John Adams (1947) – Harmonielehre, The Chairman Dances – Foxtrot for Orchestra, Tromba Lontana e Short Ride in a Fast Machine – Fanfare for orchestra

John Adams é um dos grandes nomes da composição na atualidade. Com os pés fincados no minimalismo – e, para alguns, no pós-minimalismo -, Adams é uma promessa. Particularmente, o pouco que ouvi do compositor despertou em mim uma curiosidade positiva. Por exemplo, a peça Harmonielehre, que leva o nome do famoso livro escrito por Schoenberg (Teoria da Harmonia), é uma maravilha. Muitas das minhas concepções sobre a música do século XX mudaram após a leitura do livro O Resto é Ruído de Alex Ross. Quando analisava a música do século passado antes da leitura do livro, enxergava apenas niilismo. O fato é que a música do século XX é um desafio. É desconstrução. Busca de novas possibilidades através de horizontes nunca antes vislumbrados. Ela atinge os sentidos de modo diverso ao do Romantismo ou do Barroco, por exemplo. Claro, nomes como Cage, Xenakis, Stockhausen e outros ainda constituem um desafio  para mim. Mas, estou aberto a novas sonoridades e isso é positivo. Boa apreciação desse fantástico e desafiante post!

John Adams (1947) – Harmonielehre, The Chairman Dances – Foxtrot for Orchestra, Tromba Lontana e Short Ride in a Fast Machine – Fanfare for orchestra

Harmonielehre
01. Part I
02. Part II – The Anfortas Wound
03. Part III – Meister Eckhardt and Quackie

The Chairman Dances – Foxtrot for Orchestra
04. The Chairman Dances – Foxtrot for Orchestra

Tromba Lontana
05. Tromba Lontana

Short Ride in a Fast Machine – Fanfare for orchestra
06. Short Ride in a Fast Machine – fanfare dor orchestra

Birmingham Symphony Orchestra
Simon Rattle, regente

BAIXAR AQUI

Carlinus

4 comments / Add your comment below

  1. Nossa Carlinus….
    Acreditas que estou lendo o mesmo livro ?
    Pena que ainda não cheguei na parte de Adams, estou na parte de Stravinsky.

  2. Muito bom carlinus….
    Na parte de Foxtrot me sinto como se estivesse partindo, sei lá, uma sensação de levesa.
    É impressionante como ele consegue minturar o atonalismo e o tonalismo empregando sons até então não imagináveis ( exemplo teclados com metais em foxtrot)
    muito bom mesmo

Deixe uma resposta