Antonio Carlos Gomes (1836-1896): Missa de Nossa Senhora da Conceição [Acervo PQPBach] [link atualizado 2017]

IM-PER-DÍ-VEL !!!

Queridos, para mim essa missa é especial! é que, além da qualidade composítiva do autor e de execução de orquestra, coro e solistas, tem um motivo a mais que a faz tão querida por mim. Explico:
Em 3 de novembro de 2011, ou seja, há quase dois anos, era postada pelo colegão Avicenna outra bela versão desta Missa de Nossa Senhora da Conceição, de Antonio Carlos Gomes, executada pela orquestra e coro do Festival do Centenário de morte do compositor (aqui), com arquivo que eu lhe enviei e que acabaria sendo mote para o convite que recebi pouco tempo depois para participar da equipe do PQPBach. Passei de admirador a membro do clube! (risos). Isso, para mim, é uma honra imensa!

Bom, vamos parar de babação-de-ovo e vamos logo ao que mais interessa: a obra.

A Missa de Nossa Senhora da Conceição é obra emblemática na carreira de Carlos Gomes. Mostra um compositor jovem que já mostrava grande qualidade melódica e apuro compositivo: O rapaz tinha 23 anos quando a compôs.
Além disso, mostra um compositor em transição, que ainda não apresentava todas as características musicais do romantismo, mas que saía do padrão das obras classicistas ainda dominantes no cenário local nesse tempo. Por isso é possível perceber alguma coisa de compositores como André da Silva Gomes, Padre José Maurício Nunes Garcia, Francisco Manoel da Silva e Manoel Dias de Oliveira, autores já consagrados nacionalmente e com cujas obras o Jovem Tonico já tinha travado contato por conta de seu pai ser um importante copista de partituras (e maestro, e compositor, etc.)
Já estava surgindo ali um senhor compositor, acima da média.

A versão que apresentamos neste ensolarado sábado é a executada em Gent, na Bélgica: coisa rara de ver, uma obra de brasileiro executada e gravada no exterior. Se você conheceu a anterior (se não conheceu, vá la e baixe, também), esta é mais corpulenta, mais volumosa e mais pesada, um pouco. A afinação da orquestra é melhor, também, mas a execução é mais plana, um tanto mais neutra que a brasileira (ainda que mais pesada, pelo fato da orquestra ser maior, há menor variação entre fortes e pianos). O coro é fenomenal e os solistas idem. Repete-se, da outra gravação, a doçura da voz da conterrânea Leila Guimarães, que executa os solos mais bonitos.

Obra grande, de artista grande! Brilhante! Ouça! Ouça! Inebrie-se de música!

Palhina: Leila Guimarães canta o Laudamus te (faixa 3)

Antonio Carlos Gomes (1836-1896)
Missa de Nossa Senhora da Conceição (1859)

Missa de Nossa Senhora da Conceição
1. Kyrie
2. Gloria
3. Gloria – Laudamus te
4. Gloria – Domine Deus
5. Gloria – Qui tollis peccata mundi
6. Gloria – Suscipe
7. Gloria – Qui sedes ad dexteram Patris
8. Gloria – Cum sancto Spiritu
9. Gloria

Leila Guimarães, soprano
Lola di Vito, mezzo soprano
Tiemin Wang, tenor
Paul Claus, barítono
Coro Magnificat di Ursel
Coro Sint Martinus di Drongen-Baarle
Orchestra Jeugd en Muziek in Oost-Vlaanderen
Geert Soenen, regente
Gent, Bélgica, 2003

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

FLAC encartes em 3.0Mpixel (394Mb)
MP3 encartes em 3.0Mpixel (182Mb)

Partituras e outros que tais? Clique aqui

…Mas comente… Não me deixe apenas com o silêncio…

Bisnaga

11 comments / Add your comment below

  1. Nossa, aquela postagem foi em 2011? Lembro como se fosse há menos tempo…foi um período de postagens especialmente fantásticas. Claro que o bom gosto é a marca registrada desse blog, e a qualidade não caiu depois disso, é que então voce postou mais brasileiros, aí veio o Acervo pqp e o blog ficou ainda mais brasileiro. Agradeço essa outra versão da missa, e aproveito para dizer (novamente) que é difícil publicar comentários, para este tentei várias vezes. A página não entra e a cada vez a gente tem que reescrever tudo – acho que muita gente desiste. Não pense que somos todos mal-agradecidos.

  2. Caro Bisnaga, vou escrever o que talvez seja uma heresia “das brabas”. Sempre gostei de música clássica (desde criança), mas sempre fui democrático, pois era uma criança que ouvia os clássicos, mais ouvia também Os Beatles, Ray Charles, Miriam Makeba e o maestro Lyrio Pannicalli, entre muitos outros. Uma verdadeira Babel, mas todos de qualidade, creio eu. Apesar de adorar as obras clássicas cantadas (especialmente as obras corais), sempre impliquei com a maneira de cantar operística nos solos vocais (considero uma maneira forçada e artificial de cantar, além de involuntariamente engraçada por ser uma espécie de halterofilismo vocal, sem falar que dificulta a transmissão de emoções convincentes). Ouvindo essa bela missa de Carlos Gomes, fico imaginando ela cantada por Elis Regina, ou Elizeth Cardoso, ou Judy Garland, ou Mahalla Jackson e outras cantoras que unem potência vocal com beleza, sentimento e emoção. Já ouvi vários cantores (e cantoras) de ópera cantarem divinamente sem a voz empostada (certamente Leila Guimarães deve cantar belamente desta forma) . Acredito que quando fico com vontade de sorrir (ou mesmo rir) assistindo uma cena dramática de uma ópera, alguma coisa está errada, ou eu sou um idiota inculto ou a maneira de interpretar e cantar (especialmente os solos vocais) usada é antiquada e precisa ser modernizada de forma que, por exemplo, entendamos a letra da música e o interprete passe a emoção da letra, da música e da cena pela qualidade no cantar e no interpretar. Quem sabe cantar mais não sabe interpretar deve se limitar a gravar discos e fazer apresentações (shows) como fazem os cantores de musica popular. Creio que em uma ópera a interpretação é muito mais importante que demonstrações de potencia vocal, por isso me lembro com carinho de Judy Garland, boa atriz com voz linda e potente e interprete sensível, transmitindo otimamente as emoções das músicas que cantava. Gosto, por exemplo, da maneira como Villa-Lobos usa a voz humana. Ele até fez Bidu Sayão cantar de forma quase popular, mas tem maestros e cantores que contrariam os desejos de Villa-Lobos. Muitas pessoas cultas tem opinião parecida com a minha, mas 99% delas se calam com receio de serem taxadas de incultas, grossas ou até de burras. Por isso continuam a ser encenadas óperas dramáticas cujas montagens são involuntariamente engraçadas e realizadas apresentações de cantores de voz tão afetada e impostada que lembram um antigo quadro de humor (Década de 1960) do falecido humorista Ary Leite, que era chamado de “O Coral dos Bigodudos”. Quem quiser jogar pedras que jogue!

    1. Fernando, creio que compartilho das suas inquietações.
      Gosto muito de canto lírico, mas me indago muito o porque a sua impostação vocal é tão diferente da impostação popular. Fiz coral e a regente sempre afirmava: “cantar como falar”. E muitas vezes a técnica vocal força o cantor a demonstrar domínio da melodia mesmo que isso signifique perder o entendimento da letra e até mesmo da encenação no palco, como se essas coisas pudessem ser dissociadas…
      Eu prefiro uma música cantada com alguns erros e vícios, mas que tenha alma, vontade, do que aquela tecnicamente perfeita mas que é burocrática, fria. E por que não permitir-se abrir um pouco o timbre, vibrar menos as notas, permitir-se até perder o peso e um pouco da potência para dar mais qualidade ao sentimento?
      Há sopranos que cantam como anjos, outras que cantam a mesma coisa, mas parecem galinhas. Tudo questão, principalmente, de impostação e não de bom uso da voz, mas da própria música.
      Ai, ai, doido isso…

  3. Saudações Bisnaga…
    Estava mesmo pensando nessa obra por esses dias. Planejava reescutar a gravação já citada… e você me aparece com essa!
    Todavia, o rapidshare está boicotando! Poderias verificar isso?

    Obrigado pelo up e pela atenção.

  4. Dear Bisnaga

    Another jewel of Gomes is waiting…..I can’t thank you enough!!
    Please note that rapidshare cannot find this file, I keep getting error messages as soon as I click download selected (“file not found”)
    Please advise!!
    Greetings from South Africa!
    Jan

  5. Dear Bisnaga
    Looks like my comment didn’t show up here?
    Please please fix the rapidshare link, (“file not found”)
    Thanks again for all your Gomes posts!!!!
    Your friend from South Africa
    Jan

  6. infelizmente a bisnaga não está completa. alguns solos não foram gravados. O ALBUM A MÚSICA E O PARÁ, GRAVADO AO VIVO NO TEATRO DA PAZ EM 1996 ESTÁ COMPLETO, ACHO INTERESSANTE POSTAR AQUI. INCLUSIVE PARTICIPEI DESTA GRAVAÇÃO.

Deixe uma resposta