Amaral Vieira (1952): Stabat Mater e Missa pro defunctis + Tributo a Neruda [link atualizado 2017]

Aqui vai o último dos cinco melhores CDs de obras de Amaral Vieira. Os demais serão postados ao longo dos próximos quinze anos. Também deixo um brinde, enviado por um dos visitantes do blog a quem agradeço desde já, embora não lembre de seu nome.

***

Amaral Vieira (1952): Stabat Mater e Missa pro defunctis

1. Stabat Mater, Op 240: 1. Stabat Mater
2. Stabat Mater, Op 240: 2. Cujus animam
3. Stabat Mater, Op 240: 3. O quam tristis
4. Stabat Mater, Op 240: 4. Quae moerebat
5. Stabat Mater, Op 240: 5. Quis est homo
6. Stabat Mater, Op 240: 6. Quis non posset
7. Stabat Mater, Op 240: 7. Pro peccatis
8. Stabat Mater, Op 240: 8. Vidit suum dulcem
9. Stabat Mater, Op 240: 9. Eia Mater
10. Stabat Mater, Op 240: 10. Fac ut ardeat
11. Stabat Mater, Op 240: 11. Sancta Mater
12. Stabat Mater, Op 240: 12. Tui nati vulnerati
13. Stabat Mater, Op 240: 13. Fac me tecum
14. Stabat Mater, Op 240: 14. Juxta crucem
15. Stabat Mater, Op 240: 15. Virgo virginum
16. Stabat Mater, Op 240: 16. Fac ut portem
17. Stabat Mater, Op 240: 17. Fac me plagis
18. Stabat Mater, Op 240: 18. Flammis ne urar
19. Stabat Mater, Op 240: 19. Christe
20. Stabat Mater, Op 240: 20. Quando corpus morietur
21. Missa por defunctis, Op 187: 1. Introitus
22. Missa por defunctis, Op 187: Kyrie
23. Missa por defunctis, Op 187: 2. Dies Irae
24. Missa por defunctis, Op 187: 3. Offertorium
25. Missa por defunctis, Op 187: 4. Sanctus
26. Missa por defunctis, Op 187: Benedictus
27. Missa por defunctis, Op 187: 5. Agnus Dei
28. Missa por defunctis, Op 187: 6. Libera me

Orchestra: Slovak Philharmonic Orchestra
Choir: Slovak Philharmonic Choir
Conductor: Marian Vech

Soloists
Adriana Kohutkova, soprano
Denisa Slepkovska, mezzo-soprano
Simon Somorjai, tenor
Stanislav Benacka, baritone
Vladimir Kubovcik, bass

[Gratíssimo ao Avicenna pelos dados deste CD]

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

Amaral Vieira (1952): Poemas de Amor y Uma Canción Desesperada opus 179b
Versos de Pablo Neruda & Música de Amaral Vieira

1. Amaral Vieira, Brasil:
Cuerpo de Mujer, para canto e piano [3:46]
2. Ignacio Cervantes, Cuba (1874-1905):
La Celosa, dança cubana para piano [1:07]
3. Amaral Vieira, Brasil:
En su llama mortal, para canto e piano [3:07]
4. Enrique Soro, Chile (1884-1954):
Zamacueca, baile popular chileno para piano [3:00]
5. Amaral Vieira, Brasil:
Ah vastedad de pinos, para canto e piano [2:40]
6. Alberto Williams, Argentina (1862-1954):
Cortejo campestre, para piano [2:45]
7. Amaral Vieira, Brasil:
Es la mañana llena de tempestad, para canto e piano [2:44]
8. Armando Palmero, Bolívia (1900-1968):
Poema Índio, para piano [1:43]
9. Amaral Vieira, Brasil:
Te recuerdo, para canto e piano [4:39]
10. Dalmiro Costa, Uruguai (1836-1901):
La Pecadora, Habanera para piano [3:21]
11. Amaral Vieira, Brasil:
Para mi corazón, para canto e piano [3:04]
12. Reynaldo Hahn, Venezuela (1875-1947):
Si mes vers avaient des ailles, para piano [1:20]
13. Amaral Vieira, Brasil:
Puedo escribir los versos más tristes, para canto e piano [5:56]
14. Amaral Vieira, Brasil:
La Canción Desesperada, para canto e piano [7:04]

ELOISA BALDIN, meio-soprano
AMARAL VIEIRA, piano

Gravação ao vivo: Memorial da América Latina
Primeira gravação mundial
Selo Vela/Concertos 22-C005

[Obrigado ao Antônio Duarte pela relação de faixas. Em retribuição, reproduzo o comentário dele acerca deste CD]
É uma grande alegria ter o Stabat Mater de Amaral Vieira disponibilizado neste blog. Já escrevi anteriormente que considero essa a mais importante obra sacra de compositor brasileiro. Como já tenho este cd, comentarei sobre o Tributo a Neruda, que é uma novidade para mim. Já pudemos constatar nas obras sacras que A. Vieira escreve magnificamente bem para a voz e isso se confirma nas 9 canções incluídas neste post. É admirável o lirismo de “Te recuerdo” e “Para mi corazon”, o drama de “Es la mañana llena de tempestad” e de “La Canción Desesperada”, a delicadeza de “Ah vastedad de pinos”, a sensualidade de “Cuerpo de Mujer”. As pequenas jóias latino-americanas para piano que entremeiam as canções são tocadas de modo muito refinado. É difícil imaginar que o cd inteiro tenha sido gravado ao vivo no Memorial da América Latina de São aulo, que tem uma das mais complicadas acústicas do planeta. Eloisa Baldin uma vez mais comprova sua excelência na interpretação de obras de Amaral Vieira (já a conhecíamos nas gravações da Fantasia-Coral e do Magnificat). Uma única ressalva: na reprodução do fundo de caixa do cd, Eloisa Baldin consta como soprano, mas no meu modesto entender o seu registro está mais para meio-soprano ou até mesmo contralto.

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

Já viu nossos mais de 100 endereços para baixar partituras? Clique aqui

Amaral Vieira
Amaral Vieira

CVL

31 comments / Add your comment below

  1. O primeiro BAIXE AQUI – referente ao Stabat Mater e Missa pro defunctis – está inativo. Eis a mensagem do Rapidshare:
    Error
    This file has been removed from the server, because the file has not been accessed in a long time.
    Mas o do Tributo a Neruda funciona bem – lindas obras.
    É possível verificar o que está acontecendo com o Stabat Mater? Obrigado!

  2. Não consigo fazer o download do Stabat Mater. Vc gostaria das informações sobre faixas e intérpretes do CD Stabat Mater + Missa pro defunctis ou também do Tributo a Neruda (neste há 4 arquivos de imagem com capa e contracapa escaneados). Vc tem razão: final de ano é uma canseira só!

  3. Tem mesmo alguma coisa errada com o arquivo do Stabat mater. SErá que é falha do Rapidshare? Mas gostei muito das Canções sobre poemas de Neruda, intercaladas com breves peças para piano de compositores latino-americanos. Todo mundo deve estar sobrecarregado neste final de ano, mas acho que teria sido melhor postar os Cds separadamente. Vou procurar o programa detalhado de cada um deles, como o amigo CVL solicitou. Ah, para que esperar mais quinze anos para postar os próximos Cds de Amaral Vieira? De acordo com o que tenho observado, as obras têm tido excelente receptividade. Ou?

  4. Tem mesmo alguma coisa errada com o arquivo do Stabat mater. SErá que é falha do Rapidshare? Mas gostei muito das Canções sobre poemas de Neruda, intercaladas com breves peças para piano de compositores latino-americanos. Todo mundo deve estar sobrecarregado neste final de ano, mas acho que teria sido melhor postar os Cds separadamente. Vou procurar o programa detalhado de cada um deles, como o amigo CVL solicitou. Ah, para que esperar mais quinze anos para postar os próximos Cds de Amaral Vieira? De acordo com o que tenho observado, suas obras têm tido excelente receptividade. Ou?

  5. É uma grande alegria ter o Stabat Mater de Amaral Vieira disponibilizado neste blog. Já escrevi anteriormente que considero essa a mais importante obra sacra de compositor brasileiro. Como já tenho este cd, comentarei sobre o Tributo a Neruda, que é uma novidade para mim. Já pudemos constatar nas obras sacras que A. Vieira escreve magnificamente bem para a voz e isso se confirma nas 9 canções incluídas neste post. É admirável o lirismo de “Te recuerdo” e “Para mi corazon”, o drama de “Es la mañana llena de tempestad” e de “La Canción Desesperada”, a delicadeza de “Ah vastedad de pinos”, a sensualidade de “Cuerpo de Mujer”. As pequenas jóias latino-americanas para piano que entremeiam as canções são tocadas de modo muito refinado. É difícil imaginar que o cd inteiro tenha sido gravado ao vivo no Memorial da América Latina de São aulo, que tem uma das mais complicadas acústicas do planeta. Eloisa Baldin uma vez mais comprova sua excelência na interpretação de obras de Amaral Vieira (já a conhecíamos nas gravações da Fantasia-Coral e do Magnificat). Uma única ressalva: na reprodução do fundo de caixa do cd, Eloisa Baldin consta como soprano, mas no meu modesto entender o seu registro está mais para meio-soprano ou até mesmo contralto. Logo mais voltarei com a lista detalhada das obras deste cd. Gostaria de pedir ao CVL que as incluísse em lugar visível, caso possível. São informações importantes para quem pretende baixar o arquivo. Sei que estamos sempre pedindo um milhão de coisas, mas somos todos muito gratos pela generosidade da equipe de PBP Bach em nos oferecer continuamente os melhores registros da música de concerto. Saudações cordiais a todos.

  6. TRIBUTO A NERUDA

    Poemas de Amor y Uma Canción Desesperada opus 179b
    Versos de Pablo Neruda & Música de Amaral Vieira

    1. Amaral Vieira, Brasil:
    Cuerpo de Mujer, para canto e piano [3:46]

    2. Ignacio Cervantes, Cuba (1874-1905):
    La Celosa, dança cubana para piano [1:07]

    3. Amaral Vieira, Brasil:
    En su llama mortal, para canto e piano [3:07]

    4. Enrique Soro, Chile (1884-1954):
    Zamacueca, baile popular chileno para piano [3:00]

    5. Amaral Vieira, Brasil:
    Ah vastedad de pinos, para canto e piano [2:40]

    6. Alberto Williams, Argentina (1862-1954):
    Cortejo campestre, para piano [2:45]

    7. Amaral Vieira, Brasil:
    Es la mañana llena de tempestad, para canto e piano [2:44]

    8. Armando Palmero, Bolívia (1900-1968):
    Poema Índio, para piano [1:43]

    9. Amaral Vieira, Brasil:
    Te recuerdo, para canto e piano [4:39]

    10. Dalmiro Costa, Uruguai (1836-1901):
    La Pecadora, Habanera para piano [3:21]

    11. Amaral Vieira, Brasil:
    Para mi corazón, para canto e piano [3:04]

    12. Reynaldo Hahn, Venezuela (1875-1947):
    Si mes vers avaient des ailles, para piano [1:20]

    13. Amaral Vieira, Brasil:
    Puedo escribir los versos más tristes, para canto e piano [5:56]

    14. Amaral Vieira, Brasil:
    La Canción Desesperada, para canto e piano [7:04]

    ELOISA BALDIN, soprano
    AMARAL VIEIRA, piano

    Gravação ao vivo: Memorial da América Latina
    Primeira gravação mundial
    Selo Vela/Concertos 22-C005

  7. Sempre sobra para mim! …

    1. Stabat Mater, Op 240: 1. Stabat Mater
    2. Stabat Mater, Op 240: 2. Cujus animam
    3. Stabat Mater, Op 240: 3. O quam tristis
    4. Stabat Mater, Op 240: 4. Quae moerebat
    5. Stabat Mater, Op 240: 5. Quis est homo
    6. Stabat Mater, Op 240: 6. Quis non posset
    7. Stabat Mater, Op 240: 7. Pro peccatis
    8. Stabat Mater, Op 240: 8. Vidit suum dulcem
    9. Stabat Mater, Op 240: 9. Eia Mater
    10. Stabat Mater, Op 240: 10. Fac ut ardeat
    11. Stabat Mater, Op 240: 11. Sancta Mater
    12. Stabat Mater, Op 240: 12. Tui nati vulnerati
    13. Stabat Mater, Op 240: 13. Fac me tecum
    14. Stabat Mater, Op 240: 14. Juxta crucem
    15. Stabat Mater, Op 240: 15. Virgo virginum
    16. Stabat Mater, Op 240: 16. Fac ut portem
    17. Stabat Mater, Op 240: 17. Fac me plagis
    18. Stabat Mater, Op 240: 18. Flammis ne urar
    19. Stabat Mater, Op 240: 19. Christe
    20. Stabat Mater, Op 240: 20. Quando corpus morietur
    21. Missa por defunctis, Op 187: 1. Introitus
    22. Missa por defunctis, Op 187: Kyrie
    23. Missa por defunctis, Op 187: 2. Dies Irae
    24. Missa por defunctis, Op 187: 3. Offertorium
    25. Missa por defunctis, Op 187: 4. Sanctus
    26. Missa por defunctis, Op 187: Benedictus
    27. Missa por defunctis, Op 187: 5. Agnus Dei
    28. Missa por defunctis, Op 187: 6. Libera me

  8. Amaral Vieira (1952) – Stabat Mater e Missa pro defunctis

    Orchestra: Slovak Philharmonic Orchestra
    Choir: Slovak Philharmonic Choir
    Conductor: Marian Vech
    Soloists:
    Adriana Kohutkova, soprano
    Denisa Slepkovska, mezzo-soprano
    Simon Somorjai, tenor
    Stanislav Benacka, baritone
    Vladimir Kubovcik, bass

  9. Inspiradíssimo este Stabat Mater, assim como a Missa pro defunctis. Obras da mais alta qualidade artística e que comprovam, uma vez mais, a posição única ocupada por Amaral Vieira no mundo da música erudita atual. Compositor, intérprete, pedagogo, pesquisador, comunicador, animador cultural, evoca a imagem de um homem da Renascença em seus muti-facetados talentos e interesses. Já esteve algumas vezes no Programa do Jô – é um homem simples, simpático, sem qualquer afetação, empáfia ou vaidade, é pessoa inteiramente dedicada à sua arte.
    Passarei o domingo escutando este Stabat Mater mil vezes, de manhã até a noite. Achei as duas cantoras (Adriana Kohutkova e Denisa Slepkovska) deslumbrantes. E o Slovak Philharmonic Choir é impressionante nas duas obras. MUITO OBRIGADO, CVL, AVICENNA E PQPBACH POR MAIS ESTE PRESENTÃO!

  10. Stabat Mater – uma obra sublime!
    Missa pro defunctis – uma obra profunda!
    Amaral Vieira – um compositor genial!
    Este site – um presente dos céus!

  11. Amigos, encontrei no Google as seguintes notas de programa sobre a Missa pro defunctis de Amaral Vieira. Creio que oferecem informações interessantes para quem estiver baixando as gravações. Infelizmente não encontrei este mesmo texto em português.

    AMARAL VIEIRA
    MISSA PRO DEFUNCTIS

    The Missa pro defunctis opus 187 is probably the sacred work by Amaral Vieira which evokes more clearly the traditional models of religious choral music.
    Written for “a cappella” chorus, it has the unmistakable sound of the choral music of the Renaissance, with all the religious connotations associated with this repertory.
    However, rather than choosing to write in a dense and intricate counterpoint reminiscent of the Renaissance practice, Amaral Vieira opted for a more homophonic texture in which there is very little imitation between the parts.
    As a consequence, the music seems to glow with a serene and contemplative beauty.
    As a means of articulating the form of the different sections, the composer took advantage of the timbre of the different voices in order to create blocks of sound connected by short monophonic lines.
    Furthermore, a sense of balance is created by the parallelism found in the melodies, for the most part built in pairs of short interrelated motives. This process is given special prominence during the Dies irae, whose anxious energy seems to express mankind’s fear of the Last Judgement.
    In order to achieve this effect, the composer uses very short motives separated by rests, so that the utterance of the chant assumes the character of a frightened outcry for mercy.
    Throughout this work, a sense of relief is accomplished at major cadential points by the coming together of all the voices in a homophonic texture, as if confusion had been replaced by serenity and peace.
    This is particularly noticeable in the contrasts created by pairs of sections such as Offertorium/Dies irae and Sanctus/Benedictus.
    In some cases, the melodic rhythm seems to appropriate the rhythm of speech, thus leading even more poignancy to the pleas for mercy, such as in the dona nobis pacem section of the Agnus Dei. In the Libera me, at the mention of the words dies irae, dies illa, Amaral Vieira quotes the melodic motives that open the sequence Dies irae itself, thus establishing not only a musical link between these two sections, but also pointing to their textual relationship. In fact, according to some theories, the sequence Dies irae developed into an independent composition through the elaboration of that sentence found in the Libera me responsory.
    By showing the connections between these two sections, Vieira also achieves a sense of cyclical return which rounds off the form and leads to its peaceful conclusion.

    Program Notes – James Melo, New York University.

  12. Agora vai o texto sobre o Stabat Mater (aina em inglês, desculpem!)

    AMARAL VIEIRA / STABAT MATER, OPUS 240

    The evolution of Western music has always been closely linked to the development of different religious currents and to the establishment of ceremonies pertinent to each religion. Since Emperor Constantine validated Christianism as a tolerated religion within the Roman Empire, through the Edict of Milan of 313 C.E., the ceremonies of the Christian Church became increasingly solemn and elaborated. All the musical forms associated with the Christian Liturgy were established in the period between the 5th and the l4th centuries. In spite of some local variants, this liturgical repertory was fairly consistent in regard to the function and position of some pieces within the religious calendar. Several of these works became an important vehicle for the evolution of our musical language, and composers from every period have turned their attention to the creation of works with a specific liturgical purpose, or simply as a means of conveying a sense of transcendence. The works on this recording represent a sample of the vast sacred output of the Brazilian composer Amaral Vieira. As we shall see, the composer reveals an extraordinary sensitivity to the expressive devices appropriate for each of these works.
    The Stabat Mater belongs to a genre of liturgical composition called sequence, whose origins can be found in the 9th century. Technically speaking, the sequence was the addition of text to the final melisma of the Alleluia, as a means of facilitating its memorization. Notker Balbulus (c.840-912), a St. Gall monk who got the idea from another monk from Rouen who was fleeing the Norman invasion in France, was one of the first to use the sequence with this purpose. In the 12th century the sequence established itself as an independent piece in which text and music were closely related, and as such it became one of the most influential of all the literary and musical forms of the Middle Ages. The proliferation of sequences, 4500 of which were composed during the Middle Ages, and the fact that their texts did not come from the Bible, led the ecclesiastical authorities to take drastic measures in order to restrict their usage. As a result of the Council of Trent (1545-1563) the number of sequences that remained in use was reduced to five (Victimae paschali laudes, Veni sancte spiritus, Lauda Sion, and Dies irae). The principal advocate for this restriction in the use of sequences was the bishop of Vienne (France) who expressed his view in a document sent to Pope Paul III in June of 1543: “nothing should be read or sung in church unless it is taken directly from the Sacred Books, or unless it has at least a direct relation to them” (Concilium Tridentinum: Diariorum, ed. J. Massarelii, 9 vols., Freiburg, 1901-1924). Because the texts of the sequences lacked the aura of divine inspiration surrounding the biblical texts, we may understand why their usage was severely restricted. In 1727, however, the sequence Stabat Mater, which had been abolished by the Council of Trent, had its liturgical use reinstated by the initiative of Pope Benedict XIII. This sequence, attributed to the Franciscan monk Jacopone da Todi (1236-1306), became popular at the end of the l5th century and since then it has inspired a variety of composers throughout history, among them Josquin Desprez, Palestrina, Boccherini, Pergolesi, Haydn, Rossini, Dvorák, and Poulenc. Approximately 100 compositions of this sequence can be identified in the period between 1700 and 1883.

    The Stabat Mater opus 240 was written in 1988, in a version for soloists, chorus and piano. A second version, with string orchestra replacing the piano, was completed in 1989. This piece is divided into several parts according to the different sections of the text. In spite of their relative independence, these sections sometimes complement each other in order to create a sense of continuous thematic development. Except for the soprano part, of central importance in this work, the other solo voices function as a means of articulating the musical structure through their brief interventions. Despite the tragic and somber character of text, the work concludes in a tone of victorious optimism as a symbol of human redemption through the suffering and martyrdom of Christ. This piece had its premiere at the Sao Paulo Cathedral during an Easter concert on March 23, 1989, in the presence of distinguished ecclesiastical authorities, among them the Archbishop Dom Paulo Evaristo Arns, Cardinal Dario Bevilacqua, and a great number of worshipers.

    Program Notes: James Melo, New York University

  13. Os posts são magníficos. Permitam uma pequena correção: o nome do regente do Staba Mater é Marian Vách, o da Missa pro defunctis a cappella é Jan Rozenhal. Parabéns pelo blog, insuperável.

  14. Olá, CVL, estou voltando de uma longa viagem e encontrei para minha alegria o post com o Tributo a Neruda, de Amaral Vieira. Li na descrição que o amigo não se lembrava quem havia enviado esse arquivo para o site e aqui estou para dizer que fui eu, no mês de setembro. Vocês estão se superando a cada semana. Vou agora baixar o Stabat Mater e Missa pro defunctis do Amaral. Saudações musicais!

  15. Muito obrigada, Flávio, pela recomendação do trabalho do Dr, Valdimir Silva sobre o Stabat Mater de Amaral Vieira. É um estudo sério e profundo, que mereceria ser traduzido para o português. Quanto às obras, somente posso dizer que são extraordinárias. O Stabat Mater é uma das mais belas obras sacras que escutei nos últimos tempos. O primeiro movimento foi incluído na trilha sonora de um filme checo que assisti no ano passado em algum canal de tv a cabo, cujo título não consigo me lembrar. Era um filme sobre a crise espiritual de um médico inconformado por não ter sido capaz de salvar a vida do próprio filho. Aquela melodia profundamente pungente não me saiu da cabeça durante um bom tempo. Se alguém souber o nome desse filme, avise por favor. Obrigada pela atenção. Maria Cristina.

  16. Maria Cristina, acredito que o filme que você está procurando chama-se “Na psí knízku”, do diretor Frantisek Filip e foi filmado em 2003. Eles devem ter utilizado na trilha sonora a gravação feita na Eslováquia do Stabat Mater de Vieira.

  17. Muitíssimo obrigada por sua gentileza, Marcelo. Vou agora atrás desse filme. Quando encontrar, deixo uma mensagem aqui. Um ótimo final de semana para você e para todos os amigos deste blog-wonderland! Maria Cristina

  18. Baixei os dois arquivos (Tributo a Neruda e Stabat Mater) e ainda o Rudepoema – e como a frase está na moda, digo: Amaral Vieira é o cara. Versátil como compositor e intérprete, ocupa lugar único neste país onde somente os escândalos do governo parecem merecer espaço na mídia. Um pianista que consegue fazer uma gravação do Rudepoema superior ao Nelson Freire, mereceria já só todos os aplausos. Acrescente-se a isso uma produção de mais de 500 títulos como compositor, da qualidade deste Stabat Mater e desta Missa pro defunctis, pouco resta a acrescentar. O cara detona, como compositor e como intérprete. Mas faz quantos anos que não toca no Rio de Janeiro? A última vez que esteve por aqui foi quando tocou com a Petrobrás Pro Musica a Fantasia Wanderer de Schubert, sob a regência do grande Osvaldo Colarusso. Quantos anos atràs? Nem eu sei dizer, mas lembro-me que foi um concerto memorável. Está para existir outro país que maltrate os seus artistas como o Brasil. Mas o tempo fará justiça, ainda que postumamente. Vocês estão de parabéns por não esperar o artista morrer para homenageá-lo. Obrigado. Francisco Ribeiro, Rio de Janeiro

  19. Loas a Amaral Vieira. O que ele tem de “PhD” como músico, em todos os aspectos, tem de humilde como pessoa. Se não tivesse a personalidade que tem, ele seria um novo Richard Wagner.

  20. Só para esclerecer, saiu errado mesmo o meu registro vocal nos créditos do CD, sou meio soprano.
    Vai ver eles entenderam que “meio soprano” tinha alguma coisa de errado … hehehehehe, como já ouvi uma vez:
    – Ah, você é meio soprano, vai ser um soprano inteiro um dia ??

    Brincadeiras à parte, muito obrigada e para mim é sempre um grande prazer poder estrear novas peças de meu querido amigo e grande compositor, músico, pianista, professor, etc… etc… Amaral Vieira!

    1. Hahaha, que sacanagem! As mezzos têm de se contentar com servir cafezinho ou ser alcoviteiras… Quando não são chutadas para fora porque foram substituídas por contratenores…

      E ainda têm de ouvir essas coisas!!

  21. Eloisa, você é uma grande cantora e acho que tem grande afinidade com a música de Amaral Vieira. Admiro as suas interpretações da Fantasia-Coral e do Magnificat desse grande compositor e agora das Canções sobre Poemas de Neruda. Quando será que poderemos ouvir em terras tupiniquins este Stabat Mater que nada fica a dever às melhores obras do gênero? Com a palavra os senhores maestros… Ainda bem que temos este site que tanto prestigia da música brasileira. Obrigado em nome de todos e um abraço.

  22. Dear José Carlos
    Thank you very very much for this wonderful post. You guys do such an excellent work here to introduce the Brazilan gems to the world!!!
    Could you please reupload the Oswald Piano Quintet, I think this composer is one of the most neglected genius of his time. I left a comment some time ago at this post, but I realize this post might be too old to see it, hence my request here.
    Thanks again for all your efforts to keep us entertained….
    Best wishes from South Africa
    Jan

Deixe uma resposta