Giuseppe Verdi (1813-1901) – La Traviata (ópera em três atos)

Como estou numa preguiça danada de escrever, decidi utilizar o texto da wikipédia. Já fazia um certo tempo que eu tencionava postar esta ópera. Não sou muito afeito às óperas, mas abrirei uma exceção a esta linda e comovente obra de Verdi.

La traviata (em português A transviada) é uma ópera em quatro cenas (três ou quatro atos) de Giuseppe Verdi com libreto de Francesco Maria Piave. Foi baseada no romance A Dama das Camélias, de Alexandre Dumas Filho. Foi estreada em 6 de março de 1853 no Teatro La Fenice, em Veneza.

Ato I

É noite de festa na casa da socialite Violetta Valéry. Violetta, prometida ao Barão Douphol, é apresentada por seu amigo Gastone de Letorières a seu amigo Alfredo Germont. Gastone conta que ele já conhecia Violetta há algum tempo e a amava em segredo. Alfredo, então, ergue um brinde a Violetta e lhe faz uma declaração de amor. Violetta responde a Alfredo que, sendo uma mulher mundana, não sabe amar e que só lhe poderia oferecer a amizade, sendo que Alfredo deveria procurar outra mulher. Mas ainda assim, entrega-lhe uma camélia que carrega entre os seios e solicita a ele que volte no dia seguinte. Após o fim da festa, Violetta permanece só e começa a se dar conta do quão profundamente lhe tocaram as palavras de Alfredo, um amor que ela jamais conheceu anteriormente.

Ato II

Violetta e Alfredo iniciam um relacionamento amoroso e vão morar numa casa de campo, nos arredores de Paris. Aninna, a criada de Violetta, conta a Alfredo que Violetta tem ido constantemente a Paris vender seus bens, para custear as despesas da casa de campo. Giorgio Germont, pai de Alfredo, visita Violetta e lhe suplica que abandone Alfredo para sempre. Giorgio conta-lhe sobre sua família e especialmente sua filha, na Provença, e acredita que ver Alfredo envolvido com uma mulher mundana destruiria sua reputação. Contrariada, Violetta atende as súplicas de Giorgio e lacra um envelope endereçado a Alfredo. Violetta parte para uma festa na casa de sua amiga Flora Bervoix e Alfredo lê a carta. Desconfiado de que Violetta possa tê-lo traído, Alfredo vai até a casa de Flora, para se vingar.

Ato III

A festa tem início com um grupo de mascarados que lhes proporcionam um divertimento. Violetta chega à festa acompanhada do Barão Douphol. Alfredo surge logo em seguida. Alfredo começa a jogar com o Barão e ganha. Em um momento em que o jantar é servido, Violetta e Alfredo permanecem a sós no salão e Alfredo força-a a confessar a verdade. Violetta, mentindo, diz amar o barão. Furioso, Alfredo convoca todos para o salão e atira na cara de Violetta todo o dinheiro conseguido no jogo e desafia Douphol para um duelo. Violetta desmaia, Alfredo é reprimido por todos e a festa termina.

Ato IV

Violetta está doente e empobrecida, depois de se desfazer de todos os bens. Tomada pela tuberculose, recebe cartas de vários amigos e uma, em especial, chama a atenção. É de Giorgio Germont, arrependido por ter colocado Violetta contra Alfredo. Giorgio e Alfredo visitam Violetta, e eles todos se reconciliam. Violetta e Alfredo começam a fazer planos para a vida depois de que Violetta se recuperar. Entretanto, Violetta está muito debilitada fisicamente e começa a sentir o corpo falhar. Entrega a Alfredo um retrato seu e avisa-o para que o entregue à próxima mulher por quem ele se apaixonar. Violetta sente os espasmos da dor cessarem, mas em seguida expira.

Importante: Observação: em algumas montagens, o terceiro ato é representado como sendo a segunda cena do segundo ato. O quarto ato, nesse caso, corresponderia ao terceiro. É o caso desta gravação.

Giuseppe Verdi (1813-1901) – La Traviata (ópera em três atos)

DISCO 1

01. Preludio

Ato I
02. Introduzione. Dell’invito trascorsa è già l’ora
03. Brindisi. Libiamo ne’ lieti calici
04. Valzer e Duetto. Che è ciò?
05. Valzer e Duetto. Un dì felice, eterea
06. Valzer e Duetto. Ebben? che diavol fate?
07. Stretta dell’Introduzione. Si ridesta in ciel l’aurora
08. Scena ed Aria – Finale. È strano! – Ah, fors’è lui
09. Scena ed Aria – Finale. Follie! Follie! Delirio vano è questo! – Sempre libera

Ato II

10. Scene 1. Scena ed Aria. Lunge da lei – De’ miei bollenti spiriti
11. Scene 1. Scena ed Aria. Annina, donde vieni? – Oh mio rimorso!
12. Scene 1. Scena e Duetto. Alfredo? / Per Parigi or or partiva
13. Scene 1. Scena e Duetto. Pura siccome un angelo
14. Scene 1. Scena e Duetto. Non sapete quale affetto
15. Scene 1. Scena e Duetto. Un dì, quando le veneri
16. Scene 1. Scena e Duetto. Ah! Dite alla giovine
17. Scene 1. Scena e Duetto. Imponete / Non amarlo ditegli
18. Scene 1. Scena. Dammi tu forza, o cielo!
19. Scene 1. Scena. Che fai? / Nulla
20. Scene 1. Scena ed Aria. Ah, vive sol quel core
21. Scene 1. Scena ed Aria. Di Provenza il mar, il suol
22. Scene 1. Scena ed Aria. Né rispondi d’un padre all’affetto? – No, non udrai rimproveri

DISCO 2

01. Scene 2. Finale 2. Avrem lieta di maschere la notte
02. Scene 2. Finale 2. Noi siam zingarelle
03. Scene 2. Finale 2. Di Madride noi siam mattadori
04. Scene 2. Finale 2. Alfredo! Voi!
05. Scene 2. Finale 2. Invitato a qui seguirmi
06. Scene 2. Finale 2. Ogni suo aver tal femmina
07. Scene 2. Finale 2. Di sprezzo degno se stesso rende
08. Scene 2. Finale 2. Alfredo, Alfredo, di questo core

Ato III

09. Preludio
10. Scena ed Aria. Annina? / Comandate?
11. Scena ed Aria. Teneste la promessa – Attendo, attendo, né a me giungon mai! – Addio del pass
12. Baccanale. Largo al quadrupede
13. Scena e Duetto. Signora… / Che t’accadde? / Parigi, o cara, noi lasceremo
14. Scena e Duetto. Ah, non più! – Ah, gran Dio! Morir sì giovine
15. Finale ultimo. Ah, Violetta! – Voi, Signor?
16. Finale ultimo. Prendi, quest’è l’immagine

Bayerisches Staatsorchester Bayerischer Staatsopernchor
Ileana Cotrubas———-Violetta Valery
Placido Domingos——–Alfredo Germont
Sherrill Milnes———-Giorgio Germont
Carlos Kleiber, regente

BAIXAR AQUI CD1
BAIXAR AQUI CD2

Carlinus

14 comments / Add your comment below

  1. Prezados filhos Bach,

    O presente comentário tem o intuito de tirar, se possível, uma dúvida cruel: algum de vocês sabe o que houve com o classiclibrary.blogspot.com, se ele está apenas fechado temporariamente, ou, quem sabe, apenas mudando de nome?!?
    Resolvi perguntar a vocês, nesse post mesmo, já que o blog fazia parte da lista de links daqui e não encontrei nenhum email para contato com vocês.
    Enfim, é isso, desde já, obrigada!

  2. Almeida, consegui acessar o classics através de outro blog, por algum motivo o nosso link não está funcionando. Mas eles continuam postando.

  3. Grande Carlinus:

    Excelente ópera do velho Verdi e muito boa gravação. Não gosto muito do Plácido Domingo porque ele tem MUITAS LIMITAÇÕES; é um excelente ator, mas deixa um pouco a desejar em momentos importantes das óperas, além de ter um registro agudo questionável. Contudo, nesta gravação até que ele vai bem (existe uma outra onde ele me parece mais limitado: gravação do MET com Teressa Stratas, sob a regência do James Levine) Cotrubas é excelente soprano e nesta gravação está impecável como Violeta.

    Como Violeta prefiro nomes mais conhecidos como Callas, Scotto, Moffo, Stella, Sutherland e Tebaldi. Para mim, os melhores intérpretes do poeta Rodolfo são Gigli, Di Stefano, Kraus, Pavarotti, e Bergonzi.

  4. Por Bach!!! O nobilíssimo site tem uma terrível carência de Verdi. Sei que P.Q.P. não é afeito à óperas, mas isso se trata de um dos maiores compositores da História, de um dos pilares mais dourados do Romantismo e um órgão vital da música italiana. Criador de temas inesquecíveis e maravilhosos, o genial Verdi merece ter suas melhores obras postadas. Deixemos o preconceito em relação às óperas, mesmo que dependam tanto da visão, porque este site necessita de Verdi. É como uma cozinha sem geladeira, ou uma geladeira vazia. F.D.P., injete Romantismo de qualidade neste site! Que saudades de Il Trovatore… Que tal essa e também outras como Nabucco, Rigoletto, Aída? São obras que nos fazem viajar na fantasia e na sensação. Espero que tenham reconhecido a monumentalidade e prestígio dessa tarefa, que com certeza terão todo o prazer e contentamento de realizar. Desde já, agradeço imensamente…

  5. Gabriel, concordo contigo com relação às óperas.
    A falta de tempo e a disposição são as grandes inimigas das postagens. Não tenho um acervo grande de óperas, ao contrário, não passam de umas vinte de compositores do século XIX, como Puccini e Verdi. Sempre sugiro procurarem em outros sites, existem alguns inclusive dedicados exclusivamente à ópera, com gente que entende do assunto discutindo. Já ouvi mais ópera, mas atualmente não tenho mais tempo para isso. Não tenho tempo útil para ouvir durante 3 horas seguidas uma ópera de Verdi ou Puccini.
    Com relação à números de downloads, curiosamente as óperas não tem muita aceitação aqui no PQP, não entendo o porquê. Com exceção de Wagner, cujos downloads passaram facilmente dos 2000 downloads em algumas das óperas, os números não chegam a 200, como a versão desta mesma Traviata com a Anna Netrebko.
    Aliado a tudo isso, junte-se o fato de eu ter uma péssima conexão de internet, e sem previsão de melhorar, de acordo com a operadora, afinal moro em um sítio, longe do centro da cidade. Subir três cds para o megaupload implica três horas de upload, e sempre rezando para a conexão não cair.
    Tentarei, na medida do possível, postar mais coisas da dupla Puccini / Verdi. Mas no meu ritmo.

  6. Olá, esta foi a orimeira gravação que tive em vinil, ganhei de um tio quando fiz 18 anos,então tenho aqui uma gravação em CD que poucas pessoas tem( não o motivo) falo isso , pois sempre que dou uma cópia dessa gravação para pessoas que amam ópera, eles ficam surpresos. Então eu gostaria de compartilhar esta gravação que tem no cast: Renata Scotto, Giuliana Tavolaccini, Armanda Bonato, Gianni Raimondi,Ettore Bastianini, com a regência de Antonino Votto coro e orquestra del Teatro alla ScalaIimperdível) e gostaria de saber como postá-la aqui?

Deixe uma resposta