Restaurado – Ludwig van Beethoven (1770-1827) – As 9 Sinfonias (CD 3 de 5)

Pois é. Eu sempre acabo concordando com a Lais. Acho que nós possuímos um “Beethoven ideal” muito semelhante em nossa imaginação. Ela falou que a gravação da quinta seria “questionável” e eu, quando a ouvi ontem à noite achei-a questionável desde o primeiro compasso. Não obstante, a coisa melhora após o primeiro movimento. Concordas, Lais? Adoro a quinta, mas, pô, por que aquele andamento meio mole? Tem que ser afirmativo!

Bem, a Pastoral, obra que não tenho em grande consideração, é excelente. Vou contar uma história verídica para vocês. Tal história não tem relação com o fato de eu não amar a Pastoral e a conto porque é engraçada. A Orquestra Sinfônica de Porto Alegre estava fazendo um concerto no antigo auditório da reitoria da UFRGS. No programa estava a Pastoral, entre outras obras que não lembro mais. Bom, os acontecimentos são absolutamente verdadeiros, apesar de inacreditáveis. Logo após os passarinhos invadirem a música — e sei lá porque detesto música programática com natureza… — um bando de morcegos começou a dar rasantes na platéia. Alguns, principalmente mulheres, gritavam. Outros riam. Eu e meu pai nos encolhíamos na cadeira a cada ameaça. O maestro Pablo Komlós não sabia o que estava acontecendo e, como bom músico, seguia em frente. Tive um ataque de riso, meu pai idem. A platéia fazia um barulhão. Os mais sensíveis retiravam-se no meio do movimento. Os bichos sumiram. Quando terminou o movimento natureba, Komlós arriscou uma olhadinha para a platéia, ignorando que gênero de revolução ocorrera durante a Pastoral. Estávamos quase todos lá. Atacou o próximo. Não dá para esquecer, dá?

Leonard Bernstein – Wiener Philharmoniker – Beethoven, 9 Symphonies (Disk 3)

01. Symph. No.5 in C minor, op.67 – I. Allegro con brio
02. II. Andante con moto
03. III. Allegro.mp3
04. IV. Allegro.mp3

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

05. Symph. No.6 in F major, op.68 [Pastoral] – I. Erwachen heiterer (Allegro ma non troppo)
06. II. Szene am Bach (Andante con moto)
07. III. Lustiges Zusammensein der Landleute (Allegro)
08. IV. Gewitter, Sturm (Allegro).mp3
09. V. Hirtengesang. Frohe und dankbare Gefühle nach dem Sturm (Allegretto)

Wiener Philharmoniker
Leonard Bernstein

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

PQP Bach [restaurado por Vassily em 29/5/2020]

15 comments / Add your comment below

  1. Concordo sobre a 5ª Sinfonia, esta versão do Bernstein não tem o impacto que a música pede. As outras sinfonias até aqui estão muito boas com ele.
    Ouço muito falar de uma 5ª ainda mais “questionável”, a de Boulez, mas nunca ouvi ou achei. Alguem de vocês tem ???

    Abraço, e mais uma vez parebens pelo blog,
    Eduardo

  2. Em relação à Quinta de Beethoven, nunca ouvi uma gravação melhor do que a do Furtwängler de 1947. Tem uma energia que jamais encontrei em outra gravação. Aliás. o meu xará (pois o primeiro nome do Furtwângler era Gustav…), para mim, é o melhor regente de Beethoven. E parab´[ens pelo blog, passou a ser referência para mim.
    Abraço, do
    Gustavo

  3. Gosto de ver que o velho PQP não perdeu o bom humor, apesar dos comentários infelizes. Seu texto é uma graça. Deus me livre, acho que eu desmaiava, morro de medo de morcegos – não tenho medo de onça, mas de morcego… gente frouxa é uma coisa que só vendo. Abraços.

  4. La apreciación de una interpretación musical es muy subjetiva, sobretodo cuando hablamos de directores de esta talla. Creo que no podemos decir “esta es la mejor”, sino “esta es la que más me gusta”. En ese aspecto mi elección es por las de Leonar Bernstein. Perdón por escribir en español. No puedo hacerlo en Portugués.
    Tienen un magnífico blog aquí.
    saludos

  5. O certo é que esta Quinta realmente, mereceu dos criticos a qualificação de “muito pessoal, e totalmente fora dos padroes convencionais” ou ainda “muito inferior ào restante da integral”, algo deste genero.

    É o que penso tambem PQP. Acho que faltou vigor e força nesta Quinta do Bernstein… ficou meio frouxo mesmo!

    E já que estamos falando dela, os amigos já ouviram a gravação de Carlos Kleiber já disponibilizada por este abençoado Blog? Não se trata apenas de um CD histórico, e de uma referência dessas Sinfonias, mas mui provavelmente o CD de musica classica mais procurado e mais comentado!

    Vejam os comentários que existem sobre ele na Amazon.com

    Kleiber arrasou!

  6. Morcegos?
    Que engraçado!

    Então, ouço um grande amigo meu falar sobre a integral de sinfonias de Beethoven com o Bakura-Skoda.

    Nunca consegui ouvir e nem achar na rede.
    De acordo com este amigo, a integral é muito boa e a quinta muito bem apresentada.

    Inté
    Rafs

  7. PQP,

    quando baixei o álbum, a 6a chegou incompleta, faltando o primeiro movimento. Será que foi erro aqui ou o arquivo está mesmo incompleto?

    Abraço!

  8. Sem dúvida,para mim essa é a melhor integral das sinfonias.E por incrível que parece, a 5ª me agrada demais.Sem dúvida é uma leitura muito pessoal de Bernstein(diferentemente da “precisa”, mas muito impessoal, de Gardiner),muito mais “trágica” do que “imponente”, provavelmente, por isso a articulação aparenta ser mais “profunda” do que “precisa”, o que por vezes a caracteriza meio “mole”.Mas, meu Deus..que força que esse senhor tem..esse sim, sabia literalmente como se faz musica!! e como faz…

  9. Comentário tardio, eu sei, frequento há pouco tempo esse blog… mas lá vai: Tenho um professor q estudou no Conservaório de Paris e ele me disse q essas versões que muitos chamaram de questionáveis seria exatamente o modo como se era executado na época do próprio Beethoven. A explicação seria que os instrumentistas não seriam capazes de executar com os instrumentos daquela época músicas tão rápidas. Meu professor usou o exemplo do fagote (ele é fagotista) e do clarinete pra me explicar. No fagote ainda não existia a técnica de sttaccato duplo para tocar as partes ligeiras do 3º e 4º movs. e o clarinete não tinha tantas chaves como os atuais que pemitem ao instrumentistas uma gama de possibilidades sonoras. Pois bem, há também uma história que Karajan, na época áurea das gravações eruditas, executou a obra mais rapidamente para que toda sinfonia coubesse num só lado vinil (eu acho, não sei bem a duração de um LP), caso executada a maneira de Bernstein ou Boulez ultrapassaria o limite do tempo. O que importa é que a música erudita revigora-se a todo instante e eu acho totalmente permissível executar obras utilizando a influencia pelo meio no qual vivemos, onde tudo é muito rápido… a vida corre! Talvez seja isso o que Karajan pensou e tantos outros regentes.

Deixe uma resposta