Johann Sebastian Bach (1685-1750 – The Well-Tempered Clavier, Book I, BWVs 846-869

Ando bonzinho demais ultimamente, atendendo a pedidos. Espero não estar acostumando mal os nossos leitores.

Mas enfim, essa gravação do Gould para o Cravo Bem Temperado já era um desejo antigo, e felizmente consegui completá-la. Neste primeiro momento, porém, estarei postando apenas o Primeiro Livro, devido ao tamanho da obra. Então, deixarei para postar o Segundo Livro amanhã, se sobrar um tempinho.
Cito o comentário do editorialista da amazon a respeito desta gravação:

It’s rather amazing today, when recordings of Bach’s Well-Tempered Clavier practically fall of the shelves, to recall just how unusual it was back in the 1960s for a pianist to undertake to record this amazing work. It’s probably fair to say that until Glenn Gould got his fingers around it, Bach’s music was used for teaching purposes more than anything else. What Gould proves in this essential set is that Bach is decidedly not just a threat to hold over the head of budding pianists but a joy to listen to. One of Gould’s very greatest recordings. David Hurwitz

Johann Sebastian Bach (1685-1750) – The Well-Tempered Clavier, Book I

CD 1

1. Prelude & Fugue No. 1 in C Major, BWV 846/Prelude
2. Prelude & Fugue No. 1 in C Major, BWV 846/Fugue
3. Prelude & Fugue No. 2 in C minor, BWV 847/Prelude
4. Prelude & Fugue No. 2 in C minor, BWV 847/Fugue
5. Prelude & Fugue No. 3 in C-sharp Major, BWV 848/Prelude
6. Prelude & Fugue No. 3 in C-sharp Major, BWV 848/Fugue
7. Prelude & Fugue No. 4 in C-sharp minor, BWV 849/Prelude
8. Prelude & Fugue No. 4 in C-sharp minor, BWV 849/Fugue
9. Prelude & Fugue No. 5 in D Major, BWV 850/Prelude
10. Prelude & Fugue No. 5 in D Major, BWV 850/Fugue
11. Prelude & Fugue No. 6 in D minor, BWV 851/Prelude
12. Prelude & Fugue No. 6 in D minor, BWV 851/Fugue
13. Prelude & Fugue No. 7 in E-flat Major, BWV 852/Prelude
14. Prelude & Fugue No. 7 in E-flat Major, BWV 852/Fugue
15. Prelude in E-flat minor & Fugue in D-sharp minor No. 8, BWV 853/Prelude
16. Prelude in E-flat minor & Fugue in D-sharp minor No. 8, BWV 853/Fugue
17. Prelude & Fugue No. 9 in E Major, BWV 854/Prelude
18. Prelude & Fugue No. 9 in E Major, BWV 854/Fugue
19. Prelude & Fugue No. 10 in E minor, BWV 855/Prelude
20. Prelude & Fugue No. 10 in E minor, BWV 855/Fugue
21. Prelude & Fugue No. 11 in F Major, BWV 856/Prelude
22. Prelude & Fugue No. 11 in F Major, BWV 856/Fugue
23. Prelude & Fugue No. 12 in F minor, BWV 857/Prelude
24. Prelude & Fugue No. 12 in F minor, BWV 857/Fugue
CD 2

1. Prelude & Fugue No. 13 in F-sharp Major, BWV 858/Prelude
2. Prelude & Fugue No. 13 in F-sharp Major, BWV 858/Fugue
3. Prelude & Fugue No. 14 in F-sharp minor, BWV 859/Prelude
4. Prelude & Fugue No. 14 in F-sharp minor, BWV 859/Fugue
5. Prelude & Fugue No. 15 in G Major, BWV 860/Prelude
6. Prelude & Fugue No. 15 in G Major, BWV 860/Fugue
7. Prelude & Fugue No. 16 in G minor, BWV 861/Prelude
8. Prelude & Fugue No. 16 in G minor, BWV 861/Fugue
9. Prelude & Fugue No. 17 in A-flat Major, BWV 862/Prelude
10. Prelude & Fugue No. 17 in A-flat Major, BWV 862/Fugue
11. Prelude & Fugue No. 18 in G-sharp minor, BWV 863/Prelude
12. Prelude & Fugue No. 18 in G-sharp minor, BWV 863/Fugue
13. Prelude & Fugue No. 19 in A Major, BWV 864/Prelude
14. Prelude & Fugue No. 19 in A Major, BWV 864/Fugue
15. Prelude & Fugue No. 20 in A minor, BWV 865/Prelude
16. Prelude & Fugue No. 20 in A minor, BWV 865/Fugue
17. Prelude & Fugue No. 21 in B-flat Major, BWV 866/Prelude
18. Prelude & Fugue No. 21 in B-flat Major, BWV 866/Fugue
19. Prelude & Fugue No. 22 in B-flat minor, BWV 867/Prelude
20. Prelude & Fugue No. 22 in B-flat minor, BWV 867/Fugue
21. Prelude & Fugue No. 23 in B Major, BWV 868/Prelude
22. Prelude & Fugue No. 23 in B Major, BWV 868/Fugue
23. Prelude & Fugue No. 24 in B minor, BWV 869/Prelude
24. Prelude & Fugue No. 24 in B minor, BWV 869/Fugue
Glenn Gould – Piano

CD 1 – BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE
CD 2 – BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

17 comments / Add your comment below

  1. mas q heresia!
    versão para piano?!
    é o Cravo Bem Temperado, não o “Piano Bem Temperado”!!!

    queremos a versão para cravo! queremos a versão para cravo!!!

  2. O Cravo Bem Temperado soa melhor no Piano na minha opinião, ao contrario das Suítes Inglesas

    Agora, nunca gostei muito de Glenn Gould, sempre acheio-o muito mecânico, as vezes perdendo o “feeling” da obra

    ainda sim, uma interpretação válida

  3. Eu tenho – como todo mundo – algumas opiniões sobre Gould. Foi um gênio, sem dúvida; revolucionou a interpretação de bach mostrando-nos (ou acentuando) coisas que nunca havíamos ouvido antes. Ele soterrou seus antecessores de uma forma jamais vista.

    Porém, os cravistas modernos aprenderam a lição. Pierre Hantaï é um deles, Andreas Staier é outro. A gravação das Goldberg de Hantaï é uma lição de Gould bem aprendida ao cravo. Dá-me maior prazer ouvi-lo do que a Gould – ao menos nas Goldberg. Já no Cravo Bem Temperado, houve um cara chamado Daniel Chorzempa que fez um extraordinário trabalho. Ele simplesmente o interpretou em cravo, cravicórdio, pianoforte ou órgão, dependendo da sonoridade da cada Prelúdio e Fuga. Ele justifica a escolha que nos pode parecer aleatória em páginas e páginas. Porém seu principal argumento é o resultado.

    Meus amigos, é algo fantástico!

    Um dia, posto para vocês. Para mim, ela é hoje a versão campeã.

    Abraços.

  4. Glenn Gould merece mais respeito!! uaheruaeh Brincadeira, mas o cara é um gênio, essas interpretações ai sao tao marcantes quanto as das invenções !!!

    VLWL PQP!!!!

  5. É realmente impressionante a forma como se consegue ouvir bem nitidamente cada uma das linhas melódicas nesta versão do WTC (Well-Tempred Clavier, não World Trade Center!). Vamos ver como ficou o livro número dois!

    PQP, estou muito curioso a respeito da versão que você citou. Assim que postá-la, poderia, se possível, anexar um arquivo ou apontar um link contendo as páginas e páginas das justificativas de Chorzempa para a escolha dos instrumentos? Creio estar até mais interessado em saber o que ele tinha em mente ao optar entre os intrumentos do que na música em si… Agradeço desde já a sua futura boa vontade =)

  6. Senhor PQP,

    por favor seja bonzinho e poste a versão desta obra executada em cravo.

    Não sei qual crime cometi para até hoje ter que ficar me torturando com a versão da movieplay, só porque é com o cravo…

    Tende piedade…

  7. Vocês leram O Náufrago, de Thomas Bernard????

    Um Glenn Gould jovem estudante de piano é personagem do livro e é uma obra-prima sobre a inveja dos outros estudantes sobre o verdadeiro talento.

    Obrigatório!

  8. Esse blog é realmente fantástico e não tenho feito outra coisa a não ser baixar os discos disponíveis, a menos que eu os tenha. A única crítica que vejo possível com relação ao repertório diz respeito à ausência de obras para órgão. Ora, todos nós, entusiastas de Bach, sabemos que o órgão era o seu instrumento por excelência. Penso então que essa lacuna precisa ser preenchida com urgência!

  9. Viu, PQP? não sou só eu…

    posta aqueles 8 CDs da obra completa para órgão de Bach, q vc disse…

    estou os esperando atensiosamente… taradamente… como um amante espera a amada numa noite fria …

  10. VENHO prestar apoio ao C D F Bach, e pedir urgentemente as obras para órgão de Bach…

    mas ainda não esqueci dos Motetos e das Missas Luteranas q o PQP prometeu postar…

    um abraço

  11. Obrigado caros PQP e FDP, desde já se permitem meu comentário aprecio mais o cravo bem-temperado no piano. Após ter ouvido a versão do Kenneth Gilbert para cravo, me convenço que o piano agride menos o ouvido.

  12. Bom, sou sensível a uma argumentação como a do Organista Doido. Adorei a amante numa noite fria. Também a espero. Sei que este é blog família; vocês se incomodariam se eu dissesse que a espero de pau duro?

    Subi (verbo compreensível numa hora dessas) uma série de CDs ontem à noite. Uns 6 ou sete.

    Depois, vou postar as Obras para Órgão e as tais Missas Luteranas (que são – diferentemente da amante que virá aquecer-se comigo – bem desgraciosas, viu?).

    Eu simplesmente amo as obras para órgão. Não entendo como se despopularizaram… O que são as trio-sonatas, e a Passacaglia, mein gott? (suspiro…)

    Abraço.

  13. Para mi, creo que es mas importante rescatar mas el concepto de interpretacion en Gould- y que sea dicho de paso, el mismo se encargo de desarrollar bastante – que basar la calificacion a un criterio purista y un poco limitante. Es cierto que Gould grabo en clave muchas piezas, sobre todo de Haendel, pero, solo por no hacerlo hecho con Bach es una interpretacion inaceptable ?. Creo que aplicar un criterio asi es un poco obtuso.
    Felicitaciones por el blog. Siempre lo veo.

Deixe uma resposta