Beethoven: Concerto Triplo / Schumann: Concerto para Piano (Argerich, Capuçon, Maisky, Rabinovitch-Barakovsky)

Beethoven: Concerto Triplo / Schumann: Concerto para Piano (Argerich, Capuçon, Maisky, Rabinovitch-Barakovsky)

Trilhei as saudosas andanças de Vassily Genrikhovich por Beethoven e as mais recentes pisadas dele com a Rainha Argerich, mas não consegui encontrar este CD. Se ele estiver repetido em nosso blog, paciência. Ninguém vai se importar de ter duplicada uma das boas versões do Concerto Triplo de Beethoven e do Concerto para Piano Besame Mucho de Schumann. O trio de solistas é arrebatador. Um Mischa Maisky emocionado, um Renaud Capuçon ainda engatinhando e já fabuloso em beleza sonora e precisão e uma obviamente imperial Martha Argerich. O que pedir mais? Ah, e tudo ao vivo, com as imperfeições inerentes ao ambiente de concerto. Ah, e temos Schumann! Aqui o Concerto de Schumann aparece em seu auge pela profundidade e pelo milagre da inimitável execução da Rainha Martha Argerich.

O Concerto para Violino, Violoncelo e Piano, Op. 56, foi escrito por Beethoven entre 1803 e 1805, sendo publicado em 1807 e estreado em Viena e, 1808. É mais comumentemente referido como Concerto Triplo, ou Concerto Tríplice, por ser dirigido a três instrumentos solistas, mais orquestra. Trata-se do único concerto de Beethoven para mais de um instrumento solista.

O Concerto para Piano, Op. 54, do compositor romântico alemão Robert Schumann foi concluído em 1845 e é o único concerto para piano do compositor . A obra completa foi estreada em Dresden em 4 de dezembro de 1845. É um dos concertos para piano mais tocados e gravados do período romântico.

Beethoven: Concerto Triplo / Schumann: Concerto para Piano (Argerich, Capuçon, Maisky, Rabinovitch-Barakovsky)

Triple Concerto For Violin, Cello & Piano In C Major, Op. 56
Composed By – Ludwig van Beethoven
1 I Allegro 16:55
2 II Largo 5:32
3 III Rondo all poöacca 12:46

Piano Concerto in A Minor, Op. 54
Composed By – Robert Schumann
4 Allegro affettuoso 13:36
5 Intermezzo (Andantino grazioso) 4:59
6 Allegro vivace 10:36

Cello – Mischa Maisky (faixas de 1 a 3)
Conductor – Alexandre Rabinovitch-Barakovsky*
Orchestra – Orchestra Della Svizzeria Italiana*
Piano – Martha Argerich
Violin – Renaud Capuçon (faixas  de 1 a 3)

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

Martha merece todas as flores do mundo

PQP

Wilhelm Friedemann Bach (1710-1784): Seis Duetos para Duas Flautas (Barthold Kuijken, Marc Hantai)

Wilhelm Friedemann Bach (1710-1784): Seis Duetos para Duas Flautas (Barthold Kuijken, Marc Hantai)

IM-PER-DÍ-VEL !!!

Pois ontem cruzei como uma amiga especialmente musical na rua. Ela é uma querida! Quando nos encontramos, eu estava com este CD de WF Bach a mil nos fones. Peguei-os de minha cabeça e coloquei pra ela sem dizer nada. Logo, ela começou e se exclamar: que coisa linda!, isso é maravilhoso! Bem, pois é, é lindo mesmo.

É fácil pensar em Wilhelm Friedemann Bach como uma espécie de fracassado, pricipalmente devido à sua produção limitada — pelo menos em comparação com seus irmãos mais novos — e sua reputação como alcoolista e como perdedor de cerca de um terço da produção de Cantatas (só de Cantatas?, o que vocês acham?) de Johann Sebastian Bach que haviam sido cedidas aos seus cuidados. Mas esqueçam: os Seis Duetos para Duas Flautas é uma coleção de peças altamente atraente e fascinante que coloca o uso de procedimentos canônicos dentro da família Bach num contexto totalmente diferente. A assimetria é uma das marcas distintivas do mais filho mais velho de Bach. Ele combina elementos estranhos ​​em um todo unificado rara sofisticação. Neste sentido, WF Bach não é apenas bem-sucedido, mas a grande variedade de texturas imprevisíveis que ele alcança e o grande cuidado para não sair dos trilhos é parte integrante do que mantém o ciclo do seis interessante. Kuijken e Hantaï demonstram grande facilidade com esses difíceis instrumentos de época. O disco é tudo menos chato. Seu apelo não é tão limitado quanto se possa pensar. Duas flautas, sabem?

Wilhelm Friedemann Bach (1710-1784): Seis Duetos para Duas Flautas (Barthold Kuijken, Marc Hantai)

Duetto In F-Major (Falck 57)
1 Allegro E Moderato 4:29
2 Lamentabilie 7:55
3 Presto 2:04

Duetto In G-Major (Falck 59)
4 Allegro Mà Non Troppo 3:22
5 Cantabile 2:20
6 Allabreve 1:20
7 Gigue: Allegro 3:45

Duetto In E-Flat Major (Falck 55)
8 Allegro 3:05
9 Adagio Mà Non Molto 3:40
10 Presto 3:12

Duetto In E-Minor (Falck 54)
11 Allegro 2:52
12 Larghetto 3:05
13 Vivace 4:22

Duetto In E-Flat Major (Falck 56)
14 Un Poco Allegro 6:07
15 Largo 5:38
16 Vivace 2:59

Duetto In F-Minor (Falck 58)
17 Un Poco Allegro 1:52
18 Largo 4:30
19 Vivace 1:50

Flutes – Barthold Kuijken, Marc Hantaï

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

Disco do ano de 1990… Complicado de arranjar uma foto dos solistas, vou lhes contar…

PQP

Heinrich Schütz (1585-1672): Musikalische Exequien, Motetos e Concertos (Gardiner)

Heinrich Schütz (1585-1672): Musikalische Exequien, Motetos e Concertos (Gardiner)

IM-PER-DÍ-VEL !!!

Um cidadão chamou minha atenção para um fato deveras chocante: não havia Heinrich Schütz em nosso blog! Não havia, há agora.

(Este post é de 2008)

Por exemplo, uma das músicas mais belas e fundamentais já postadas várias vezes por nosso blog foi Um Réquiem Alemão de Johannes Brahms. Pois você sabia a quem é dedicado seu último movimento, o coral Chor: “Selig sind die Toten, die in dem Herrn sterben”? Pois é, a Schütz, um compositor absolutamente fantástico e único na história da música.

Vindo lá do começo do barroco alemão, meditando sobre a morte, quase sempre à capela, com pouco baixo contínuo… Tudo para ser chato, não? Nada disso, sua música de sincera religiosidade, cheia de dissonâncias radicais e inesperadas o deixam ao lado dos maiores compositores de seu século: Monteverdi e Purcell. As obras que compõem este disco foram as que me convenceram, algumas décadas atrás, a conferir se havia mais vida inteligente antes de meu pai. São nestas obras — partes de suas Symphoniae sacrae, de 1649, que Schütz revela-se mais moderno e tocado pela teatralidade italiana, mas dentro de um clime de fervor coletivo, facultado pela enorme tradição polifônica alemã.

Gravação impecável de Gardiner. Ouça primeiro a faixa 3 e deixe-se convencer por Schütz.

Heinrich Schütz (1585-1672) – Musikalische Exequien, Motetos e Concertos (Gardiner)

Motetos e Concertos
1. Freue Dich Des Weibes Deiner Jugend
2. Ist Nict Ephraim Mein Teurer Sohr
3. Saul, Saul Was Verfolgst Du Mich?
4. Auf Dem Gebirge Hat Man Ein Geschrei Gehoret

Musikalische Exequien
5. Concerto In Form Einer Teutschen Begrabnis-Missa
6. Motette>>Herr, Wenn Ich Nur Dich Habe<<
7. Canticum Simeonis

Ashley Stafford
Michael Chance
Frieder Lang
Monteverdi Choir
The English Baroque Soloists
His Majesty’s Sagbutts and Cornetts
John Eliot Gardiner

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

Esse merece rir, que talento!

PQP

Ludwig van Beethoven (1770-1827): Concerto para Violino, Op. 61 / Benjamin Britten (1913-1976): Concerto para Violino, Op. 15 (Jansen / Järvi)

Ludwig van Beethoven (1770-1827): Concerto para Violino, Op. 61 / Benjamin Britten (1913-1976): Concerto para Violino, Op. 15 (Jansen / Järvi)

IM-PER-DÍ-VEL !!!

Quando nasci veio um anjo safado, o chato dum querubim, e decretou que eu tava predestinado, a ser errado assim… Pois é, nesta quadra da minha vida, prefiro ouvir o Concerto de Britten ao de Beethoven — que já ouvi centenas de vezes. (Calma, não estou fazendo juízo de valor, tá?). Para piorar, dizem meus ouvidos que Janine Jansen gosta mais de tocar o inglês. Mas apenas uma impressão. Aliás, ela é uma supercraque. Tem a rara habilidade de comunicar enquanto nos engana… Pois parece tocar de maneira apenas correta, mas as pequenas variações de cor e ênfase transmitem uma sensação de intensa vida interior que vai nos envolvendo. Não sei se me expliquei bem. Seu Beethoven é convincente e, no Britten, ela trata de mostrar o lado mais interessante e desconfortável do trabalho. Os ritmos irregulares e os contrastes do Vivace central são claramente delineados e, na Passacaglia, Jansen constrói um grau doloroso de intensidade e desespero. Fui completamente conquistado pelo Britten da moça. Apaixonantemente intenso no movimento de abertura, adequadamente malévolo em todo o Scherzo inspirado em Prokofiev e dolorosamente comovente nos compassos finais da Passacaglia. Sua interpretação é notável no Beethoven — bem dentro da tradição romântica —  e ela se mostra uma defensora apaixonada do trabalho ainda negligenciado de Britten. A regência e a colaboração de Paavo Järvi não pode ser esquecida. Confiram!

Logo após ouvir este CD pela terceira vez, comentei por aí:

Janine Jansen não é somente uma violinista genial como montou um excelente repertório alternativo no qual se tornou especialista. Assim, como ela tomou conta de divulgar o excelente e desconhecido Quinteto para Piano e Cordas de Bartók, ela leva no bolso uma interpretação sensacional do Concerto para Violino de Benjamin Britten, Op. 15. São duas obras pouco divulgadas e muitíssimos boas, onde a holandesa acaba reinando. Tudo fora do mainstream. É claro que ela também toca os Concertões mais famosos (Beethoven, Brahms, Tchaikovsky, etc.), mas é bonito ver Jansen insistindo com obras diferentes e ótimas. Isso abre horizontes para nós. Eu? Um ano depois de ouvir intensivamente o Quinteto de Bartók, estou em loop no Concerto de Britten. No YouTube e em CD, não consigo parar de ouvir e ver.

(E ninguém me tira da cabeça que Shostakovich não deu uma boa olhada neste concerto de Britten de 1939 antes de compor seu Op. 77, de 1947. Não teve cópia nenhuma, mas há coincidências e ambos os concertos têm passacaglias…Anos depois, eles se tornariam grandes amigos).

Ludwig van Beethoven (1770-1827): Concerto para Violino, Op. 61 / Benjamin Britten (1913-1976): Concerto para Violino, Op. 15 (Jansen / Järvi)

Violin Concerto In D Major, Op. 61 • Ré Majeur • D-Dur
Cadenza [Cadenzas] – Fritz Kreisler
Composed By – Ludwig van Beethoven
Violin – Janine Jansen
Orchestra – Die Deutsche Kammerphilharmonie Bremen*
Conductor – Paavo Järvi
CD-1 I Allegro Ma Non Troppo 22:56
CD-2 II Larghetto — 8:20
CD-3 III Rondo: Allegro 9:25

Violin Concerto, Op. 15
Composed By – Benjamin Britten
Violin – Janine Jansen
Orchestra – London Symphony Orchestra*
Conductor – Paavo Järvi
CD-4 I Moderato Con Moto 9:31
CD-5 II Vivace — Cadenza — 8:35
CD-6 III Passacaglia: Andante Lento 14:29

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

Janine Jansen no parque dos 1000 Stradivarius do PQP Bach Financial Bank

PQP

J. S. Bach (1685-1750): Sonatas para violino e cravo, BWV 1014 – 1019 – Andoni Mercero & Alfonso Sebastián ֎

J. S. Bach (1685-1750): Sonatas para violino e cravo, BWV 1014 – 1019  –  Andoni Mercero & Alfonso Sebastián ֎

J.S. Bach

Sonatas BWV 1014 – 1019

Andoni Mercero, violino

Alfonso Sebastián, cravo

 

Vinte quatro anos depois da morte de Johann Sebastian, CPE Bach escreveu: Os Trios com Teclado estão entre as melhores obras do meu querido falecido pai. Eles ainda soam muito bem e me dão muito prazer, mesmo tendo sido compostos há mais de cinquenta anos. Eles têm um número de adágios que não poderiam ter sido escritos de maneira tão cantante, caso tivessem sido compostas hoje.

Qual é o segredo destas maravilhosas peças, escritas por Bach há mais de trezentos anos? O (ótimo) livreto desta nova (e excelente) gravação dá uma boa pista: A escrita densa em estrito contraponto apresentada por estas sonatas está dentro da grande tradição alemã, mas a vitalidade, flexibilidade e o sentimento cantabile de suas linhas melódicas mostram a inconfundível estampa italiana. A genialidade de Bach estava em amalgamar o melhor de cada uma dessas diferentes abordagens musicais, talvez.

A história das Sonatas para cravo e violino remonta aos anos 1719 quando Bach trabalhava para o Príncipe Leopoldo na Corte de Cöthen e envolve a compra de um magnífico cravo. Mas a cópia mais antiga destas composições data de 1725 e foi feita pelo sobrinho de Bach, Johann Heirich, que era aluno de St. Thomas em Leipzig. A letra de Bach irrompe no manuscrito nos três últimos movimentos da Sexta Sonata, indicando que poderiam ter sido compostos neste período.

As peças foram revisadas em um outro manuscrito feito por Johann Friedrich Agricola, de 1741, e novamente, em 1750, agora num manuscrito feito pelo genro de Bach, Johann Christoph Altnickol, quando o título passou a ser Sechs Trios für Clavier und Violine.

Eu simplesmente adoro essas peças e não canso de ouvi-las. Já fiz algumas postagens com interpretações bastante diferentes delas aqui no blog e quando ouvi essa gravação, não tive dúvidas em fazer mais uma postagem.

Andoni Mercero e Alfonso Sebastián

Os nomes Andoni Mercero, Alfonso Sebastián e Eudora podem não ser muito conhecidos, mas deveriam, pois, tudo aqui é excelente. Mercero estudou violino em vários importantes centros musicais em Madri, Toronto, Berlim, Amsterdam. Atuou como membro e como solista nos principais grupos e orquestras especializados em práticas de época. Foi membro do Cuarteto Casals até pouco tempo e até toca viola… Alfonso Sebastián estudou piano e cravo inicialmente na Espanha e em Paris, com Patrick Cohen. Aperfeiçou-se também com grandes nomes como Gustav Leonhardt e Lars-Ulrik Mortensen. O selo independente Eudora tem sede em Madri e foi fundado pelo produtor e engenheiro de gravações Gonzalo Noqué, com o objetivo de capturar as melhores performances musicais com a melhor qualidade sonora possível. Se tomarmos este disco, que foi gravado na Igreja de San Miguel, em Doroca, Zaragoza, como amostra, podemos acreditar que eles são realmente excelentes.

Johann Sebastian Bach (1685 – 1750)

Sonatas para Cravo e Violino, BWV 1014 – 1019

Sonata No. 1 em si menor, BWV1014

  1. Adagio; 2. Allegro; 3. Andante; 4. Allegro

Sonata No. 2 em lá maior, BWV1015

  1. Dolce; 6. Allegro; 7. Andante un poco; 8. Presto

Sonata No. 3 em mi maior, BWV1016

  1. Adagio; 10. Allegro; 11. Adagio ma non tanto; 12. Allegro

Sonata No. 4 em dó menor, BWV1017

  1. Largo; 2. Allegro; 3. Adagio; 4. Allegro

Sonata No. 5 em fá menor, BWV1018

  1. [sem indicação]; 6. Allegro; 7. Adagio; 8. Vivace

Sonata No. 6 em sol maior, BWV1019

  1. Allegro; 10. Largo; 11. Allegro; 12. Adagio; 13. Allegro

Andoni Mercero, violino

Alfonso Sebastián, cravo

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

FLAC | 563 MB

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

MP3 | 320 KBPS | 221 MB

Andoni Marcero

Aproveite!
René Denon

Bach (1685-1750): Pure Bach – Sonatas para violino e cravo – Rahel Maria Rilling & Johannes Roloff ֎

J. S. Bach (1685-1750): Sonatas para violino e cravo obbligato, BWV 1014-1019 – Chiara Banchini & Jörg-Andreas Bötticher

Mozart (1756 – 1791): Abertura de Don Giovanni, Concerto para Piano No. 23 & Sinfonia 40 – Andreas Staier, Le Concert de la Loge & Julien Chauvin ֍

Mozart (1756 – 1791): Abertura de Don Giovanni, Concerto para Piano No. 23 & Sinfonia 40 – Andreas Staier, Le Concert de la Loge & Julien Chauvin ֍

MOZART

Don Giovanni – Abertura

Concerto para piano No. 23

Sinfonia No. 40

Andrea Staier

Le Concert de la Loge

Julien Chauvin

Julien mostrando toda a alegria de aparecer de novo no PQP Bach…

Com a caneta ainda quente da última postagem, ouvi este disco e (quase) pude afirmar – é ainda melhor! O Concerto para Piano No. 23 de Mozart é um primor de simplicidade! E ainda temos um solista espetacular. Os discos de Andreas Staier podem ser um pouco estranhos, mas são sempre interessantes. Aqui ele é o solista de uma das obras e precisa ser ouvido. O piano participa (discretamente) do tutti inicial, como deve ter sido nos dias de Mozart, aguça a nossa curiosidade, antecipando sua entrada como solista.

O formato do disco segue o do álbum anterior – uma abertura de ópera, um concerto e uma sinfonia. Enquanto no disco anterior, a abertura do Fígaro era pura alegria e júbilo, a do Don Giovanni tem também um clima de mistério, de tons ameaçadores, como era de se esperar para uma ópera que mistura com maestria drama, comédia e uma dose de sobrenatural.

No concerto temos uma aula prática de ornamentação, pois que Andreas Staier é um solista sensacional. E a aula continua numa ótima entrevista dele no livreto. Ele fala de uma partitura com anotações de Barbara Ployel, uma aluna de Mozart. Essas anotações teriam sido feitas logo após uma das aulas com o compositor. Staier, no entanto, diz: Boa ornamentação não é como colocar maionese e ketchup sobre todas as (batatas) fritas, mas é preciso saber quando deixar espaços entre certas passagens, ornamentando outras, de maneira bem elaborada. Staier também tem uma palavra sobre o instrumento usado: magnífico, construído por Christoph Kern, uma cópia de um fortepiano construído por Anton Walter, por volta de 1790. Para a música de Mozart, você precisa de um teclado que possa cantar

Para concluir, a Sinfonia No. 40, em sol maior, que contrasta com sua irmã – Júpiter – que está no outro disco, por ser um pouco mais tímida, mas quem pode esquecer de seus primeiros acordes – ta-da-dam, ta-da-dam, ta-da-dam-tam… e que aqui termina com uma imensa alegria. Um disco para ouvir várias, várias vezes!

Wolfgang Amadeus Mozart (1756 – 1791)

Don Giovanni

  1. Abertura

Concerto para Piano No. 23 em sol maior, K. 216

  1. Allegro
  2. Adagio
  3. Allegro assai

Sinfonia No. 40 em sol menor, K. 550

  1. Molto allegro
  2. Andante
  3. Menuetto
  4. Alegro assai

Andreas Staier, fortepiano

Le Concert de la Loge

Julien Chauvin, violino e regência

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

FLAC | 243 MB

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

MP3 | 320 KBPS | 133 MB

Uma das críticas: But all-in-all these are challenging and rewarding performances of familiar masterpieces that make the listener prick up his ears anew, not always a foregone conclusion.  Brian Robins

Aproveite!
René Denon

O Casamento do Céu e do Inferno: Motetos e Canções francesas do Século XIII

O Casamento do Céu e do Inferno: Motetos e Canções francesas do Século XIII

Chega a dar vontade de voltar no tempo e curtir um feudalismo (bem, com Bolsonaro foi isso, não?), tal a qualidade do Gothic Voices. Mas nada garante que fôssemos encontrar um grupo tão bom por lá… Então, melhor cheirar a fumaça de nosso tempo do que retornar ao século XIII. Além do mais, a presença da igreja devia ser sufocante. Em nenhuma outra época a influência da Igreja foi mais vasta. Mas também foi o século das grandes catedrais góticas de Colônia, Chartres, Reims, Auxerre, Amiens, Salisbury, Westminster, Burgos, Toledo… Apesar de que este CD esteja muito mais para o secular do que para o sacro. Bem, as grandes universidades da Europa foram fundadas no século XIII. A Universidade de Paris recebeu o seu alvará em 1215. Um ano antes, um enviado do Papa confirmara o estatuto da recém-criada Universidade de Oxford. Em 1210, S. Francisco de Assis conseguiu a aprovação papal para a regra que estabelecera para a sua pequena comunidade de pregadores errantes. De todos os santos medievais, foi ele quem gozou de maior popularidade dentro e fora da Igreja. Ascético mas alegre, poeta por natureza, criador do presépio de Natal, pregando aos pássaros, chegou a visitar o sultão para tentar convertê-lo ao Cristianismo, utilizando métodos mais próximos dos Evangelhos do que o comportamento dos cruzados. Uma das primeiras disciplinas a florescer neste novo ambiente intelectual foi a lógica formal, que conheceu novos progressos graças à recuperação do corpus integral de Aristóteles. E deu, né? Embriaguem-se de século XIII, meus amigos pequepianos!

O Casamento do Céu e do Inferno: Motetos e Canções do Século XIII

1. Je ne chant pas – Talens m’est pris
2. Trois sereurs – Trois sereurs – Trois sereurs
3. En tous tans que vente bise
4. Plus bele que flours – Quant revient – L’autrier jouer
5. Par un matinet – He, sire! – He, bergier!
6. De la virge Katerine – Quant froidure – Agmina milicie
7. Trop volentiers chanteroie
8. Ave parens – Ad gratie
9. Super te Jerusalem – Sed fulsit virginitas
10. A vous douce debonnaire
11. Mout souvent – Mout ai este en dolour
12. Can vei la lauzeta mover
13. Quant voi l’aloete – Diex! je ne m’en partire ja
14. En non Dieu – Quant voi la rose
15. Autres que je ne sueill fas
16. Je m’en vois – Tels a mout
17. Festa januaria

Obras de compositores franceses anônimos e de Blondel de Nesle, Colin Muset, Jehannot de l’Escurel, Bernart de Ventadorn e Gautier de Dargies.

Gothic Voices
Christopher Page

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

Blake
De William Blake, trecho de Marriage of Heaven and Hell

PQP

Johann Sebastian Bach (1685-1750): Peças para órgão (Szathmáry)

Johann Sebastian Bach (1685-1750): Peças para órgão (Szathmáry)

Quem tem vivência com a vasta discografia de J. S. Bach, sabe que este é um disco que se repete. Ele inicia com a Tocata e Fuga BWV 565 e segue com alguns dos melhores lances do imenso órgão de papai Bach. No PQP, devemos ter mais de dez discos com este formato, mas como cansar deles? Este é mais um — é excelente! — e vem do charmoso húngaro Zsigmond Szathmáry. Provavelmente, a Tocata e Fuga em ré menor, BWV 565, foi composta aos 19 anos por Bach, em 1704. O mesmo vale para a Passacaglia, que deve ter sido escrita ente 1706 e 1713. Já a Fantasia e Fuga, BWV 542, pode ter sido composta separadamente durante o tempo de Bach em Köthen (1717-1723). Ou seja, todas estas obras não são do Bach velho e sim do jovem e já perfeitamente maduro. Um bom disco.

Johann Sebastian Bach (1685-1750): Peças para órgão (Szathmáry)

1 Toccata und Fuge d-moll, BWV565 8:51
2 Passacaglia und Fuge c-moll, BWV582 13:38
3 Fuge g-moll, BWV578 3:45
4 Phantasie und Fuge g-moll, BWV542 12:08

Drei Schübler-Choräle
5 ‘Wachet auf,ruft uns die Stimme’ BWV645 4:36
6 ‘Wo soll ich fliehen hin’ BWV646 1:53
7 ‘Wer nur den lieben Gott lässt walten’ BWV647 3:19

Zsigmond Szathmáry, Schnitger-Organ

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

O indiscutível charme de Zsigmond Szathmáry

PQP

Haydn (1732 – 1809) & Mozart (1756 – 1791): Concertos para Piano No. 11 (H) & No. 12 (M) – Musikkollegium Winterthur & See Siang Wong ֎

Haydn (1732 – 1809) & Mozart (1756 – 1791): Concertos para Piano No. 11 (H) & No. 12 (M) – Musikkollegium Winterthur & See Siang Wong ֎

1782

Haydn & Mozart

Concertos para Piano

Musikkollegium Winterthur

See Siang Wong

O ano de 1782 encontrou Haydn trabalhando para o príncipe Miklós (Nicolau) Esterházy e já no auge de sua maturidade como compositor. Nessa época ocorre a publicação de seus Seis Quartetos Op. 33, pela firma Artaria, de Viena, que estabelece um nível altíssimo para esse gênero. É também dessa época o Concerto para Piano em ré maior, sua última composição desse tipo, que foi publicado em 1784. Assim como os concertos contemporâneos de Mozart é uma peça no Estilo Galante e uma das melhores. O seu último movimento, um Rondó Húngaro, tem todas as características do que Haydn fazia de melhor…

A orquestra em frente ao Musikkollegium esperando o pessoal do PQP Bach que viria para fazer umas entrevistas…

Enquanto Haydn vivia e produzia no palácio Hesterhaza, em 1782 Mozart estava finalmente em Viena, fora dos muros de Salzburgo. Neste ano, em 16 de julho, estreia no Burgtheater a ópera (deliciosa) Die Entführung aus dem Serail. O Concerto em lá maior, K. 414, foi composto no outono, junto com seus irmãos K. 413 e 415 (Nos. 11 – 13) como parte das obras a serem apresentadas para o público de Viena nos Lenten Concertos (Concertos do Período da Quaresma, quando os teatros de ópera ficavam fechados), em janeiro de 1783. O Concerto No. 12 tem em seu movimento lento a menção de um tema de Johann Christian Bach, o Bach de Londres, que morrera no início do ano, e era muito admirado por Mozart.

O piano do PQP Bach Lounge deixou o Wong de cabeça para baixo…

O disco completo deve conter mais uma Sinfonia e outras peças orquestrais, mas os Concertos e uma minúscula peça para piano solo foi o que consegui. Demorei um pouco até chegar ao disco, mas depois que o ouvi, gostei tanto que tenho o ouvido com alguma frequência agora. Como vocês sabem, quando isso acontece, acabo trazendo para vocês também aproveitarem. O See Siang Wong é ótimo, muito simpático e foi aluno do Bruno Canino no Hochschule der Künste Bern.

Joseph Haydn (1732 – 1809)

Concerto para Piano No. 11 em ré maior, Hob. XVIII: 11

  1. Vivace
  2. Um poco adagio
  3. Rondo all’Ungarese

Wolfgang Amadeus Mozart (1756 – 1791)

Concerto para Piano No. 12 em lá maior, K. 414

  1. Allegro
  2. Andante
  3. Allegretto

Suíte para Piano K, 399

  1. Courante

See Siang Wong, piano

Musikkollegium Winterthur

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

FLAC | 179 MB

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

MP3 | 320 KBPS | 103 MB

Mozart e Haydn se conheciam e tinham uma alta estima mútua. Há também relatos de ocasiões nas quais ambos tomaram parte de concertos de música de câmara. Dizem os detratores que eles tocavam bem viola…

Aproveite!

René Denon

PQP Bach – Quizz: Quem é o músico tocando viola na foto a seguir?

Carl Philipp Emanuel Bach (1714-1788): Sonatas para Teclado, Vol. 2 (Driver)

Carl Philipp Emanuel Bach (1714-1788): Sonatas para Teclado, Vol. 2 (Driver)

IM-PER-DÍ-VEL !!!

Carl Philipp Emanuel Bach foi um dos grandes rebeldes musicais do século XVIII, trabalhando em um período de transição, mas destinado a ser ofuscado por outros. A história tem um jeito peculiar de fazer isso com compositores que não se encaixam perfeitamente nos moldes vigentes. Seu pai, Johann Sebastian Bach e Mozart, ambos gênios, refletem perfeitamente seus tempos. Emanuel Bach pode ter o mesmo talento, mas ele não é um perfeito barroco nem clássico e só agora, ao que parece, estamos começando a reconhecer seus talentos únicos. Evitando o modelo de um único clima por movimento da geração de seu pai, ele se diverte mudando de um humor para outro, justapondo introspecção com explosões temperamentais e explorando ritmos divergentes e harmonias peculiares. Reverenciada por Mozart, esta é uma música que às vezes vai além do classicismo para a turbulência de Beethoven e do período romântico. Em suma, CPE Bach era um visionário. A primeira incursão de Danny Driver na produção para teclado de CPE Bach foi um dos discos instrumentais mais emocionantes de 2010 e, mais uma vez, ele se mostra um guia ideal para esse repertório. (Este CD é de 2013). O seu instrumento de eleição é um Steinway. As gravações deste compositor limitam-se geralmente ao cravo ou ao pianoforte. Os instrumentos mais antigos tendem a enfatizar a natureza “para e anda” desta música, mas o mundo sonoro de Driver é uma revelação. O peso e a ressonância do piano abrem imediatamente uma dimensão beethoviana. Ainda mais impressionante é a alta compreensão do pianista das complexidades dessa música. Sua técnica impecável alia-se à clareza  para dar sentido aos sofisticados desafios de CPE. Em suma, é um trabalho superlativo realizado com habilidade consumada e registrado com naturalidade.

Carl Philipp Emanuel Bach (1714-1788): Sonatas para Teclado, Vol. 2 (Driver)

Sonata In F Sharp Minor H37 Wq52/4 (16:32)
1 Allegro 7:16
2 Poco Andante 4:40
3 Allegro Assai 4:36

Sonata In E Major H39 Wq62/5 (15:49)
4 Allegro 6:02
5 Andantino 4:45
6 Vivace Di Molto 5:02

Sonata In C Minor H121 Wq65/31 (11:57)
7 Allegro Assai Ma Pomposo 4:35
8 Andante Pathetico 2:57
9 Allegro Scherzando 4:25

Sonata In A Major H135 Wq65/32 (13:26)
10 Allegro 5:38
11 Andante Con Tenerezza 5:09
12 Allegretto 2:39

13 Fantasie In F Sharp Minor H300 Wq67 11:40

14 Rondo In D Minor H290 Wq61/4 4:12

Danny Driver, piano

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

Danny Driver: profunda compreensão de um compositor altamente sofisticado

PQP

Mozart (1756 – 1791): Abertura de Le nozze di Figaro, Concerto para Violino No. 3 & Sinfonia Júpiter – Le Concert de la Loge & Julien Chauvin ֍

Mozart (1756 – 1791): Abertura de Le nozze di Figaro, Concerto para Violino No. 3 & Sinfonia Júpiter – Le Concert de la Loge & Julien Chauvin ֍

MOZART

Le nozze di Figaro – Abertura

Concerto para Violino No. 3

Sinfonia Júpiter

Le Concert de la Loge

Julien Chauvin

Aqui [em Praga] todos só falam de uma coisa – Fígaro;

Nada é tocado, assobiado, cantado ou cantarolado como – Fígaro!

Mozart escreveu de Praga para um Gottfried Emilian, de Viena: Eu vejo com enorme prazer as pessoas saltitando de puro deleite ao som da música de meu Fígaro, arranjado inteiramente como contradanças ou danças alemãs – Figaro, um não mais se acabar de Fígaro! Uma enorme honra para mim!

Teatro em Praga, onde Mozart regeu o Fígaro…

Pois é uma alegria saber que Mozart desfrutou do sucesso dessa ópera com música maravilhosa. Pois é com a abertura dessa obra que começa esse disco, da orquestra HIP, Le Concert de la Loge, regida pelo seu fundador, que também toca o violino e é o solista na próxima peça – o Concerto No. 3, em sol maior, K. 216, com seu deliciosos rondó final.

Talvez eles assustem um pouco, no início, pois que se atracam com o Fígaro em high speeds, mas depois as coisas vão se serenando um pouco mais. As peças são muito bem escolhidas, a Sinfonia Júpiter, enorme para os padrões da época, é uma maravilhosa peça e devia ser mais tocada.

Enfim, um programa especial para quem gosta da música de Mozart, mas com ares mais clássicos do que românticos, se é que você me entende…

Julien Chauvin

Julien Chauvin estudou violino, especializou-se em música antiga, ganhou vários prêmios e, por dez anos, participou do grupo Le Cercle de l’Harmonie, cuja direção dividiu com Jérémie Rhorer. Julien também tocou em vários grupo e orquestras barrocas até que em 2015 fundou uma nova orquestra especializada em música antiga, a Le Concert de la Loge. A inspiração veio de uma orquestra que fora fundada em 1783 pelo Conde d’Ogny – Concert de la Loge Olympique, o conjunto que encomendou as Sinfonias Paris, de Haydn. Aliás, esse grupo [o grupo do Chauvin, é claro… ah, marvada língua…] gravou essas sinfonias, intercaladas com obras de compositores franceses que fizeram sucesso naqueles dias, mas que hoje raramente têm suas obras executadas.

O disco tem todas as características dos álbuns de grupos que usam instrumentos e práticas de época, como os ritmos mais rápidos, maior transparência no som, maior equilíbrio entre os grupos de instrumentos. Acho que vale a pena ouvi-los!

A alegria de Mozart certamente seria grande, caso ele soubesse!

Wolfgang Amadeus Mozart (1756 – 1791)

Le Nozze di Figaro

  1. Abertura

Concerto para Violino No. 3 em sol maior, K. 216

  1. Allegro
  2. Adagio
  3. Rondeau: Allegro

Sinfonia No. 41 em dó maior, K. 551 – Júpiter

  1. Allegro vivace
  2. Andante cantabile
  3. Menuetto – Allegretto
  4. Molto alegro

Le Concert de la Loge

Julien Chauvin, violino e regência

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

FLAC | 325 MB

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

MP3 | 320 KBPS | 152 MB

In any case, the French musicians’ view of Mozart represents an interesting alternative to that of the competition from other historically informed ensembles. The successful recording technique of this download does the rest to make the Mozart album by Le Concert de la Loge recommendable.

Julien bem mais relaxado, na entrevista com o pessoal do PQP Bach, depois que o post foi ao ar…

.: interlúdio :. Gilberto Gil ao vivo na USP 1973 (bootleg)

As postagens deste blog são agendadas com alguns dias de antecedência. Após o épico dia 30 de outubro de 2022, não teremos palavras nossas. Deixo vocês com as palavras de Gilberto Gil há quase 50 anos. Naquela época muito distante, a polícia torturava e matava gente. Dois meses após a morte de um estudante da USP, o clima não era leve. Gilberto Gil foi procurado pelos estudantes para tocar de improviso, de graça, antes do show que faria à noite em um teatro paulista. Só com voz e violão, a maneira de João Gilberto e Jorge Ben, Gilberto Gil se soltava mais do que com banda, incorporava várias vozes, inclusive aquelas que estavam lá pra calá-lo. Essa edição não oficial (bootleg) inclui, além da música, as longas conversas com o público. Adicionamos algumas cores abaixo para diferenciar as diferentes vozes/personagens.

São Paulo, 26 de maio de 1973

[Gilberto Gil no bis, quando canta Cálice pela 2ª vez após muitos pedidos da plateia:]

– Pai, afasta de mim esse cálice
Afasta de mim esse cálice
De vinho tinto de sangue

Como é difícil acordar calado
Se na calada da noite eu me dano
Deixa eu lançar um grito desumano

[Outra voz:] – Cale-se!

Que é uma maneira de ser escutado

–\\–

[Em ‘Oriente’, outra voz: canto sem palavras, cheio de intervalos microtonais como os de povos orientais que Gil certamente conheceu no exílio em Londres, do qual voltou em 72.]

[Voz de Gilberto Gil:] – Esse canto é o mesmo na Arábia Saudita. Nas terra maldita do Nordeste é o mesmo na Arábia Saudita.

[Terceira voz, séria:] – Cala a boca, rapaz.
Ah, esse cara já tá…
Acaba com isso, rapaz
Ah… você aí com esse negócio desse nhanhanha…
[…]
Que cara, que babaca, olha que palhaço… fica com esse nhénhénhé, tem nada do que ver, rapaz, isso aqui é o Brasil, rapaz, Ocidente. Civilização Ocidental, rapaz, industrial, tem nada que ver com isso não! Olha aí, rapaz, o som da gente é outro!
[….] Esse cara é doido mermo…
Vai pra Índia, entendeu… Isso aqui não é… Isso aqui é lugar de produtividade.

[Voz de Gilberto Gil:] – Mas na verdade é o mermo, o mermo lamento, o mermo canto de sofrimento.
Lá nas terra maldita do Norte
Nas terra maldita na Arábia Saudita

[Outra voz: canto sem palavras]

[Voz de Gilberto Gil:] – Se oriente, rapaz…

–\\–

[Após cantar Objeto sim, objeto não]

– Lendas e profecias, é a mesma coisa. As lendas têm caráter profético, elas muitas vezes podem já estar esgotadas no seu sentido profético, ou seja, são relativas a coisas já ocorridas, mas… outras vezes não, outras vezes as lendas são elas, em si mesmo, uma forma de ocultação, ou seja, uma forma [que] Nostradamus usava, pra não ser degolado como Giordano Bruno, pela fogueira da Inquisição, ele pegou e as coisas que ele achava que ele sabia, […] botou tudo em versos ocultos ali, e agora as pessoas pegam…

–\\–

– Pera aí que tem um rapaz aqui que quer fazer uma pergunta?

[Alguém da plateia, voz quase inaudível: … qual o papel do compositor?]

– É um problema muito pessoal, rapaz, depende muito… você quer dizer o seguinte, que existe um sistema, no qual as pessoas vivem, no qual existe a lei, no qual existem as barreiras todas, não é isso? E que o artista se vê na sua criação diante desses problemas todos, no Brasil se chama Censura, e que vai determinar o que é que é, no final é o que vai fazer a seleção, vai dizer qual é a música, qual é a arte que convém ao povo, e etc. etc. Quer dizer, mas isso é um critério pessoal, é um critério deles, quer dizer, não abrange de forma nenhuma a totalidade das coisas, haja vista no Brasil as manifestações que a gente tem frequentemente contrárias a esse tipo de atitude castrativa diante da música. Agora, isso o quê que é, isso é um problema da nossa sociedade, quer dizer, é uma das insinuações do sistema da forma que ele está hoje, no mundo, e a gente tem que enfrentar. […] procuro me comportar, sem me trair, cê tá entendendo? Quer dizer, eu procuro fazer o que eu acho que posso fazer, o que devo fazer, e tudo mais, e eu acho que o comportamento de cada um, que foi o que você perguntou no fim, “O quê que o compositor devia fazer, como ele devia se comportar”, eu não acho que deva haver padrão, cê tá entendendo? Um método, uma cartilha, uma regra para o comportamento do compositor, porque aí seria a merma coisa, seria fazer também uma censura né, do lado de cá, dizer: não, só o comportamento desse tipo é que é válido contra uma barreira qualquer, e acho que não… tem a corrida de obstáculos, o cara vem e pula por cima, o outro passa por baixo… [risos]

Gilberto Gil ao vivo na Escola Politécnica da USP, 1973:
Oriente (Gilberto Gil)
Apresentação (Gilberto Gil)
Chiclete Com Banana (Gordurinha/Almira Castilho)
Minha Nega na Janela (Germano Mathias/Doca)
Senhor Delegado (Antoninho Lopes/Jaú)
Eu Quero um Samba (Haroldo Barbosa/Janet de Almeida)
Meio de Campo (Gilberto Gil)
Cálice (Chico Buarque/Gilberto Gil)
O Sonho Acabou (Gilberto Gil)
Ladeira da Preguiça (Gilberto Gil)
Expresso 2222 (Gilberto Gil)
Procissão (Gilberto Gil)
Domingo No Parque (Gilberto Gil)
Umeboshi (Gilberto Gil)
Objeto Sim, Objeto Não (Gilberto Gil)
Ele e Eu (Gilberto Gil)
Duplo Sentido (Gilberto Gil)
Cidade do Salvador (Gilberto Gil)
Iansã (Gilberto Gil/Caetano Veloso)
Eu Só Quero um Xodó (Dominguinhos/Anastácia)
Edith Cooper (Gilberto Gil)
Back In Bahia (Gilberto Gil)
Filhos de Gandhi (Gilberto Gil) [inclui: Afoxé (Dorival Caymmi) e Oração de Mãe Menininha (Dorival Caymmi)]
Preciso Aprender a Só Ser (Gilberto Gil)
Cálice (Chico Buarque/Gilberto Gil)

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

Em Buenos Aires. Qualquer semelhança é mera coincidência…

Pleyel

DESAFIO PQP! -> Beethoven (1770 – 1827): Concertos para Piano Nos. 1 & 2 ֍

DESAFIO PQP! -> Beethoven (1770 – 1827): Concertos para Piano Nos. 1 & 2 ֍

BTHVN

Concertos para Piano 1 & 2

Louis Schwizgebel, piano

London Philharmonic Orchestra

Thierry Fischer, regente

 

 

Nos anos 1788 e 1789 Beethoven morava em Bonn e havia composto um concerto para piano (que sobrevive graças à parte de piano e uma redução da parte da orquestra, como WoO 4). Foi neste período que produziu versões do que viria a ser o Concerto para Piano No. 2, em si bemol maior. Este acabou registrado como o Opus 19, em 1801. A estreia fora em 1795 com interpretação de Beethoven e regência de Haydn, em Viena, num primeiro concerto na nova cidade.

O Concerto No. 1 em dó maior, Op. 15 começou a ser composto em 1795, quando Beethoven estava já morando em Viena. Este concerto também ‘evoluiu’ após ser apresentado algumas vezes, antes de sua publicação. Era comum que o compositor-intérprete, como era o caso de Beethoven naqueles dias, ou Mozart, alguns anos antes, reservasse suas obras para os seus próprios concertos, antes de finalmente os publicarem, quando novas obras já estavam prontas para o repertório, mantendo assim o interesse e a curiosidade do público. Além disso, com as publicações e dedicatórias desses dois Concertos para Piano, Beethoven mostrou como era excelente negociador com as editoras.

Eu gosto muito destes dois concertos de Beethoven, que são mais próximos dos modelos clássicos (estilo galante) dos primeiros concertos de Mozart ou do Concerto em ré maior, de Haydn. Eles já mostram a linguagem individual de Beethoven, que se firmaria no Concerto No. 3 em dó menor. Este se pautava nos dois concertos em tons menores, de Mozart. Beethoven realmente admirava estas obras de Mozart, ao ponto de ter deixado cadências compostas para eles.

Mas, o disco da postagem permanece nesse momento pré-romântico – com dois lindos concertos para piano de um jovem compositor-intérprete confiante em seus talentos e com tanto ainda para dizer.

Espero que a gravação que escolhi para o DESAFIO PQP! lhe agrade, lhe traga muito prazer e o ajude a olhar estas duas obras pelo que são, sem comparações com seus Big Brothers que ainda estavam por vir.

Ludwig van Beethoven (1770 – 1827)

Concerto para Piano No. 1 em dó maior, Op. 15

  1. Allegro con brio
  2. Largo
  3. Rondo (Allegro scherzando)

Concerto para Piano No. 2 em si bemol maior, Op. 19

  1. Allegro con brio
  2. Adagio
  3. Rondo (Allegro molto)

Louis Schwizgebel, piano

London Philharmonic Orchestra

Thierry Fischer

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

MP3 | 320 KBPS | 147 MBOuça e veja se gosta pelo que seus ouvidos lhe dizem, não a capa do disco (armação minha…) ou as críticas. Depois, tente adivinhar os nomes dos intérpretes. Se descobrires, já sabes, o premio será de uma centena de free-downloads do blog mais sensacional de música que há por aí e uma tradicional cocada virtual!

Como tem sido o caso aqui nesta ‘coluna’, depois de algumas tentativas, os intérpretes receberão os devidos créditos para que ganhem os louros ou os tomates, conforme a turba assim decidir…

A identidade do pianista mascarado foi revelada pelo leitos Albinoni. Vejam os comentários…

Parabéns!

René Denon

Ao vencedor, as cocadas!

Wilhelm Friedemann Bach (1710-1784): Sinfonias / Suite In G Minor / Concerto For Harpsichord In D Major (Talfelmusik / Lamon)

Wilhelm Friedemann Bach (1710-1784): Sinfonias / Suite In G Minor / Concerto For Harpsichord In D Major (Talfelmusik / Lamon)

IM-PER-DÍ-VEL !!!

Alguns de vocês devem ter notado que eu — o PQP Bach, pessoalmente — estou fazendo frequentes visitas aos bachinhos, ou seja aos filhos de deus. Este disco tem excelente — notável mesmo! — repertório, mas na primeira audição me pareceu que faltou à Lamon e à Tafelmusik algo de verve. Não pensava, evidentemente, em vibratos e nem de violinistas se rasgando, mas sim em felicidade e entusiasmo. Achei que a excelente Jeanne Lamon (1949-2021) tivesse abordado WF com algum excesso de respeito, sem amor verdadeiro. Já na segunda audição, achei que era um dos melhores discos de WF que já tinha ouvido. E assim ele permanecerá, ao menos para mim. WF era o filho preferido de JS e, na minha opinião, — grande coisa! — era o segundo mais talentoso, logo após CPE. Mas ambos foram GENIAIS.

Wilhelm Friedemann Bach (1710-1784): Sinfonias / Suite In G Minor / Concerto For Harpsichord In D Major (Talfelmusik / Lamon)

Sinfonia In D Major, F. 64
1 1. Allegro E Maestoso 3:55
2 2. Andante 3:15
3 3. Vivace 3:24

Sinfonia In D Minor, F. 65
4 Adagio & Fugue

Suite In G Minor, BWV 1070 (Attrib.: W. F. Bach)
5 1. Ouverture – Larghetto 4:35
6 2. Torneo 1:58
7 3. Aria – Adagio 5:22
8 4. Menuetto Alternativo – Trio 4:48
9 5. Capriccio 3:31

Concerto For Harpsichord, Strings And Basso Continuo In D Major, F. 41
10 1. Allegro 5:50
11 2. Andante 5:34
12 3. Vivace 4:28

Sinfonia In F Major For Strings, F. 67
13 1. Vivace 4:22
14 2. Andante 4:48
15 3. Allegro 3:18
16 4. Menuetto 1 & 2 2:30

Bassoon – Michael McCraw
Cello – Christina Mahler, Sergei Istomin
Concert Flute – Christopher Krueger, Elissa Poole
Directed By – Jeanne Lamon
Double Bass – Alison Mackay
Harpsichord – Charlotte Nediger
Horn – Derek Conrod, Teresa Wasiak
Oboe – John Abberger, Washington McClain
Orchestra – Tafelmusik Baroque Orchestra
Viola – Elly Winer, Ivars Taurins, Patrick G. Jordan
Violin – Christopher Verrette, David Greenberg, Kevin Mallon, Linda Melsted, Rona Goldensher, Stephen Marvin, Thomas Georgi
Violin [Leader] – Jeanne Lamon

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

Wilhelm Friedemann bebeu e viveu muito. Era um sujeito alegre que teve vida complicada e que jamais aceitaria votar num representante das trevas e da morte como Jair Bolsonaro.

PQP

The Neapolitans: Pergolesi, Durante, Leo (Wallfisch, Kraemer)

The Neapolitans: Pergolesi, Durante, Leo (Wallfisch, Kraemer)

Um bom disco que não é de enlouquecer, a não ser o muito surpreendente Allegro – Affettuoso de Durante (faixa 12). Simplificando, se você gosta da música de violino do século XVIII, encontrará uma hora de prazer ouvindo este programa habilmente interpretado com peças raramente ouvidas de compositores napolitanos. Elizabeth Wallfisch e seus colegas têm performances excelentes – com ritmos sensatos, articulados, que vão direto ao ponto. Por exemplo, o Concerto nº 5 para cordas de Francesco Durante é um trabalho de seis minutos ferozmente agitado e vivaz que é ao mesmo tempo aventureiro e emocionante. Considerando a abundância de gravações que apresentam obras dos mestres mais conhecidos do século XVIII, este lançamento é uma alternativa bem-vinda, que acentua claramente as virtudes da música que muitas vezes é preterida ou relegada a um status de segunda linha. O som não poderia ser melhor – ouvimos a solista e o grupo em um ambiente natural que nos permite observar cada detalhe.

Concerto In B Flat For Violin And Strings
Composed By – Giovanni Battista Pergolesi
(11:46)
1 Allegro 4:35
2 Largo 3:22
3 Allegro 3:49

Concerto No 2 In G Minor
Composed By – Francesco Durante
(10:38)
4 Affettuoso – Presto 4:30
5 Largo Affettuoso 3:37
6 Allegro Affettuoso 2:31

7 Sonata In A Major
Composed By – Giovanni Battista Pergolesi
2:03

Concerto In D Major For Four Violins And Strings
Composed By – Leonardo Leo
(11:11)
8 Maestoso 2:43
9 Fuga 2:19
10 (Larghetto) 3:08
11 Allegro 3:01

Concerto No 8 In A Major ‘La Pazzia’
Composed By – Francesco Durante
(9:23)
12 Allegro – Affettuoso 6:15
13 Affettuoso 1:17
14 Allegro 1:51

Sinfonia In F Major
Composed By – Giovanni Battista Pergolesi
(6:39)
15 Maestoso Sostenuto 2:04
16 Andante Grazioso 3:02
17 Allegro 1:33

Concerto No 5 For String Orchestra In A Major
Composed By – Francesco Durante
(6:00)
18 Presto 2:26
19 Largo 2:16
20 Allegro 1:18

Bass – Judith Evans
Cello – Catherine Finnis, Richard Tunnicliffe
Directed By – Nicholas Kraemer
Ensemble – The Raglan Baroque Players*
Lute – Elizabeth Kenny
Viola – Annette Isserlis, Judith Tarling
Violin – Alison Bury, Catherine Weiss, Elizabeth Wallfisch, Hetty Wayne, Jean Paterson, Rachel Isserlis, Susan Carpenter-Jacobs*

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

A reação de Elizabeth Wallfisch quando lhe disseram que o Orçamento Secreto nada tinha a ver com corrupção.

PQP

Wolfgang Amadeus Mozart (1756-1791) – Piano Concertos – CDs 10 e 11 de 11 – Lili Kraus, Simon, VFO

R-10778750-1504172673-3609.jpeg

LINKS ATUALIZADOS !!!

Chegando ao fim de mais uma integral. Espero que tenham gostado.

CD 10

Concerto For Piano And Orchestra No. 24 In C Minor K 491
3-1 I Allegro
3-2 II [Larghetto]
3-3 III [Allegretto]

Concerto For Piano And Orchestra No. 25 In C Major K 503
9-4 I Allegro Maestoso
9-5 II Andante
9-6 III [Allegretto]

CD 11

Concerto For Piano And Orchestra No. 26 In D Major “Coronation” K 537
3-4 I Allegro
3-5 II [Larghetto]
3-6 III [Allegretto]

Concerto For Piano And Orchestra No. 27 In B-flat Major K 595
12-4 I Allegro
12-5 II Larghetto
12-6 III Allegro

Lili Kraus – Piano
Vienna Festival Orchestra
Stephen Simon – Conductor

CD 10 – BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE
CD 11 – BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

Schubert (1797–1828): Quinteto de Cordas em dó maior, D. 956 & Quartettsatz, D. 703 – Brodsky Quartet & Laura van der Heijden ֍

Schubert (1797–1828): Quinteto de Cordas em dó maior, D. 956 & Quartettsatz, D. 703 – Brodsky Quartet & Laura van der Heijden ֍

Schubert

Quinteto de Cordas, D. 956

& Quartettsatz, D. 703

Brodsky Quartet

Laura van der Heijden, violoncelo

Eu sempre me pergunto – até quando as pessoas seguirão ouvindo música como essa da postagem? Parece não haver mais tempo na vida das pessoas para tão longa música. Só o primeiro movimento do quinteto toma mais de 21 minutos.

Eu, que busco seguir o mandamento de ouvir a peça toda, uma vez iniciada uma audição, já tenho considerado trocar a letra por ‘ouvir o movimento todo’, dada a profusão de ofertas e considerando que os dias, como na canção, parecem tornar-se cada vez mais curtos.

Mas eu não resisto a um novo disco com o Quinteto de Schubert, como foi o caso deste. E gostei tanto que o ouvi até o fim e sempre dá vontade de ouvir de novo. Adoro essa maneira de Schubert parecer recomeçar de novo e de novo. Enfim, adivinhe o que está tocando agora, enquanto escrevo estas mal traçadas?

Laura, ainda jovem…

O disco é todo inglês, uma vez que o Quarteto Brodsky está baseado em Londres e comemora este ano (2022) 50 anos de apresentações. O quinto elemento é uma jovem e mais do que promissora violoncelista inglesa, Laura van der Heijden. O selo CHANDOS é British to the core.

A diferença de idades – de gerações – pode ter trazido uma rara felicidade ao disco, que além da qualidade artística, oferece uma produção excelente.

O que dizer da peça? Certamente é facilmente citada nas famosas listas de ‘as melhores 100 peças de música clássica’ ou ‘peças que levaria para uma ilha deserta’.

Na lista (famigerada e politicamente incorreta) do Otto Maria Carpeaux, é a peça de câmara do ano 1828 e acompanha apenas mais dois Quintetos de Cordas, ambos de Mozart, que usam uma segunda viola, não um segundo violoncelo. As peças de Mozart são Quinteto em sol menor, K. 516 (1787) e Quinteto em mi bemol maior, K. 614 (1791). Depois, só o Sexteto de Schoenberg, o Verklaerte Nacht, de 1899.

Um enorme Allegro, ma non troppo, de 21 minutos, que finge que acaba, apenas para recomeçar no próximo compasso, um Adagio profundo (o coração da peça, para muitos críticos) de 14 minutos seguidos de um Scherzo e terminando num quase dançante Allegretto. Nem dá para dizer que Schubert morreria algumas semanas depois de tê-lo terminado.

O disco é arrematado por uma linda interpretação de um primeiro movimento para algum enorme quarteto de cordas, que Schubert também (pena…) nunca terminou, o Quartettsatz.

Franz Schubert (1797 – 1828)

Quinteto de Cordas em dó maior, D. 956

  1. Allegro ma non troppo
  2. Adagio
  3. Scherzo
  4. Allegretto

Quarteto de Cordas No. 12 em dó menor, D. 703

  1. Allegro assai

Laura van der Heijden, violoncelo (D. 956)

Brodsky Quartet

              Krysia Osostowicz, violino

              Ian Belton, violino

              Paul Cassidy, viola

              Jacqueline Thomas, violoncelo

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

FLAC | 269 MB

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

MP3 | 320 KBPS | 155 MB

Quarteto Brodsky pousando para o lambe-lambe oficial do PQP Bach

Schubert’s String Quintet is one of those timeless and universal works, like Beethoven’s late quartets, which can be interpreted in so many different ways and yet be equally valid.

Celebrating its fiftieth anniversary in 2022, the Brodsky Quartet has performed more than 3000 concerts on the major concert stages of the world and has released more than seventy recordings. A natural curiosity and insatiable desire to explore have propelled the group in many artistic directions and continue to ensure it not only a place at the very forefront of the international chamber music scene but also a rich and varied musical existence. As they comment in their booklet note: ‘It seems fitting to mark the milestone by recording this epic and most celebrated of chamber works, Schubert’s String Quintet in C major, a piece which we have lived with since childhood, and which we have played with a long line of illustrious cellists. One of our earliest performances took place with Terence Weil, our mentor at college, at his retirement concert, just as we were starting out on our professional journey. Now the wonderful young Laura van der Heijden, who comes to this recording with a maturity which belies her years, represents with respect to us a similar age gap, proving that age is insignificant where there is a meeting of musical minds. Now we look forward to whatever our sixth decade might bring.’

Laura adorando conhecer o Jardim do PQP Bach, no Tibau

With all the external factors happening in the world we live in, this performance enables us to stop for a brief moment and let its moments of stillness and tranquility create a sense of hope as we ponder and our hearts are warmed.

Aproveite!

René Denon

Carl Philipp Emanuel Bach (1714-1788): Sonatas para Teclado, Vol. 1 (Driver)

Carl Philipp Emanuel Bach (1714-1788): Sonatas para Teclado, Vol. 1 (Driver)

Um bom disco de um pianista inspirado. Danny Driver, que vi uma vez ao vivo apresentando-se no Wigmore Hall, é excelente! Já Carl Philipp Emanuel Bach, segundo filho de Johann Sebastian, foi reverenciado e criticado por seus contemporâneos por suas ousadias em relação aos modos convencionais de expressão musical. Ele aperfeiçoou um estilo de composição altamente original e intensamente pessoal conhecido como empfindsamer Stil (literalmente, o estilo sensível). É estranho, a música dramática de CPE Bach rompe claramente, mas também se baseia no estilo do início do século XVIII aperfeiçoado por seu pai. Suas composições marcam um dos primeiros e uma das mais inspiradas alterações da estética barroca. CPE Bach compôs mais de trezentas obras para teclado durante sua vida. Todas as obras desta gravação foram compostas durante a década de 1740, enquanto ele estava a serviço do rei Frederico II da Prússia.

Carl Philipp Emanuel Bach (1714-1788): Sonatas para Teclado, Vol. 1 (Driver)

Sonata In G Minor H47 Wq65/17 (1746) (15:26)
1 Allegro 5:59
2 Adagio 4:32
3 Allegro Assai 4:55

Sonata In A Major H29 Wq48/6 (1742) (19:20)
4 Allegro 7:22
5 Adagio 4:29
6 Allegro 7:27

Sonata in B flat major H25 Wq48/2 (12:56)
7 Vivace 5:51
8 Adagio 4:01
9 Allegro Assai 3:02

Sonata In C Minor H27 Wq48/4 (14:01)
10 Allegro 6:48
11 Adagio 4:26
12 Presto 2:45

Sonata In E Flat Major H50 Wq52/1 (16:16)
13 Poco Allegro 8:15
14 Adagio Assai 4:55
15 Presto 3:05

Danny Driver, piano

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

Danny Driver rindo dos bozolóides lá embaixo.

PQP

Música Española por un poeta del piano – Joaquín Achúcarro ֎

Música Española por un poeta del piano – Joaquín Achúcarro ֎

Música Española

Albéniz, Granados,

Falla, Turina & Mompou

Joaquín Achúcarro, piano

 

Não se deixe enganar pela capa deste disco, certamente o resultado do esforço de algum estagiário que ficou encarregado do Departamento de Arte da gravadora. O disco é ótimo, assim como o título – música espanhola.

Joaquín adorou o trabalho da manicure do pessoal do PQP Bach…

Você deve saber, eu tenho uma queda por esse tipo de música e aqui o programa é todo em torno do excelente pianista basco Joaquín Achúcarro, que no dia 1 de novembro completará 90 anos. A postagem é também uma forma (modesta) de celebrarmos sua arte.

O disco foi lançado em 2014, mas o conteúdo é uma antologia de gravações feitas em 1978.

A primeira peça, Noches en los jardines de España, de Manuel de Falla, ocupa as três primeiras faixas e é para piano e orquestra. A peça que começara como uns noturnos para piano, acabou nesta forma graças ao incentivo do pianista francês Ricardo Viñes – a quem foi dedicada.

A segunda parte do recital, digamos assim, consiste em um conjunto de peças para piano solo. De Isaac Albéniz temos Granada e Sevilla, da Suíte Espanhola, que provavelmente você conhece nas transcrições para violão, nas interpretações de grandes como Andrés Segóvia, Julian Bream ou John Williams. Além dessas, também Navarra, que foi completada por Déodat de Séverac.

As três outras peças são danças. A Danza de la seducción, das Danzas Gitanas de Joaquín Turina; Andaluza, a quinta das Danzas Españolas de Enrique Granados; Canción y danza No. 6, de Federico Mompou.

O libreto descreve tudo: com suas grandes ondulações melódicas. A influência da guitarra com seu som ponteado e seco e, apesar de tudo, rico em harmonias… a influência árabe, cigana. Bom, got it?

SONY DSC

Há um nome não citado no disco, mas que talvez deva ser lembrado, antes de seguirmos para as letrinhas finais. Isaac Albéniz, Enrique Granados e Manuel de Falla estudaram com Felipe Pedrell (1841 – 1922), que dedicou sua vida ao desenvolvimento de uma escola de música espanhola, fundamentada nas canções nacionais folclóricas e nas obras primas do passado. Estes três compositores, assim como os outros dois (mais recentes) Joaquín Turina e Federico Mompou, estudaram em Paris e lá se aperfeiçoaram, mas retornaram à Espanha, onde continuaram a desenvolver suas carreiras. Na música, assim como nas ciências, experiências no exterior são vitais. Pedrell e seu pessoal sabia disso… e hoje?

Manuel de Falla (1876 – 1946)

Noches en los jardines de España
  1. En el Generalife
  2. Danza lejana
  3. En los jardines de la Sierra de Córdoba

Isaac Albéniz (1860 – 1909)

  1. Granada

Joaquín Turina (1882 – 1949)

  1. Danza de la seducción

Issac Albéniz (1860 – 1909)

  1. Sevilla

Enrique Granados (1867 – 1916)

  1. Danza española No. 5: Andaluza

Federico Mompou (1893 – 1987)

  1. Canción y danza No. 6

Isaac Albéniz (1860 – 1909)

  1. Navarra

Joaquín Achúcarro, piano

London Symphony Orchestra

Eduardo Mata

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

FLAC | 192 MB

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

MP3 | 320 KBPS | 118 MB

Achúcarro, feliz por reaparecer no blog, depois de tantos anos…

Se lamenta Joaquín Achúcarro (Bilbao, 1932) de que los melómanos comiencen a referirse a él como ‘leyenda viva del piano’. “Ni soy tan viejo ni soy tan grande; además, con los años, uno va encogiendo”, dice con sonrisa cómplice y casi picarona. A sus contentas 88 primaveras, el maestro bilbaíno conserva intacta su mirada inteligente, contagiosa y franca. Los ojos transparentes también mantienen la luminosidad de siempre.  Veja a entrevista aqui.

Aproveite!

René Denon

PS: A outra postagem do Joaquín…

Manuel de Falla (1876 — 1946) – Obras Para Piano [link atualizado 2017]

PQP Bach – Quizz:

Quem se parece mais com quem? Saramago ou Mompou?

Johann Sebastian Bach (1685-1750): Cantatas BWV 170, 54 e 169 (Bowman / King)

Johann Sebastian Bach (1685-1750): Cantatas BWV 170, 54 e 169 (Bowman / King)

IM-PER-DÍ-VEL !!!

É sempre complicado elogiar um disco cujo comando é do inglês Robert King. Não, não ignoramos que, em 2007, King foi condenado por quatorze acusações de agressão sexual a cinco meninos, três com menos de dezesseis anos, entre 1982 e 1995. King recebeu uma sentença de prisão de 3 anos e 9 meses e foi colocado no registro de criminosos sexuais por toda a vida. Durante o caso, King negou o abuso, descrevendo os meninos como “mentirosos”. Após o cumprimento da sentença, King não foi proibido de trabalhar com crianças. Em 2013, comentando após ter recebido críticas por ter participado de um concerto beneficente, King afirmou que “aceitei a sentença e paguei minha dívida com a sociedade”. Bem, este disco é de 1988, quando King estava… Sei lá. Só que é muito bom! Aqui temos as Cantatas de Bach BWV 170 (“ Vergnügte Ruh’ .), BWV 54 (“ Wiederstehe doch der Sünde “), e BWV 169 (“Gott soll allein mein Herze haben “). Ou seja, três das quatro cantatas para contralto solo que Bach escreveu estão incluídas aqui. Apenas a BWV 35 , Geist und Seele wird verwirret está faltando. O show é do contratenor James Bowman. Ele e King fazem uma grande dupla, acompanhados maravilhosamente pelo King`s Consort. O grupo ainda existe e é liderado por Robert King himself.

Johann Sebastian Bach (1685-1750): Cantatas BWV 170, 54 e 169 (Bowman / King)

Cantata: Vergnügte Ruh’, Beliebte Seelenlust, BWV170 (22:04)
1 Aria: Cantata: Vergnügte Ruh’, Beliebte Seelenlust 6:30
2 Recitativo: Die Welt, Das Sündenhaus 1:13
3 Aria: Wie Jammern Mich Doch Die Verkehrten Herzen 6:39
4 Recitativo: Wer Sollte Sich Demnach 1:14
5 Aria: Mir Ekelt Mehr Zu Leben

Cantata: Widerstehe Doch Der Sünde, BWV54 (12:26)
6 Aria: Widerstehe Doch Der Sünde 8:18
7 Recitativo: Die Art Verruchter Sünden 0:57
8 Aria: Wer Sünde Tut, Der Ist Vomteufel 3:04

Cantata: Gott Soll Allein Mein Herze Haben, BWV169 (24:15)
9 Sinfonia 8:30
10 Arioso And Recitativo: Gott Soll Allein Mein Herze Haben 2:27
11 Aria: Gott Soll Allein Mein Herze Haben 6:17
12 Recitativo: Was Ist Die Liebe Gottes? 0:39
13 Aria: Stirb In Mir 4:46
14 Recitativo: Doch Meint Es Auch Dabei 0:22
15 Chorale: De Süsses Liebe, Schenk Und Deine Gunst 1:03

Bass Vocals – Charles Pott (tracks: 15)
Cello – Jane Coe
Countertenor Vocals – James Bowman (2)
Directed By, Organ, Harpsichord – Robert King (9)
Double Bass – Peter Buckoke
Ensemble – The King’s Consort
Oboe Da Caccia – Gail Hennessy (tracks: 9 to 15)
Oboe d’Amore – Catherine Latham (tracks: 9 to 15), Valerie Darke (tracks: 1 to 5, 9 to 15)
Organ – James O’Donnell (2) (tracks: 1 to 5, 9 to 15)
Soprano Vocals – Gillian Fisher (tracks: 15)
Tenor Vocals – John Mark Ainsley (tracks: 15)
Viola – Alan George (tracks: 6 to 8), Jan Schlapp
Violin – Catherine Mackintosh, Miles Golding

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

PQP

Harrison Birtwistle (1934-2022): Responses & Gawain’s Journey – Pierre-Laurent Aimard – SO des Bayerischen Rundfunks & Stefan Asbury ֎

Harrison Birtwistle (1934-2022): Responses & Gawain’s Journey – Pierre-Laurent Aimard – SO des Bayerischen Rundfunks & Stefan Asbury ֎

BIRTWISTLE

Responses

Gawain’ Journey

Pierre-Laurent Aimard, piano

SO des Bayerischen Rundfunks

Stefan Asbury

A tal capa…

Quando vi a notícia da morte de Sir Harrison Birtwistle lembrei-me da capa de um disco que vi em uma das revistas Gramophone, muitos anos atrás. O álbum ficou entre aqueles muitos que, por razões diversas, nunca cheguei a ouvir. Pode parecer um desinteresse pela música do nosso tempo, mas não é, pois que sou demais curioso pelo que se passa em torno de mim. Talvez oferta demais, tempo de menos e limitações físicas (acesso aos discos, pois que ir à concertos é ainda mais complicado, no meu caso). Foi assim, tentando contornar essa falta que coloquei uns dois ou três discos de Sir Harry no meu pen-drive. Ainda estou lidando com eles, mas achei que já era hora de dividir um deles com vocês.

Neste disco temos duas peças – um concerto para piano, música contemporânea, escrito em 2014, e uma suíte da ópera Gawain, a tal música da já mencionada capa de álbum na Gramophone.

Responses (Sweet Disorder) é uma obra comissionada pelo projeto musica viva, que reúne a Bayerischen Rundfunks, London Philharmonic Orchestra, Casa da Música Porto e Boston Symphony Orchestra. Esta é a sua primeira gravação. É um (segundo) concerto para piano (o anterior chama-se Antiphonies) e ganhou o subtítulo do livro de ensaios escrito por Robert Maxwell, amigo de Birtwistle: Sweet Disorder and the Carefully Careless.

Gawayn’s Journey é música adaptada por Elgar Howarth da ópera Gawain, na qual a parte das vozes foi adaptada para instrumentos de sopros, como o flugelhorn, cor anglais e trompete.

No livreto que se encontra junto aos arquivos, podemos ler que Birtwistle é um arquiteto do som em uma estranha geometria. Mais: ‘No teatro da imaginação orquestral de Harrison Birtwistle o concerto é um diálogo entre o indivíduo e a multidão. O indivíduo pode ser um herói sendo aclamado, um político sendo questionado, um acusado sendo julgado, um imigrante encontrado dificuldades em ser entendido, um oficial tentando manter a ordem, um investigador recebendo respostas conflitantes’.

Realmente, há um forte elemento de teatro na música de Birtwistle e através dela começo a fazer uma imagem da pessoa que ele foi – uma voz essencialmente individual.

No artigo sobre ele, escrito por Andrew Clements, que você poderá ler na íntegra aqui, descobrimos mais um pedacinho do que ele foi. Clements menciona um importante compositor que lhe teria dito: ‘Quando eu ou você olhamos por uma janela, nós vemos mais ou menos as mesmas coisas. Mas, se Harry olhasse pela janela, ele veria algo totalmente diferente’.

Sir Harrison Birtwistle (1934 – 2022)

Responses (Sweet Disorder) (2014)

Gawain’s Journey

Pierre-Laurent Aimard, piano

Symphonieorchester des Bayersichen Rundfunks

Stefan Asbury

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

FLAC | 266 MB

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

MP3 | 320 KBPS | 131 MB

Aimard mandou esse sorriso quando soube da postagem!

Birtwistle is a towering figure in British music. His language, though complex and modernistic, is distictive and exhilarating.

Veja o artigo aqui…

Aproveite!
René Denon

 

Birtwistle adorando os jardins da PQP Bach Foundation de Itaipuaçu

Adriano Banchieri (1568-1634): Gemelli Armonico & Metamorfosi Musicale (Ensemble Hypothesis)

Adriano Banchieri (1568-1634): Gemelli Armonico & Metamorfosi Musicale (Ensemble Hypothesis)

IM-PER-DÍ-VEL !!!

Adriano Banchieri é DIVERTIDO! Ele foi um compositor, organista, teórico e poeta italiano do Renascimento tardio e princípios do Barroco. Fundou a Accademia dei Floridi em Bolonha. Aliás, nasceu e morreu em Bolonha. Em 1587 tomou os hábitos da ordem beneditina e fez os seus votos em 1590, mudando o nome para Adriano. Um dos seus mestres no mosteiro foi Gioseffo Guami, que moldou o seu estilo. Sabe-se que conheceu Claudio Monteverdi e fez com ele trabalhos de teoria musical. Em sua obra, Banchieri procurou converter o madrigal para fins dramáticos. Especificamente, foi um dos criadores do gênero chamado “comédia madrigal” que, sem chegar a ser representada em cena, narrava uma história mediante o canto sequencial de uma coleção de madrigais. Muitas destas coleções foram compostas para divertir as reuniões dos círculos sociais de Bolonha. A comédia madrigal era considerada uma das percursoras da ópera, mas a maioria dos estudiosos considera-a uma coisa separada, consequência do interesse geral na Itália da época em criar formas músico-dramáticas. Banchieri foi ainda importante compositor de canzonettas, alternativa ligeira e popular aos madrigais nos finais do século XVI.

Adriano Banchieri (1568-1634): Gemelli Armonico & Metamorfosi Musicale (Ensemble Hypothesis)

1 Prologue: Su Rallegrate I Cuori 1:33
2 Primo Trattenimento: Passo A Mezzo Con Il Liuto 0:42
3 Part I: Primo Discorso: Non Piu Parol (Mich, Stef) 1:34
4 Part I: Primo Discorso: Sinfonia: Viri Sancti – In Convertendo Dominus – Vox Dilecti Mei – Sinfonia: Adversum Me 7:34
5 Part I: Secondo Discorso: Flavia Gentile, Adio! (Liv, Fla) 2:05
6 Part I: Terzo 1:57
7 Part I: Quarto Discorso: Ninetta, Bella Nitetta (Stef, Nin) 2:03
8 Secondo Trattenimento: Villotta Alla Contadinesca Nel Chitarrino 1:18
9 Hora Tertia: Sinfonia: Domine Audivi – Pastires Ad Pastores Inquirebant – Haec Loquutus Sum Vobis – Ibant Apostoli – Sinfonia: Domine, Dominus 9:08
10 Part II: Primo Discorso: Ahime, Come Faro? (Flo) 2:15
11 Part II: Secondo Discorso: Ascolta Pedrolin (Stef, Ped) 2:10
12 Part II: Terzo Discorso: Bondi, Sposo Dolcissimo (Stef, Ped, Mich) 1:28
13 Hora Sexta: Sinfonia: Equitatui Meo – Bonum Mihi Domie – Misericordias Domini – Qui Vult Venire Post Me 7:49
14 Part II: Quarto Discorso: Tic Toc! Signora Laura (Zan, Lau) 2:24
15 Hora Nona: Sinfonia: Exaude Domine Orationem – Sancta Cecilia Virgo – O, Vere Digan Ostia – O Quam Pulchra Es 7:14
16 Il Metamorfosi Musicale: Liquide Perle Amor Dagli Occhi Sparse 2:45
17 Part II: Quinto Discorso: Liquide Per L’amor Ranocchie Sparse (Stef, Ped) 3:11
18 Part II: Sesto Discorso: Deh, Laura, Che Farai (Lau) 2:46
19 Vesperae: Sinfonia: Beati Omnes – Deus Canticum Novum – Isti Sunt Triumphatores Qui Vivente – Estote Fortes In Bello 6:36
20 Terzo Trattinimento: Non E Esercizio In Terra (Mascherrata di Soldati) 1:07
21 Part III: Primo Discorso: Ahime! Chi Miro? (Lau, Flo) 2:58
22 Part III: Secondo Discorso: Fate Festa E Allegrezza! (Flo, Liv, Ped) 1:45
23 Bizzarria 1:13

Music Director – Leopoldo D’Agostino
Countertenor Vocals, Baritone Vocals – Bertrand Dazin
Ensemble – Ensemble Hypothesis
Organ, Spinet – Carole Parer
Percussion – Donato Sansone
Theorbo, Lute, Chitarrone – Ugo Nastrucci
Viola da Gamba – Cinzia Zotti
Violoncello – Gioele Gusberti

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

Adriano Banchieri fotografado durante visita à sede bolonhesa do PQP Bach no ano de 1599, localizada na sala VIP da Torre dos Asinelli. Eu disse Asinelli, nada a ver com presidente asno que ora nos desgoverna.

PQP

Wolfgang Amadeus Mozart (1756-1791) – Piano Concertos – Cds 7, 8 e 9 de 11 – Lili Kraus, Simon, VFO

R-10778750-1504172673-3609.jpeg

LINKS ATUALIZADOS !!! APROVEITEM !!!

Mais três cds desta coleção que considero além de IM-PER-DÍ-VEL, IN-DIS-PEN-SÁ-VEL !!! na cdteca de qualquer amante da boa musica.

Vou propor aos senhores, como ‘tarefa’ de férias de Natal e Ano Novo, a audição por inteiro desta integral, começando pelo começo. Lembro que quando adquiri estes mesmos concertos com o grande Alfred Brendel fiz a mesma coisa: os ouvi na ordem crescente, desde o começo. Assim podemos entender a evolução do processo criativo de Mozart.  Só um detalhe: Brendel não toca em sua integral os quatro primeiros concertos, que não considerados de autoria de Mozart. Mas isso é outra história. Nestes cds de hoje temos três obras primas absolutas, os concertos de nº 20, 21 e o de nº 23.  Somando-se ao de nº 17, poderia dizer que são os meus favoritos.

CD 7
Concerto For Piano And Orchestra No. 18 In B-flat Major K 456
1-4 I Allegro Vivace
1-5 II Andante Un Poco Sostenuto
1-6 III Allegro Vivace

Concerto For Piano And Orchestra No. 19 In F Major K 459
6-1 I Allegro
6-2 II Allegretto
6-3 III Allegro Assai

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

CD 8

Concerto For Piano And Orchestra No. 20 In D Minor K 466
2-1 I Allegro
2-2 II Romance
2-3 III [Allegro assai]

Concerto For Piano And Orchestra No. 21 In C Major K 467
12-1 I Allegro Maestoso
12-2 II Andante
12-3 III Allegro Vivace Assai

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

CD 9

Concerto For Piano And Orchestra No. 22 In E-flat Major K 482
6-4 I Allegro
6-5 II Andante
6-6 III Allegro – Andantino Cantabile – Tempo I

Concerto For Piano And Orchestra No. 23 In A Major K 488
2-4 I Allegro
2-5 II Adagio
2-6 III Allegro Assai

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

Lili Kraus – Piano
Vienne Festival Orchestra
Stephen Simon – Conductor

 

Frédéric Chopin (1810-1849): Valsas (Dinu Lipatti)

A pianista brasileira Guiomar Novaes costumava dizer que Chopin exige tudo do intérprete, “que precisa tocá-lo com cabeça, coração, com o pé, com a mão, com tudo”. Entre outras grandes gravações de Novaes (só de Chopin: Concertos, Noturnos, Mazurkas, Sonatas…), são também notáveis as 15 valsas que ela gravou, incluindo 13 publicadas em vida pelo polonês e duas póstumas. Nikita Magaloff, Claudio Arrau e Dang Thai Son gravaram 19 valsas de Chopin, pois incluíram um total de seis valsas póstumas. Mais o mais comum é que a coleção de valsas “principais” fique restrita a 14, foram essas as que gravaram, entre outros, A. Rubinstein, A.G. Barbosa, M.J. Pires, entre tantos outros… e Lipatti.

E aqui eu vou me contradizer: sempre tenho defendido em minhas postagens a importância de se conhecer várias interpretações das grandes obras, para percebermos as nuances e diferentes possibilidades… Mas com essas valsas, vocês vão me perdoar, mas e tenho dificuldades para ouvir qualquer um que não seja o pianista romeno Dinu Lipatti (1917-1950).

A forma como Lipatti executa as valsas de Chopin coloca a melancolia do compositor polonês sempre em segundo plano, como um sentimento presente mas sublimado pela dança. A vida é dura, as doenças, a estupidez e a maldade são dados da realidade, e na música de Chopin não temos a profunda religiosidade de Bach ou Messiaen, não temos tanta certeza da presença de um ser supremo para livrar-nos do Mal, parece que a energia deve ser buscada no fundo de nós mesmos, como mostra Lipatti ao interpretar Chopin: mesmo nas valsas em tom menor, há uma alegria interior, um agridoce e uma vontade irresistível de dançar.

E ao mesmo tempo, estamos falando de gravações do fim da curta vida de um pianista diagnosticado com uma grave leucemia: eu consigo imaginar Lipatti falando o seguinte para a plateia de seu último recital em Besançon, onde ele tocou 13 valsas de Chopin: “não sei se vou durar muito, mas sobretudo não parem de dançar!”

As Valsas de Chopin foram compostas ao longo de quase vinte anos, ao contrário dos Prelúdios ou dos Estudos que foram pensados e publicados em grupos grandes e coesos, com uma ordem bem definida, alternando tons maiores e menores. Por isso, as valsas se prestam bem ao tipo de ordenamento pessoal que fez Lipatti, começando com algumas das mais calmas e sofisticadas e terminando com as duas primeiras a serem publicadas, as mais brilhantes e alegres. Se um pianista fosse seguir a ordem cronológica estrita, seria preciso começar com aquelas que foram publicadas postumamente, algumas das quais ele compôs aos 19-20 anos e não enviou para editoras, apenas dedicando versões manuscritas a amigos e sobretudo amigas, às vezes mais do que amizades… como a “Valsa do adeus” op. posth. 69 nº 1, dedicada primeiro a Maria Wodzińska, polonesa autora do retrato abaixo, e de quem Chopin foi noivo. A família de Wodzińska impediu o casamento e, talvez por isso, Chopin dedicou anos depois a mesma valsa – em manuscritos – a Eliza Peruzzi e a Charlotte de Rothschild. Ambas foram suas alunas: Peruzzi tornou-se um grande nome do piano nos salões de Paris: em 1843 e 44, organizou soirées em que ela e Chopin tocaram os concertos do polonês em versão para dois pianos. A riquíssima Mademoiselle de Rothschild também dava algumas das recepções mais cotadas entre os intelectuais de Paris, recebendo em sua casa artistas como Chopin, Honoré de Balzac, Eugène Delacroix e Heinrich Heine. No “tempo perdido” de Proust, temos descrições de alguns desses salões parisienses sempre comandados por mulheres ricas, que bancavam o jantar e os drinques, reunindo cuidadosamente, como jardineiras, uma flora diversificada de artistas, aristocratas endividados, contadores de piadas, burgueses de gosto conservador e raros burgueses de gosto mais exótico.

Frédéric Chopin (1810-1849):
14 Valses

Dinu Lipatti, piano
BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

Maria Wodzińska foi a autora desta aquarela, em 1835, ano da Valsa op. 69 nº 1

E para completarmos o momento “túnel do tempo”, trago um outro intérprete da tradição francesa de se tocar Chopin, tradição que inclui também os imensos nomes já citados de Novaes e Magaloff, que estudaram, ambos, com o francês Isidor Philipp. Já Samson François (1924-1970) e Dinu Lipatti, que aliás eram da mesma geração, ambos estudaram com Alfred Cortot. Chopin viveu seus últimos 18 anos em Paris, então tanto Philipp como Cortot conheceram pessoas que conheceram Chopin, se inscrevendo em uma tradição oral e performática de ideias sobre como a música de Chopin devia soar. Nos últimos anos, com o famoso Concurso Chopin de Varsóvia, tem sido mais destacado o lado polonês do compositor, mas não tenho dúvidas de que a metade francesa por adoção é tão importante quanto a metade polonesa de berço.

As mazurkas por Samson François, assim como as valsas por Dinu Lipatti, são sobretudo miniaturas musicais dançantes: não temos aqui a seriedade das interpretações de Michelangeli. O tempo rubato às vezes pode soar um pouco exagerado, como é o caso também nas gravações de Cortot, mas em geral me agrada bastante a forma como François vai se expressando por meio de fraseados elegantes e dançantes. Embora não me faça esquecer totalmente as outras gravações como acontece quando eu ouço um único segundo de Lipatti.

Frédéric Chopin (1810-1849):
Sonates nº 2 & 3
51 Mazurkas

Samson François, piano
BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

Frédéric Chopin (desenho a lápis por George Sand, 1841)

Pleyel

.: interlúdio :. Keith Jarrett: Bordeaux Concert (Live)

.: interlúdio :. Keith Jarrett: Bordeaux Concert (Live)

IM-PER-DÍ-VEL !!!

Em 1975, a verdadeira odisseia musical chamada The Köln Concert tornou-se o mais improvável produto de vendas multimilionárias. No Köln, Keith Jarrett revelou como uma relação privada, não planejada, desplugada e não comercial — entre apenas ele e um piano tradicional — poderia hipnotizar ouvintes em todo o mundo. Jarrett também tocou bastante música clássica e em grupos de jazz com grandes estrelas. Gravou dezenas de discos com mil artistas diferentes. Mas seguiu valorizando corajosamente sua arte sem esconderijos da improvisação em piano solo, como testemunhado por álbuns ao vivo, incluindo o Carnegie Hall Concert de 2006, o Rio de 2011 e, claro, aquela obra de 1975. Em 2018, dois golpes sucessivos interromperam essa alquimia espontânea — assim como as outras –, o que torna esta performance a final solo de Jarrett. Ela foi gravada em julho de 2016. Depois, Jarrett sofreu dois grandes AVCs em fevereiro e maio de 2018. Após o segundo, ficou paralisado e passou quase dois anos em uma clínica de reabilitação. Embora ele tenha recuperado a capacidade limitada de andar com bengala e possa tocar piano com a mão direita, permanece parcialmente paralisado do lado esquerdo e não deve se apresentar novamente. “Não sei como deve ser meu futuro. Não me sinto agora como um pianista”, disse Jarrett ao The New York Times em outubro de 2020. Neste disco, tudo começa com longos fragmentos de improvisação livre, cheio de agudos brilhantes e acordes melancólicos, enquanto Jarrett sente o instrumento e a sala. Quando um gospel de balanço lento surge na Parte III, seus assobios e ganidos irrompem, e quando os loops minimalistas frenéticos da Parte V param, o público entra em erupção. No final, tudo, desde as baladas improvisadas mais suaves até os blues mais exuberantemente pesados, é sensacional. E é notável a variação entre as partes. O público viu surgir uma música única que morava apenas na cabeça de Jarrett, naquele espaço, naquela tarde. Uma pena esses AVCs de merda.

.: interlúdio :. Keith Jarrett: Bordeaux Concert (Live)

1. Keith Jarrett – Part I (Live)
2. Keith Jarrett – Part II (Live)
3. Keith Jarrett – Part III (Live)
4. Keith Jarrett – Part IV (Live)
5. Keith Jarrett – Part V (Live)
6. Keith Jarrett – Part VI (Live)
7. Keith Jarrett – Part VII (Live)
8. Keith Jarrett – Part VIII (Live)
9. Keith Jarrett – Part IX (Live)
10. Keith Jarrett – Part X (Live)
11. Keith Jarrett – Part XI (Live)
12. Keith Jarrett – Part XII (Live)
13. Keith Jarrett – Part XIII (Live)

Keith Jarrett, piano

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

O gênio extirpando música de sua cabeça. O jazz é algo livre, que morre se vê um Ustra ser elogiado por uma besta repugnante

PQP