1565-1646) / Filipe de Magalhães (1571-1652): Obras-primas da Polifonia Portuguesa (William Byrd Choir)

Não consigo pensar em melhor introdução aos mestres da música sacra portuguesa do que esta gravação da Missa de Réquiem em oito partes de Lôbo, juntamente com a Missa dilectus meus em cinco partes de Magalhães. O Réquiem de Lôbo evoca toda a atmosfera das exéquias imponentes de algum grande nobre ou cardeal. O Introito é uma declaração tranquila de luto grave e digno; o canto é controlado e poderoso. Também há momentos de intenso drama, no Ofertório, por exemplo, com as palavras ”sed signifer Sanctus Michael” e também de magnificência no Sanctus e no Agnus Dei, com suas dissonâncias ocasionais e inesperadas. A Missa dilectus meus mostra as vozes agudas com perfeição: elas aparecem com uma pungência surpreendente no Crucifixo. O fraseado é flexível e sutil e o equilíbrio vocal bem ajustado. Uma joia notável é o Benedictus, uma peça gentil e meditativa para três vozes solo. O segundo Agnus Dei, para seis vozes, incorporando um cânone na oitava entre soprano e tenor, fornece um final rico e, ao mesmo tempo, austero. Dois suntuosos motetos funerários são anexados, um de cada compositor.

Duarte Lôbo (1565-1646) / Filipe de Magalhães (1571-1652): Obras-primas da Polifonia Portuguesa

Duarte Lôbo
Missa Pro Defunctis, For Eight Voices
1 Introitus 6:15
2 Kyrie 2:16
3 Graduale 3:33
4 Offertorium 3:33
5 Sanctus 2:59
6 Agnus Dei 2:56
7 Communio 2:42

Duarte Lôbo
Audivi Vocem De Caelo
8 Motet, For Six Voices 3:03

Filipe de Magalhães
Missa Dilectus Meus, For Five Voices
9 Kyrie 4:43
10 Gloria 4:47
11 Credo 7:25
12 Santus 2:39
13 Benedictus 2:08
14 Agnus Dei 5:16

Filipe de Magalhães
Commissa Mea Pavesco
15 Motet, For Six Voices 4:37

Choir – The William Byrd Choir
Conductor – Gavin Turner

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

Duarte Lôbo ficou escandalizado em sua visita à sede da PQP Bach Corp. Disseram-lhe que o bom Lôbo era o Edu.

PQP