BTHVN250 – A Obra Completa de Ludwig van Beethoven (1770-1827) – Sinfonia no. 1 em Dó maior, Op. 21 – Chailly – Furtwängler – Gardiner – Haitink – Huggett – Jansons – Karajan – Rattle – Reiner – Solti – Toscanini – Wand

Retorno após breve hiato, e não sem despertar questionamentos sobre se eu tomara chá de sumiço, ou se faria um prolongado retiro no Hades no feitio daquele que fez as senhoras e senhores terem um refresco de mim por quase quatro anos. Agradeço a preocupação e, talvez decepcionando aqueles que esperavam postais do Hades, esclareço que estava em férias em lugar bem distante e numa cicloviagem um pouco exigente demais para meus jamones, de tal maneira que, ao encerrar cada dia, quase nada restava de meus miolos, fritos pelo sol do trópico de Câncer, além duma pasta molenga e pouco apropriada a escrever sobre Beethoven.

Confesso, entretanto, que houve outro motivo, que me deixou talvez tão hesitante quanto ficou Beethoven em estrear sua primeira sinfonia: eu não tinha A MENOR IDEIA de como abordar uma postagem sobre uma sinfonia de Beethoven, fosse esta ou qualquer outra, na integral que lhes prometemos ao longo deste ano da Peste e do #BTHVN250.

Explico:

Tomemos como exemplo as trinta e duas sonatas para piano: há várias integrais, muitas das quais já publicadas neste blogue, e também sonatas gravadas em pequenos lotes, ou integrais inacabadas (os “torsos de integrais”, nas palavras do querido René Denon). Ainda que muitos pianistas as incluam avulsamente em seus recitais e gravações, são relativamente poucos os que se dedicam a tocar ou gravar o conjunto completo, certamente porque seu escopo – tanto de duração quanto de exigências técnicas e expressivas – é grande demais para caber num punhado de discos e ou de apresentações. Assim, e dentro da proposta de lhes trazer nesta série somente gravações inéditas no PQP Bach, não tive dificuldades de achar muito material, e abundante, para contemplar as sonatas para piano nesta celebração do BTHVN250.

As sinfonias são um caso muito diferente. Todo regente que se preza deseja registrar o seu ciclo completo, o que leva a uma abundância discográfica das nove meninas. Mais que isso, há encarniçadas e provavelmente insolúveis discussões sobre qual a melhor gravação do ciclo, muito mais do que as trinta e duas sonatas sonhariam em suscitar. Adicionando a este bolo de discórdia algumas camadas extras de complicação, menciono as várias edições das sinfonias, que tentam destrinchar as muitas correções que Beethoven – sempre o autocrítico implacável e procrastinador desorganizado – lhes incorporou ainda em vida, e via de regra com caligrafia medonha, e as incontáveis vertentes de tradição interpretativa que incidem sobre essas obras essenciais. A todas as camadas do bolo, enfim, somo a minha cobertura: eu gosto demais de vários ciclos, mas nunca algum deles me satisfez completamente, de maneira que qualquer escolha minha para oferecer-lhes seria, de antemão, insatisfatória.

A solução a que cheguei certamente não agradará a todos, e com ainda mais certeza revoltará aqueles que apreciam o cuidadoso rabalho de curadoria. Ainda assim, aqui vai ela: em vez de um ciclo, oferecer-lhes-ei doze, gravados em diferentes épocas, por renomados regentes imbuídos de diversas tradições interpretativas.

Pensei inicialmente em publicar um ciclo antigo, outro contemporâneo, e mais outro em instrumentos originais. Entre os antigos, Wilhelm Furtwängler esteve desde sempre firme em meus planos, e não demorou que eu me perguntasse se não valeria a pena também incluir o ciclo de seu contemporâneo Arturo Toscanini, outro virtuose da batuta, ao qual era inevitavelmente comparado, obra a obra. Falar deles lembrou-me do venerando Günter Wand que, perguntado se regeria a Nona Sinfonia como Furtwängler ou como Toscanini, respondeu nos rins: “como Beethoven”. Heribert von Karajan (sim, Heribert: googleiem para conferir) não estava em meus planos, mas inevitavelmente perguntariam – quiçá brandindo-me ancinhos e tochas – sobre ele. Em reconhecimento à sua enorme importância para a indústria discográfica, que incluiu vários registros completos do ciclo, praticamente uma a cada grande revolução nas técnicas de gravação (e também, claro, porque aqueles Porsches todos não saíam de graça), resolvi incluir aquele que considero o melhor, feito nos anos 60 com seus inseparáveis Berliners. Lembrei também dos brilhantes magiares que levaram as orquestras dos Estados Unidos a seus pináculos e incluí integrais de Fritz Reiner e Georg Solti, e que jamais – nunca, em hipótese alguma – deveria esquecer do maior regente vivo, Bernard Haitink, e de sua inseparável orquestra do Concertgebouw. Tampouco deixaria de lado duas gravações recentes das quais muito gosto – a de Riccardo Chailly com a orquestra do Gewandhaus de Leipzig, talvez o conjunto que responda mais instintivamente ao seu regente entre todas em atividade, e aquela de Simon Rattle, praticamente na saideira de sua era como diretor dos Berliners. Na turma da interpretação historicamente informada, nunca tive dúvidas de que o excelente ciclo de John Eliot Gardiner estaria neste rol, e achei por bem oferecer também uma outra integral menos conhecida e bastante estimulante, a da Hanover Band dirigida alternadamente por Roy Goodman e Monica Huggett. Por fim, e já aflito porque as doze poderiam facilmente chegar a vinte, lembrei que o patrão PQP Bach tinha botado tudo para quebrar ao postar a  m a r a v i l h o s a integral de Andris Nelsons com a Wiener Philarmoniker, a melhor gravação do ciclo nos últimos anos, e aí me dei conta de que outro letão, o imenso Mariss Jansons, recentemente desaparecido, também tinha deixado sua série, que aqui está numa sentida homenagem ao suave mestre.

Contaram doze? Pois bem, aqui vão elas. Claro que, por ter ouvido todas, adoraria para comentá-las uma a uma, e mesmo compará-las. Nossa travessia beethoveniana, entretanto, é ainda muito longa, e o tempo de que disponho, bastante curto. Prometo-lhes que, depois de 17 de dezembro, quando a série estiver completa, voltarei às postagens das sinfonias para, quem sabe, transformá-las em guias de gravações comparadas tão bom quanto aqueles que o colega Das Chucruten já publicou, inclusive da Pastoral. Por ora, escolham as que mais apetecerem, comparem-nas, e deixem-me saber o que pensaram delas nos comentários.

Ludwig van BEETHOVEN (1770-1827)

Sinfonia no. 1 em Dó maior, Op. 21
Composta entre 1795-1800
Publicada em 1801
Dedicada ao barão Gottfried van Zwieten

1 – Adagio molto – Allegro con brio
2 – Andante cantabile con moto
3 – Menuetto: Allegro molto e vivace
4 – Adagio – Allegro molto e vivace

Wiener Philarmoniker
Wilhelm Furtwängler
BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

NBC Symphony Orchestra
Arturo Toscanini
BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

Chicago Symphony Orchestra
Fritz Reiner
BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

Berliner Philharmoniker
Herbert von Karajan
BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

Chicago Symphony Orchestra
Sir Georg Solti
BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

Sinfonieorchester des Norddeutschen Rundfunks
Günter Wand
BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

Koninklijk Concertgebouworkest
Bernard Haitink
BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

The Hanover Band
Monica Huggett
BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

Orchestre Révolutionnaire et Romantique
John Eliot Gardiner
BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

Symphonieorchester des Bayerischen Rundfunks
Mariss Jansons
BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

Gewandhausorchester Leipzig
Riccardo Chailly
BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

Berliner Philharmoniker
Sir Simon Rattle
BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

Ah – quase me esqueci de comentar a obra. Gestada ao longo de cinco anos, e certamente com muita preocupação por conta da sombra esmagadora das sinfonias de Mozart e Haydn (que ainda vivia), a Primeira é calcada firmemente nos modelos dos mestres mais velhos, com toques claramente beethovenianos como o uso dos sopros, frequentemente formando corais independentes das cordas, e os repetidos sforzandi. Há alguns truques interessantes, como o de “esconder” a tonalidade no movimento inicial, em vez de começar com uma afirmação estrondosa da mesma (como aqueles dois portentosos acordes que abrem a Eroica), embora não houvesse audácias tonais capazes de chocar o mui conservador público do Burgtheater, no qual “Le Nozze de Figaro” e “Così fan tutte” tinham vindo à luz e onde Beethoven estrearia várias de suas obras mais importantes. Meu movimento favorito é o faceiríssimo Menuetto, que é um scherzo em tudo, menos no título. O finale, que começa com uma escala marota que se desenrola lentamente, mantém a mesma verve do minueto e leva a uma conclusão muito efusiva uma obra que, se não se pode chamar de revolucionária, certamente mostrou a Viena que a voz do renano era diferente de todas outras.

#BTHVN250, por René Denon

Vassily

 

8 comments / Add your comment below

  1. Maravilhosa postagem!! Aguardando ansiosamente os próximas…
    Uma curiosidade… neste artigo (https://www.nytimes.com/2020/03/27/arts/music/beethoven-symphony.html), (NY Times, ANTHONY TOMMASINI), ele cita, como toda subjetividade de uma opinião particular , a mais “significativa interpretação” de cada uma das 9 sinfonias… algumas surpresas, por ex nesta primeira cita Klemperer, e uma sétima que nunca ouvi falar…
    vale a pesquisa!! Abraço!!

    1. Olá, Eduardo!
      Fui conferir as dicas e, realmente, a subjetividade daquela opinião particular diferiu da minha em quase tudo, exceto talvez em Klemperer. Para quem estranhar a ausência dessa versão sensacional, explico que ela já foi postada aqui no PQP Bach e, portanto, não se prestaria à proposta de divulgar nesta série somente gravações por aqui inéditas. Quanto ao aguardo ansioso, o Op. 36 chega rapidinho. Abraço!

      1. Tb difere bem das minhas escolhas, principalmente a Quuuuiiinnnttta de Boulez, interessante experiência mas leeeeeennnnnttttaaaaa ao extremo… Abraço!!

  2. No livro “1001 Discos De Música Clásica Que Hay Que Escuchar Antes de Morir “, comprado na Livraria Ateneo em Buenos Aires há cerca de 10 anos, indica a escolha de George Szell conduzindo a Orquestra de Cleveland em 1964.
    O título original do livro é ” 1001 Classical Recording You Must Hear Before You Die” de Matthew Rye.
    Não disponho deste desempenho. Se alguém do Blog tiver, peço para postar, com gratidão. Forte abraço do Dirceu.

    1. De última… O cara passa um trabalhão. Posta 12 (DOZE) versões da Sinfonia Nº 1 de Beethoven e o cara pede uma 13ª. Com todo o respeito, vai…

      Abre-se um leque de possibilidades na frente dele e, ain, quero a do Szell. Vai procurar, meu filho.

      1. Respeito você Clarissa e todo o Blog. Minha intenção foi de enriquecer o Blog com mais uma sugestão para esta Sinfonia de Beethoven, bem como sobre a existência do livro se alguém se interessar. Tenho aproveitado muito as dicas de comentários feitos aqui, como fez o Eduardo acima. Já baixei 8 das performances postadas e ouvi 5 delas.
        Saúde e paz . Abraço do Dirceu.

    2. Olá, Dirceu!
      Não disponho da ótima versão do Szell. Espero que algum dos colegas a encontre e a coloque à nossa disposição por aqui.
      No ínterim, espero que possa encontrar, entre as gravações desta série, alguma que lhe seja do agrado. Minha sugestão é a de Fritz Reiner, não só por ser compatriota de Szell, mas por ter transformado a Chicago Symphony, assim como fez Szell em Cleveland, num dos melhores conjuntos do mundo. Conduzindo e coordenando a orquestra, forjou-a à sua maneira, sem dúvidas autocrática, no sentido de um ideal sonoro que, exigente que era, nunca deixou de buscar.

      1. Caro Vassily
        Obrigado pela indicação de Fritz Reiner muito boa. Me agradou também a de Karajan.
        Bom trabalho e um forte abraço do Dirceu.

Deixe uma resposta