Stefano Pando: Peças para alaúde

Stefano Pando é um alaudista contemporâneo que faz música como se estivesse no século XVI. É uma postura curiosa. É como se um autor atual tentasse escrever um livro como o Quixote, sei lá. Quando jovem, não gostava nem do neoclássico de Stravinsky e de vários compositores de seu grupo — andavam de avião e escreviam Concerti Grossi — , mas hoje sou bem menos xiíta. O CD de Pando é agradável e bastante bom, levando em conta a Idade Média…

Wellington Mendes escreveu: Belíssimo, a liberdade do alaudista traz ótimas novidades a velhíssimas peças, afinal, não sabemos como tocavam os antigos e muito possivelmente também iam muito mais longe do podemos imaginar.

Stefano Pando: Peças para alaúde

1. Galliard Et Sauterelle 2:02
2. Robin 2:26
3. Pavane Dellestarpe 1:54
4. Stanes Morris Dance 1:29
5. Ricercar 12 1:56
6. The Wind That Shakes the Barley 0:56
7. A Toy 0:59
8. My Lady Carey’s Dompe 1:46
9. Mache Anglaise 1:19
10. Eislein Liebstes 0:43
11. The Earl of Crawford 1:02
12. Earl of Oxford’s March 1:01
13. Almande Nonnette 1:00
14. Robin Hood 1:48
15. Branle Des Chevaux 2:15
16. Ricercar 9 1:45
17. Pavane Au Revoir Ma Douce Flame 2:24
18. Galliard Au Retour 0:44
19. Jouissance Vous Donneray 1:16
20. Basse Dance Sur Jouissance 1:53
21. Pavane La Sombre 3:25
22. Paduana 1:22
23. Ricercar 3 1:04
24. Untitled Passamezzo Antico 1:18
25. The Scolding Woman 1:00
26. Tombeau 3:20
27. Ein Welscher Tanz Wascha Nesa 1:23
28. Jaymeray Mieu Dormir 0:58
29. Pass E Mezzo 3:32
30. Tourdion 1:31

Stefano Pando, alaúde

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

Stefano Pando: living in the past, como diria Ian Anderson
Stefano Pando: living in the past, como diria Ian Anderson

PQP

6 comments / Add your comment below

  1. Belíssimo, a liberdade do alaudista traz ótimas novidades a velhíssimas peças, afinal, não sabemos como tocavam os antigos e muito possivelmente também íam muito mais longe do podemos imaginar.

  2. Obrigado por ressaltar meu comentário, muito me honra. É mesmo um belo trabalho, delícia de gravação. Obrigado por tantos tesouros.

Deixe uma resposta