Johann Sebastian Bach (1685-1750) – As Suítes Francesas

Primeiro, um artigo sobre o pianista:
A Provocação de Glenn Gould
Por: Milton Ribeiro

Antigamente, a música – mesmo a mais grandiosa – era utilizada como pano de fundo para jantares e comemorações. Para nós é difícil conceber isto, mas a música de Vivaldi, por exemplo, era ouvida sob o provavelmente alegre som de comensais italianos alcoolizados… Excetuando-se os saraus privados, o único local onde podia-se ouvir música em silêncio era nas igrejas. O ritual de deslocar-se até uma sala de concertos a fim de ouvir e ver silenciosamente a performance de orquestras, cantores e recitalistas é relativamente recente – começou há uns 150 anos. Sob uma forma mais barulhenta, a música popular aderiu a este ritual no século XX, porém hoje seus concertos visam mais a celebração do artista do que a finalidades “expressivas” ou “interpretativas”. Alguns radicais, como o extraordinário pianista canadense Glenn Gould (1932-1982) – cujas interpretações de Bach são até hoje difíceis de superar – trilharam o caminho inverso chegando ao extremo de abandonar suas carreiras de concertistas por não acreditarem mais que o formato de concertos e shows fosse aceitável, quando comparado às vantagens oferecidas pelos estúdios de gravação. Não obstante o abandono dos holofotes e dos aplausos – em seu caso sempre entusiásticos -, Gould seguiu pianista e continuou produzindo discos cada vez melhores; mesmo sem ter marcado um mísero concerto em seus 27(!) últimos anos de vida.

Glenn Gould acreditava que a tecnologia oferecida pelos estúdios o colocava mais próximo de seu ideal artístico, que colocava a técnica pianística em segundo plano. Apesar de ser um instrumentista absolutamente preciso e hábil, a impressão mais forte que temos ao ouvi-lo não é a do virtuosismo, mas a da expressividade. Com ele, pode-se ouvir a música. Gould pensava que existia somente uma interpretação perfeita de cada obra e que esta só poderia ser obtida em estúdio com auxílio da tecnologia.

A verdade é que as gravações revolucionaram inteiramente nossa abordagem à música. Em menos de um século, passamos do sarau ao CD, fomos do amadorismo afetuoso e comovedor de nossas residências (que bom se pudéssemos voltar no tempo, não?) ao sampler. Vejamos como:

1877: Thomas Edison constrói e dá nome ao primeiro fonógrafo, um aparelho que registra e reproduz sons, utilizando um cilindro de parafina.

1888: O disco envernizado substitui o cilindro de Edison.

1925: Aparece o primeiro toca-discos elétrico, que funcionava com discos de 78 rpm. Um movimento – cheio de chiados – de uma sonata de Beethoven poderia ocupar vários discos… Meu pai tinha o Op. 111 do compositor alemão em 8 discos ou 16 lados de discos 78 rpm!

1940: O acetato e o verniz começam a ser substituídos pela fita magnética.

1948: Surge o LP, que podia receber até 30 minutos de música (uma sinfonia de Mozart!) de cada lado. Todos os discos de 78 rotações deveriam ser jogados fora. (Este é outro assunto…)

1958: O som estereofônico torna obsoletas as gravações anteriores, feitas em mono. Chegou a vez de jogar fora tudo o que não era estéreo.

1965: A fita cassete ameaça o disco, mas não o vence.

1979: Aparecem as fitas digitais (DAT) com som semelhante ao do CD; isto é, muito mais claras do que tudo o que já havia surgido antes.

1983: Chega o CD, mais uma vez desvalorizando todas as outras gravações realizadas em outros meios.

Gould falava em quão recente era a supostamente eterna tradição das salas de concerto e ridicularizava vários de seus aspectos. Por que haveria de ser necessário atravessar a cidade – talvez com chuva ou sem a vestimenta adequada -, para ir sentar- com hora marcada -, em cadeiras normalmente piores do que as de nossas casas, a fim de ouvir o mesmo velho e conhecido repertório tocado com acompanhamento de sussurros e tosses? Segundo ele, a única coisa que mantinha viva a tradição dos concertos era a oligarquia do mundo dos negócios musicais, acrescida do que Gould chamava de “uma afetuosa, ainda que às vezes frustrante, característica humana: a relutância em aceitar as conseqüências de uma nova tecnologia.”

Eu, modestamente, adoro ir a concertos. Amo aquela celebração dedicada aos músicos e à música; mas concordo com Gould em muitas coisas. É complicado sair de casa para ver, muitas vezes, concertos constrangedoramente inferiores àquilo que temos em nossa discoteca. Outra coisa triste é o conservadorismo do repertório apresentado: principalmente no Brasil, considera-se que estejamos eternamente “educando o público para a música erudita”. Com este argumento, as orquestras obtém o aval para apresentarem somente o mainstream do repertório. (Há as exceções, mas são raras…) Enquanto isto, o LP e o CD abriram um leque de opções que mudaram nosso conhecimento musical. Obras extraordinárias puderam voltar a fazer parte de nossa cultura, grande parte da música de câmara (música escrita para pequenos grupos de instrumentistas) e da música antiga, inadequadas para as grandes salas, voltaram através dos discos.

Houve uma importante alteração na maneira de tocar a música e, por conseguinte, de ouvi-la e compreendê-la. Uma vez que, no estúdio, os músicos não tinham mais de preencher os grandes espaços das salas de concerto com som, todo o processo de fazer música passou a colocar mais ênfase na clareza e beleza do fraseado. Os microfones que fizessem o resto! Os antigos instrumentos – de som mais fraco – retornaram à vida e surgiram as gravações com interpretações históricas, utilizando instrumentos de época, que respeitam a dinâmica e a forma original das obras.

Ainda dá para brigar a favor ou contra estas opiniões de Gould ou estão definitivamente superadas?

Observação: A maior parte dos argumentos aqui colocados livremente estão sistematizados no livro de Otto Friedrich Glenn Gould: A Life and Variations.

Agora, a qualidade do pianista:

Bach: French Suites, BWV 812-817

JOHANN SEBASTIAN BACH (1685-1750)Suite No. 1 in D Minor, BWV 812
I. Allemande 1:31
II. Courante 1:03
III. Sarabande 2:50
IV. Menuett I 1:12
V. Menuett II 2:28
VI. Gigue 2:07

JOHANN SEBASTIAN BACH (1685-1750)Suite No. 2 in C Minor, BWV 813
I. Allemande 2:35
II. Courante 2:08
III. Sarabande 2:16
IV. Air :54
V. Menuett :50
VI. Gigue 1:41

JOHANN SEBASTIAN BACH (1685-1750)Suite No. 3 in B Minor, BWV 814
I. Allemande 1:34
II. Courante 1:10
III. Sarabande 1:39
IV. Menuett – Trio 2:01
V. Anglaise :49
VI. Gigue 1:39

JOHANN SEBASTIAN BACH (1685-1750)Suite No. 4 in E-Flat Major, BWV 815
I. Allemande 1:09
II. Courante 1:08
III. Sarabande 2:09
IV. Menuett, BWV 815a :56
V. Gavotte :45
VI. Air 1:04
VII. Gigue 1:53

JOHANN SEBASTIAN BACH (1685-1750)Suite No. 5 in G Major, BWV 816
I. Allemande 1:47
II. Courante 1:16
III. Sarabande 2:52
IV. Gavotte :40
V. Bourée :48
VI. Loure 1:07
VII. Gigue 2:25

JOHANN SEBASTIAN BACH (1685-1750)Suite No. 6 in E Major, BWV 817
I. Allemande 1:33
II. Courante 1:00
III. Sarabande 2:38
IV. Gavotte :36
V. Polonaise :54
VI. Menuett :47
VII. Bourée :58
VIII. Gigue 2:03

Glenn Gould, piano

BAIXE AQUI

4 comments / Add your comment below

  1. Prezado Milton, Gostaria de fazer um pequeno acréscimo a este seu artigo. Sou fã do Glenn Gould, e o considero um intérprete bachiano insuperável. Li esse livro do Friedrich, excelente, por sinal. Nem vou comentar sua gravação histórica das Variações Goldberg, pois é ponto facultativo. A qualidade de Gould enquanto intérprete vem, é claro, de um virtuosismo inato, e de sua dedicação absurda e extremada à música. Ele comia e respirava música 24 horas por dia. Sua segunda paixão, a tecnologia de gravação, o tornou insuperável (e isuportável para os técnicos)em estúdio. Fazia experimentações as mais diversas, e tinha carta branca dos chefões da Columbia para fazer o que quisesse. Tanto que até montou um estúdio em sua casa, no Canadá, para não ter de viajar o tempo para gravar em Nova York. A crítica que se faz a este mestre do piano é sua excentricidade…ele optou por uma forma de vida que deixava as pessoas incomodadas. Sua mania por limpeza, seu perfeccionismo, além de diversas outras excentricidades, como a mania por doenças, acreditava que sempre estava doente, apesar dos médicos dizerem o contrário, tudo isso incomodava as pessoas. Poderia estar fazendo 30 graus, mas ele sempre estava com um cachecol enrolado no pescoço, e com suas indefectíveis luvas. E quando resolveu abandonar os palcos para se dedicar exclusivamente à gravação muitos disseram que ele tinha enlouquecido de vez, deveria ser internado. Não era muito fã dos compositores românticos do séc. 19, Chopin ele abominava. Seu Mozart é considerado grotesco para alguns críticos. Gravou Beethoven, incluindo a integral dos concertos e das sonatas, mas não se pode dizer que era sua especialidade. De qualquer forma, é um mito. Essas suas gravações das Suítes Francesas são antológicas. Uma boa audição…

  2. Caro Sr PQP Bach,
    Através do Sr. descobri a fascinante interpretação de Glenn Gould, muito superior a de Gavrolov que conhecia.
    Ficaria encantado se nos brindasse no blog, com a gravação de Gould tocando, as Suites Inglesas, os livros do cravo bem-temperado e as Partitas.

    Saudaçoes

  3. acho que não vamos a concertos apenas pela música, mas pelo sentido de comunidade. pelo menos é isso que eu busco ali nas salas, além da música: ver gente que ouve música. o isolamento, pra mim que não sou gênio, acabaria por minguar todo o sentido de uma obra de arte. seria como uma linguagem que só dissesse respeito a mim e a mais ninguém. e a gente sabe que nem mesmo wittgenstein conseguiu se manter nessa posição de auto-suficiência lingüística. por isso as salas de concerto: a necessidade daquilo que faz sentido pra mim, fazer sentido para outros também, ainda que esse sentido não seja unívoco.

  4. Caro PQP, você por um acaso não tem as Suites Francesas tocadas ao cravo para postar? Talvez seja erro meu e elas já estejam postadas, mas já chequei duas vezes o tag de “J.S. Bach” e não as encontro.

    Grande abraço!

Deixe uma resposta