Ainda helicópteros

Por CELSO LOUREIRO CHAVES

A música mais notória do alemão Karlheinz Stockhausen é o Quarteto de Cordas dos Helicópteros. Mais do que Carré para quatro orquestras e quatro coros ou Sternklangque ocupa um parque inteiro com eventos sonoros, essa música ficou célebre pela proposta improvável de colocar um quarteto de cordas dentro de um quarteto de helicópteros, transmitindo sons e imagens para uma sala de concertos em meio a evoluções aéreas. Só agora, anos depois da estréia de 1995 num festival de música nova na Holanda, foi lançado o DVD com o registro visual da peça, mostrando como tudo se passou, como foi possível transformar em realidade o que Stockhausen diz lhe ter sido revelado em sonho. Não é por nada que a palavra mais presente no documentário é precisamente esta: sonho.

O documentário, chamado simplesmente Helicopter String Quartet – nenhum outro título aguçaria tanto a curiosidade do espectador – foi dirigido por Frank Scheffer, cineasta que já se dedicou a vários outros compositores fundamentais na definição do modernismo musical. A Sinfonia de Luciano Berio foi dissecada por ele em todas as dimensões de texto e subtexto e o mesmo aconteceu com a descrição em vídeo de Éclat do francês Pierre Boulez. Com o seu talento para recolher o inusitado nas personalidade muito conflitantes dos compositores, Frank Scheffer é o cronista ideal do Quarteto dos Helicópteros, cuja proposta percorre simultaneamente o megalomaníaco, o ridículo e o sublime.

O filme de Scheffer deixa passar em branco os problemas de logística da estréia da peça, o desafio de unir instrumentistas e pilotos, violinos e rotores, espaço aéreo e espaço de concerto. A performance completa da peça também passa ao largo, a não ser quando o foco se fecha sobre os momentos finais em que os helicópteros pousam e a música se dissolve em dramaticidade e silêncio. O foco do documentário é a estratégia de ensaios e a motivação, o ímpeto mesmo, que deflagrou uma composição tão bizarra. Primeiramente os músicos são vistos numa mesma sala, conferindo suas partituras com o compositor, detalhe a detalhe. Depois, já separados, os músicos são guiados apenas por fones de ouvido, seguindo o passar do tempo, segundo a segundo. Por fim, os helicópteros entram em cena e a técnica dos instrumentistas tem que se adaptar rapidamente a condições precárias de equilíbrio. Antes de embarcar na aventura, um dos músicos do Quarteto Arditti define a situação: “É a primeira vez na história do universo que músicos voam…!”

Quanto a Stockhausen, autêntico babalorixá coordenando os acontecimentos, parece que nada lhe escapa. O Quarteto dos Helicópteros tem todos os ingredientes para ser apenas um golpe de teatro mas tem um requinte estrutural que só é compreensível porque a música foi escrita em cores diferentes a indicar cada instrumento – ao que os instrumentistas também embarcam em seus helicópteros vestidos com as cores de suas respectivas partituras. Um apressamento indevido aqui, um expressividade um pouco tímida ali – tudo é corrigido por Stockhausen, com um ouvido que se mantém atento mesmo diante de idéias musicais potencialmente absurdas. Perguntam a ele se é o seu primeiro quarteto de cordas. “Sim. Primeiro e último”. E, em seguida, confirma uma das marcas da vanguarda em música, o abandono explícito das formas clássicas dos séculos passados. Mesmo como pianista, Stockhausen nunca escreveu um concerto para piano e nunca aceitou encomendas para compor sinfonias ou sonatas. O próprio quarteto de cordas só foi possível porque um sonho franqueou ao compositor as portas da inventividade. Músicos voando. Era isso.

No acúmulo das informações do documentário de Frank Scheffer, o que mais fica na memória é a sensação de literalidade que invade o Quarteto dos Helicópteros. Mesmo em 1995 já seria possível transformar o sonho de Stockhausen em videogame ou em simulação virtual. Mas não: o compositor é produto dos anos 1950 e, ao que indicam as evidências, só lhe interessava a realização literal da idéia. Helicópteros foram sonhados. Ali estão. Músicos voadores foram imaginados. Ali estão. Diálogos improváveis entre música e motores foi sonhado. Ali estão. Não deixa de ser perturbador que uma música aparentemente tão nova e inédita vá se revelando, na concretização de uma alucinação, tributária de princípios estéticos já superados, quase uma re-interpretação da obra de arte total wagneriana. Por isso, a crônica visual do Quarteto dos Helicópteros é reveladora: há a confirmação explícita dos princípios que nortearam a vanguarda musical mas há também a constatação de que, por modernas que queiram ser, muitas vezes as obras mais esdrúxulas tem mais a dizer do passado do que a apontar para o futuro.

PQP

7 comments / Add your comment below

  1. Karlheinz Stockhausen!!!
    Pobre de idéias heim mano?
    Rico de sonhos?
    Nem tanto assim.
    Teria preferido que, em seu sonhos, ele houvesse recuando ainda mais no tempo simultanamente avançado-o.
    Então ele teria colocado cinco Arcanjos com DEZ TROMBETAS DE FOGO destruindo o Universo antes da CRIAÇÃO DO MESMO.
    Sons dilacerantes em contratempos fantásticos!!!
    Ao fundo, ainda mais forte do que a explosão do Universo Não-Criado, um octeto de cordas eletrônico faria explodir nossos tímpanos (típanos de nossos ouvidos mesmo e não de uma orquestra qualquer) com o super famoso minueto de Bocherini, desafinadíssimo, tocado em ritmo de tango (cada instumento tocando no tempo que BEM LHE APROUVESSE)sendo, portanto, o todo tortuosamente fora do ritmo do tango pré-visto-ouvido enquanto umas pombinhas brancas gigantescas e horrivelmente azuis tentavam fugir do imponderável cataclisma nati-morto montadas em caças supersônicos que, por serem supersônicos, não teriam tempo de se fazerem ouvir antes do cataclisma que não existiu, pois… …não houve tempo de o Universo ser Criado.
    Vamos!
    Confessem!
    Não é mais fantático do que o sonho banal do Karlheinz Stockhausen!!!
    Sonho por sonho, prefiro o meu.
    Só não sei, ainda, como faze explodir o Universo Nati-Morto. Mas um dia chego lá.

Deixe uma resposta