J. S. Bach (1685-1750): Concertos de Brandenburgo e Suítes Orquestrais – Masaaki Suzuki / Bach Collegium Japan

IM-PER-DÍ-VEL !!!

Nota inicial de Ranulfus: Há um mês o mesmo repertório deste CD (Brandenburgos e Aberturas) voltou à baila executado pelos canadenses da Taffelmusik, em postagem do colega FDP Bach. Ouvi, gostei e recomendo – mas para meu gosto pessoal esta realização de Masaaki Suzuki continua campeã absoluta. Baste dizer que eu sempre havia considerado o 1º Brandenburgo um tanto massudo em comparação com os demais, até chato… mas ao arrancá-lo do salão para o galpão, recuperando a energia e rusticidade das trompas não sem razão chamadas “de caça”, Mr Suzuki conseguiu transformá-lo para mim, de golpe, em uma das peças mais excitantes e queridas do velho Bach!

Daí o meu choque ao descobrir que os links desta postagem estavam vencidos há anos. Inconformado, tomei a postagem de assalto e renovei os links, com ligeira reformulação da apresentação, sem nem pedir licença ao autor da postagem, nosso Grão-Mestre PQP Bach – esperando que ele abrevie em pelo menos dois anos minha condenação às galés pelo fato de preservar a seguir o seu texto original:

É óbvio que as pessoas que mantêm o PQP Bach têm vários parafusos soltos. Em primeiro lugar pela constância e absoluto saco de fazer os ups, em segundo lugar (há vários outros “lugares”) por inventar efemérides onde não há. E a moda do momento é fazer o 200º post de Bach. Nós simplesmente adotamos o desafio do “Raphael – Cello” de chegar JÁ ao post 200 e entramos num alucinado tour de force. Pois agora eu respondo ao Carlinus com o mesmo repertório de seu post de ontem, só que na interpretação de Masaaki Suzuki e do Bach Collegium Japan. Acho que ninguém vai reclamar de novos Concertos de Brandenburgo e Suítes Orquestrais, né? As duas versões que apresentamos hoje são esplêndidas, o que destrói qualquer tentativa de encontrar um registro mais correto, pois ambas são NOTÁVEIS e MUITO DIFERENTES.

Comprovem dando uma ouvida com que fez Suzuki no 2º movimento do 3º Brandenburguês. Sim, cinco minutos onde não há nada (na minha gravação da Orq. de Freiburg este movimento tem 13 segundos !!!).

Ah, e UM FELIZ DIA DOS PAIS A JOHANN SEBASTIAN !!! ESTEJA ONDE ESTIVER, ELE É VERDADEIRO PAI DE TODOS OS QUE AMAM A MÚSICA !!!

J. S. Bach (1685-1750): Concertos de Brandenburgo e Suítes Orquestrais – Masaaki Suzuki / Bach Collegium Japan

Brandenburg Concerto No. 1 in F major, BWV 1046
1.1. (No tempo indication)
1.2. Adagio
1.3. Allegro
1.4. Menuet – Trio – Menuet – Polonaise – Menuet – Trio – Menuet

Brandenburg Concerto No. 2 in F major, BWV 1047
2.1. (No tempo indication)
2.2. Andante
2.3. Allegro

Brandenburg Concerto No. 3 in G major, BWV 1048
3.1. (No tempo indication)
3.2. Adagio
3.3. Allegro

Brandenburg Concerto No. 4 in G major, BWV 1049
4.1. Allegro
4.2. Andante
4.3. Presto

Brandenburg Concerto No. 5 in D major, BWV 1050
5.1. Allegro
5.2. Affettuoso
5.3. Allegro

Brandenburg Concerto No. 6 in B flat major, BWV 1051
6.1. (No tempo indication)
6.2. Adagio ma non tanto
6.3. Allegro

Orchestral Suite No. 1 in C major, BWV 1066
1.1. Ouverture
1.2. Courante
1.3. Gavotte 1/2
1.4. Forlane
1.5. Menuet 1/2
1.6. Bourrée 1/2
1.7. Passepied 1/2

Orchestral Suite No. 3 in D major, BWV 1068
3.1. Ouverture
3.2. Air
3.3. Gavott 1/2
3.4. Bourrée
3.5. Gigue

Orchestral Suite No. 4 in D major, BWV 1069
4.1. Ouverture
4.2. Bourrée 1/2
4.3. Gavotte
4.4. Menuet 1/2
4.5. Réjouissance

Orchestral Suite No. 2 in B minor, BWV 1067
2.1. Ouverture
2.2. Rondeau
2.3. Sarabande
2.4. Bourrée 1/2
2.5. Polonaise – Double
2.6. Menuet
2.7. Badinerie

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

Suzuki, um monstro
Suzuki, um monstro

PQP

25 comments / Add your comment below

  1. Pou, pou, pou!, champanhe, fogos… e Bratwurst (sim, tratava-se de um bom de um alemão popular, apesar de voar tão alto!)

    A rapaziada conseguiu: domingo 08.08.2010, Dia dos Pais, o site fundado pelo PQP atingiu as 200 postagens de música do seu pai JS! E reparem que não é só 200 CDs, é 200 POSTS. Pela quantidade de CDs de alguns, os CDs devem passar de 300.

    Um dia histórico para a gente relembrar por pelo menos mais dois dias (e não só os 15 minutos do Andy Warhol)! 😀

  2. Adorei essa corrida ao duocentésimo post. Bach é magnífico, como a homenagem que o blog, por existir e ser tão bom, faz a ele.
    Vivam todos vocês, bastardos e agregados!
    Viva Bach, que está em todos nós! (Nossa estou ficando místico, está na hora de parar…)

  3. Excelente, PQP.. este cd já estava no gatilho para ser postado… a melhor gravação dos Brandenburg realizada nos últimos anos. Suzuki e seu conjunto dão um banho … como se diz um comentarista esportivo aqui do estado, “Suzuki, dás um banho”. Mas deixe estar, ainda tenho outra pérola de gravação destes Brandenburg .. quem viver, verá.

  4. Saudações! Visito este blog com freqüência, e agradeço o excelente serviço prestado aos apaixonados da música. Gostaria de saber se algum dos realizadores tem alguma gravação de árias (de opera ou sacras) de Niccolò Jommelli. Ouvi um ‘Veni creator spiritus’, achei lindo, e queria conhecer mais. Grazie!

  5. Já estou baixando! Fico muito feliz por terem aceito a sugestão, abraçando com toda vontade. Um presentão de dia dos pais!!! PQP, é verdade, temos alguns parafusos soltos… ^^

    Um abração a todos os pais! Parabéns a todos que fazem o PQP Bach!

  6. Bom, Vanderson, eu também não gosto de comemorar aniversários de modo convencional, detesto que cantem parabéns, essas coisas… Mas não posso deixar de comentar que vc está entrando numa idade muito legal; não era à toa que a chilena Violeta Parra tinha uma canção sobre “voltar aos 17”. Costuma ser um pouco como se através dos mil embates dos últimos anos se chegasse a um patamar de onde se começa a avistar o mundo em grandes panoramas. E em que o limite de onde a vista alcança – horizonte – começa a exercer a atração de um ideal. Uma inquietude boa de se pôr a caminho para além de tudo o que já se conheceu, empreendimento de valor suficiente para sacrificar a ele as briguinhas pequenas que às vezes a gente vinha travando com a vida imediatamente em torno…

    Um momento, enfim, digno de ter uma trilha sonora de Bach! 😀

  7. Nooooooooooooooooooooooossssaaa! Só agora terminei de baixar e fui ouvir. Ainda estou no primeiro, e já levei o maior susto com o destaque das trompas, que de repente transpareceram com um quê assim meio de jazz… E no segundo movimento a reafirmação obstinada de certas frases dos oboés soou quase Bartók. MÚSICA VIVA acontencendo – VIVAAAAAAAA!!!!!!

  8. Hoje é aniversário de morte de Dmitri Shostakovich, passou um documentário ontem à noite na TV Escola sobre este compositor russo, espero que seja lembrado por este blog de boa música, música absoluta.

  9. Amei este espaço! Parabéns a todos que se dedicam em manter um local onde podemos apreciar a música clássica e erudita. Pena não ter mais os posts de Villa Lobos. Vim sedenda, depois que me disseram que aqui eu encontraria as obras desse nosso mestre, mas cheguei tarde. As feras do capitalismo os destruiram antes que eu tivesse o gosto do gozo. Mas fica aqui o meu agradecimento a todos que se dedicam a manter o PQP. Retornarei mais vezes, certamente!

  10. PQP, aproveita e vê se conserta uma outra falha enooooorme desse no mais impecável e muito amado blog: renove o link do cd de sonatas de Bach com o Auréle Nicolet e o Karl Richter. É inconcebível que um site dessa magnitude esteja há tantos anos sem esse álbum em sua cesta de oferendas.

    Forte abraço, e mais uma vez redundantes obrigados.

    1. Pois é, Charlles, esta postagem foi minha. Vou procurar o CD, que está guardado em algum lugar em minha bagunça, e assim que possível, atualizo o link.

  11. Repetaculê!
    Outro álbum que tinha ido pras cucuias com meu velho “disco duro”. (Só pra dar uma de lusitano após ter terminado de ler todos os poemas de Bocage…)

  12. Segundo o próprio Suzuki, o estranho e curto segundo movimento do Concerto nº 3 já foi considerado o fragmento inicial de um movimento completo que teria sido perdido. Atualmente, porém, essa hipótese estaria afastada e muitos acreditam que Bach deixou espaço para o intérprete fazer um improviso nesse momento. O Bach Collegium Japan tem uma gravação assim, com o Suzuki transformando os 14″ em 1’43” tocados apenas no cravo.

    Porém, nessa gravação do post, em que o movimento dura 4’29”, Suzuki fez uma adaptação do adagio de outra obra, o concerto para três cravos, BWV 1064. Ele diz ter procurado um outro concerto com estrutura similar e o arranjou para o conjunto do Brandemburgo nº 3.

    Outra peculiaridade é que ele gravaram esse Brandenburgo usando o violoncelo de ombro, mais agudo, como uma experiência. Suzuki admite que Bach não fez qualquer menção ao violoncelo tradicional ou de ombro, mas a ideia faria sentido porque o timbre mais agudo acompanharia melhor o restante do conjunto.

    É curioso saber que alguns ouvintes gostam justamente do efeito dissonante dos sopros nessas gravações com instrumentos de época. Eu prefiro o contrário, quando a trompa não parece estar fora do conjunto. como nas gravações mais lentas do I Musici, de 1993, e da OC Stuttgart, de 1985. Acho que essa última é minha favorita.

    O bom é que existem Brandemburgos para todos os gostos, desde o devagar—quase-parando do Festival de Cordas de Lucerna até a correria do La Stravaganza, permitindo que sempre se descubra um sonoridade nova.

Deixe uma resposta