Ernesto Nazareth – Pianeiro do Brasil

Caríssimos manos e estimado público, apresento a vocês o primeiro dos três corajosos visitantes que se habilitaram a trazer uma preciosa contribuição a este blog nas próximas semanas, Marcelo Stravinsky, que ora se apresenta e fala de como chegou até este CD de Ernesto Nazareth.

CVL

***

Com a morte de Igor Stravinsky uma leva de parentes distantes começou cercar a família no desejo de abocanhar um pouco da herença do falecido. De uma destas levas surgiu o primo em 9º grau (isso é o que o próprio alegava) Marcelo Stravinsky e que se não fosse pelo mesmo sobrenome poderíamos jurar que se trata de um estelionatário muito do safado.

Marcelo Stravinsky não conseguiu aproximar-se muito da família, mas com esse sobrenome e um pouco de lábia chegou até mesmo a envolver-se em alguns pequenos espetáculos de balé na Rússia e na França. Porém o famigerado primo ultradistante está abaixo da mediocridade e só consegue mesmo é cascaviar a internet a procura de obras interessantes para ouvir e divulgar.

***

Ernesto Nazareth é um dos maiores nomes da música brasileira. Pianista e compositor virtuoso, sua obra essencialmente instrumental consolidou o choro como ritmo musical urbano genuinamente brasileiro.

Este extraordinário cd só com obras de Ernesto Nazareth foi publicado como encarte do livro “Ernesto Nazareth – Pianeiro do Brasil”, de Haroldo Costa, que infelizmente não tive a oportunidade de ler, pois adquiri o cd diretamente com o pessoal do Quinteto Villa-Lobos. Trata-se de um álbum bastante ousado no qual o grupo utilizou-se de muita criatividade na criação de pequenas introduções para algumas das obras em arranjos espetaculares e de muito virtuosismo.

A notável obra de Ernesto Nazareth somada à competência, dedicação e ao profissionalismo do Quinteto Villa-Lobos, confere a este disco um raro grau de musicalidade e exuberância artística.

***

Ernesto Nazareth – Pianeiro do Brasil

01 – Odeon 2´34
02 – Fon-fon 3´16
03 – Pássaros em festa 4´30
04 – Tenebroso 4´21
05 – Eponina 5´51
06 – Brejeiro 4´04
07 – Digo 6´41
08 – Beija-flor 3´00
09 – Perigoso 3´16
10 – Confidências 5´45
11 – Batuque 4´47
12 – Escorregando 3´30
13 – Rayon d´Or 3´43
14 – Apanhei-te, cavaquinho 3´43

PS. do Gerva: Para esse album temos: Toninho Carrasqueira (flauta, apito), Luis Carlos Justi (oboé), Paulo Sergio Santos (clarineta), Phillip Doyle (trompa), Aloysio Fagerlande (fagote). Participações especiais de Caio Márcio, violão (1, 2, 3, 6, 8, 9, 10, 14) e Oscar Bolão (percursão). Gravado em janeiro de 2005 e lançado em Maio de 2005. Os arranjos das faixas: (2, 6, 9, 10) ficou com Marcílio Lopes, (1, 4, 8, 13) com Josimar Gomes Carneiro, Caio Márcio , (5, 14) com Paulo Sérgio Santos e (3, 7, 11) Maurício Carrilho. Gravadora: ND Comunicação Ltda.

BAIXE AQUI

MS

17 comments / Add your comment below

  1. O Quinteto Villa-Lobos tem hoje uma formação com instrumentistas que exercem atividades de solista em todo o Brasil e no exterior, e com diversas gravações de CDs solo. Os membros-fundadores do grupo em 1962 foram: Celso Woltzenlogel (flauta), Paolo Nardi (oboé), Wilfried Berk (clarinete), Carlos Gomes (trompa) e Airton Barbosa (fagote). Para esse album temos: Toninho Carrasqueira (flauta, apito), Luis Carlos Justi (oboé), Paulo Sergio Santos (clarineta), Phillip Doyle (trompa), Aloysio Fagerlande (fagote). Participações especiais de Caio Márcio, violão (1, 2, 3, 6, 8, 9, 10, 14) e Oscar Bolão (percursão). Gravado em janeiro de 2005 e lançado em Maio de 2005. Os arranjos das faixas: (2, 6, 9, 10) ficou com Marcílio Lopes, (1, 4, 8, 13) com Josimar Gomes Carneiro, Caio Márcio , (5, 14) com Paulo Sérgio Santos e (3, 7, 11) Maurício Carrilho. Gravadora: ND Comunicação Ltda. Uma nostalgica interpretação de Ernesto.

  2. Muito, muito, CVL e MS!

    Tomei um susto quando vi a assinatura MS. Porra, como é que alguém entrou no blog sem falar comigo. Tenho andado bem ausente, vocês sabem. Achei sensacional a postagem do estelionatário.

  3. caro PQP

    Porque razão não estou conseguindo baixar o Nepomuceno e o Nazareth que tem vindo com o sufixo . “.rap” e anteriormente eu pude baixar vários CDs?

    Abraço e parabéns pelo belo trabalho.

    Edgard

    PS: Se vc visse meus 33 rpm de jazz, tenho impressnao de que ia gostar. Voce tem o LP Legrand Jazz, COLUMBIA CL 1250, que tem entre outros o Miles, o Coltrane, o Bill Evans, Phil Woods, Ben Webster, Herbie Mannn nna orquestra? Até o Teo macero está tocando

  4. Prezados,
    Uma dica: o livro “O resto é ruído – escutando o século XX”, de Alex Ross (www.orestoeruido.com.br). Parte da resenha da Veja (sofrível…) sobre o livro, lançado essa semana no Brasil: “De todas as manifestações artísticas do século XX, a música erudita se provou a mais difícil e hostil ao homem comum. Ao abandonarem as regras da harmonia e abraçarem a dissonância e o ruído, seus praticantes mais extremos não afrontaram apenas convenções culturais, mas também a própria biologia: o ouvido humano é um órgão programado para interpretar como agressão e aspereza tudo o que fuja a uma zona de conforto. Por isso, mais ainda do que apreciar poemas ou pinturas vanguardistas, ouvir a música de Arnold Schoemberg, Pierre Boulez ou John Adams, para citar compositores nascidos em diferentes décadas e países, é um hábito que só se adquire com algum esforço. O Resto É Ruído, do jornalista americano Alex Ross, certamente não converterá as massas à música dodecafônica ou minimalista. Mas, ao desvendar os segredos técnicos das grandes composições e retratar dezenas de artistas contra um pano de fundo de guerras, ditaduras e agitação social, este belo livro tem um mérito indiscutível: transforma a história da música no século XX em uma grande aventura. A obra é básica para quem deseja entender o que instigou os artistas do século passado a criar composições tão estranhas para o ouvido humano – e mais ainda para compreender como a música, qualquer que seja ela, é algo vivo, que responde não só às aspirações de seus autores, mas ao tempo e ao lugar em que eles existem.”

  5. Gostei muito da sugestão de Marcelo Stravinski, fiquei curiosa pra ler o livro também, vou sempre acompanhar suas propostas para o blog.
    Parabéns pelo trabalho!

  6. Surpreso fiquei ao deparar com uma pequena anotação que coloquei nesta postagem referente oa trabalho de Ernesto Nazareth – Pianeiro do Brasil, da qual apenas deixei os creditos dos musicos e a obra em si. Obrigado por mencionar meu nome e o referido esforço, ja que na net temos o desprazer de encontra anotaçoes de cunho em outras fontes sem mencionar o esforçado. Parabens belo blog e confencia a parte: E o primeiro dos meus favoritos.

  7. abençoado seja
    havia baixado à tempos mais ainda não havia sobrado tempo para ouvi-lo já que passo a maior parte do tempo na maratona Johann Sebastian Bach, mais fooi um deleite á partir da primeira faixa, não conhecia Nazareth e suas composições tipicamente brasileira explorando até mais os ritmos nacionais do que meu pai fizeram com que eu desse pulos de felicidade e explêndida adoração pelos seus ritmos, parabéns Marcelo, simplesmente fabuloso

  8. Achei esta postagem de Nazareth com o Quinteto Vill-Lobos. Seria possível fazer o reload, uma vez que o Rapsh. não tem mais o post?
    Obrigado

  9. azar mesmo…o link expirou !!!

    Nazareth é fantástico…pena que o povo brasileiro não cultue a sua memória.Nunca se fez um filme deste gênio carioca, com sua música que prenunciava a fusão musical do nosso grande caldeirão cultural. Nazareth está para o Brasil o que Scott Joplin está para a música americana. Com uma grande diferença: Nosso Nazareth explorava com mais riquezas e sutilezas as harmonias do que seu contemporâneo norteamericano. Pena que este post já não funciona mais…

  10. Pelo amor de Deus e de todos os santos, reponham Santo Ernesto Nazareth para garantir nossa salvação e de todo o povo brasileiro. O referido santo é indispensável, é essencial, é…

  11. Por favor será que poderiam corrigir o link!
    Procurei este cd em vários sites e não encontrei. Aqui foi o único site que o achei e o link está Off 🙁 Por favor dividam conosco a deliciosa música de Ernesto Nazareth em interpretação do Quinteto Villa-Lobos.
    Desde já agradeço.

Deixe uma resposta