Orquestra Ribeiro Bastos: Antônio dos Santos Cunha (17xx? – 18xx?) – Missa a 5 Vozes

fotototototoPostado originalmente em 10.12.07 pelo PQPBach. 

.
Nossos amigos que têm blogs sobre música são de extrema gentileza. O Heitor, do desNorte, por exemplo, é um gentleman, e o Fulano Sicrano, do Um que tenha, nem se fala. Pois um belo dia o Fulano, que tem um tesouro imensurável sobre música popular brasileira, mandou-me um presente. Era, na verdade, um repasse de um e-mail que ele tinha recebido:

Prezado Fulano,

Envio-lhe as minhas “Jóias da Coroa”, desencravadas de uma coleção de LPs já um tanto esquecida em um escritório!

Trata-se do LP da Orquestra Ribeiro Bastos interpretando a Missa A 5 Vozes, composta por Antônio dos Santos Cunha (17xx? – 18xx?), e distribuído a muito poucas pessoas. Não foi comercializado.

LP catalogado pela Tapecar Gravações S.A. com o número T 004, produzido sob o patrocínio da Xerox, da Fundação Roberto Marinho e da Funarte, resultado do projeto “Música Sacra no Campo das Vertentes”, foi gravado ao vivo em 21 de abril de 1981, em Ouro Preto, MG, quando esta cidade recebia o título de Monumento Mundial, numa apresentação em homenagem a Amadou-Mahtar M’Bow, Diretor Geral da UNESCO. Regência de José Maria Neves.

Os integrantes da Orquestra e Coral Ribeiro Bastos, desde sua fundação em 1790 aproximadamente, sempre foram moradores de São João del-Rey e cidades vizinhas, cada um com sua profissão, que se reúnem com missão de cultivar e preservar o “Barroco Mineiro”. Para esta apresentação foram convidados o soprano Marly Spiller, o contralto Maria Antonieta Andrade, o tenor Ricardo Tuttman e o barítono Ataíde Beck.

Os 84 integrantes desta apresentação memorável são alfaiates, comerciantes, ferroviários, estudantes, industriários, do lar, advogados, militares, funcionários públicos, professores, contabilistas, músicos militares, bancários, tipógrafos, pintores, bombeiros hidráulicos, datilógrafos, costureiras, gráficos, operários, enfermeiras, modistas, hoteleiros, secretárias, pedreiros e cabeleireiros, como se pode ver nas imagens que anexo, escaneadas do LP.

Gostaria de compartilhar com você e com os usuários do seu blog esta autêntica prova de quantos tesouros e potenciais desconhecidos tem o nosso tão vilipendiado Brasil!

Permita-me a liberdade de sugerir a faixa 5, Cum Sancto Spiritu, como a música “o que tem”.

Abraços.

Não tenho autorização para declinar nomes e nem o Fulano sabe ainda desta postagem. Mas, vamos adiante. Um registro raríssimo, sem dúvida. A interpretação desta orquestra amadora é comovente com seus erros e intervenções muitas vezes desafinadas.

A seguir, o histórico da Orquestra Ribeiro Bastos conforme informa seu site :

Data de início das atividades: Século XVIII

Histórico da instituição: Já é quase habitual associar-se a música colonial mineira ao nome da Orquestra Ribeiro Bastos, em razão das inúmeras apresentações do repertório desta época realizadas por este grupo nos quatro cantos do país e pela divulgação trazida pela difusão de seus discos. Mas isto não represente a verdade, ainda existem e atuam em Minas Gerais outras corporações musicais antigas, que prolongam a antiga tradição musical da região e preservam documentos trazidos de outros pontos do Brasil.

Sabe-se que a vida musical nas Minas Gerais e no Brasil no século XVIII era rica e intensa, em grande parte por causa das necessidades da liturgia católica. Cada vila pouco mais importante tinha seus compositores e suas corporações que reuniam cantores e instrumentistas. Mas a diminuição das riquezas, durante o século XIX, foi fatal para estas vilas e corporações: as vilas ficaram estagnadas em sua vida passada, quando não regrediram até o desaparecimento, e as corporações, por perderem sua função religiosa e social, deixaram de existir. A perda desta função causou o desaparecimento de antigas corporações também em vilas que tiveram um certo grau de crescimento material, mas onde a preocupação com o fato cultural tornou-se secundária.

Hoje, graças a estudos musicológicos mais aprofundados, pode-se aquilatar o que foi este momento musical e sabe-se o valor de compositores como Emerico João de Deus, Manoel Dias, Gerônimo de Souza Lobo, Santos Cunha e muitos outros.

São João Del-Rei foi caso raro: os dois grupos tradicionais da cidade mantiveram-se vivos e atuantes até hoje, através da atividade de amadores que, no correr dos anos, tiveram consciência da importância da herança que recebiam de seus antepassados musicais (estes, profissionais) e lutaram para preservá-la. Em todos os dias do ano, as missas principais são acompanhadas por uma das duas orquestras, que mantém os antigos contratos assinados com as irmandades religiosas. No que se refere à Orquestra Ribeiro Bastos ela está presente em duas missas semanais na Matriz do Pilar (da Irmandade do Santíssimo e da Irmandade de Passos) e na grande missa dominical da Ordem Terceira de São Francisco, além de responsabilizar-se pelo serviço musical de diversas novenas (Carmo, São Francisco, Cinco Chagas, Conceição) e de todos os ofícios da Festa de Passos e da Semana Santa. Esta é, sem dúvida, a época mais rica do calendário musical da cidade, uma vez que até hoje são cantadas não só as Missas Solenes, mas também cada Via Sacra, o Ofício de Ramos, os Três Ofícios de Trevas, as Paixões, o Ofício de Páscoa, as procissões, perfazendo algumas centenas de obras e enorme tempo dedicado com amor à música sacra.

A Orquestra Ribeiro Bastos é, antes de tudo, uma função: ela deixaria de existir se não estivesse respondendo à uma necessidade religiosa e cultural. Seus membros, todos amadores, dedicam seus dias às mais diversas ocupações e guardam seu tempo livre para ensaios e participação em cerimônias religiosas. Por isso mesmo, nem em São João Del-Rei nem em lugares onde vá, esta corporação não pode ser ouvida como uma orquestra de concertos. É parte da vida e da cultura daquela cidade e de Minas. Hoje como há duzentos anos atrás. É grupo que se esforça por manter viva a tradição, que busca construir repertório recuperando esta mesma tradição, que se preocupa em manter viva a chama e que, vez por outra, sai de sua cidade para dar a conhecer a maior número de pessoas algumas das preciosidades de seu acervo. Preservando não apenas papéis, mas também uma tradição interpretativa, certamente bem próxima da maneira como seu repertório era tocado no passado.

“Missa A 5 Vozes”, de Antonio dos Santos Cunha (17xx? – 18xx?)

Gravado ao vivo em 21 de abril de 1981, em Ouro Preto, MG, quando esta cidade recebia o título de Monumento Mundial.

Apresentação em homenagem a Amadou-Mahtar M’Bow, Diretor Geral da UNESCO.
1. Kyrie
2. Gloria/Laudamus/ Gratia agimus
3. Domine Deus/Qui tolli
4. Qui sedes/Quoniam
5. Cum Sancto Spiritu

Orquestra Ribeiro Bastos – 1981
Regência de José Maria Neves

Esta gravação, nem o Heitor possui. Duvido.
memoriaBAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE
XLD RIP | FLAC | 133,7 MB

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE
MP3 | 320 kbps | 81,8 MB

powered by iTunes 12.4 | 40 min

.

.

PQP Bach

14 comments / Add your comment below

  1. Cara PQP Bach
    num é que sou da terra desse povo e estou escrevendo dela agora. Tem uma história sobre esses erros e intervenções muitas vezes desafinadas que uma mulher erudita como vc dessas francesas que aparecem por aqui que achou maravilhoso que as orquestras daqui tenham incorporado o dodecafonismo. Segundo ela a técnica dos músicos daqui era muito sofisticada para conseguirem tais efeitos. Ah eu tenho o viril. Eu tenho uns quarenta cds de musica colonial inclusive a coleção de Mariana. Uma joia. Esse e-mail num funciona não. Quando for eu aviso a postagem tá. Fui eu que postei todas as sinfonias de dmitri-shostakovich ontem.

  2. Prezado Dr. Cravinhos.

    Os endereços das Sinfonias de Shostakovich enviados ontem ficaram incompletos… Na verdade, tenho-as todas, mas não na versão de Rostropovich. Me interessam muito!

    Dr. Cravinhos, este blog é escrito por quatro pessoas. FDP Bach, Blue Dog e PQP Bach são do sexo masculino. Clara Schumann é, obviamente, do belo sexo.

    Abraço.

  3. Sem querer ser chato, mas já sendo, eu preferia o layout do antigo blog. Os links de download no antigo ainda estão funcionando ou vc cancelou-os, habilitando-os neste novo sítio?? No mais, boa sorte na nova casa!!!

  4. Estimado PQP Bach,

    Não é que me orgulhe de tal, mas confirmo que não possuo esse disco…
    Entretanto, já estou a actualizar a ligação para o novo endereço do seu blogue.

    Abraço,

    Heitor

  5. Meu Deus…
    Mas antes de mais tenho que agradecer a partilha de música que faz no blog. Através dos MP3 que aqui tem colocado, tenho descoberto música muitíssimo interessante, como esta Missa.
    Esta gravação é horrível. Desafinos e tímbres “estranhos” entre outros pormenores… Contudo, apesar das “circunstâncias” a obra parece-me interessante. É sempre agradável fazer descobertas como esta. É que realmente cada vez mais estou a gostar de compositores como José M. Nunes Garcia e agora Antonio dos Santos Cunha. Pena é serem gravados desta forma.

    Grato pela partilha da música,
    Luís Henriques

  6. Caro PQP Bach
    Saudações.
    Você ainda não postou os cds do Collegium Musicum de Minas (música antiga brasileira). Conheces?
    Parabéns pelo blog.

  7. Caros amigos… esse disco se encontra completamente fora da realidade da ORB hoje. Pois a qualidade musical melhorou digamos 90%. Grande partes do músicos que há compoem são profissinais, com isso a ORB vem melhorando a cada dia. Se tiverem a oportunidade de ouvir o cd ” Novena do carmo” a ser lançado dia 5 122010. Comprovaram que o grupo vive outra realidade.

Deixe uma resposta