Tributo a Sir Colin Davis – Parte 1 [link atualizado 2017]

Eu realmente gosto de Colin Davis. Seu estilo honesto e requintado de reger deixou saudades. Sua leitura era sempre muito objetiva e pouco afetada; ademais, um sujeito que conseguia reger bem compositores tão díspares como Mozart e Stravinsky merece um bom crédito. Acho que foi um dos melhores de sua geração, e ela infelizmente está minguando sem deixar substitutos à altura. Uma pena.

De qualquer forma, graças a Deus que alguns loucos visionários do século XIX descobriram técnicas de registro sonoro, e, por conta disso, a gravação conseguiu fazer perpetuar algumas performances musicais que hoje nos enchem de deleite.

Uma delas é essa: a sinfonia Harold en Italie de Berlioz, pela batuta de Davis e o solo de Nobuko Imai. A obra em si já é curiosa: o mega popstar Paganini resolveu mostrar que era bom também na viola, e encomendou a alguns compositores obras com solo para este instrumento, entre eles Berlioz. Para ele, a escolha foi desastrosa; para o mundo da música, um tesouro. Berlioz nunca seria a pessoa mais indicada para escrever um concerto, já que o barato dele era – e sempre foi – escrever para orquestra. Aliás, Berlioz deve ser o único compositor que não tem nenhuma obra de câmara (até Bruckner tem!), e acabou escolhendo uma sinfonia descritiva sobre o personagem Byroniano Haroldo, sendo o dito representado pela viola. Paganini ficou furioso, pq a obra tinha pouco ou

So bottles flawless downside learned received and different http://www.geneticfairness.org/ginaresource_overview.html instrument I refuse A with my thing,?

quase nada de passagens virtuosísticas (aqueles malabarismos musicais) que ele adorava apresentar, e nunca a tocou. E a sinfonia acabou sendo um sucesso berlioziano (se é que existe este termo), uma das mais hábeis e interessantes escritas para orquestra. Afinal, fazer uma grande orquestra berlioziana (gostei do termo) dialogar com uma viola, tem que saber onde se mete.

No mais, Davis gravou esta sinfonia outras vezes, a mais célebre tendo Menuhin como solista, mas eu sinceramente prefiro esta – não pelo solo, mas pela sonoridade da orquestra e da gravação. E Imai é um espetáculo à parte: uma japonesinha de meio metro de altura, mas que toca que é um gigante.

Esta gravação é de 1975, e foi lançada em CD pela Philips no Berlioz Complete Cycle em 1982. Vem, de lambuja, Tristia op.18 e o Preludio do III ato dos Troianos em Cartago. Como diz nosso amigo pqp, IMPERDÍVEL!

Berlioz: Harold en Italie, Tristia, Les Troyens Prélude

1 Harold en Italie, Op.16: 1. Harold aux montagnes (Adagio – Allegro)
2 Harold en Italie, Op.16: 2. Marche des Pèlerins (Allegretto)
3 Harold en Italie, Op.16: 3. Sérénade (Allegro assai – Allegretto)
4 Harold en Italie, Op.16: 4. Orgie des brigands (Allegro frenetico – Adagio – Allegro), Tempo I
5 Tristia, Op.18: 1. Méditation religieuse (after Thomas Moore)
6 Tristia, Op.18: 2. La mort d’Ophélie – Ballade (after Shakespeare)
7 Tristia, Op.18: 3. Marche funèbre pour la dernière scène d’Hamlet (Allegretto moderato)
8 Les Troyens à Carthage: Prélude à l’Acte II

Nobuko Imai, alto
Sir Colin Davis – London Symphony Orchestra

DOWNLOAD HERE

Já viu nossos mais de 100 endereços para baixar partituras? Clique aqui

Chucruten

Repostado por Bisnaga

8 comments / Add your comment below

  1. Excelente postagem e comentário sobre o grande Sir Colin!

    Se possível, postem as gravações em que ele rege a LSO nos concertos para piano de Brahms, com o Kovacevich como solista. São maravilhosas e já apareceram por aqui, mas foram invalidadas, salvo engano. It’s pure gold!

  2. Nossa, quanta coincidência… já há algum tempo pretendo postar uma caixa de Berlioz, regida pelo Colin Davis… e o nosso colega Das Chucruten se antes..
    Tiago, as gravação que o Kovacevich fez dos concertos de Brahms estão na lista de futuras postagens. Com certeza são as minhas gravações favoritas para estes concertos.

  3. Colin Davis é excelente intérprete de Mozart. Tenho as Sinfonias 39 e 40 com ele e a Sinfônica de Londres. Seria interessante em um “Tributo a Colin Davis” postar ele regendo sinfonias do gênio de Salzburg.

  4. prefiro C
    Prefiro Sir Colin Davis em Berlioz a qualquer outro, inclusive, se pareciam muito. Sua gravação do Réquiem é inigualável (é tbm o réquiem que prefiro em toda a música). Gosto especialmente da A Morte Ophelia, na Tristia – que coisa linda.

  5. vi hoje este maravilhoso post! seria possivel voces postarem a danação de fausto com ele, colin davis, gedda, veasey e van allan? é um grande momento de colin davis e seu amado berlioz! muito obrigado!

Deixe uma resposta