Koechlin (1867-1950) · Emmanuel (1862-1938): Música para flauta, clarinete & piano – Markus Brönnimann · Jean-Philippe Vivier · Michael Kleiser

 

Charles Koechlin

Maurice Emmanuel

Música de Câmera

Brönnimann · Vivier

Kleiser

 

Eu poderia estar postando um álbum de Tchaikovsky ou de Berlioz! Uma postagem com muitas sinfonias e concertos! Mas hoje não! Desta vez vamos com uma dupla de músicos franceses com algumas obras de câmera.

É possível que você nunca tenha ouvido falar destes dois compositores. Se ouviu, é possível que não tenha ouvido qualquer obra de algum deles nos últimos, digamos, 12, 13 meses. Acertei? Eu nunca havia ouvido qualquer coisa de Maurice Emmanuel e, apesar de já ter ouvido falar de Koechlin, certamente não ouvira nada dele, recentemente.

Animei-me com a cara do disco e, voilà, acertei em cheio!

O que andei fazendo que não havia ouvido estes caras antes? Bom, calma, também não é assim, nada de apagar os arquivos de Schubert e Mozart, mas há espaço para eles. Peço-vos, portanto, uma chance para este tipo de repertório, especialmente se gostas de música de câmera com flauta ou clarinete.

Os dois compositores estudaram nas excelentes escolas francesas de música, tiveram como professores nomes bem mais conhecidos. Foram amigos chegados de compositores e músicos bem famosos e também deram aulas para figuras que vieram a ficar bem conhecidas. São mestres completos do ofício musical, capazes de criar lindas melodias e belas harmonias. No entanto, tiveram atitudes bem distintas em relação à sua própria obra. Enquanto Maurice Emmanuel era muito crítico de suas peças e destruiu por volta da metade delas, Koechlin produziu peças de todos os gêneros musicais.

Os intérpretes são excelentes. O flautista Markus Brönnimann é suíço e estudou com o famoso Michel Debost em Ohio e com Renate Greiss-Armin, em Karlsruhe. Nos dias da gravação deste disco era o flautista principal da Orchestre Philharmonique de Luxembourg. Hoje atua em grupos camerísticos como o Ensemble Pyramide, o Trio Maare e a Kammerata Luxembourg.

Jean-Philippe Vivier nasceu em Nantes e estudou em Lyon. Durante os estudos, visitou o Tanglewood Music Center onde conviveu com grandes nomes da música, como Seiji Ozawa, Bernard Haitink e Leon Fleisher. Assim como o seu colega flautista, atuava como principal clarinetista da Orchestre Philharmonique de Luxembourg e creio que continua atuando.

O pianista Markus Kleiser é de Zurique, onde atua como acompanhante (estudou com Irwin Gage) e músico de câmera. Markus também tem grande interesse por jazz e música popular.

Maurice Emmanuel (1862 – 1938)

Sonata para clarinete, flauta e piano, op. 11 (1907)

  1. Allegro com spirito
  2. Adagio
  3. Molto alegro e leggierissimo

Charles Koechlin (1867 – 1950)

Sonata para flauta, op. 52 (1911 – 13)

  1. Adagio molto tranquilo
  2. Mouvement de Sicilienne: allegretto três modéré mais sans traîner
  3. Final: Animé et gai

Sonata para clarineta No. 1, op. 85 (1923)

  1. Allegro, bien décidé et rythmé
  2. Andante quasi adagio
  3. Final: Allegro moderato sans lanteur, bien allant mais sans précipiter le rythme

Sonata para clarineta No. 2, op. 86 (1923)

  1. Allegro ben moderato
  2. Andante con moto
  3. Allegro sans traîner

Sonatine modale para flauta e clarinete, op. 155a (1935-1936)

  1. Andante moderato (dans le caractere d’une chanson populaire)
  2. Allegro moderato (lumineux et gai)
  3. Andantino (sans traîner)
  4. Assez large, expansif
  5. Allegro (non troppo)

Três peças para clarinete e piano (do op. 178) (1942)

  1. 1: Allegretto com moto (mais pas réellement alegro)
  2. 2: Andante com moto
  3. 3: Tempo de Sicilienne

Pastorale para flauta, clarinete e piano, op. 75bis (1917-21)

  1. Allegretto (três modéré)

Markus Brönnismann, flauta

Jean-Philippe Vivier, clarinete

Michael Kleiser, piano

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

FLAC | 127 MB

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

MP3 | 320 KBPS | 120 MB

Charles…

Espero que este disco sirva como um despertar de seu interesse pela obra de compositores como eles, e espero oferecer mais obras deles em futuro não muito distante.

Vale!

René Denon

Deixe uma resposta