BTHVN250 – A Obra Completa de Ludwig van Beethoven (1770-1827) – Fantasia para piano, coro e orquestra, Op. 80 – Concerto para piano, violino e violoncelo em Dó maior, Op. 56 – Chamayou – Conunova – Clein – Kadouch – Equilbey

Depois de tanto lhes escrever – e de tanto vocês me aguentarem -, permitir-me-ei ser muito sucinto e direto.

Como sabem (ou talvez não, pois volta e meia alguém manda mensagem dando a entender que considera que o blogue tem um só autor), o PQP Bach é fruto de um trabalho colaborativo, não remunerado e, para alguns de nós, tibiamente reconhecido. Todos nós pagamos nossos boletos com outras lidas, e nenhum deles é pago com música. Músicos, aliás, quase não somos – poucos tiveram treinamento musical formal. Melômanos, claro, somos todos, e essa obsessão comum acabou por nos aproximar, a partir da criação do blogue pelo patrão, há quase quatorze anos, e da construção gradual, combinando convocações, autoconvites e casualidades, de nossa cambada de autores.

E não, não nos conhecemos todos. Alguns se conhecem, e uns poucos conhecem a maioria dos outros. Estamos mais ou menos esparramados pelo Brasil, e até fora dele, a maioria longe de seu pago, polinizando música pela blogosfera enquanto a vida, volta e meia, nos taca fogo na cara e alguma boa alma nos vem apagá-lo com o tamanco. Comunicamo-nos muito, é verdade, mas nos encontramos menos do que gostaríamos. A ideia dum grande encontro pequepiano, claro, está sempre presente, mas o fato é que temos que nos conformar, na prática, com miniencontros, normalmente tomando um goró, batendo um rango, ou na frente duma TV, assistindo a um péssimo Gre-Nal e com um gato ciumento no colo (caso verídico).

O mais perto que chegamos do megaencontro foi no ano passado, quando o colega e muso Avicenna reuniu-se com alguns de nós e com sua incrível família e nos proporcionou uma tremenda tarde de sábado e um banquete de estragar as já indecentes panças. Graças ao trânsito, cheguei grosseiramente atrasado e, a despeito da alegria de ter comparecido, senti que não consegui expressar ao anfitrião minha gratidão, se não pela acolhida imperial, pela oportunidade de conhecê-lo e à sua família. Faltava-lhe também retomar as postagens, o que nos prometeu fazer tão logo as circunstâncias lhe permitissem.

Pois bem: agora que Avicenna está de volta ao blogue, quis alcançar-lhe um agrado, mas tão logo ele voltou, acabou por anunciar seu desligamento por motivos de força maior. Não vi melhor maneira de homenageá-lo do que trazendo uma postagem com sua musa, a divina Sandrine Piau. Vá lá que ela não é muito fã de Beethoven, e que sua participação nesse disco é praticamente uma ponta como solista na ademais pouco exigente Fantasia Coral. Mas sei que isso não importará a Avicenna. O que importa, sim, é que ele está novamente aqui com a gente, e que certamente uivará ao ouvir sua querida Piau.

Grato por tudo, Mestre de Avis!

Ludwig van BEETHOVEN (1770-1827)

Fantasia em Dó menor para piano, coro e orquestra, Op. 80, “Fantasia Coral”
Composta em 1808
Publicada em 1810
Dedicada a Maximilian Joseph, Rei da Baviera

1 – Adagio
2 – Finale: Allegro – Meno allegro (Allegretto) – Allegro molto – Adagio ma non troppo – Marcia, assai vivace – Allegro – Allegretto ma non troppo, quasi andante con moto (»Schmeichelnd hold und lieblich klingen«) – Presto

Bertrand Chamayou, piano
Sandrine Piau, soprano
Anaik Morel, contralto
Stanislas de Barbeyrac, tenor
Florian Sempey, barítono
Accentus
Insula Orchestra
Laurence Equilbey, regência

Concerto em Dó maior para violino, violoncelo, piano e orquestra, Op. 56
Composto entre 1803-05
Publicado em 1807
Dedicado a Joseph Franz Maximilian, príncipe Lobkowitz

4 – Allegro
5 – Largo (attacca)
6 – Rondo alla polacca

Alexandra Conunova, violino
Natalie Clein, violoncelo
David Kadouch, piano
Insula Orchestra
Laurence Equilbey, regência

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE


Aguardando o uivo do Mestre de Avis

#BTHVN250, por René Denon

Vassily

 

5 comments / Add your comment below

  1. Fiquei instigadissimo, mas não consegui achar o link!
    E que bom que o blog voltou! Passei uns dias meio de luto e completa negação até saber do novo endereço.

  2. Oi Vassily. Realmente foi uma tarde aonde eu e minha amada esposa tivemos a oportunidade de conhecer alguns dos mestres do Blog ! A hospitalidade da família do Mestre Avis foi maravilhosa, a formalidade e o carinho era como se nos conhecessemos a décadas. Plagiando o chefe sobre tuas gentilíssimas palavras: “…assino embaixo e por todos os lados” !
    Abração!!!!

  3. Bela gravacao.
    Com excecao da Sandrine Piau eu nao conhecia nenhum destes outros musicos (quanta gente talentosa!).
    Gostei muito do pianista na fantasia coral.
    Eu sempre achei estas duas pecas de uma qualidade excepcional e por algum motivo alheio ao meu entendimento elas nao sao tao frequentemente gravadas como outras obras de Beethoven. E engracado como estas duas pecas sempre andam juntas nos discos.
    Obrigado por mais esse maravilhoso post.

  4. Que saudades da minha musa Sandrine! Só a presença dela já vale o disco1
    Lembro-me bem que, depois dessa audiçāo, fomos os dois tomar um chocolate quente, típico da regiāo e da época.
    Saudades!

    Avicenna

    PS – Gentileza nāo ficarem olhando muito para minha musa !!!!!

  5. Realmente, foi uma tarde inesquecível que passamos em casa. Parecia que todos eramos parentes e velhos conhecidos! Vai ficar para a História!

    Obrigado, Vassily!

    Avicenna

    PS – Fiz bem em nāo convidar minha Sandrine. Tinha muitos homens pro meu gosto !!!!!!

Deixe uma resposta