Beethoven: Sonata “Kreutzer”; Debussy: Sonata para violino e piano; Bartók: Sonata Nº 2, Rapsódia Nº 1 (Piano – Bartók, Violino – Szigeti) #BRTK140

A sonata para violino e piano é um gênero que muitos grandes compositores cultivaram. Mozart compôs 36 sonatas para essa formação, Beethoven compôs 10… No auge do Romantismo, alguns compuseram grandiosas sonatas com um pé na emoção e um outro na razão: estou pensando em Cesar Franck e Brahms. Outros românticos se destacaram por suas obras para violino e orquestra, como os sentimentais e dramáticos concertos de Mendelssohn, Glazunov e Sibelius.

Essa tradição do violino romântico com seus lamentos agudos, é claro, era tudo que os modernistas do século XX queriam evitar. Debussy (Sonata – 1917), Prokofiev (Concerto n. 1 – 1917), Stravinsky (L’Histoire du Soldat – 1918) e Ravel (Tzigane – 1924) conseguiram, com muito sucesso, imaginar sonoridades não românticas para o violino. Mas Bartók… como dizer? O violino de Bartók parece um instrumento novo.

Novo é relativo, vocês sabem que nada se cria, tudo se copia: ele criou um mundo novo se baseando em sua pesquisa de campo na Hungria e países vizinhos. Como ele mesmo escreveu sobre a sua música e a de seu amigo Kodály: “sua arte, como a minha, tem raízes gêmeas: ela cresce a partir do solo camponês húngaro e da música moderna francesa.” São muitos aspectos de ritmo, de timbre, de melodias que soam inspirados por danças folclóricas, tanto nas duas sonatas para violino e piano (1921 e 1922), como nos dois concertos para violino (1908 e 1938) e também nas duas rapsódias, publicadas em versões para violino com piano ou com orquestra (1928).

As obras de Bartók que ouvimos neste recital com o compositor tocando piano, portanto, são da década de 1920. O recital tem também a sonata de Debussy (que Bartók provalmente já conhecia na década de 20) e a Sonata Kreutzer de Beethoven. Ou seja, e não por acaso, duas sonatas para piano que se situam fora do sentimentalismo romântico – uma logo antes e uma logo depois da chamada “era romântica” na música, embora essas periodizações sejam sempre imprecisas porque Beethoven já tem traços românticos, e porque houve compositores mais conservadores no século XX. O fato é que o programa do recital foge do romantismo exagerado, mas ao mesmo tempo são utilizados recursos tipicamente românticos, como o rubato, aqui reinventado a partir das melodias húngaras que os dois músicos conheciam muito bem.

O violinista Joseph Szigeti, que passou a infância em uma cidadezinha da Transilvânia e estudou violino em Budapeste, certamente tem um sotaque muito apropriado para tocar essas obras. A Rapsódia de 1928, aliás, foi dedicada a Szigeti. Em 1940, ele se reencontrou com Bartók, que havia acabado de chegar aos EUA para fugir dos horrores da guerra. Então o que ouvimos nesse recital é ao mesmo tempo o reencontro de dois amigos e a música como antídoto à violência e à xenofobia, pois dificilmente na Alemanha de Hitler se ouviriam dois húngaros (um deles, judeu) tocando Beethoven seguido de uma rapsódia húngara e de um compositor francês.

Ludwig van Beethoven: Sonata No. 9 in A Major, Op.47, “Kreutzer”
1. I. Adagio sostenuto; Presto
2. II. Andante con variazoni
3. III. Finale – Presto

Claude Debussy (1862-1918): Sonata For Violin And Piano In G Minor
4. I. Allegro vivo
5. II. Intermède [Fantastique et Leger]
6. III. Finale

Béla Bartók (1881-1945):
7. Second Sonata For Violin And Piano: Molto Moderato; Allegretto
8. Rhapsody No. 1 For Violin And Piano: Lassu; Friss

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

Pleyel

1 comment / Add your comment below

Deixe uma resposta