Rachmaninov (1873-1943): Concertos para Piano Nos. 3 e 4 – Leif Ove Andsnes – 2 de 2

Sergei Rachmaninov

Concertos para Piano Nos. 3 e 4

Leif Ove Andsnes, piano

London Symphony Orchestra

Antonio Pappano

 

Fazendo palavras cruzadas…

Na outra postagem mencionei como dramaticamente mudou a situação social e política do mundo durante a vida de Rachmaninov. A partir de 1918 ele passou a viver nos Estados Unidos e esta mudança demandou que o compositor desse lugar ao intérprete. Ele já tinha composto três concertos para piano, comporia apenas mais seis obras de vulto.

Local da composição co RACH#3

O RACH #3 foi composto em 1910, ainda na mãe Rússia, durante sua estadia na idílica Ivanovka. Quem não comporia tão inspirado concerto em um lugar lindo como este? O Quarto Concerto é de 1926, mas passou por várias modificações.

Entre estas seis últimas obras, vale mencionar as (famosas) Variações  sobre um tema de Paganini, de 1934. Esta peça foi composta durante as férias de verão (do hemisfério norte), passadas na Suíça.

Rachmaninov era fisicamente muito alto e tinha mãos imensas. Certamente passava muito tempo ao piano e a carga de concertos e viagens custaram caro. O final de sua vida foi extenuante e buscando clima mais ameno a família mudou-se para Beverly Hills, na California. Morava próximo a Horowitz, que o visitava com frequência. Tocavam duetos…

As circunstâncias da vida devidamente influenciaram suas composições, que além de legiões de admiradores também atraíram ácidas críticas.

Camisa usada enquanto escrevia estas mal traçadas…

Em 1954, um famoso dicionário de música e músicos disse que sua música era ‘de textura monótona … consistindo principalmente de melodias artificiais e exageradas’, predizendo que seu sucesso seria efêmero. Para contrabalancear tal afirmação, Harold C. Schonberg escreveu em um de seus livros dizendo: “Esta é a mais ultrajante, esnobe e mesmo estúpida afirmação a ser encontrada em um trabalho que deveria ser uma referência objetiva”.

No entanto, o que importa é a música e isto temos de sobra no disco desta postagem. É claro, RACH #3 ofusca o irmão caçula, mas o mesmo tem muito a oferecer. Acredito que os concertos de Rachmaninov são mais vulneráveis a uma interpretação apenas mediana do que concertos de outros compositores (talvez por ele ter sido tão excelente intérprete). As gravações de Martha Argerich (ao vivo, acompanhada da Orquestra da Rádio de Berlim, regida por Riccardo Chailly) do RACH #3 e de Arturo Benedetti Michelangeli (acompanhado da Philharmonia Orchestra, regida por Ettore Gracis, em dobradinha com o Concerto em sol maior, de Ravel) do Quarto Concerto muito fizeram pela reputação destes concertos. Talvez a gravação de Arturo Benedetti Mochelangeli, do Quarto Concerto, tenha sido ainda mais importante, pois o RACH #3 tinha Horowitz e vários outros grandes intérpretes, incluindo (é claro) o próprio compositor.

Sergei Rachamninov (1873 – 1943)

Concerto para Piano No. 3 em ré menor, Op. 30

  1. Allegro ma non tanto
  2. Intermezzo (Adagio)
  3. Finale

Concerto para Piano No. 4 em sol menor, Op. 40

  1. Allegro vivace (alla breve)
  2. Largo
  3. Allegro vivace

Leif Ove Andsnes, piano

London Symphony Orchestra

Antonio Pappano

Gravações de 2009/2010, Abbey Road Studio 1, Londres

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

FLAC | 274 MB

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

MP3 | 320 KBPS | 175 MB

Leif contando para a turma do PQP Bach tudo sobre sua última pescaria nos fiordes noruegueses

Na minha opinião, um andamento fluente desde as primeiras notas é a chave para o sucesso da interpretação de concertos onde bravado e pirotecnia abundam. Isto não faltará a estas gravações. Digam-me vocês, depois…

René Denon

Deixe uma resposta