Ludwig van Beethoven (1770-1827): As Últimas Sonatas (CD 2 de 2)

IM-PER-DÍ-VEL !!!

O texto abaixo é de Milton Ribeiro.

O romance Doutor Fausto de Thomas Mann, além de ser uma indiscutível obra-prima, possui capítulos que tornaram-se famosos por si só e que são citados separadamente do restante da obra. É célebre o capítulo em que Adrian Leverkühn dialoga com o demônio e também o oitavo, onde o imaginário professor Kretzschmar dá uma extraordinária aula sobre o tema “Por que Ludwig van Beethoven não escreveu o terceiro movimento da Sonata Op. 111?”.

Houve um certo músico de sobrenome Schindler que perguntou a Beethoven sobre razão da inexistência do terceiro movimento. A resposta do compositor foi típica de seu habitual mau humor: ora, não tive tempo de escrever um! Mann explorou a história da inexistência do terceiro movimento ao máximo, e só quem leu o Fausto de Mann sabe do ritmo frenético da aula de Kretzschmar e a profunda impressão causada pelo lição em nós, leitores, e em Adrian Leverkühn, personagem principal do livro.

Pois o incrível é que descobri casualmente que há um esboço de terceiro movimento para esta sonata, mas Beethoven parece tê-lo destruído. Inclusive no manuscrito onde está o primeiro movimento há uma anotação: segundo movimento – Arietta; terceiro movimento – Presto. Não encontrei referências de que a Arietta (segundo movimento) fosse algum tipo de adeus, conforme disse o professor de Thomas Mann. Creio que isto seja apenas uma liberdade poética do ultra-entusiasmado Kretzschmar. Está bem, foi a última sonata para piano de Beethoven, porém ao Op. 111 seguiram-se obras até o Op. 137 e dentre estas há todos os últimos quartetos, a Nona Sinfonia (Op. 125), as Variações Diabelli (Op.120) , as Bagatelas (Op. 126), a Missa Solemnis (Op. 123), etc. Ou seja, quando Beethoven escreveu o Op. 111, era um compositor em plena atividade e com vários projetos diferentes por desenvolver, não obstante a doença.

Acho que o que mais interessa é tentar dizer porque esta obra é tão inquietante, porque ela provoca tanto e a tantas pessoas. Isto é o mais difícil. O fato é que a linguagem inacreditavelmente abstrata que Beethoven alcançou em suas últimas obras nos perturba profundamente, tanto aqui como nos últimos quartetos. A imaginação de quem criou a Arietta é inconcebível. O professor Kretzschmar tem toda a razão ao proclamar que tudo aquilo vem de um simples dim-da-da, ou seja, de três notas que não despertariam a atenção de nenhum artista comum, e é sobre este quase nada que Beethoven cria uma catedral imensa, onde há lugar para a delicadeza, para o religioso, para o sublime e até para a explosão de uma desenfreada dança semelhante ao jazz que os negros inventariam 100 anos depois. Ele sempre foi dado à utilização de temas curtos e afirmativos, mas convenhamos, aquele dim-da-da curtíssimo está mais para um balbucio de criança… Não seria isto o que nos surpreende tanto? A Arietta inicia-se como um balbucio, depois deixa-se crescer quase que por livre associação e retorna lenta e quase silenciosa ao início. Será esta a despedida a que Kretzschmar se refere? Nascimento, vida e morte? Ou, simplesmente, após um movimento lento tão profundo e expressivo, Beethoven concluíra que o mesmo prescindiria de seu contraponto rápido?

Ora, não há verdades absolutas sobre algo tão genial e aberto. Se somarmos a isto o volátil de toda música, que consiste numa série de símbolos que é interpretada por um músico, que a passa para o piano obedecendo a sua habilidade e experiências, e que nos chega através dos ouvidos, onde baterá contra outras experiências e que, de concreto, no caso do segundo movimento do Op. 111, só possui a instrução Arietta: Adagio Molto Semplice e Cantabile…

Se tivesse que classificar o Op. 111, o colocaria entre as músicas que não são somente belas e perfeitas, mas que, além disto, são demonstrativas de grande inteligência e engenhosidade. Outras do mesmo gênero seriam os quartetos de Béla Bártok, alguns dos últimos quartetos de Beethoven (principalmente o Op. 132), as Variações Goldberg, a Oferenda Musical de J.S. Bach e outras raríssimas. Não sei se me faço entender, mas acredito que o espírito mozartiano – que amo tanto – não poderia entrar aqui. São músicas por demais cerebrais. Há uma tremenda e implacável lógica interna nelas, há intenções que parecem escapar a nós, pobres e limitados ouvintes.

O CD duplo de Maurizio Pollini Die Späten Klaviersonaten ou The Late Piano Sonatas é uma das várias formas que a fugidia felicidade pode tomar. Se vocês passarem perto desta caixa de CDs, agarrem-na e não soltem.

Ludwig van Beethoven (1770-1827): As Últimas Sonatas (CD 2 de 2)

Piano Sonata No. 30 in E major, Op. 109
1. Sonate No. 30 E-dur op.109: Vivace, ma non troppo
2. Sonate No. 30 E-dur op.109: Prestíssimo
3. Sonate No. 30 E-dur op.109: Gesangvoll, mit innigster Empfindung (Andante molto cantabile ed espressivo)

Piano Sonata No. 31 in A flat major, Op. 110
4. Sonate No. 31 As-dur op.110: 1. Moderato cantabile molto espressivo
5. Sonate No. 31 As-dur op.110: 2. Allegro molto
6. Sonate No. 31 As-dur op.110: 3. Adagio ma non troppo – fuga, ma non troppo

Piano Sonata No. 32 in C minor, Op. 111
7. Sonate No. 32 c-mol op.111: 1. Maestoso – Allegro con brio ed appassionato
8. Sonate No. 32 c-mol op.111: 2. Arietta. Adagio molto semplice e cantabile

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

Maurizio Pollini: o maior dos pianistas do século XX.
Maurizio Pollini: o maior dos pianistas do século XX.

PQP

15 comments / Add your comment below

  1. Estou lendo Doutor Fausto e estava morrendo de vontade de ouvir a sonata. Após procurar um pouco sem sucesso, lembrei-me desse excelente blog. Muito obrigado, Evandro

  2. Assisti ontem ao “O Silêncio de Lorna”, que se encerra com a “arietta” da sonata op. 111 de Beethoven. O texto de Milton Ribeiro, mais a referência ao Dr. Faustus de Thomas Mann (que precisarei reler), além de informativo e justo, foi uma leitura prazerosa.

  3. Muito obrigado pela criação desse blog,pois uma coisa que já pensava era a “Democracia da Música Clássica”.Aqui está uma boa forma da popularização de uma música que ,na essência ,é popular, porque é universal. Aqui está uma forma mais que atual de uma contra reação caráter “demoníaco” da música das massas que aliena as pessoas, separando arte da vida e a vida desvinculada de um sentido profundo e espiritual da existência humana! Méritos pelos esforços de todos nós!

  4. Mais uma vez, quero agradecer por esse post, porque logo depois de ler o maravilhoso capítulo de Doutor Fausto eu procurei no google e acabei encontrando esse blog, dando início a várias paixões minhas, por Beethoven (de trás pra frente, já ouvi quase todas suas sonatas nos dois anos desde então), por Pollini e, é claro, por este blog, que visito semanalmente e está tornando meu HD irremediavelmente cheio!

  5. minha divida com voces é inestimável inestimável inestimável. esse blog é como beatriz pra dante, voces são Beatriz, conduzindo ao céu

  6. Além das peças musicais colocadas ao nosso dispor há ainda esses soberbos comentários que são verdadeiras aulas de história/musical. Nos enche de prazer que nos lembramos de como é gostoso beber água na bica, na fazenda, aparando a mão para encher do precioso líquido e sorvê-la, límpida e gelada ao natural. Obrigado mais uma vez e vida longa.

Deixe um comentário