Wolfgang Amadeus Mozart (1756-1791) – Piano Concertos – Cd 2-10 –

Senhores, estarei viajando nos próximos dias, por isso antecipo este segundo cd com os concertos para piano de Mozart, interpretados ao pianoforte pelo especialista na área, Jos van Immerseel, e que fazem parte de uma caixa com 10 cds que estarei postando aos poucos por aqui.

O destaque neste cd é a interpretação do concerto nº12, já postado aqui com Brendel e Pollini, portanto, para quem se interessa, podem se fazer as devidas comparações.

Wolfgang Amadeus Mozart (1756-1791) Clavier-Concert 8 KV 246 In C, Clavier-Concert 28 KV 382 In D, Clavier-Concert 12 KV 414 In A
1. Clavier-Concert 8 KV 246 In C: Allegro Aperto
2. Clavier-Concert 8 KV 246 In C: Andante
3. Clavier-Concert 8 KV 246 In C: Rondeau Tempo di Menuetto
4. Clavier-Concert 28 KV 382 In D – Rondo: Allegretto Grazioso Adagio – Allegro
5. Clavier-Concert 12 KV 414 In A: Allegro
6. Clavier-Concert 12 KV 414 In A: Andante
7. Clavier-Concert 12 KV 414 In A: Allegretto

Jos van Immerseel – Pianoforte & Conductor
Anima Eterna

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

2 comments / Add your comment below

  1. Caríssimos amigos
    Tive o maior interesse em ouvir a interpretação de Brendel e a de Immerseel no Concerto em Lá Maior de W. A. Mozart.
    Na realidade, não da para fazer uma comparação justa.
    Com Immerseel têm-se a impressão de estarmos entrando em um Museu de Obras Antigas.
    Desperta a curiosidade, sim.
    Nos leva até a fazer uma longa peregrinação histórica na busca dos “como” e dos “por que”.
    A impressão de antiguidade é, com certeza, proveniente do choque violento entre as possibilidades sonoras dos dois instrumentos solistas.
    Ambas são totalmente conflitantes.
    O Piano de Brendel, com seus belos harmônicos, equilibrados por uma ajustada reverberação, consegue definir timbres e nuances sonoras necessárias à diversidade expressiva existente nas obras de Mozart. Além disto, a dinâmica é tranquilamente inserida nas sucessões de sons que crescem e/ou diminuem de intensidade, fazendo com que a nossa percepção afetiva absorva o significado expressivo que jorra das magníficas composições sonoras que ali existem. Da mesma forma, o fato de possibilitar, ao pianista, dosar as diferentes intensidades e os diferentes timbres de sons tocados simultaneamente, nos leva ao âmago das Artes Sonoras.
    Podemos, então, descortinar, contemplar e apreciar toda a beleza que os GÊNIOS, com amplo acesso à “Caixa de Pandora” de seus subconscientes, em “insights” inexplicáveis repassam ao comum dos mortais.

    Em contrapartida, o instrumento usados por Immerseel (provavelmente um PianoForte), tem uma sonoridade seca, desprovida de harmônicos, o que a torna pobre e “incolor”. Todos os sons aparecem como tendo o mesmo timbre seco e áspero. Eles são cortados “rentes”, o que não permite um “legato” expressivo e nem qualquer diferenciação entre a sonoridade “cantábile” de uma das notas de um acorde e a dos demais sons que deveriam ser, tão somente, um sussurro sonoro.
    Bem, na verdade, é bom visitar um museu, pois, ele nos repassa montanhas de informações históricas.
    Também, nos mostra o quanto é difícil ser mais humano, mais suave, mais amoroso, mais companheiro e mais contemplativo.
    É bom saber que gênios, como os de Mozart, não têm uma época para a qual transpõem sua genialidade.
    Por isto são eternos.
    Eis a razão pelas qual não podemos simplificar a genialidade de Mozart (ou de qualquer outro gênio) sob o argumento de que ele “produziu para o seu tempo”.
    Pior, produziu para aquele PianoForte ou Cravo de poucos recursos sonoros e que, por isto, devemos mantermos a fidelidade ao que o compositor dispunha à sua época.
    Na verdade, Mozart, Beethoven, Bach, Brahms, Scarlatti, Vivaldi etc. etc. etc. foram capazes de alcançar o infinito.
    Por isto, não escreveram apenas para seus contemporâneos. Escreveram para toda a humanidade de todas as épocas.
    Por esta razão, querer diminuir o alcance desses gênios sob o pretexto de que em suas épocas não existiam os meios adequados para fazermos o que hoje é possível, é não compreendermos que a genialidade não tem limites no tempo e que o alcance do possível ou do não possível não é definido por nós.
    Foi bom ter ouvido Brendel e Immerseel, lado a lado.
    Isto nos fez compreender melhor a necessidade de museus (mesmo sendo eles museus vivos) e, mais ainda, a necessidade de não nos deixarmos castrar pelo imobilismo dos mesmos no tempo que caminha, mesmo que os conservemos para conhecermo-nos melhor.
    Foi bom ter ouvido Brendel e Immerseel.
    Uma riqueza de ensinamentos.
    Um grande abraço a todos.
    Felicidade.
    Edson

Deixe uma resposta