Robert Schumann (1810–1856): Fantasia op. 17; Fantasiestücke op. 12 (Martha Argerich)

Neste mês de aniversário de Robert Schumann, estava faltando uma de suas mais famosas obras para piano: a Fantasia em Dó Maior. A peça começou a ser composta em 1836, quando o pai de Clara Wieck havia proibido Schumann de vê-la. Ele escreveu para Clara, a respeito da Fantasia: “o primeiro movimento deve ser o mais apaixonado que já compus – um profundo lamento por você.” Eles ainda passariam por muitas turbulências até se casarem quatro anos depois.

A gravação que Martha Argerich fez com seus 30 e poucos anos é famosa por ser explosiva, descontrolada, características que fazem da pianista argentina uma grande intérprete de Schumann. Não é à toa que, em entrevistas, Martha fala de sua relação próxima e especial com a música desse compositor:

Schumann!
Sua música me toca muito diretamente… Uma espontaneidade, uma pureza. E também, claro, a loucura, as mudanças de humor. Posso até chorar. Quando o toco, fico com lágrimas nos olhos.

Yves Nat dizia que Beethoven era um deus e Schumann, um amigo.
Ah! sim, é possível. Ele tem uma imaginação louca, ele abre mundos, com sua linguagem própria, inconfundível. Um amigo da alma, sim.

E Chopin? Você estará no juri do concurso em Varsóvia este ano…
Chopin é terrivelmente difícil. Faz muito tempo que não toco… É meu amor impossível. Ele é muito ciumento.

Martha, como Richter, pertence ao grupo de pianistas que extravasam as mais fortes emoções nos momentos mais desconrolados de Schumann. O piano chega a apresentar um som metálico em certos momentos, dá a impressão de que as cordas vão falhar. Não é uma gravação perfeitinha, definitivamente. A segunda metade do CD (originalmene, lado B do LP) traz as “Peças de Fantasia”, Fantasiestücke, compostas na mesma fase da vida de Schumann e também cheias de contrastes e mudanças de humor. Vejam as traduções dos nomes das peças abaixo: são várias miniaturas noturnas, com aquela atmosfera de escuridão, mistério e sonhos tão típica do Romantismo.

Fantasia em Dó maior, opus 17
Durchaus fantastisch und leidenschaftlich vorzutragen; Im Legenden-Ton – Tocar do começo ao fim de maneira fantástica e apaixonada; Em tom de lenda
Mäßig. Durchaus energisch – Moderado, sempre enérgico
Langsam getragen. Durchweg leise zu halten – Lento e constante. Manter quieto

Fantasiestücke, opus 12
Des Abends – “De noite”
Aufschwung – “Elevação”
Warum? – “Por quê?”
Grillen – “Quimeras”
In der Nacht – “De madrugada”
Fabel – “Fábula”
Traumes Wirren – “Sonhos confusos”
Ende vom Lied – “Fim da canção”

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE (MP3 320KBPS)

A clássica pose pensativa com a mão no rosto

Pleyel

1 comment / Add your comment below

  1. Grato pela postagem, Pleyel! Não poderia concordar mais com você nessa impressão de que o descontrole é uma das maiores qualidades do Schumann de Martha. Lembro duma entrevista em que lhe perguntaram qual o compositor favorito, e ela tascou “Beethoven!” para depois inclinar a cabeça e balbuciar “Schumann” – que foi uma das três pessoas do passado que ela escolheria para sair para jantar (https://www.youtube.com/watch?v=6oYmSO2r_Nw). A afinidade é imensa e, não por acaso, a música dele sempre acaba aparecendo nos números de bis dos concertos dela. Sobre os títulos poéticos e evocativos, destaco um, o de “Aufschwung” – que é, sim, “elevação”, e descreve especificamente, com aquela precisão tão própria à língua alemã, o sentimento resoluto que nos vem depois de uma turbulência. Desde que soube disso, através de “Uma Breve História da Música” do Carpeaux, que li quando garoto, a peça passou a me soar duma maneira diferente. Por ainda mais piano, mais Schumann, e mais Martha! Um abraço!

Deixe uma resposta