Bohuslav Martinu (1890-1959): Sinfonias Completas de 1 a 5 e Fantasias Sinfônicas (Sinfonia Nº 6)

martinu

Na Amazon.

Já há algum tempo que eu estava organizando esta postagem do compositor tcheco Bohuslav Martinu. Somente agora tomei a atitude de fazê-lo. Fiquei com dúvida sobre qual versão postar. Tenho uma outra gravação dessas mesmas sinfonias com Neeme Järvi. O fato é que escolhi esta gravação com Vaclav Neumann de modo instintual. Achei necessário que ela aparecesse primeiro. Explicação? Nenhuma. Apenas o fato de talvez eu ter ouvido primeiro a gravação com o Neumann, patrício de Martinu, morto no ano de 1995. Não deixe de ouvir. Boa apreciação!

Bohuslav Martinu (1890-1959): Sinfonias completas de 1 a 5 e Fantasia Sinfônica (Sinfonia Nº 6)

DISCO 1

Symphony No. 1, H. 289 37min22
01. Moderato
02. Allegro.Poco moderato. Allegro come prima
03. Largo
04. Allegro non troppo

Symphony No. 2, H. 295 23min40
05. Allegro moderato
06. Andante moderato
07. Poco allegro
08. Allegro

DISCO 2

Symphony No. 3, H. 299 28min36
01. Allegro poco moderato
02. Largo
03. Allegro

Symphony No. 4, H. 305 33min29
04. Poco moderato. Poco allegro 00:07:00
05. Allegro vivo. Moderato (Trio). Allegro vivo 00:08:59
06. Largo 00:10:03
07. Poco allegro 00:07:11

DISCO 3

Symphony No. 5, H. 310 29min48
01. Adagio
02. Larghetto
03. Lento. Allegro

Fantaisies symphoniques (Symphony No. 6), H. 343 27min41
04. Lento. Allegro. Lento
05. Poco allegro
06. Lento

Czech Philharmonic Orchestra
Václav Neumann, regente

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

De Martinu para você
De Martinu para você

Carlinus

8 comments / Add your comment below

  1. Bravo! Finalmente! 🙂

    A escolha da integral de Neumann é acertadíssima. É um dos melhores ciclos disponíveis, perdendo talvez somente para a que reputo ser a melhor integral de Martinu, a de Bryden Thomson. (A da Naxos também é excelente, com a mais bem resolvida Terceira que conheço.) As gravações de Järvi são bastante esquisitas – à parte a Sexta Sinfonia, realmente muito boa.

    Ouçam com atenção a linda Segunda, mais leve, de espírito dvorakiano; a Terceira, tensa e com um final absolutamente surpreendente e arrebatador; e a Sexta, uma lindíssima afirmação do novo estilo que Martinu desenvolveu em seus últimos anos.

    Essas obras de Martinu formam um dos mais interessantes ciclos sinfônicos do século 20. Devem ser conhecidas por todos.

  2. Carlinus..
    Já tinha ouvido falar deste compositor, mas nunca cheguei a ter a curiosidade de ouvi-lo. Dei uma pesquisada. É um daqueles compositores bons que foram esquecidos…

    Vanderson,
    que tal para o dia das crianças Prokofiev ( autor de Pedro e o Lobo ), Bohuslav Martinu ou Mahler. Vai dizer que não sabes que Mahler era um adimirador da pureza infantil. Pois é, nem eu, bolei essa aí agora pouco. ( risos )
    Abraços

  3. O oblivion de Martinu é um dos mais injustos. O cara manda bem demais. Assim como Shosta, sua escrita é centrada na tonalidade, mas, simultaneamente, é fortemente “moderna”.

    Agradecimentos e parabéns para a equipe por ter revalidado esse monumento que é o ciclo sinfônico do velho Bohuslav! (E que, aliás, eu estava perseguindo há um tempão…)

  4. Não baixei o disco, ainda, mas já adorei a postagem, com as fotos. A capa do disco é linda… Só não sei o que é instintual… Deve ser uma palavra válida, uma vez que o computador não a coloriu com aquele sinal vermelho de quem não tem a menor ideia do que pode ser a tal da palavrinha… Acho que deve ser, por instinto, uma vez que o Neumann (taí, o dicionário do computador não o conhece ainda) é assim um dos decanos dos regentes tchecos…
    Veremos, o Martinu (outro que meu dicionário não conhece) vai para minha lista de futuras audições, que com este site maravilhoso, não para de crescer. Minha agenda está cheia até o fim do ano, com (falta de) folga.
    Abraços!
    Mário

  5. Quando tive de escolher um repertório para a conclusão de minha graduação em trompete fui obrigado a incluir algo moderno – todas as peças que escolhera eram barrocas rs. Martinu foi minha salvação, a sua Sonatina. Inspiradíssimo compositor. Grato!

Deixe uma resposta