Dvorák, Janacek, Martinu: Love Songs, com Magdalena Kozená

Às vezes a capa de um CD é muito superior ao conteúdo. É o caso deste recital da checa Kozená. Olha, me deu sono… O porre inicial de Dvorák é ab-so-ta-men-te le-tal. Pior que vodka de R$ 10,00. Que sujeitinho cacete! Ai, que tédio…

Ouvi este CD com meu filho. Eram 9 da manhã de domingo. Ele tem bom gosto, não aguentou e foi fazer café — que porra de compositor é esse, pai? — ; quando voltou, mudei de disco para não espantá-lo. Depois peguei de volta para ter certeza de que era péssimo. É, sem dúvida. Por favor, fujam!

Antonín Dvorák (1841 – 1904)
Písne milostné (Love Songs), Op.83
1) 1. O, nasi lásce nekvete (Oh, our love does not bloom) [1:50]
2) 2. V tak mnohém srdci mrtvo jest (Death dwells in so many a heart) [2:18]
3) 3. Kol domu se tedn potácím ( Now I stumble past the house) [1:27]
4) 4. Já vím, ze v sladke nadeji (I know that in sweet hope) [2:04]
5) 5. Nad krajem vévodí lehky spánek (Gentle slumber reigns over the countryside) [1:39]
6) 6. Zde v lese u potoka (Here in the forest by a brook) [1:58]
7) 7. V té sladké moci ocí tvych (In the sweet power of your eyes) [1:42]
8. 8. p duse drahá, jedinká (Oh, dear matchless soul) [1:38]

Bohuslav Martinu (1890 – 1959)
Novy Spalícek (New Spalicek / Miniatures)
9) 1. Bohatá milá (The Rich Sweetheart) [1:11]
10) 2. Opusteny mily (The Forsaken Lover) [1:07]
11) 3. Touha (Longing) [0:56]
12) 4. Zwedavé dievca (The Inquisitive Girl) [0:54]
13) 5. Veselé dievca (The Cheerful Girl) [0:27]
14) 6. Smutny mily (The Unhappy Lover) [2:26]
15) 7. Prosba (The Request) [1:26]
16) 8. Vysoká veza (The tall tower) [0:57]
Ctyri písne na texty moravské lidové poezie (Songs for a Friend of My Country)
17) 1. Konícky na ouhore (Ponies on the Fallow Land) [0:52]
18) 2. Ztaceny pantoflícek (The Lost Little Slipper) [0:43]
19) 3. Písen nábozná (A Religious Song) [1:52]
20) 4. Pozvání (An Invitaion) [0:57]

Antonín Dvorák (1841 – 1904)
Ctvero písní op.2 (Four Songs) na slova Gust. Pflegra-Moravského op. 2
21) 1. Vy vroucí písne ( You heartfelt songs) [2:20]
22) 2. O byl to krásny zlaty sen (Oh, that was a beautiful, golden dream) [2:07]
23) 3. Mé srdce casto (In pain, my heart often broods) [3:05]
24) 4. Na horách ticho (Silence on the mountains) [1:15]

Bohuslav Martinu (1890 – 1959)
25) Ukolébavka (Lullaby) [4:34]
Pisnicky na jednu stránku (Songs on one page)
26) 1. Rosicka (Dew) [0:58]
27) 2. Otevrení sloveckem (Unlocking with a single word) [0:32]
28) 3. Cesta k milé (Journey to the Beloved) [1:23]
29) 4. Chodnícek (The Footpath) [0:31]
30) 5. U mamenky (At Motherns) [1:12]
31) 6. Sen panny Marie (The Virgin Maryns Dream) [1:33]
32) 7. Rozmaryn (Rosemary) [1:03]
Nové slovenské písne (New Slovak Songs)
33) 2. Povedz ze mi, povedz (So tell me) [2:33]
34) 8. Mala som já rukávce (I had a blouse) [1:15]

Leos Janácek (1854 – 1928)
Moravská lidová poesie v písních (Moravian Folk Poetry in Songs)
35) 17. Komu kytka (Who Is the Posy For?) [1:29]
36) 5. Obrázek milého (A Loverns Picture) [0:53]
37) 19. Pérecko (Little Posy) [1:24]
38) 16. Stálost (Constancy) [1:05]
39) Láska (Love) [1:16]
40) 38. Loucení (Parting) [1:25]
41) 18. Konícky milého) [0:57]

Antonín Dvorák (1841 – 1904)
42) Dobrú noc, má mila (Good night, my darling) V náradním tónu (In Folk Tone) [3:38]

Magdalena Kozená
Graham Johnson

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

Dessa vez não rolou, Magdalena
É raro, mas dessa vez não rolou, Magdalena

PQP

32 comments / Add your comment below

  1. Maldade com o garoto também, não é? Só falta me dizer que foi a primeira vez que ele ouviu Dvorak. Se for, repito, maldade. Por que não começou pela 7ª Sinfonia e pelo Stabat Mater?
    Poxa, se eu começasse a escutar Schubert pelos seus lieder, também não iria mais querer saber dele. Ia ignorar todo o resto da sua maravilhosa obra sinfônica e camerística.
    Você quis foi arregimentar mais gente para a sua causa anti-Dvorak. hahahahaha 🙂
    Abraços a Família Bach!

    1. Meu caro Ludwig.

      Eu tenho quase certeza de que as primeiras coisas que ouvi de Schubert foram lieder. Gostei e hoje adoro FS. Vai ver que é por isso que sou assim estranho.

      Abraço.

    1. Olá Paula,
      Balés são feitos em geral para orquestra. Um ou outro tem uma redução para piano ou conjunto menor de instrumentos. Muitas peças para piano são usadas em balés, ainda que, não tenham sido escritas especialmente para serem dançadas. Que peças você gostaria de encontrar?

  2. Pobre Dvorak. Do meu ponto de vista ou ouvido, está sendo injustamente difamado. Mas tudo bem. Seria possível algum consenso em torno da beleza da cantora? Parece aquelas atrizes de filme de vampiro. Mas por favor PQP, se você posta tudo que ouve, pleeeaaaasssee! Nunca ouça a banda Calypso, nem acidentalmente. Abraços

    1. Cavalo manco, maior sucesso da banda paraense, é uma das mais belas canções da MPB dos últimos tempos. Se você abstrair o arranjo instrumental enlatado com que a ouvimos, ela é belíssima melodica e estruturalmente – para uma canção popular.

      Vou postar coisa tida como pior do que Calypso, assim que eu tiver tempo.

  3. É pois é, não concordo com tua opinião sobre Chopin PQP, mas com relação a Dvorak e Rach tens toda a razão, se merecem,e afinal nosso Shosta de quem também sou grande admirador, e o qual conheci através de ti, também é execrado, então pau (ops!) nos dois.

  4. PQP, Dvorak é mesmo um porre… o pior de estudar aqui na República Tcheca é aguentar o fanatismo de quase todos os estudantes e professores com ele. O engraçado é que eles tiveram compositores muito superiores, mas o Dvorak é o herói popular. Eu vou baixar o CD assim mesmo e ouvir, ainda mais porque eu gosto muito da música do Martinu, e o Janacek é um gênio quando se trata de óperas. Grande abraço!

  5. Caro PQP, o senhor não gosta nem do Concerto para Violoncelo, op. 104 do Dvorák? Eu não gostei de praticamente tudo que ouvi dele, mas o Concerto, ah, esse é exceção, ainda mais por ser este o instrumento que eu toco.

  6. HAHhahahahuaAHAUHAHUAHUAH!
    Caro PQP, muito bom saber que você compartilha as merdas, afinal merdas tambem sao legais de se ouvir, ainda mais de criticar!

  7. PQP, ao ler este post, pensei que fosse até uma piada sobre Dvorák. Mas olhando os comentários, vi que não.
    Bom, não conheço toda a obra de “Devo”, mas confesso ser um apaixonado pelo pouco que ouvi, que, entretanto, acabei conhecendo por aqui. Já ouvi assaz dizerem que gosto não se discute. Concordo, mas tenho minhas dúvidas quando isso se volta à obra, o que ,no caso da postagem, quer dizer se um cara é chato ou não. Já que o assunto é este, faço-lhe uma pergunta: O que é ser um bom ou ruim compositor? O que torna sua obra chata?
    Bem, foram duas perguntas- intransigência minha… rsrs

    No mais, agradeço pelos posts, e um grande abraço.

  8. Bom, não sei se falar palavrão no blog é prerrogativa do PQP – se for, ok, respeito -, mas puta que pariu, falar que o Dvörák é um “porre”, um péssimo compositor? E a Sinfonia do Novo Mundo? E o Stabat Mater? E o concerto para violoncelo, op. 64? E o quarteto n. 12, op. 16 (Quarteto “Americano”)? Pôrra, são simplesmente OBRAS PRIMAS, independentemente de gosto. Não sei não, mas acho que boa parte desta aversão a Dvorak é pedantisimo bobo, afetação intelectualóide, como se música com boas melodias fosse uma música menor e ducaralho fossem as construções artificiosas e de audição sofrida do atonalismo etc. Com todo o respeito, e ressalvando a minha falta de conhecimentos musicais e a consequente modéstia desta opinião: vão tomar no cu!

  9. Desculpe, caríssimo PQP, não tenho a profundidade musical que vc tem, embora ouçamúsica erudita desde os 6 anos de idade, tenho agora 39 anos. Achei o cd lindo, muito bonito, muito bem cantado, muito bem acompanhado pelo piano, com canções em cima da pinta, é claro que não é Schubert, não é Brahms, não é Mahler… Mas muito bom para um disco menor, digamos assim. Vc pega muito no pé dos compositores dito ” menores”, mas não tem essa, música é música, é aquilo que emociona ou não, sendo maior ou menor.

    Abçs Fraternos Gustavo Rossi

  10. hahahahahahaha, simplesmente impagavel ver o pessoal se doendo devido a um simples comentario do PQP.hahahahahaha… ainda bem que ele nao ofendeu nenhum dos grandes compositores, so alguns de menor relevancia…

  11. Não vejo problema algum no fato de o PQP Bach divulgar abertamente suas antipatias musicais e detoná-lás até o povo dizer chega. Não mesmo. Vejo isso como uma das maiores virtudes do blog, que é iconoclasta até no nome.

    Porém, creio que poderia haver maior tolerância quando os visitantes do blog fazem o mesmo.

    Não me refiro às recorrentes opiniões racistas anti-jazz, mas a outros debates que marcaram o blog, como em relação a John Cage, que eu pessoalmente acho um verdadeiro lixo, e alguns colaboradores do blog não acham.

    Se há o direito de dizer que Dvorak é insuportável (e realmente há), a contrapartida natural é admitir que outras pessoas expressem opiniões negativas sem serem taxadas de intolerantes.

    Levar uma ou outra coisa pelo lado pessoal é, com o devido respeito, tolice pura. Mesmo porque não há diferença entre elas.

    Esse CD pode até ser chatíssimo e pior que muita coisa (não chega a ser minha opinião pessoal, acho que Dvorak sempre merece uma chance), mas pra mim vale muito, muito mais que a porcaria da obra completa de John Cage… E de outros.

  12. Novamente?
    Quer dizer que o ótimo desse blog é fazer, (a plenos pulmões e cheios de !!!!)comentários que, se houvessem sido feitos em um “puteiro”, o comentarista correria o sério risco de ser mandado pras quintas dos infernos?
    Nenhum criador de Arte, por menor que seja, merece ser desconsiderado a esse ponto. Nem Chitãozinho e Chororó.
    Gostar ou não gostar é uma coisa.
    Achincalhar é uma tolice tão grande que empobrece e torna nula qualquer opinião.
    Quando se faz isto com um compositor do nível e da qualidade de Dvorak em um blog que se imagina ter a qualidade de conteúdo necessária a poder comentá-lo,o que um garoto de 12 anos (que entrar aqui após passar pela censura dos Pais, já se vê) vai imaginar dos ouvintes e músicos que aqui se encontram?
    Com todo o respeito pelos que não dominam adequadamente os seus instintos… …vá prá…………….
    Tá bem! Um grande abraço assim mesmo!
    Edson

  13. Queria saber do PQBach se existe algum compositor maranhense da época de Villa-lobos pra baixo (o maestro da OSB disse uma vez no jornal que eles estrearam até na Europa). Se tive me avise ok

  14. Finalmente hoje escutei este álbum e não achei nada de essencialmente ruim. Receio que o blogueiro tenha é escutado o trabalho numa ocasião inadequada, quando se encontrava nalguma circunstância social ou, mais provavelmente, num estado de espírito que exigia uma “trilha sonora exterior” bem outra.

  15. Gosto é gosto, não se discute,mas achar Dvorak ruim é o fim da picada.É um grande compositor,extraordinário,muito melhor que o Shosta,que tem muita porcaria,só comungo com o site na paixão avassaladora por Bach,o maior de todos,sem concorrência.

Deixe uma resposta