Carl Orff (1895-1982) – Carmina Burana – Shirley-Quirk, Norma Burrowes, Louis Devos, RPO, Dorati, et at..

71sk0dJICRL._SL1500_Uma das obras mais enigmáticas e importantes do Século XX, Carmina Burana continua incrivelmente atual em pleno século XXI.
Tive a sorte de conhecer a obra antes de assistir ao terrível filme de Pier Paolo Pasolini, “Saló, ou os 120 Dias de Sodoma”, que me impressionou fortemente, aliás, creio que impressionou a todos que o assistiram naquelas sessões disputadíssimas na sala de Cinema do Centro Integrado de Cultura de Florianópolis, lá nos idos de 1988 ou 1989, não tenho certeza. Uma curiosidade sobre essas sessões: elas começavam lotadas, com gente sentada nas escadas, já que a sala de projeção não era muito grande, e no final, nunca tinham mais de 10 espectadores, tão impactante o filme era.
Não vem ao caso discutir se o filme foi produto de uma mente genial ou doentia, mas sim a utilização que Pasolini fez da música de Orff. Passados vinte e cinco anos, até hoje, quando ouço “Veris Leta Facies” não consigo tirar a cena da cabeça do jovem tendo de comer seus próprios excrementos no chão daquele escuro e sombrio castelo. Repugnante, cena que fez metade dos espectadores levantarem-se e irem embora.
Mas como falei antes, eu felizmente já conhecia a obra de Orff antes de assistir ao filme. E felizmente, continuei amando a obra, mesmo depois de tão terrível experiência. Pois as letras das músicas nada tem a ver com o filme.
Existem muitas análises feitas sobre essa obra. Basta clicar no google e procurar.
Esta gravação que ora vos trago é uma das melhores que já ouvi, tendo Antal Dorati à frente da Royal Philharmonic Orchestra, e o excelente baixo inglês John-Shirley Quirk liderando o naipe de solistas.

Para se deliciar numa tarde de primavera, de preferência em alto e bom som…

P.S. Para aqueles que usam o Windows Media Player para ouvir suas músicas, por algum motivo esse cd aparece como sendo uma gravação da Naxos, mas lhes garanto que é do Dorati, pela DECCA, em gravação realizada em 1976, pois eu mesmo ripei o cd para disponibilizá-lo.

01 Fortuna Imperatrix Mundi, No 1- O Fortuna
02 Fortuna Imperatrix Mundi – No 2 Fortune Plango Vulnera
03 Primo Vere, No 3- Veris Leta Facies
04 Primo Vere, No 4- Omnia Sol Temperat
05 Primo Vere, No 5- Ecce Gratum
06 Uf Dem Anger, No 6- Tanz
07 Uf Dem Anger, No 7- Floret-Silva
08 Uf Dem Anger, No 8- Chramer, Gip Die Varwe Mir
09 Uf Dem Anger, No 9- Reie-Swaz Hie Gat Umbe-Chume, Chum Geselle Mi
10 Uf Dem Anger, No 10- Were Diu Werlt Alle Min
11 In Taberna, No 11- Estuans Interius
12 In Taberna, No 12- Olim Lacus Colueram
13 In Taberna, No 13- Ego Sum Abbas
14 In Taberna, No 14- In Taberna Quando Sumus
15 Cour D’Amours, No 15 – Amor Volat Undique
16 Cour D’Amours, No 16- Dies, Nox et Omnia
17 Cour D’Amours, No 17- Stetit Puella
18 Cour D’Amours, No 18- Circa Mea Pectora
19 Cour D’Amours, No 19- Si Puer cum Puellula
20 Cour D’Amours, No 20- Veni, Venim, Venias
21 Cour D’Amours, No 21- In Trutina
22 Cour D’Amours, No 22- Tempus est Iocundum
23 Cour D’Amours, No 23 Dulcissime
24 Blanziflor et Helena, No 24- Ave Formosissima
25 No 25- O Fortuna

Norma Burrowes – Soprano
Louis Devos – Tenor
John-Shirley Quirk – Bass
Royal Philharmonic Orchestra
Brighton Festival Chorus
Antal Dorati – Conductor

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

FDP

5 comments / Add your comment below

  1. Boa tarde,

    Aproveitando o atual post, que vou certamente baixar, venho declarar que só em agosto último descobri o seu blog. Pecando, talvez, pelo simplismo, o que posso dizer é que o PQP BACH é simplesmente maravilhoso e que, ao descobri-lo, minha euforia ao chegar a tal preciosidade foi muito grande. Resta-me, pois, agradecer-lhes por tudo o que o blog vem-me propiciando e desejar que este permaneça por muitos e muitos anos, veiculando o que há de melhor da Música dos mestres.
    Tomo, ainda, a liberdade de sugerir que os senhores postem as duas outras obras e que, juntamente com a Carmina Burana, constituem os assim chamados “Trionfi”, de Orff: “Catuli Carmina” e “Trionfo di Afrodite”.

    Um grande e fraterno abraço, com minha gratidão,

    Nilton Maia

    1. Caro Nilton, infelizmente não tenho nenhuma gravação do “Trionfo di Afrodite”, mas o “Catuli Carmina” está a caminho, logo, logo, aparece por aqui.

    2. Respondendo ao Nilton Maia, primeiro venho repetir-lhe as palavras de agradecimento pela simples existência deste Blog, do qual extraí tantos conhecimentos novos (e estimulantes) e onde reencontrei gravações que julgava perdidas para sempre. Não tenho melhores palavras de minha própria autoria para expressar o prazer que é poder entrar aqui e usufruir de tantas coisas interessantes.
      Em seguida, é com uma certa sensação de culpa pelo fato de ter conseguido aqui mesmo as as três cantatas que comento o fato lamentável dos links do Rapishare não estarem mais ativos, pois realmente o conjunto delas é muito interessante.
      Acho que é a primeira vez que comento aqui, embora já tenha tido muita vontade de fazê-lo antes.
      Aproveito então para elogiar as caricaturas e charges sempre inspiradas e engraçadas que acompanham o blog, seja pedindo comentários ou “curtindo” com a iconografia oficial dos compositores: o Bach de óculos escuros é sensacional! Assim como o Beethoven de fone de ouvidos. O humor que geralmente acompanha os posts é sempre muito bem vindo! Parabéns à todos!

      1. Caro Nelson,
        Muito boas as suas observações acerca do PQP BACH e obrigado por ter-me citado. Quanto às caricaturas, são ótimas!
        Um abraço,
        Nilton

Deixe uma resposta