Giuseppe Verdi (1813-1901): Requiem e Quattro Pezzi Sacri

Houve tempo que achava este requiem por demais operístico. Era uma opinião autenticamente estúpida e preconceituosa. Não sou um grande conhecedor de óperas e minha ignorância só aumenta por ser casado com uma especialista na área. Deveria convidá-la para escrever sobre o arrebatador Requiem de Verdi, mas ela considera o PQP uma invenção minha e de alguns amigos para difundir e conhecer música e ela não está acostumada a produzir textos rápidos. Quando disse-lhe que escreveria em cinco minutos uma apresentação da obra, ela me chamou, com toda a razão, de “embusteiro”. Como veem, não preciso sair de casa para receber críticas…

Tenho uma relação de amor e ódio com esta grande obra. Há muitas, mas muitas boas gravações, porém não há nenhuma que me contente inteiramente. Se nesta os sopranos são esplêndidos, o tenor é uma droga; se naquela o tenor é maravilhoso, vem um mezzo (ou contralto) esculhambar tudo. Acho que esta gravação de 1997 da Naxos tem uma qualidade que faz com que eu a considere mais do que as outras: é equilibrada. A outra característica encantadora dela é seu baixo preço. E outra é a interpretação absolutamente perfeita dos duetos, em minha opinião.

Faz anos que este pedido permanece em nosso SAC. O pessoal daquele departamento ouvia os pedidos e dava gargalhadas. Rá, rá, rá, pediram o Réquiem de Verdi novamente! Chegaram a enquadrar e pendurar na porta de entrada o primeiro pedido, como símbolo de nossa total e irrestrita desconsideração. Hoje, talvez queiram me bater pelo atendimento. Melhor me despedir logo.

ABSOLUTAMENTE IMPERDÍVEL!!!

Disc 1

Verdi: Requiem

1. I Requiem and Kyrie 00:09:12
2. II Dies irae 00:02:19
3. II Tuba mirum 00:01:52
4. II Mors stupebit 00:01:39
5. II Liber sciptus 00:05:12
6. II Quid sum miser 00:03:58
7. II Rex tremendae 00:03:49
8. II Recordare 00:04:17
9. II Ingemisco 00:03:34
10. II Confutatis 00:05:46
11. II Lacrymosa 00:05:46
12. III Offertorio: Domine Jesu 00:04:37
13. III Offertorio: Hostias et preces tibi 00:06:15
14. IV Sanctus 00:02:37
15. V Agnus Dei 00:05:22

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

Disc 2

1. VI Lux aeterna 00:06:28
2. VII Libera me 00:02:16
3. VII Dies irae 00:02:29
4. VII Requiem aeternam 00:02:59
5. VII Libera me 00:05:58

Colombara, Carlo, bass
Filipova, Elena, soprano
Hernandez, Cesar, tenor
Scalchi, Gloria, mezzo-soprano

Hungarian State Opera Chorus
Hungarian State Opera Orchestra
Morandi, Pier Giorgio, Conductor

Verdi: Quattro Pezzi Sacri

6. Ave Maria 00:05:32
7. Stabat mater 00:13:01
8. Laudi alla vergine Maria 00:05:36
9. Te Deum 00:15:44

Filipova, Elena, soprano
Scalchi, Gloria, mezzo-soprano
Hernandez, Cesar, tenor
Colombara, Carlo, bass

Hungarian State Opera Chorus
Hungarian State Opera Orchestra
Morandi, Pier Giorgio, Conductor

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

Total Playing Time: 02:06:18

PQP

34 comments / Add your comment below

  1. Quando eu ainda era um leitor iniciante aqui no PQP eu pedi esta obra ao SAC de vocês. Depois de um tempo eu achei que houvesse uma regra interna entre vocês para não postar o Requiem de Verdi, talvez para verem até aonde as pessoas iriam com pedidos. Fico feliz que ele tenha sido atendido! Eu tenho uma gravação excelente desta obra, com o Toscanini regendo. Se quiseres ouvir esta versão, posso te mandar por email, PQP. Vou baixar esta e ver o que acho.

    Grande abraço!

  2. Para mim, a melhor gravação do Requiem de Verdi é a de Toscanini (1951), com Sinfônica NBC, e os solistas Giuseppe Di Stefano, Herva Nelli, Fedora Barbieri, e Cesar Siepi.

    Tirando a Herva Nelli, que é sensivelmente inferior aos outros três cantores (que são estrelas da ópera), essa gravação do Requiem de Verdi é fantástica. A regência segura do Toscanini supre a fraca atuação da soprano (dizem que ela era a “queridinha” do Toscanini e que, segundo linguas mais afiadas, era sua amante).

    Há sempre a famosa versão do Karajan (1967) com a Orquestra e Coro do Scalla de Milão e os solistas Luciano Pavarotti, Leontyne Price, Fiorenza Cossoto e Nicolai Ghiaruov. Outro grande time de cantores formando também por grandes estrelas da ópera, todas em plena ascenção e nas melhores fases de suas carreiras.

  3. Engraçado… ainda preciso me aproximar mais desta obra, de cujo domínio ainda careço de mais experiência.

    PQP, curioso. Sobre o caráter operístico desta obra, eu tenho essa mesma impressão.

  4. Prezado DJ VIRA-Lobo,
    Eu tenho essa Jacket Collection com o Glenn Gould. É simplesmente fantástica. Namoro ela todos os dias… E, além da qualidade, das gravações, do Glenn Gould, etc, interessante é que as capinhas dos CDs são exatamente iguais às dos LPs originais. Quando a encontrei numa loja aqui em Brasília, não titubeei. E nunca mais a vi em loja alguma.
    Abraço, do
    Gustavo

    1. Essa aí nunca tive o prazer de ver ao vivo, Gustavo. Ainda estou baixando a pacoteira (são 14 GB…), que inclui as tais capinhas de que você fala. E está tudo em APE. É diversão pra mais de ano.

      Abraço

  5. Oi Pessoal!
    As quatro Peças Sacras, do Verdi, são excelentes.
    Quanto ao Requiem, infelizmente,eu ainda guardo a
    “opinião autenticamente estúpida e preconceituosa”
    da qual o 21º conseguiu livrar-se.

    É que ouço solistas demais cantando simultaneamente.

    Na minha opinião, os cantores de Ópera deveriam voltar-se, com afinco, para um estudo sério de “Música de Câmera”, assim como o fizeram Fischer-Dieskau, Elizabeth Schwartzkopf, Imgard Seefried, etc. (desculpem mais neste momento apenas me ocorrem os germânicos).
    Assim poderia cessar a briga para ver quem vai se fazer ouvir mais.
    Notem que nesta gravação os solistas são, individualmente, ótimos como pode ser melhor percebido no “Requiem Aeternam” final (que, por sinal, não existe em minhas duas outras gravações deste mesmo Requiem).
    Pode ser,também, um problema de “engenharia de som”, mas não creio que isto possa ocorrer em todas as gravações desse Requiem.
    Talvez seja esta disputa, que torna tudo muito forte e áspero, que ainda me mantenha acorrentado à

    “opinião autenticamente estúpida e preconceituosa”.

    Mesmo no Requiem de Berlioz, que necessita de montes de orquestras e de corais de diferentes tipos a formarem enorme massa sonora, não ouço esse tipo de disputa (mesmo porque há apenas um solista tenor) já que as massas sonoras são dominadas de modo muito expressivo pelo Abbado.

    Gosto bem mais dos Requiem de Mozart, de Fauré, de Berlioz e mesmo daquele de Schumann, que não é propriamente Missa de Requiem, pendendo mais para Música Programática.
    Em nenhum deles encontro essa inseparável impressão operística.
    Talvez algum dia eu chegue lá, como o 21º conseguiu fazer.
    Um grande abraço.
    Edson

  6. Interessante que H. von Bulow, criticou ferozmente essa obra, a ponto de chama-la de mediocre.

    Brahms… sempre o sábio Brahms, repreendeu von Bulow severamente, e disse que o requiem de verdi era uma grande obra.

    Tempos depois, Von Bulow escreveu uma carta a Verdi, pedindo-lhe desculpas pelo julgamento precipitado, “fruto de imaturidade” (palavras do proprio).

    Verdi lhe respondeu que não havia necessidade de pedido de desculpas, pois foi a avaliação honesta de Von Bulow, que ele aceitava plenamente, como acata a sua mudança de concepção.

    Fantástico, hein!

  7. Aliás, Von Bulow esteve presente no dia da estréia e afirmou que aquela era “a mais nova ópera de Verdi, com figurinos eclesiásticos”.

    Brahms se indignou disso. Chegou a afirmar publicamente que Von Bulow fez papel de tolo.

  8. Na minha humilde opinião (ainda que acompanhada por inúmeros gênios ;-), trata-se de uma das maiores obras de todas.
    As gravações que mais se aproximam do ideal, a meu ver, são as de Muti (EMI 1987), com Studer, Zajic, Pavarotti e Ramey, acompanhados pelas forças do grande La Scala de Milão; e a segunda é a de Gardiner (Philips 1992), com instrumentos de época, tendo por solistas Orgonasova, von Otter, Canonici e Miles. Ambas são sublimes, cada uma a seu modo.
    Se interessar, posso partilhá-las.
    Anton

  9. En mi opinión, la mejor versión que existe es la de Sir George Solti con la Filarmónica de Viena, y solistas: Joan Sutherland, Marilyn Horne, Luciano Pavarotti y Marti Talvela.

    Es una versión “equilibrada”… pero ¡al máximo nivel!

    Enhorabuena por tu hermoso blog

  10. Acredito que o “caráter operístico” que alguns (incluindo eu mesmo) observam nesse Requiem ocorra pelo fato de que essa obra seja realmente “tipicamente verdiana”, com todo o estilo pessoal DO VERDI. O “caráter operístico” seria, na verdade, um “caráter tipicamente verdiano”

    Esse Requiem tem a cara do Verdi e, talvez, por isso, dê a impressão de ser operístico.

    Cheguei a essa conclusão (provisória) porque também noto esse caráter operístico no Stabat Mater de Rossini. Acho que essa impressão de “caráter operístico” se deve ao fato de associarmos a obra religiosa ao estilo pessoal do compositor.

    Creio que teriamos a mesma impressão se Wagner e Puccini tivessem composto obras religiosas do mesmo porte.

  11. Et voilà! Como prometido, segue a gravação de John Eliot Gardiner do Requiem de Verdi, que, na minha opinião, juntamente com a Missa solemnis de Beethoven, são as duas maiores obras musicais religiosas do século XIX.
    Como eu já disse, sua orquestra (a Révolutionnaire et Romantique) utiliza instrumentos originais, mas isso não significa orquestra de menor volume ou beleza. O coro também merece destaque, maravilhoso – Monteverdi Choir.

    1. Dos solistas, a nenhum se pode chamar de “verdiano”, o que reforça a ideia de uma performance mais “de igreja”, como se pode esperar da concepção do maestro. Os quatro vão muito bem, mas destaco a principal, o soprano Luba Orgonasova, que dá conta perfeitamente de sua parte, e nos brinda ainda com um timbre “celestial”, “etéreo”, notadamente ao final, em “Libera me”. Esplêndida! Só ouvi no mesmo nível a jovem Renata Tebaldi, mas em duas gravações ao vivo, antigas, e portanto de qualidade sonora não muito satisfatória…

  12. Espero que seja do agrado. Se for interesse publicar no blog, tem toda a liberdade, mas acho que já seria pedir demais a P.Q.P. Bach outro Requiem de Verdi, não? 😉

  13. Não estou conseguindo publicar os links do rapdshare para baixarem a gravação. Há alguma razão ou apenas algum problema? Tem algum e-mail para onde enviá-los?

  14. olá, infelizmente o link do cd 1 foi expirado por falta de acesso. Ora se eu tivesse achado isso antes, é uma pena. Parabéns pelo site, é minha referencia nº 1 em musica clássica.

Deixe uma resposta