BTHVN250 – A Obra Completa de Ludwig van Beethoven (1770-1827) – Septeto, Op. 20 – Variações, Opp. 105 & 107 – Kavakos

Ao estrear em 1800 seu septeto para violino, viola, violoncelo, contrabaixo, clarinete, trompa e fagote, Op. 20, o já célebre Beethoven coroou uma série de bem-sucedidas composições: dois concertos para piano estreados por ele próprio; um popular quinteto para piano e sopros; e seis inovadores quartetos de cordas. A repercussão do septeto, no entanto, superou com sobras a dos outros. Composto na tradição das serenatas de Mozart, mas peculiar em sua instrumentação sem pares e pelo toque concertístico, foi um sucesso inesperado que, nas décadas seguintes, muito aborreceria o compositor pelas repetidas demandas de reeditar e rearranjar a obra para outras combinações instrumentais (como fez, por exemplo, no trio Op. 38), eclipsando obras que considerava muito melhores. Hoje relativamente esquecido dentro do magnífico conjunto de criações de Beethoven, o septeto é sempre uma delícia de se escutar, em especial pelo colorido e virtuosismo da parte do clarinete e da elaborada parte do violino, que inclui uma cadenza no movimento final. Aprecio muito, também, das participações muito canoras do fagote e do violoncelo, normalmente relegados à tarefa do baixo, mas aqui desobrigados dela pela parruda presença do contrabaixo.

A gravação que lhes alcanço tem a distinta participação de Leonidas Kavakos, que já foi apresentado a vocês, e é parte dum álbum duplo que tem em seu primeiro volume o concerto para violino, Op. 61, em que ele conduz de seu instrumento a Orquestra da Rádio Bávara. Para o segundo volume, o solista teve a curiosa ideia de parear o concerto com o septeto, competentemente tocado e gravado com músicos da orquestra que regeu. Naturalmente, o violino de Kavakos tem aqui um destaque ainda maior do que a partitura lhe reserva, sem que isso comprometa o equilíbrio da peça. Ainda mais curiosa foi a escolha de concluir o disco com algumas das variações sobre árias nacionais, Opp. 105 e 107, compostas originalmente para flauta e piano, e publicadas na maturidade do compositor para fazer dinheiro. Não que lhes faltem brilho e graça, mas elas parecem anticlimáticas se escutadas após o irresistível septeto. Minha sugestão subversiva aos leitores-ouvintes? Invertam a ordem proposta pela Sony e concluam sua audição com o septeto.

Ludwig van BEETHOVEN (1770-1827)

Septeto em Mi bemol maior para violino, viola, clarinete, trompa, violoncelo, fagote e contrabaixo, Op. 20
Composto entre 1799-1800
Publicado em 1802
Dedicado à imperatriz Maria Theresa da Áustria

1 – Adagio – Allegro con brio
2 – Adagio cantabile
3 – Tempo di menuetto
4 – Tema con variazioni. Andante
5 – Scherzo – Allegro molto e vivace
6 – Andante con moto alla marcia – Presto

Leonidas Kavakos, violino
Christopher Corbett, clarinete
Eric Terwilliger, trompa
Marco Postinghel, fagote
Wen Xiao Zheng, viola
Hanno Simons, violoncelo
Heinrich Braun, contrabaixo

Variações sobre Canções Folclóricas, Op. 105
7 – No. 3:  A Schüsserl und a Reindl

Variações sobre Canções Folclóricas, Op. 107
8 – No. 1: I bin a Tiroler Bua
9 – No. 2: Bonny Laddie, Highland Laddie
10 – No. 6: Peggy’s Daughter
11 – No. 7: Schöne Minka

Leonidas Kavakos, violino
Enrico Pace, piano

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

 

“E aê?”

Vassily

2 comments / Add your comment below

  1. Querido Vassily:
    el septeto o settimino de Beethoven no fue el primero en su género: Michael Haydn había compuesto en 1790 un Divertimento en Mi bemol mayor, descripto así por su autor: “Quintetto a violino, viola, clarinetto, corno da caccia e fagotto” más contrabajo ad libitum, agrego yo.
    De todos modos el trabajo del buen Ludwig fue la inspiración de toda una legión a lo largo del tiempo, con obras que mantienen su misma instrumentación o que la amplían hasta llegar a diez instrumentos (todo el quinteto de vientos más el quinteto de la cuerda) como hizo Jean Françaix.

    1. Querido Julio, estamos de acuerdo en todos sus apuntamientos. Lo que intentaba decir fue que no hay pares de instrumentos (por ejemplo, dos violines) en la formación eligida por Beethoven para su septeto, pero mi afirmación sin dudas resultó ser ambigua. Gracias por su aclaración!

Deixe uma resposta