Guia de Gravações Comparadas PQP – Schubert: Symphony Nº 9 in C major D.944 ‘The Great’

Certa vez ouvi de um grande amigo, músico dos mais competentes e talentosos que conheço, que considerava a última sinfonia de Schubert a mais perfeita obra do gênero já escrita. Claro que, sendo um julgamento subjetivo, podemos sempre confrontá-lo, mas no frigir dos ovos, temos que concordar que estamos diante de um grandioso monumento de forma, verve rítmica, abundância melódica e imaginação temática. Majestosa, é justamente a forma arquitetônica expandida que desafia sua interpretação: uma leitura completa, com todos os ritornellos, ultrapassa a uma hora de execução. Muitos maestros costumam ponderar quais partes repetem e quais seguem em frente – muitas vezes necessitando entrar em acordo com os músicos da orquestra – , para tentar equilibrar sua imponente estrutura. Há resultados positivos em todos os casos, e a Sinfonia, dita ‘A Grande’, se mantém incólume no repertório básico de qualquer corpo orquestral.

O subtítulo não foi, entretanto, dado apenas por suas dimensões incomuns, mas sim para a diferenciar da 6a. Sinfonia, também em Dó maior, esta conhecida como ‘A Pequena’. Controvérsias sobre sua estréia suscitam inclusive dúvidas sobre a qual delas se referem documentos que datam do início de 1829, e só temos certeza de sua verdadeira primeira apresentação pública em 1839, regida por Mendelssohn, dez anos depois da morte de Schubert. Escrita entre 1825 e 26, até a década de 1930 era chamada de Sinfonia no.7, mas teve sua numeração revogada em função de imprecisões de catálogo, principalmente por conta do esboço para uma Sinfonia em Mi Maior (D729) ter sido completado por Felix Weingartner em 1934 e por Brian Newbould em 1980, e musicólogos tiveram que reivindicar o 7 na ordem da composição. Por isso, depois que Weingartner fez a primeira execução completa da Sinfonia em Mi Maior, esta passou a ser a 7a., e a ‘Grande’ foi promovida a 9a., apesar de não ter sido uma decisão unânime. Mais recentemente, no final da década de 90, essa ordem também foi re-revogada, colocando essa Sinfonia em Mi em outra base catalográfica, e na confusão dos críticos e musicólogos algumas gravações da ‘Grande’ aparecem como 8a. (e a ‘Inacabada’ como 7a… olha o imbróglio). No fim das contas, o público não entendeu nada e as gravadoras, por conta própria, resolveram acabar com a confusão, e a ‘Grande’ ficou como 9a. e ponto final.

Eis alguma leituras essenciais dessa obra:

1.Wilhelm Furtwängler, Berliner Philharmoniker, DG 1952

Essa versão já clássica remonta a uma escola de regência há muito esquecida, na qual o maestro é quase uma espécie de co-autor. A interpretação não tem pudores e não faz nenhuma questão de parecer a mais autêntica ou mais próxima das marcas da partitura. Ele muda os andamentos a seu bel-prazer e cria uma dinâmica própria, fazendo dela uma leitura bastante avançada. A questão é: para o regente se dar ao luxo de tais liberdades, precisa ter um senso estético extraordinário, o que, felizmente, é o caso. Apesar do som mono, é uma gravação incrivelmente bem feita, e merece ser apreciada sem restrições. Vem de brinde a 88 de Haydn, um mimo.

FLAC 248Mb
MP3 320Kbps 153Mb

2. Wolfgang Sawallisch, Staatskapelle Dresden, PHILIPS 1967

Conheci essa gravação através da Enciclopédia Salvat dos Grandes Temas da Música, lá pela década de 90, e confesso que não esperava muito. Ledo engano: fiquei impressionado com o equilíbrio de timbres e de forma na condução de Sawallisch. É uma das leituras mais convincentes e fluídas que já ouvi. Sawallisch corta as repetições nas medidas certas, e dá certa ênfase nas madeiras, que se destacam sobremaneira nos contornos melódicos,  como poucas gravações fazem, dando sobrevida a acordes fundamentais que não aparecem em outras leituras. É também digno de nota que os andamentos são marcados por uma coerência espontânea e segura, fazendo desta uma das minhas interpretações preferidas, e que, curiosamente, teve várias edições esparsas e nunca foi considerada pela indústria fonográfica uma gravação de destaque. Pena. Não foi lançada em CD avulso, apenas em coletâneas, e essa que ora apresento é justamente uma, meio obscura da série PHILIPS DUO. Mas reitero: uma das versões mais determinadas e convincentes que conheço. E ainda vem no pacote a 5a., 6a. e 8a. Sinfonias. Fica a dica.

FLAC 693Mb
MP3 320Kbps 320Mb

3.Herbert von Karajan, Berliner Philharmoniker, EMI 1977

Devo dizer que sempre tenho receios com Karajan, daquelas leituras assépticas e previsíveis, mas, surpreendentemente, Karajan, ao contrário das expectativas, trata essa obra com singularidade incomum. Não que seja isenta de críticas, mas tem uma grande virtude: é uma leitura altamente diferenciada, que privilegia mais a dramaticidade romântica que o bucolismo clássico. Karajan faz dela uma sinfonia quase wagneriana, enfatizando os trombones como nenhuma outra gravação. Ao final da sua escuta, fico pensando: nossa, Schubert gostava de trombones, eu nunca tinha reparado! Com certeza é a interpretação que melhor destaca o espírito épico da sinfonia. Bom ou ruim, não sei, mas que empolga, empolga. Ademais, tenho a teoria que o melhor Karajan foi para a EMI, e que a DG era só a esposa de fachada.

FLAC 347Mb
MP3 320Kbps 166Mb

4. Carlo Maria Giulini, Chicago Symphony Orchestra, DG 1977

Essa versão de Giulini me estranhou à primeira vista, por conta do contorno legato com que ele conduz o tema principal do Allegro no primeiro movimento. E outro aspecto que me chamou a atenção é a passagem do Andante para o Allegro inicial. Uma pulsação muito diferente, surpreendente, diria, quase invertendo o tempo. Nunca tinha ouvido dessa forma, pareceu até outro tema! Foi uma nova experiência e uma escuta que, confesso, precisei me acostumar, mas acabou por tornar-se prazeirosa, muito propícia para renovar os ares desta obra tão querida. Giulini é um maestro de sensibilidade fora do comum, e consegue sustentar essas licenças sem ter que pedir desculpas nem parecer excêntrico. Em termos de balanceamento de timbres, é a versão mais equilibrada que conheço, fica patente o espírito romântico, à espreita na forma clássica. Também surpreende o fato de que essa gravação foi lançada em LP e não tem correspondente original em CD, que só foi relançada muito tempo depois, em coleções modernas. Os selos não sabem os tesouros que escondem.

FLAC 251Mb
MP3 320Kbps 129Mb

5. Georg Solti, Wiener Philharmoniker, DECCA 1981

Solti é um maestro que admiro profundamente, versátil e contundente, mas é notório que quando falamos de românticos, pós-românticos e modernos ele está totalmente à vontade em seu elemento, mas nos clássicos… bem, não sei se ele consegue o mesmo grau de profundidade. A interpretação é boa, Solti enfatiza a verve rítmica, mas parece que estamos ouvindo Richard Strauss. Percebam o uso de metais, que, diferentemente da abordagem romântica de Karajan, não enfatiza um ou outro, mas seu conjunto. Torna certos momentos dignos de sinfonistas pós-românticos. O problema é equilibrar intenções tão distintas. Só Solti mesmo. No frigir dos ovos diria que ficou bom, mas por vezes me pergunto se funciona para todos os gostos. Também vale a escuta.

FLAC 232Mb
MP3 320Kbps 117Mb

6. Neville Marriner, Academy of St.Martin-in-the Fields, PHILIPS 1984

Essa é a gravação mais ‘correta’, no sentido de procurar um denominador comum genérico, de apresentar um clássico ‘puro’. Não que seja uma interpretação histórica, mas é notório que Marriner prima pela obediência férrea à partitura, e, juntamente com a versão de Abbado, são as únicas que fazem TODOS os ritornellos sem exceção. Os tempos e a dinâmica são clássicos, um purismo que Marriner manteve na gravação do ciclo completo (que inclui a 7a. e a 10a. pela versão de Newbould), da qual esta gravação avulsa faz parte. Apesar dos instrumentos utilizados não serem propriamente ‘de época’, a execução é a que atinge a atmosfera mais clássica e autêntica, se é que podemos falar nesses termos. No final, fica um pouco a sensação de fast-food, mas isso é um problema meu com Marriner. Essa é a recomendada para puristas de estilo.

FLAC 285Mb
MP3 320Kbps 145Mb

7. Claudio Abbado, The Chamber Orchestra of Europe, DG 1987

Essa versão de Abbado é sem dúvida uma das mais aclamadas pela crítica, e merecida, uma vez que foi a primeira gravação que usou o manuscrito original, autógrafo de Schubert, como referência, e não a versão revista pelos editores posteriormente (que são todas as outras gravações aqui colocadas). Apesar disso, a leitura de Abbado não me parece – verifiquem por favor – tão purista quanto a de Marriner, apesar de também primar por todos os ritornellos. Acaba ficando mais livre e espontânea, uma obediência flexível, antes romântica que clássica, à partitura. Abbado tem muita afinidade com Schubert, e sua leitura puxa um pouco para a inerente tendência ao romantismo, e fica uma linha tênue, enrustida, sutil, mas patente. Essa sutileza torna essa uma das leituras mais interessantes que conheço. É curiosa a impressão que estamos ouvindo um Schubert visto por Mendelssohn, e por vezes ambos se misturam. E acrescenta-se ainda o divertido exercício de notar as diferenças da partitura original com a versão do editor. Dica: reparem no Segundo Movimento, o Andante con moto.

A escolha do Chucruten para essa sinfonia recai, portanto, entre essa e a de Sawallisch.

Boa audição a todos.

FLAC 295Mb
MP3 320Kbps 158Mb

CHUCRUTEN

2 comments / Add your comment below

  1. Que belo post sobre a 9ª de Schubert! A gravação de Abbado foi a última música que meu pai ouviu antes de morrer. Não por opção dele, pois ele teve um súbito enfarto durante a noite. Quando fui abrir o CD Player dele (1993) lá estava o Schubert-Abbado. Não obstante o fato, adoro esta gravação da obra e tenho o CD até hoje.

  2. Até agora ainda não ouvi melhor versão do que a do Krips. Mas a obra é tão boa que também nunca ouvi nenhuma versão que não gostasse.

Deixe uma resposta