BTHVN250 – A Obra Completa de Ludwig van Beethoven (1770-1827) – Concerto para piano, WoO 4, arranjo para piano e sopros – Peças para “Flötenuhr”, WoO 33, em arranjo para sopros- Quinteto para piano e sopros, Op. 16 – Ma’alot Quartet – Markus Becker

O ótimo pianista e regente Howard Shelley também é arranjador, como acabei descobrindo através dessa transfiguração do tímido concerto escrito por um Beethoven adolescente num sexteto animado, e até brilhante, com uma assanhada parte para piano. Claro que não se pode falar aqui de uma obra memorável, mas não queremos ser injustos nem com o Ludwig de treze anos que a compôs, nem com o Beethoven mais velho, que escolheu nunca publicá-la em vida. Queremos, sim, exaltar o grande trabalho de Shelley, cujo resultado é minha leitura favorita dessa obscura peça, defendida com muito elã pelo pianista Markus Becker – um explorador de repertórios ignotos do piano alemão – e pelo quinteto de sopros Ma’alot.

O Ma’alot, composto por sopristas alemães de distintas carreiras pedagógicas, prossegue o disco surpreendendo, com arranjos para as diminutas peças que Ludwig dedicou ao Flötenuhr, feitos pelo seu clarinetista Ulf-Guido Schäfer. Neles brilha a flautista Stephanie Winker, que os faz assim soar muito melhores que nos órgãos em que hoje são habitualmente tocados. Para encerrar, Winker sai de cena para a volta de Becker, que executa com os demais o bonito quinteto para piano e sopros escrito durante a única turnê de Beethoven como concertista, obra à qual voltaria muitas vezes, sempre que queria se exibir ao piano. Se há várias leituras mais virtuosísticas do quinteto, poucas outras têm tanto apuro na execução em conjunto, e ela fecha com muito sabor esse disco delicioso.

Ludwig van BEETHOVEN (1770-1827)

Concerto para piano em Mi bemol maior, WoO 4 (1784-85)
Arranjo de Howard Shelley (1950) para piano e quinteto de sopros

1 – Allegro moderato
2 – Larghetto
3 – Rondo. Allegro ma non troppo

Quatro peças para o Flötenuhr, WoO 33 (1794-1800)
Arranjo de Ulf-Guido Schäfer para quinteto de sopros

4 – No. 1. Allegro con più molto
5 – No. 2. Adagio assai
6 – No. 3. Scherzo. Allegro
7 – No. 4. Allegro

Quinteto para piano, oboé, clarinete, trompa e fagote em Mi bemol maior, Op. 16
Composto entre 1796-1797
Publicado em 1801
Dedicado ao príncipe Joseph zu Schwarzenberg

8 – Grave – Allegro ma non troppo
9 –  Andante cantabile
10 – Rondo: Allegro ma non troppo

Markus Becker, piano
Ma’alot Quintet:
Stephanie Winker, 
flauta
Christian Wetzel, oboé
Ulf-Guido Schäfer, clarinete
Sibylle Mahni, trompa
Volker Tessmann, fagote

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

#BTHVN250, por René Denon

Vassily

1 comment / Add your comment below

  1. Que belo disco, Vassily! Refresca a mente. Obrigado. Tem sido muito boa essa oportunidade de mergulho nas obras não tão conhecidas de Beethoven, o que revela ainda mais a riqueza e diversidade de sua música, espraiada pois em várias formas. A série com os arranjos foi incrível. Passei também a estimar as canções de Beethoven. E as postagens seguem tão contagiosamente entusiasmantes quanto as do começo do projeto, chamando a atenção para as condições contíguas ao período de criação, como a necessidade material, demandas; reverenciando a arte e os intérpretes. Eu muitas vezes não conseguia conceber todo o trabalho, estudo e construção que antecedem a cristalização de um álbum — e então aparentemente um álbum era tão somente um mero álbum.

Deixe uma resposta