Piotr Ilich Tchaikovsky – Piano Concerto n°1, Sergey Rachmaninov – Piano Concerto n°2

FDPBach fez aniversário mas quem também ganha presente são os nossos fiéis leitores. Neste último dia dois de março completei 48 anos de idade, já quase chegando aos 50, mas não quero pensar nisso.
E enquanto uns comemoram seus aniversários, outros lamentam a morte de Harvey Lavan “Van” Cliburn Jr. , também conhecido como Van Cliburn, um dos maiores nomes do piano do século XX, mas infelizmente pouco conhecido das novas gerações.
Esse cara, aos 23 anos de idade, em 1958, foi simplesmente o vencedor do prestigiado concurso “International Tchaikovsky Piano Competition”, em Moscou. Foi quando voltou aos Estados Unidos que gravou este CD que ora posto, regido pelo mesmo maestro que conduzira a Filarmônica de Moscou no momento do prêmio, o grande Kiril Kondrashin. Após isso, Van Cliburn retornou várias vezes à União Soviética, sempre muito ovacionado após sua apresentações.
Bem, e com relação a este CD o que tenho a dizer, os senhores devem estar se perguntando. Eu diria que com certeza é uma das melhores gravações do Concerto de Tchaikovsky já realizadas, com dois especialistas no repertório, claro, Van Cliburn e Kondrashin, mas o que mais me emociona é o Rach 2, gravado com a Chicago Symphony no apogeu da carreira de Fritz Reiner. É emocionante. De se ouvir de joelhos dezenas de vezes. As quatro estrelas e meia que os clientes e comentaristas da amazon deram para esse cd são bem dados, mas merece cinco estrelas, com certeza. E está muito barato, meros 9 dólares na amazon o novo, e tem usados por meros três dólares. Ou seja, um café com um pãozinho de queijo na padaria da esquina.
Mas enfim, que Van Cliburn descanse em paz. Cumpriu uma bela missão na terra ao nos proporcionar momentos de tanto prazer, nos permitindo ter acesso ao seu enorme talento, talento este que mostrou que a música pode sim romper as barreiras ideológicas tão fortes quanto aquelas que existiam naquele momento tão peculiar e perigoso da história da humanidade.

01 – Tchaikovsky – Piano Concerto No 1 – 1. Allegro non troppo e molto maestoso ~
02 – Tchaikovsky – Piano Concerto No 1 – 2. Andantino simplice
03 – Tchaikovsky – Piano Concerto No 1 – 3. Allegro con fuoco

Van Cliburn – Piano
RCA Symphony Orchestra
Kiril Kondrashin – Conducto

04 – Rachmaninoff – Piano Concerto No 2 – 1. Moderato – Allegro
05 – Rachmaninoff – Piano Concerto No 2 – 2. Adagio sostenuto
06 – Rachmaninoff – Piano Concerto No 2 – 3. Allegro scherzando

Van Cliburn – Piano
Chicago Symphony Orchestra
Fritz Reiner – Conductor

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

Retrato do Artista Quando Jovem – Van Cliburn
21/07/1934 – 27/02/2013

 

16 comments / Add your comment below

  1. Prezado FDP, não se avexe com a idade. Afinal essa gravação de Rach com Van Cliburn eu comprei em lp quando voce tinha cinco anos. Não tem coisa melhor (não importam os críticos). Só achei o cd há anos, em Viena (ih nojo!). Este faz parte da minha categoria pqp-imperdível-só-não-baixo-pq-já-tenho.
    Quem não tiver, não perca tempo.
    Saudades de Van, Kyriol e Piotr.
    Abraços

  2. Bom, mais aí um intérprete que eu não conhecia. Ótima interpretação. Então você fez 48? Já tá pronto pra ser chamado de “senhor”? rsrsrsrs

    Ah, e obrigado por postar o primeiro concerto de Tchaikovsky, já fazia um tempinho que não escutava ele. Pra mim é simplesmente o maior concerto para piano já escrito na história, o mais belo de todos. E Rachmaninov é outro fera que também não estava dando muito as caras por aqui.

  3. Essa gravação me deu curiosidade.

    Tenho o Rach 2 com Arthur Rubinstein e o mesmo Fritz Reiner! Até agora sempre considerei – como muita gente – a melhor gravação. Mas desconheço a do Cliburn.

    Quanto ao concerto de Tchaikovsky, tenho a maravilhosa gravação de Rubinstein com Leinsdorf, que acho difícil ser superada.

    1. Se fosse para listar minhas gravações favoritas desse concerto de Tchaikovsky eu colocaria uma do Emil Gilels com o (adivinhe com quem,Lais), Fritz Reiner, a do Sviatoslav Richter / Karajan. Com um pequeno detalhe: se não me engano o próprio Richter e o Gilels faziam parte do corpo de jurados do festival que Van Cliburn ganhou. E vou fuçar no meu acervo, mas não lembro de ter essas gravações do Rubinstein, nem o Rach, nem o Tchai.

  4. Só um adendo. Sempre me deslumbrei com o que Fritz Reiner fez…

    O maestro é sensacional, uma espécie de Midas da regencia à semelhança de Carlos Kleiber,e no mesmo nivel de Fricsay, Bernstein, Kleiber, etc.

    1. Realmente, Lais, o Fritz Reiner foi um gigante da regência. Nunca ouvi uma gravação dele que pudesse dizer que era inferior à outra..

  5. Ótima interpretação do Rach, deixou o Evgeny Kissin no chinelo (na minha opinião). Quanto ao Rubinstein, não sei não. E esses compositores russos, nunca decepcionam!

    FDPBach, não se deixe abalar pelo número da idade. Eu, por exemplo, no dia 17, vou completar um terço da sua idade! Bom trabalho no blog, meu jovem!

  6. FDP,
    Minhas felicitações por seus 48 anos. Eu, que farei 47, nem me sinto assim, como você, tão desolado por estar próximo aos 50. Isto é, não me sinto sempre assim… Hoje mesmo me dei conta de que, a despeito de me sentir um menino, algum tempo já se passou.
    Feliz Aniversário! Que você continue a alegrar-nos com sua boa música!
    O PQP Bach é uma alegria musical sem tamanho, também graças a você!

    1. Agradeço as gentis palavras, Rameau. Não diria que me sinto desolado por estar chegando aos 50, nem adiantaria, pois é inevitável, mas a sensação de que deixei de fazer muita coisa sempre me persegue, o que me deixa de vez em quando num baixo astral, que logo passa, assim que coloco uma boa música para ouvir. Que seria de nós sem a música..!!!

  7. Duas gravações fantásticas, não dá para acreditar que sejam do final dos anos 50…Sem dúvida, estão entre as melhores de cada concerto. Um excelente presente de aniversário para o blog!

  8. Entre os dois Concertos me parece que Van Cliburn se sente mais a vontade e seguro com o do Tchaikovsky , além da gravação sonora surpreendente . Um show. Grato. Um abraço do Dirceu.

Deixe uma resposta