Edgard Varèse (1883-1963): The Complete Orchestral Works – Link revalidado pois…

… PQP Bach ama este CD. Com a palavra, CDF Bach.

Observação: este post recebeu uma substancial “reforma” no dia de hoje. O comentarista Karyttus nos enviou este CD duplo em 320 kbps — a versão anterior trazia links de arquivos de 192 kbps. Sugerimos aos nossos fiéis e infiéis visitantes que baixem novamente este extraordinário trabalho.

Quem foi o pai da música moderna? Schoenberg, Stravinsky ou Varèse? Alguns dizem que Schoenberg estava muito preso ao romantismo, por isso não mereceria esse título (haja vista o famoso e polêmico artigo de Boulez, “Schoenberg morreu”), e que Stravinsky abandonou o posto, logo cedo, para vagar no neo-classicismo. Já Varese sim, esse foi aquele cuja música nunca chegou perto dos séculos anteriores. “Moderno” até as raízes. Bem, eu não acho que seja assim. Quem ouviu os dois últimos quartetos de Schoenberg sabe que aquela música não tem nada de romântica, assim como outros exemplos que devo colocar nesse site. E quem acha que Stravinsky recuou, tá muito enganado. O homem olhava para o passado para escrever música nova. Vários compositores importantes foram influenciados pelo neo-classicismo de Stravinsky. Nas suas últimas fases de composição Stravinsky escrevia música atonal à la Webern, até abandonar e escrever outra coisa. Então pela a influência que os três compositores tiveram no século XX, eu diria que a música moderna é filha de três pais, sobrinha de Webern e neta de Debussy. Mas não há dúvida que os traços dessa “moça” são mais parecidos com Varèse.

Vejam um exemplo: Amériques. Composição para grande orquestra feita no início da década de 1920. Só a seção de percussão tem 10 músicos tocando 21 instrumentos. É uma versão extrapolada da sagração da primavera de Stravinsky. Veremos que essa busca por novas sonoridades é o que caracteriza a personalidade do compositor. Por isso, depois de ter escrito obras fantásticas para orquestra, como a mais famosa Arcana ou apenas para um grupo de 13 percussionistas chamada de Ionisation (1931), Varèse passou um longo período parado. Esperava algo que o motivasse, uma sonoridade nova.

Com o aparecimento das fitas magnéticas para gravação e os equipamentos eletrônicos que iam surgindo (Varèse sempre teve bons amigos cientistas) novos timbres foram criados. Nascia a música eletrônica. A mais fascinante obra desse período é Deserts para orquestra e fita cassete. Lembra muito o filme Terminator 2, nas cenas que se passam no futuro. É assombroso. Já Poème èlectronique (1958) precisa de uma pessoa para apertar o botão e rodar a fita.

Muitos dizem que a música eletrônica é fria. Não penso assim, quem ficou dias e dias construindo aquele som foi um ser-humano criativo em busca de novas possibilidades. O processo é similar ao desenvolvimento de instrumentos clássicos, como no caso do aperfeiçoamento do piano. Enfim apenas um meio para criação.

A gravação do Chailly é célebre e premiada, mas imperfeita. Deserts neste disco, por exemplo, é sofrível e nem merece ser ouvido. A melhor versão dessa obra é aquela da gravadora Naxos (talvez eu coloque aqui). O que há de melhor neste cd são as grandes obras orquestrais com a Royal Concertgebouw a todo vapor, com especial atenção a Amériques e Arcana.

As obras anteriores à Amèrique foram queimadas, sobrevivendo uma singela canção esquecível – Un grand sommeil noir.

Edgard Varèse (1883-1963): The Complete Orchestral Works

Disco 1:

1. Tuning up
2. Amériques
3. Poème Electronique
4. Arcana
5. Nocturnal
6. Un grand sommeil noir

Disco 2:

1. Un grand sommeil noir – Version for voice & piano
2-3. Offrandes
4. Hyperprism
5-7. Octandre
8. Intégrales
9. Ecuatorial
10. Ionisation
11. Density 21.5
12-18. Déserts
19. Dance for Burgess

Performed by Royal Concertgebouw Orchestra
Conducted by Riccardo Chailly

BAIXE O CD1 AQUI — DOWNLOAD CD1 HERE

BAIXE O CD2 AQUI — DOWNLOAD CD2 HERE

safsad
Edgard Varèse: pensaram que iam se livrar de mim?

CDF Bach

32 comments / Add your comment below

  1. A faixa 5 do CD1 está com bastante problemas a, mais ou menos, 2min do início. O problema está no arquivo ou deu problema na hora de baixar? Mais alguém detectou algo?

  2. Baixei o CD1 duas vezes para ter certeza: a faixa Arcana, na altura do 16º minuto, apresenta defeitos bem acentuados, estalos chiados, etc. Creio que estes problemas estejam no CD original, que serviu de base para a postagem. Você poderia conferir?

  3. Caros Anônimo e Aldo,

    Ouvi os dois cds e eles estão em perfeito estado, mas caso encontre problemas nestes arquivos (talvez a conversão feita para o MP3), resolverei os problemas em breve.

  4. Ouvi agora no iPod e há coisas estranhas. Na faixa 1, o equipamento ficava piscando entre 80, 128, 160 e 192 KB antes de permanecer no último. A música interrompia-se 2 vezes.

    A faixa 6 quase me deixou surdo com os estalos, explosões e interrupções. Impossível ouvir.

    Ouvi também a Arcana. Durante todo o tempo o IPod pisca avisando que não sabe a densidade é 160, 192 ou 224. Porém, como disse o Aldo, enlouquece lá pelos 15min47 e começa a soltar estalos e a saltar partes enquanto o led de densidade pula entre 32, 96, 128, 160, 192, 224 e 320 KB.

    Na minha opinião, houve problemas na conversão para mp3.

    Uma pena, estava adorando Varèse! Acho que vale a revisão. O CD é esplêndido!

  5. São coisas que acontecem nas melhores famílias, até na nossa.

    Não sei se o Bluedog está por aí, mas ele utiliza um programa mais leve que o iTunes – usado por mim – em suas conversões. Elas nunca apresentaram problemas. E FDP?

  6. Sim, este foi um dos posts mais sensacionais já publicados aqui. Muito obrigado. Agora, só para abusar um pouco, que tal postar “Le Grand Macabre” (de preferência, em inglês)?

  7. As primeiras partituras foram queimadas? Como assim? Por causa da guerra, de um acidente familiar, por desequilíbrio emocional do compositor, ou Varèse deliberadamente as rejeitou (assim como A. Webern)?
    Não deixa de ser uma grande perda (a menos que elas fossem como “Un grand sommeil noir”… realmente também achei sofrível).

    1. A partitura de Bourgougne, segundo a Wikipédia em inglês, foi destruída numa fase de depressão do compositor. O verbete também fala que as outras partituras do início da carreira de Varèse foram parte perdidas e parte consumidas num incêndio em Berlim.

      Ele começou a compor nos EUA praticamente do zero – só as partituras de Bourgougne (um poema sinfônico) e da canção Un grand sommeil noir haviam restado.

      Quanto a rejeição deliberada, é conhecido dentre os compositores brasileiros o caso de Guerra Peixe, que proscreveu parte de suas obras da fase dodecafônica, no início de sua carreira.

  8. A música é simplesmente maravilhosa, pena é que o cd foi extraído em 192 kbps; o que é uma coisa inadmissível. Como é que alguém ainda extrai música em 192 kbps!
    Ou seja, foi bom pra conhecer a obra, e aguardar numa qualidade boa de extração.
    Por favor, quando mandarem uma obra, façam em 320 kbps, ou em flac.
    Agradeço se puder mandar novamente em 320 ou flac.
    Obrigado.

  9. Eu consegui com um amigo a gravação que segue desta obra:
    Segue o link do primeiro cd da obra em 320 kbps.
    Ainda hoje mandarei o cd 2.
    Edgar Varèse-The Complete Works, RCO-Dir. Riccardo Chailly-cd 1 @320
    http://dfiles.eu/files/yk8tjp1si
    01 – Tuning Up
    02 – Amériques
    03 – Poème Électronique
    04 – Arcana
    05 – Nocturnal
    06 – Un Grand Sommeil Noir (Orchestral Version)

    1. Ah, respeitei muito. Detesto o pessoal que só reclama. Agora, reclamar e solucionar é outra conversa. Vou mudar os links, claro. Já estou baixando tudo.

      Obrigado.

      1. Obrigadão pela gentileza.
        É que em matéria de MÚSICA, sou muito exigente, pois a grande música merece o melhor de nós que apenas sentimos prazer em ouvir aquilo que os grandes mestres fizeram. E nada melhor que ouvir o melhor da melhor forma.
        Concorda?
        Eu já baixei vários discos aqui e os descartei; os que me agradaram, eu procurei em outros sítios para substituir.
        Geralmente as coisas colocadas aqui são de boa qualidade, aliás, aqui eu achei coisas interessantíssimas, músicas não encontradas alhures.
        A única coisa que falta é o cuidado de seus colaboradores enviarem em 320k.
        E finalizando eu não entendi o que você quis dizer com aqueles vários “AH”?
        Agradeço mais uma vez sua compreensão e lhe desejo todo sucesso. Parabéns pelo hercúleo trabalho demonstrado neste sítio musical.

  10. Tanto os links do post como os enviados pelo Karittus num comentário estão quebrados… Alguém pode por favor reenviar esses arquivos? Obrigado!

Deixe uma resposta