Igor Stravinsky (1882-1971): Pétrouchka e Le Sacre du Printemps – "A Sagração da Primavera"

IM-PER-DÍ-VEL !!!

Este é um daqueles CDs que você é obrigado a baixar, sentar e ouvir. Tudo é bom nessa gravação. É a música do mago Igor Stravinsky regida por um especialista no repertório da composição contemporânea, Pierre Boulez. As duas obras desse post são expressivas e estão inscritas naquele rol de composições mais importantes e marcantes da história da música, assim como a Nona de Beethoven ou a Sinfonia Leningrado de Shostakovich. Trata-se de peças que foram responsáveis por mudar o conceito de composição de música no século XX. A primeira, Pétrouchka, é a história sobre um fantoche tradicional russo, que é feito da palha e com um saco de serragem como corpo que acaba por tomar vida e ter a capacidade amar, uma história que se assemelha superficialmente àquela de Pinocchio. Já Le Sacre du Printemps ou “A Sagração da Primavera” é uma extravagância. Não uso o termo em sentido depreciativo. Quero apenas informar que a obra é um exagero de arrojo e perfeição. “A Sagração da Primavera” é largamente conhecida como uma das maiores, mais influentes e mais reproduzidas composições da história da música do Século XX sendo um ícone de toda música erudita por ter sido considerada a obra que marca o início do modernismo . Considera-se que ela inovou em quase todos os aspectos musicais correntes na época : estrutura rítmica, orquestração, timbrística, forma, harmonia, uso de dissonâncias, e particularmente uma valorização da percussão acima da harmonia e melodia como nunca tinha ocorrido antes. Desafiando bom número de regras e contestando tudo que se conhecia até então a obra causou um escândalo memorável na capital francesa, em que a plateia, diante de tanta revolução artística, não aceitava o que ouvia e via. A rejeição se reforçou pelas inovações de linguagem que Nijinsky incorporou à coreografia, valorizando movimentos “rústicos” inspirado em hierógrafos e pinturas em pedras de homens da caverna. Durante a apresentação não faltaram vaias, e o próprio Diaghilev chegou a acender as luzes da platéia numa tentativa de conter um pouco o caos que se instalou. Não tendo surtido muito efeito, a agitação continuou e marcou tanto a estreia que até hoje a peça é considerada uma das mais internacionalmente conhecidas e controversas obras na história da arte”.

A obra subdivide-se em duas partes principais:
1. A adoração da terra (8 seções);
2. O sacrifício (6 seções).

Por isso, não deixe de ouvir esse CD formidável. Bom deleite!

P.S. O texto acima é em sua maior parte extraído DAQUI e DAQUI

Igor Stravinsky (1882-1971) – Pétrouchka e Le Sacre du Printemps – “A Sagração da Primavera”

Pétrouchka
01. First Tableau
02. Second Tableau
03. Third Tableau
04. Fourth Tableau

Le Sacre du Printemps
05. Part 1 – L’Adoration de la Terre
06. Part 2 – Le Sacrifice

The Cleveland Orchestra
Pierre Boulez, regente

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

Stravinsky mostrando suas armas
Stravinsky mostrando suas armas

Carlinus

11 comments / Add your comment below

  1. Boa versão, mas ainda acho a do Esa-Pekka Salonen mais selvagem, enérgica, visceral, como ele é em geral, não só no Stravinsky, mas até no Debussy, estranhamente, né?

    Aliás, eu tava vendo que tem muito pouco Weill no blog, e que o CDF, em 2008, ao postar, mencionou que eventualmente iria postar a Ópera dos Três Vinténs inteira… será que isso está na fila, ou será que alguém sabe onde tem pela internet? Eu só acho Weill em formatos estranhos que eu não sei usar, .cue, .ape, essas coisas…

  2. Também considero a interpretação do Salonen como a melhor, mas também gosto muito das interpretações do Pierre Boulez e Robert Craft.
    A propósito, não sei se vocês notaram, mas nunca postei nada do meu tio. Acho que é porque tenho ciúmes das obras, como se somente eu pudesse merecesse ouví-las. Vou tentar superar essa minha possessividade. 🙂

  3. Senhores, frequento o PQP desde final 2007 e foi aqui que aprendi a apreciar e respeitar figuras como o Harnoncourt. Agora esse grande homem falece e só houve aqui uma modesta homenagem com o Requiem Alemão de Brahms e um texto belíssimo do Milton… poxa, uma figura dessa estatura merecia mais homenagens por aqui: As obras de Haydn, Mozart e Beethoven com a Chamber Europe Orchestra, o Concentus Musicum e o Arnold Shoenberg Chor, as famosas interpretações de Bach, inclusive a da S. Mateus de 2011 que valeu ao maestro o Grammy, as inesperadas interpretações de Bruckner e Verdi do maestro especializado em barroco. Bem, nestes anos todos nunca usei o SAC para pedir nada (Até porque sei como o SAC daqui funciona rs)… eu poderia estar roubando, eu poderia estar matando, mas estou aqui pedindo uma homenagem em grande estilo, panorâmica, da carreira de Harnoncourt, mais um de nossos heróis que se vai.

Deixe uma resposta