.: interlúdio :. Paul Barbarin’s Band / Punch Miller’s Bunch & George Lewis – Jazz at Preservation Hall

Jazz at Preservation Hall

Paul Barbarin

Punch Miller & George Lewis

 

Eu tomava o bondinho da St. Charles Avenue quase no ponto final, próximo à St. Clairborne Avenue e fazia uma adorável viagem de uns quarenta minutos, em direção ao French Quarter. Depois de uma curva de noventa graus, o bondinho seguia em um trajeto que parece um arco, por uma região lindíssima. Eu preferia sentar à esquerda, para avistar as margens do Mississipi. Passávamos o Audubon Park com suas magníficas árvores, pelo Uptown com suas grandes mansões, seguindo justamente a St. Charles Avenue até o cruzamento com a Jackson Avenue, onde normalmente descia do bondinho.

Audubon Park

À direita, o rio Mississipi, em frente, o velho mercado, e à esquerda um emaranhado de ruas e avenidas repletas de cultura, belezas, sons e sabores. New Orleans é uma das cidades mais belas dos Estados Unidos da América. Certamente é uma das mais ricas em cultura. O melting pot, Big Easy. Os nomes das avenidas e dos lugares revelam as diferentes culturas que por lá passaram e deixaram suas marcas e costumes, num rico caldo cultural. Jefferson Avenue, Napoleon Avenue, Tchoupitoulas, Calle Real ou Royal Street.

Cafe Du Monde, French Quarter , New Orleans

Depois de tomar um café com beignets no Café Du Monde, uma paradinha na La Madeleine, um passeio pelas lindas lojas de antiguidades, você chega à Jackson Square. Um pouco de preguiça, espiar a fauna do lugar, música nas ruas. Aí, você enfia pela St. Peter street para ir a um lugar que não se pode deixar de ir – Preservation Hall.

Este disco me fez lembrar disso tudo, com saudade, mas saudade boa, daquela que conforta, que revigora a gente.

É verdade, este disco foi gravado uns trinta anos antes de que eu andasse por lá, mas é ainda mais autêntico por isso.

O Preservation Hall foi criado em 1961 e o disco gravado em 1963, you do your math…

A criação do Preservation Hall foi fundamental para (perdão pelo trocadilho, mas a ideia é exata) preservar a autêntica cultura musical, o jazz como havia nascido por lá. Nos comentários que estão na contracapa do disco pode-se entender a importância desta instituição. ‘Tocar no Preservation Hall tirou a demanda comercial, a pressão artificial da Banda do Barbarin e também de sua seleção (de músicas): nada do tradicional atacar de The Saints, nada de acelerar o tempo da música. A música de Barbarin, The Second Line, surge com uma inocência e simplicidade que mostra o trompete de Cagnolatti e o clarinete de Cottrell, ao lado do suave dedilhar de Sayles, no que eles têm de melhor’.

O disco é composto de duas sessões. Uma ocupada pela banda de Paul Barbarin e a outra pela turma do “Punch” Miller. Eles eram tão autênticos músicos de New Orleans quanto pode haver.

Paul Barbarin
  1. Slide, Frog, Slide (Tradicional)
  2. The Second Line (Paul Barbarin)
  3. Give It Up (Paul Barbarin)
  4. Too Late (Paul Barbarin)
  5. Take A Ferry Boat To New Orleans (Tradicional)

Paul Barbarin & His Jazz Band

Ernie Cagnolatti, trompete

Louis Cottrell, clarinete

Waldren “Frog” Joseph, trombone

Lester Santiago, piano

Emanuel Sayles, banjo

Placide Adams, baixo

Paul Barbarin, bateria

Ernest “Punch” Miller
  1. Corrine, Corrina (Bo Chatman, J.M. Williams, Mitchell Parish)
  2. Hindustan (Harold Weeks, Oliver Wallace)
  3. Nobody Knows The Way I Feel This Morning (Tradicional)
  4. Tiger Rag (Original Dixieland Jazz Band)
  5. Preservation Blues (Tradicional)

Punch Miller’s Bunch & George Lewis

Ernest “Punch” Miller, trompete

George Lewis, clarinete

Louis Nelson, trombone

Emanuel Sayles, banjo

“Papa John” Joseph, baixo

Abbey “Chinee” Foster, bateria

George Lewis

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

FLAC | 378 MB

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

MP3 | 320 KBPS | 241 MB

Uma frase que está na contracapa do disco resume tudo com precisão fulminante: “This is happy music, and the right men are playing it”.

Pessoal checando as postagens do PQP Bach, lá no Cafe Du Monde…

We are back in business, fellas!

Aproveitem!

René Denon

2 comments / Add your comment below

  1. Olá, Fausto!
    Fico muito feliz com sua mensagem! Eu acho de enorme importância divulgar o trabalho (que é imenso) desses músicos maravilhosos. Louis Nelson é um grande músico, de família de músicos, e teve papel importante no surgimento do Preservation Hall!
    Grande abraço!

Deixe uma resposta