Johannes Brahms (1833-1897) – Concerto para Violino e Orquestra em D maior, Op. 77

FDP andou impossível no final de semana passado. Postou petardos sinfônicos de Brahms, “guiados” por Günther Wand. Fiquei meio zonzo com a disposição do moço. Certamente, FDP não estava para brincadeira. Por isso, andei pensando no que eu ia postar. Havia separado alguns CDs. Pensei em Bach, Britten, Mozart, Beethoven e etc. Mas me recordei dessa gravação do concerto para violino e orquestra, Op. 77, de Brahms. É uma das peças que mais aprecio. A gravação que ora apresento traz um grande nome da regência no século XX, pelo menos na primeira metade do século, Pierre Monteux. O maestro franco-americano fez importantes incursões musicais na primeira metade do século passado. Tocou violino, viola e tornou-se regente. A wikipédia diz que ” [No ano de] 1911, ele tornou-se condutor [regente] da compania de ballet Sergei Diaghilev, uma compania Russa. Nesta compania, ele conduziu as estréias de Petrushka, em 1911, e O Rito da Primavera em 1913, ambas de Stravinsky; Jeux de Debussy em 1913 e Daphnis et Chloé de Ravel em 1912. Estas interpretações mudaram o curso de sua carreira, sendo conhecido no resto de sua vida, por ser um grande condutor para obras da música francesa e russa”. Inclusive, qualquer dias desses, postarei Petrushka e o Rito da Primavera de Stravinsky com o próprio Monteux. Fato interessante é que Monteux fundou a Orquestra Sinfônica de Paris em 1929. Foi professor de importantes regentes Lorin Maazel, Neville Marriner, André Previn, David Zinman, entre outros. Por ora fiquemos com esta fabulosa gravação do concerto para violino e orquestra de Brahms, um dos maiores compositores de todos os tempos. Boa apreciação!

P.S. O CD custa U$ 250,00 (duzentos e cinquenta dólares) na Amazon. Um susto!

Johannes Brahms (1833-1897) – Concerto para Violino e Orquestra em D maior, Op. 77

01 I. Allegro non troppo (21:54)
02 II. Adagio (9:22)
03 III. Allegro giocoso,ma non troppo vivace (7:58)

London Symphony Orchestra
Henryk Szeryng, violino
Pierre Monteux, regente

BAIXAR AQUI

Carlinus

9 comments / Add your comment below

  1. Carlinus….
    vou usar indevidamente seu espaço de comentario para dar um recado para o mano PQP.
    Mano PQP, as musicas que eu baixei(Concertos para Órgão e Suites para Cravo ), estão todos em .flac, .ape e .cue. Como li em comentário seu recente, que comentava que tinhas problemas com esses arquivos, eu estou separando faixa por faixa dos concertos para Órgão e das Suites para Cravo. O pior é que eu só fui me dar conta disso depois que eu tinha upado os arquivos. Eu tinha lhe prometido que colocaria os links de manha cedo, mas por conta desse imprevisto, só terei como colocar os links aki na parte da tarde. Espero que tenha entendido.
    Abraços

  2. Carlinus, que dupla fantástica você disponibilizou… não querendo ser chato, mas já sendo, tens idéia em que ano foi realizada esta gravação? Creio que no começo da carreira do Szering, que deve coincidir com os últimos anos de vida do Monteux. Tenho um Beethoven magnífico com este mesmo Szering. Definitivamente, um dos grandes violinistas do século XX, ao lado dos gigantes Heifetz e Oistrakh.

  3. O quê?! 250 contos custa! Isso é que eu as vezes me indigno! Há tantas formas de popularizar a música( como já estão fazendo com a literaura) e os donos da gravadores parecem que ainda são cegos! querendo que alguém teja acesso à música com preços exorbitantess desse tamnaho. Quem é que vai comprar isso. Por isso às vezes, certos setores da música ainda são “elitistas” pelo fato de criarem ainda condições luxuoosas de usufruto de certas obras.

  4. Esse cd possivelmente está fora de catálogo, e algum espertinho deve estar tentando ganhar uma grana boa… com todo respeito ao Monteux e ao Szering, esse preço não existe. Dei uma fuçada no site da amazon e tem a versão em mp3 por U$S 1,98 cada faixa.

  5. Quanto à indignação apaixonada de um dos leitores com o preço do disco… Como bem esclareceu o fdpbach, não se trata (nesse caso) de ganância das gravadoras num esforço malévolo para elitizar a música erudita, mas da simples lei da oferta e da procura: um produto agrega valor quando se torna escasso no mercado, e sempre tem um esperto querendo levar vantagem. Por outro lado, não é um produto de primeira necessidade, é um direito dele querer vendê-lo pelo preço que quiser, e ninguém é obrigado a comprar.
    Um passeio no Ebay (o Mercado Livre “original”), nesse ponto, é uma aula de capitalismo: é possível encontrar itens caros como automóveis literalmente a preço de banana, e bugigangas inúteis como lápis, prendedores de cabelo, etc., por milhares de dólares… Parece óbvio, mas tudo realmente depende do interesse do vendedor em se desfazer do item, e do interesse do comprador em desembolsar a respectiva quantia.
    Retomando o assunto… Szeryng + Brahms = não tem preço.

  6. Esta gravação é de arrepiar, realmente não tem preço! O som do Szeryng podemos dizer que não pertence mais a este mundo ainda mais aliando a este concerto que é um verdadeiro monumento orquestral.
    Felizmente temos muitas gravações além destas muito boas, gostaria de citar algumas que também aprecio:
    Isaac Stern
    Heifetz
    Oistrakh
    Christian Ferras, vi que ele é bem pouco falado por aqui, mas nos deixou gravações de tirar o fôlego, como por exemplo Sibelius, tanto faz com o Karajan ou Metta.

    abçs

Deixe uma resposta