Antonio Carlos Gomes (1836-1896) – Aberturas e Prelúdios (Scharovsky) [link atualizado 2017]

MAIS UM BAITA DISCÃO!!

Regozijai, ó brasileiros, brasilianistas e todos os que nutrem amor por esta pátria verde e amarela!  Antonio Carlos Gomes está de volta com mais um álbum SENSACIONAL!
Depois da postagem de suas aberturas com o peso-pesado Eleazar de Carvalho  (aqui) lhes garanto que  esta, com a mesma Orquestra Sinfônica Brasileira na condução agora do maestro Yeruham Scharovsky, também há de lhes agradar imensamente. Scharovsky é daqueles daqueles regentes  bravos, briguentos, de personalidade forte, que já deixou algumas orquestras por conta de brigas internas. Mas por isso mesmo, pela personalidade marcante, que o maestro judeu-argentino consegue imprimir densidade e intensidade em suas conduções. Ele está atualmente à frente de, nada mais, nada menos que a portentosa Orquestra Sinfônica de Jerusalém.

Nas aberturas e prelúdios por ele comandadas neste álbum é possível visualizar as mudanças que foram ocorrendo na obra de Carlos Gomes, pois as peças nos são elencadas em ordem cronológica. Gomes começa totalmente verdiano: as aberturas das duas primeiras óperas, A Noite do Castelo e Joanna de Flandres, estreadas no Brasil, lembram algo como Nabucco e Il Trovatore. Já Il Guarany imprime alguns traços nacionalistas, mas ainda se apresenta bastante ligada à escola italiana e à influência da figura onipresente de Verdi no cenário operístico milanês. Na escura Fosca, Carlos Gomes flerta com a ópera alemã: há uma tênue ligação com os wagnerianos, mas ainda era difícil se desvencilhar dos padrões italianos. Seguem-se as elaboradas overtures de Salvator Rosa e Maria Tudor: Nhô Tonico era compositor maduro e essas aberturas são mais densas e mostram um domínio maior dos instrumentos da orquestra. Temos então as obras de Lo Schiavo e Odaléa: dez anos de hiato na produção de óperas (entre Maria Tudor e Lo Schiavo) mostram um Carlos Gomes menos pesado e muito mais elegante, bem diferente do padrão das obras gomianas mais difundidas: ele se aproxima dos padrões da escola francesa e estava melhor do que nunca (é, particularmente, o que entendo como o que de melhor de Carlos Gomes que há)! Infelizmente nos deixou com apenas 60 anos e só nove óperas acabadas… Com mais tempo nos teria legado ainda mais e melhores tesouros…

O CD é belíssimo! Ouça em excesso!

Antonio Carlos Gomes (1836-1896)
Aberturas e Prelúdios

01. A Noite do Castelo, Abertura
02. Joanna de Flandres, Abertura
03. Il Guarany, Prelúdio Original
04. Il Guarany, Abertura
05. Fosca, Abertura
06. Salvator Rosa, Abertura
07. Maria Tudor, Abertura
08. Lo Schiavo, Abertura
09. Lo Schiavo, Alvorada (prelúdio do 3º ato)
10. Condor (Odalea), Abertura

Orquestra Sinfônica Brasileira
Yeruham Scharovsky, regente

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE (82Mb)

Partituras e outros que tais? Clique aqui
Ouça! Deleite-se! … Mas não se esqueça de me escrever umas linhas. 

Bisnaga

10 comments / Add your comment below

  1. Thank you so much for reviving one of the most important and neglected composers of all times….Can you please repost all his church works as well?
    Gracias!!

  2. Dear Jam,
    Carlos Gomes composed two masses: Missa de Nossa senhora da Conceição and Missa de São Sebastião.
    The link of the Missa de Nossa senhora da Conceição is here: http://www.sul21.com.br/blogs/pqpbach/2011/11/03/missa-de-nossa-senhora-da-conceicao-antonio-carlos-gomes-campinas-1836-belem-1896/
    The link of Missa de São Sebastião (here in http://www.sul21.com.br/blogs/pqpbach/2011/11/10/missa-de-sao-sebastiao-antonio-carlos-gomes-1836-1896/#comment-26044) has bronken, realy. I asked to Avicenna to re-up the archive.

    Thank you.

    1. It was the Missa de São Sebastião! Thank you for fixing the link!! I just listened to the Kyrie,
      what a graceful instrumentation and melody…I am so grateful to know Gomes’ music thanks to you!!! Your blog brings so much joy to my life!!! THANK YOU!!
      Jan

  3. Pena que estive sem conexão à internet ontem… Bisnaga, eu te digo que o blog do P.Q.P Bach é o maior repositório, mas o maior “repositor” é você. Se não fosse você por aqui…
    Também acho muito legal ver gente de outros países, como o nosso amigo Jan aí, gostando da música de Carlos Gomes, e ainda por cima reconhecendo-o como um dos maiores compositores de todos os tempos!! Pena que Gomes não seja tão difundido; vai ver é pela escassez de sua obra.

    1. É, rapaz.
      Carlos Gomes deu azar três vezes: nasceu em um país periférico, compôs num período de transição (ou seja, não foi o auge de um movimento nem o início de outro), e morreu no mesmo país periférico. Tudo ajudou a cair no esquecimento… Não merceia, de forma alguma…

  4. Obrigadíssimo por tanto Carlos Gomes, que não conhecia!
    E uma consulta: vocês têm como postar a música para Rosamunde, de Schubert? Faz tempo que estou atrás do Entreato n.3. Gratíssimo!

Deixe uma resposta