Handel (1685-1759): Suítes para Cravo – Kenneth Gilbert

 

Handel

Suítes para Cravo

Kenneth Gilbert, cravo

 

 

Sempre gostei de ler as críticas dos álbuns de música. Edições do Penguin Guide to CDs e revistas como a Gramophone sempre foram boas fontes, especialmente antes da era digital. Como estas publicações são inglesas, também buscava as impressões em outras partes. A revista francesa Diapason oferecia (e ainda oferece) uma perspectiva complementar, assim como a Fanfare, uma revista americana. Com o advento da internet, os blogs (PQP Bach entre eles) passaram a oferecer suas preferências e críticos amadores passaram a postar suas opiniões em diversos sites. Eu acho divertido ler essas críticas amadoras e a melhor de todas até hoje continua sendo a que foi escrita por Bernard Michael O’Hanlon sobre o maravilhoso disco desta postagem, que presta uma homenagem ao recém falecido cravista Kenneth Gilbert.

Acho esta crítica tão divertida que fiz uma tradução. O link para o texto original está aqui, assim você poderá verificar por si mesmo como o texto é colorido. Aqui vai…

Ollie…

“Mesmo se tomarmos em comparação os baixos padrões das colônias penais, os membros ordinários da Associação Australiana Knappertsbusch são a própria degradação. Cite uma iniquidade – corrupção e desprezo, usura e simonia, licenciosidade e alcoolismo, violência e gula, preguiça e xenofobia – estará presente aos magotes. Comparando, os porcos imundos eram um modelo de virtude e limpeza. Oliver Reed é o santo padroeiro destes bagunceiros infernais – e aqui temos um exemplo em que os alunos superam seu professor. Eu culpo aos ancestrais. Nenhum de seus antecessores foi listado no Debrett’s Peerage & Baronetage. A maioria deles – fenianos, com certeza – foram trazidos da Irlanda para a Terra de Van Diemen (Tasmânia) ou Sydney Cove. Reúna ser nascido na ralé com ter muito dinheiro e um virulento desprezo pela moralidade – este é o desafio que eu enfrento quando eles gritam – Voltemos aos cabarés do centro de Bangcoc! – É para entrar em desespero!

Mas um atenuante está à mão: a aristocrática escolha e apresentação de algumas suítes para teclado de Handel por Kenneth Gilbert. Sempre que eu toco este disco para os membros da AAK eles se tornam temporariamente enobrecidos (bem… isto na medida em que a natureza permite), a concupiscência diminui, as melhores coisas da vida entram em foco, e estão longe de envolver cachaça e rabos-de-saia.

De minha parte, aprecio demais a musicalidade de Gilbert: o que aqui temos está longe de ser uma jornada pelo Vale dos Ossos Secos; a fadiga aural que surge quando ouvimos o som do cravo aqui é mínima. Ele segue seu ritmo sem pressa e certamente deixa a música respirar. A Quinta Suíte desabrocha como uma rosa.

Jamais me separarei de meus discos de Richter/Gavrilov ou de Perahia neste repertório. No entanto, é uma enorme alegria ouvir esta música sendo tocada no instrumento para a qual foi composta.

Tamino e sua flauta pacificaram os animais selvagens. Com alguma sorte, Fred e Ken farão o mesmo com estes degoladores.”

Pois é, mesmo através da tradução, você pode ter uma ideia de como o disco enfeitiçou a turma do barulho…

Como era típico dos dias dos LPs, o álbum traz uma coleção de cinco suítes somando 58 minutos de música. O selo francês ‘harmonia mundi’ com sua estilosa capa quase toda preta com o ícone do selo e os títulos mínimos em branco completam o pacote. O disco foi editado mais uma vez na série ‘musique d’abord’, que comprova a sua popularidade.

Georg Friedrich Handel (1685 – 1759)

[1 – 4] – Suíte No. 5 em mi maior

[5 – 8] – Suíte No. 2 em fá maior

[9 – 14] – Suíte No. 3 em ré menor

[15 – 18] – Suíte No. 6 em fá sustenido menor

[19 – 24] – Suíte No. 7 em sol menor

Kenneth Gilbert, cravo

Produzido em 1977

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

FLAC | 351 MB

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

MP3 | 320 KBPS | 134 MB

Kenneth Gilbert

Nem todas as resenhas amadoras são tão coloridas quanto a que eu mencionei, mas muitas são bastante adequadas e próprias, como esta:

“Kenneth Gilbert made an excellent performance about these practically unknown Handel ‘s suites.

With refinement, serene eloquence, nuance and aristocratic charm, Gilbert goes to the musical nucleus of every piece and literally extracts all its virtues.

Go for this recording and enjoy it always. – Hiram Gòmez Pardo Venezuela

Eu repito: Go for it!

René Denon

2 comments / Add your comment below

  1. Gilbert tem gravações, na minha opinião, muitíssimo boas do cravo bem temperado, bem como da fantasia cromática e das tocatas.
    Realmente um excelente cravista!

    1. Certamente, Sal!
      Na minha postagem do Primeiro Livro do CBT com Pinnock, eu mencionei a gravação de Kenneth Gilbert.
      Você viu a postagem com música de Rameau, que foi ao ar ontem? Lá também há um disco do Ken.
      Há outras pessoas preparando postagens com gravações dele…
      Vamos aproveitar para ouvir a música que ele deixou e lembrar de suas contribuições que incluíram muita música de compositores francesas, onde ele morou e estudou por um bom tempo.
      Abração!
      RD

Deixe uma resposta