C.P.E. Bach (1714-1788): Die Auferstehung und Himmelfahrt Jesu

Calma, Auferstehung und Himmelfahrt Jesu significa apenas Ressurreição e Ascensão de Jesus, tá? Não fiquem nervosos.

Este Oratório talvez possa ser considerado o mais importante trabalho sacro escrito desde a morte de Johann Sebastian Bach até o aparecimento de Haydn, o qual não era nada trouxa e conhecia muito bem as composições do segundo filho de meu pai, meu irmão. A riqueza da linguagem musical, a sutileza dos detalhes e a profundidade dramática do Oratório, mostra-nos até que ponto Carl Philipp Emanuel foi um mestre. O trabalho é moderno, possui expressividade contrastante, é menos estereotipado e menos óbvio do que os de seus contemporâneos. Auferstehung und Himmelfahrt Jesu deixou sua marca nas gerações seguintes e justificadamente despertaram a admiração de, entre outros, Haydn e Beethoven.

Uma carta do compositor para sua editora revelou que ele considerava este Oratório uma de suas maiores obras-primas.

Este registro de Sigiswald Kuijken, his singers and little band é absolutamente notável e mereceu ser coberto de prêmios, como foi. Duvido que você ouça apenas uma vez. Você vai é berrar pela casa:

— Olha o CPE Bach chegando aí, geeeeeeente!!!!

E então, animal, vai ouvir ou não?

IM-PER-DÍ-VEL !!!!

C.P.E. Bach — Die Auferstehung und Himmelfahrt Jesu

1. [Erster Teil] Einleitung
2. Chorus: Gott du wirst
3. Recitative: Judaa zittert
4. Aria: Mein Geist voll Furcht und Freuden
5. Chorus: Triumph! Triumph!
6. Recitative: Die frommen Tochter
7. Aria: Wie bang hat dich mein Lied beweint
8. Recitative: Wer ist die Sionitin
9. Duet: Vater deiner schwachen Kinder
10. Recitative: Freundinnen Jesu
11. Aria: Ich folge dir
12. Chorus: Tod! Wo ist dein Stachel?
13. [Zweiter Teil] Einleitung
14. Recitative: Dort seh’ ich aus den Toren Jerusalems
15. Aria: Willkommen, Heiland
16. Chorus: Triumph! Triumph!
17. Recitative: Elf auserwahlte Junger
18. Aria: Mein Herr, mein Gott
19. Chorus: Triumph! Triumph!
20. Recitative: Auf einem Hugel
21. Aria: Ihr Tore Gottes
22. Chorus: Gott fahret auf mit Jauchzen

Uta Schwabe: soprano
Christoph Genz: tenor
Stephan Genz: bass

Ex Tempore
La Petite Bande
Sigiswald Kuijken

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

Apoie os bons artistas, compre suas músicas.
Apesar de raramente respondidos, os comentários dos leitores e ouvintes são apreciadíssimos. São nosso combustível.
Comente a postagem!

PQP

8 comments / Add your comment below

  1. Obra-Prima sem dúvida, mas…
    Das obras mais extraordinárias de música sacra de sempre é o “Die Letzten Leiden Der Erlosers” ( A Última Agonia do Salvador” do mesmo C PH E Bach. Então na interpretação da mesma La Petite Bande e Sigiswald Kuijken e com Schlick, Reyghiere,Prégardien e Max Von Egmond é impressionante.
    Nada , mas nada a dever às grandes obras religiosas do Pai.Recolho-me imensas vezes a esta obra austera, belíssima, de árias de tirar a respiração, de coros sublimes, de recitativos largos em que as palavras mais do que ditas, cantam,de uma unidade sublime.
    Dos meus discos prciosos que guardo como tesouro!

    De Portugal, obrigado por esta Ressurreição

  2. Só a ousadia da Introdução inicial já valeria a obra!! Sempre me pergunto como é possível que o estilo criado por um compositor capaz de mexer tanto comigo como CPE Bach tenha tido depois que passar por Haydn e Mozart, nos quais sinto sobretudo concenvionalidade e rarissimamente consigo empatia, para só mais à frente reflorescer em outro compositor capaz de mexer comigo: Beethoven. Enfim: a audição desta obra sugere que fosse possível algo como um salto direto, ou que Beethoven seja finalmente o desenvolvimento de uma proposta que não chegou a ser suficientemente apreendida nas suas primeiras décadas.

  3. CPE bach foi o inventor do estilo clássico e pressagiou o romantismo alemão.
    A sua musica exprime acima de tudo as paixões humanas, mas de uma maneira sem precedentes.
    Oiçam-se as suas sinfonias de wq182 e wq183 e comparemos com as sinfonias de Mozart, 29 e 30, da mesma época.
    Mozart aprendeu com CPE ?
    E quem ensinou CPE ? Aqueles forte-pianos subitos, aquele cromatismo, que nos faz entrar num mundo de sombras ao mesmo tempo sufrido e sonhador. Niguem, na época fez musica assim.
    Eram conceitos muito novos. Quantz Quantz colega de CPE escreveu centenas de obras, era mais bem pago que CPE e hoje a sua musica é praticamente esquecida.
    O problema de CPE é ter sido filho de JS. Muitas vezes visto como um assistente do pai. caso tivesse outro sobrenome hoje seria idolatrado como o progenitor.

    A abertura desta Oratória não vos faz lembrar o inicio de Sherazade de Rimsky-Korsavov ?

  4. CPE é maravilhoso, PQP!

    Pergunta: não dá pra vocês mexerem na seleção oferecida no lodjinha do blog? Sei que é um serviço da Amazon e tal, mas entrar lá e ver só Andrea Bocelli, Il Divo, Os Tenores Canadenses et caterva… é foda.

Deixe uma resposta