Coleção Grandes Compositores 02/33: W.A. Mozart (1756-1791)

Atendendo a pedidos, estarei continuando a Coleção Grandes Compositores, que teve início com Tchaikóski no primeiro volume.

***

Qual teria sido a inspiração de Mozart para compor suas três últimas sinfonias? Apesar de quase dois séculos de sérias pesquisas e da criação de várias histórias de ficção (inclusive a peça e o filme Amadeus, de grande sucesso), os últimos anos da vida de Mozart permanecem envoltos em mistério. Persistem muitas questões acerca de sua morte, das circunstâncias financeiras e de seu casamento, mas nada disso é mais intrigante do que o aparecimento de sua famosa “trilogia final” – Sinfonia Nº 39, 40 e 41 – após seis semanas de febril criação, no verão de 1788.

Raramente Mozart produzia trabalhos substanciais sem ter em mãos uma encomenda, ou pelo menos uma perspectiva de apresentação; no entanto, ninguém jamais soube de alguma ocasião planejada para a apresentação dessas sinfonias. Simplesmente, não sabemos o que inspirou tal criação extraordinária e nem mesmo se Mozart chegou a ouvir essas composições, que coroaram suas realizações no campo da música orquestral.

A questão causa ainda maior perplexidade se considerarmos a totalidade da obra sinfônica de Mozart. Pois, embora ele já registrasse a autoria de mais de quatro dúzias de sinfonias na ocasião em que passou para o papel a trilogia final, a maioria dessas peças datava de sua juventude. Mozart chegou à sinfonia, assim como a todos os gêneros musicais, em idade muito tenra. Suas primeiras obras sinfônicas datam de 1764 e foram produzidas sob o olhar vigilante de J. C. Bach, filho mais novo de Johann Sebastian, que por amizade auxiliou o compositor de 8 anos de idade durante sua estadia em Londres, em uma de suas famosas tournées de menino prodígio.

Talvez a explicação mais convincente para as sinfonias de 1788 seja que Mozart as escreveu para atender a uma necessidade artística interior – um desejo de dar livre curso a seus poderes de criação e fazer um ” apelo à eternidade”, conforme sugere Alfred Einstein, eminente estudioso de Mozart. A música, com certeza, apoia esse ponto de vista, pois em momento algum Mozart superou essas sinfonias, tanto em beleza formal quanto em profundidade de expressão.

Nenhum compositor se exprimiu em tão múltiplas facetas quanto Mozart. Ele criou música virtualmente em todas as formas a seu alcance – concertos, sonatas, sinfonias, óperas, música de câmara – , infundindo seu gênio em cada nova peça. Uma serenata casual para a festa nos jardins de um nobre, um simples quarteto de cordas ou o acompanhamento de uma missa, podiam ser o estímulo para sua imaginação musical. Conforme observa Alfred Einstein: “Mesmo quando Mozart tem uma tarefa rotineira a realizar, ele a toma para si como se fosse muito mais que uma rotina.”

Fonte: Trechos retirados do encarte do cd

Boa audição!

.oOo.

Coleção Grandes Compositores Vol. 02: W.A. Mozart

DISCO A
Sinfonia Nº 40 em Sol Menor, K. 550

01. I. Molto Allegro (8:29)
02. II. Andante con moto (8:13)
03. III. Menuetto: Allegretto (4:50)
04. IV. Allegro assai (9:13)
Orquestra Filarmônica de Viena, Leonard Bernstein

Sinfonia Nº 41 em Dó, K. 551 “Júpiter”
05. I. Allegro vivace (11:55)
06. II. Andante cantabile (9:07)
07. III. Menuetto: Allegretto (5:14)
08. IV. Molto Allegro (11:38)
Orquestra Filarmônica de Viena, Leonard Bernstein

DISCO B
Abertura, As Bodas de Fígaro, K. 492

01. Presto (4:09)
Academia de St. Martin in the Fields, Sir Neville Marriner

Concerto para Piano Nº 21 em Dó, K. 467
02. I. Allegro (14:49)
03. II. Andante (7:01)
04. III. Allegro vivace assai (6:33)
Mitsuko Uchida, piano
Orquestra de Câmara Inglesa, Jeffrey Tate

Serenata em Sol, “Eine Kleine Nachtmusik”, K. 525
05. I. Allegro (5:47)
06. II. Romance: Andante (5:55)
07. III. Menuetto: Allegretto (2:03)
08. IV. Rondó: Allegro (3:54)
Conjunto de Câmara da Academia St. Martin in the Fields

Sonata para Paino Nº 15 em Dó , K. 545
09. I. Allegro (4:33)
10. II. Andante (7:00)
11. III. Rondó: Allegretto (2:00)
Mitsuko Uchida, piano

BAIXE AQUI – DOIS DISCOS / DOWNLOAD HERE – TWO DISCS

Marcelo Stravinsky

12 comments / Add your comment below

  1. Caro P.Q.P.,

    Louvável é pouco para seu trabalho! É tudo o que eu sempre busquei!
    Parabéns, virei fã!
    abraços,
    Kuki

  2. PQP, uma postagem magnifica, só lembro ao caro … que o link da bela e maravilhosa serenata 10 conhecida como “Gran Partita” está com o link OFF.

    WAM … The Best …

  3. Sem dúvida uma postagem magnifica, pois se trata de um gênio com complexas composições musicais…

    Parabéns ao blog!
    Abraços!

Deixe uma resposta