Claude Debussy (1862-1918): Fantasia para piano e orquestra (Aimard/Salonen/Philharmonia)

Hoje trago uma gravação ao vivo que nunca foi lançada oficialmente, mas a qualidade do som do piano é excelente e a orquestra é ouvida um pouco mais distante, bem semelhante aliás à experiência nas salas de concerto. As gravações com dezenas de microfones, alguns na altura das cadeiras e outros lá no teto, nos dão um panorama sonoro diferente daquele de um concerto ao vivo (ai que saudades!). Sem falar nos tossidos…

Mas chega de papo sobre engenharia sonora. A intenção aqui é comparar a Fantasia de Debussy gravada por Pierre-Laurent Aimard/Esa-Pekka Salonen com o recente CD de Martha Argerich/Daniel Barenboim.

Aimard é um especialista na música moderna e contemporânea. Ele já apareceu aqui no PQPBach tocando Ravel, Bartók e Ligeti. Sobre as dificuldades de alguns ouvintes com a  música das últimas décadas, ele disse em uma entrevista: “Aprender a escutar essa música equivale a aprender uma nova língua. Você só vai admirá-la quando entender o que aquelas palavras querem dizer.”

Isso vale, por exemplo, para os dificílimos Estudos de Debussy e de Ligeti, dos quais Aimard é um dos maiores intérpretes. Para a Fantaisie de Debussy, nem tanto: composta entre 1889 e 1890, é uma obra da primeira fase de Debussy, já cheia das nuances típicas do compositor, mas ainda não tão vanguardista. As notas que fluem como cachoeiras, imitando os movimentos da água ou dos ventos, são comparáveis a momentos de suas obras de juventude mais famosas: os dois Arabescos (1891) e o Clair de lune, movimento da Suite Bergamasque (1890, com alterações do compositor em 1905).

Debussy se inspirou também nos ornamentos e arabescos da música barroca, sobre a qual ele escreveu: “Foi a era do ‘maravilhoso arabesco’ quando a música era sujeita às leis da beleza inscritas nos movimentos da própria Natureza.”

Pierre-Laurent Aimard usa um toque cheio de nuances nas teclas do piano para dar vida a esses arabescos, especialmente no movimento lento. Já Margerich Argerich faz alguns rubatos (mudanças no andamento) que dão uma vida diferente às frases, dão verdadeira fantasia à Fantasia. O Debussy dela lembra a gravação dos Preludios por Zimerman (Record of the year – Gramophone). Aimard, com toque cuidadoso e sonoridades delicadas, se inscreve na tradição de Novaes,  Gieseking, François, Michelangeli

É importante lembrar que a gravação de Argerich/Barenboim também foi ao vivo, com viradas de páginas e outras imperfeições típicas da vida real.

Qual versão é a melhor? Deixo para vocês decidirem.

Claude Achille DEBUSSY (1862-1918)

Fantaisie, para piano e orquestra, L. 73
1 – Andante ma non troppo
2 – Lento e molto espressivo
3 – Allegro molto

Salonen e Aimard

Esa-Pekka Salonen – conductor
Pierre-Laurent Aimard – piano
Philharmonia Orchestra
Royal Festival Hall, London, UK
4 May 2017 (Live Recording)

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE – FLAC
BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE – MP3 320kbps

Aimard agradecendo à plateia em Londres (Fonte: Twitter)

Pleyel

Deixe uma resposta