Paulo Costa Lima (1954) e Wellington Gomes (1960) – Outros ritmos

Um amigo meu que sempre manda CDs para eu postar aqui – isso quando não já tenho a gravação – me perguntou: “Você tem algo contra a Bahia e o Pará? Vejo você postar coisas de compositores do Sul, do Sudeste e de Pernambuco e Paraíba, mas nunca daqueles dois Estados”.

Pois é, faltou mencionar também compositores como o cearense Liduíno Pitombeira (de quem só divulguei uma única peça até hoje no PQP) ou o carioca radicado matogrossense Roberto Victorio, sem falar de um compositor standard [dentre os nacionais] nascido no Amazonas, que foi Claudio Santoro…

Tenho repertório para ficar postando por mais uns três anos, caso eu aparecesse todo dia por aqui [isso para não falar nos vinis que ainda não digitalizei – há coisas raras dos anos 60 e 70 que são espetaculares], mas, pelo contrário, tenho de anunciar hoje meu afastamento deste estimado blog devido a uma nova etapa profissional, que vai me obrigar a deixar o país.

Acabei escolhendo um CD que já estava disponível para download no Música Brasileira de Concerto. Mesmo assim, que é representativo da produção de câmara e orquestral de dois dos mais destacados compositores vivos baianos – alunos dos bambas que integraram a primeira geração do Grupo de Compositores da Bahia há cerca de 50 anos.

Se é verdade que todo grande criador musical brasileiro teve de botar um pé num terreiro, literalmente falando (vide Villa, Guerra, Guarnieri, Siqueira, acho que Mignone também…), em Salvador esse item parece ser estágio obrigatório na Escola de Música da UFBA, pois os baianos – incluindo os compositores mais novos – sabem como ninguém incorporar as matrizes rítmicas africanas a qualquer linguagem instrumental ou estrutural de forma orgânica, fluida.

No presente CD, a faixa que mais sintetiza essa simbiose, desde seu título, é Atotô do l’homme armé, de Paulo Costa Lima. Contudo, prestem atenção na Fantasia para violoncelo e orquestra de câmara, de Wellington Gomes, cuja escrita também é de primeiro nível.

No mais, evito despedidas e espero aparecer fortuitamente por aqui, nem que seja para contribuir com comentários. Quem sabe outro membro do blog ou um futuro novato não pegue meu acervo pra ir dando conta dele. Abraço a todos.

BAIXE AQUI (Não, não baixe aí. O fechamento do Megaupload ferrou tudo. Recorra ao link abaixo mesmo.)

CVL

Vocês também podem baixar o CD no blog parceiro Música Brasileira de Concerto, onde está a lista de faixas e intérpretes.


0 comments / Add your comment below

  1. Pô , CVL, fiquei triste. Vamos sentir saudades de seu bom humor e conhecimento sobre a música brasileira. Espero que dê tudo certo nesta nova etapa de sua vida.

  2. Evidentemente nosotros de la casa nunca vamos acreditar nessas despedidas de membros da equipe… Mais cedo ou mais tarde todo mundo reaparece… Pequepiar vicia mais que cocaína – será porque aqui só tem craque? 😉

    Enfim: ainda não deu tempo de ouvir esta postagem baiana, mas já deu pra encher umas três bacias de saliva… Mais à frente comento e… claro que estarei à espera da próxima recaída 😀

  3. Vai fazer falta, CVL, seus comentários sempre foram excelentes. Postagens a gente entende que voce não faça, mas acho que lá nas estranjas também tem internet, dá pra deixar umas mensagenzinhas aqui nesse bate-papo, né mesmo? Só pra matar a saudade. Tudo de bom pra voce, uma mudança de ares faz bem, aproveite lá mas volte…

  4. Putz, CVL, estou aqui feliz com a postagem, descendo o arquivo, também triste com essa despedida e esperançoso de que você não resista em aparecer sempre no PQP e continuar a dar suas contribuições de valor inestimável, seja nos inteligentes comentário, seja em, pelo menos, algumas postagens esporádicas para saciar essas sede insaciável que temos de conhecer mais esse mundo, esse universo imenso e maravilhosos da música! Um abraço bem apertado do Bisnaga.

Deixe uma resposta