W.A. Mozart (1756-1791): Obras para piano

As duas primeiras faixas deste disco pertencem àquele irritante grupo de obras de Mozart que parecem mais adequadas às caixinhas de música. Depois, a coisa ganha profundidade — diria enorme profundidade, até — e o CD de Anne Queffélec fica espetacular. A gente gosta é de drama e sangue, Wolfgang! A gente somos viscerais, sacou? A elegância e a articulação fluida da pianista nascida em Paris torna-a digna de seus professores Alfred Brendel, Jorg Demus e Paul Badura-Skoda. A interpretação que Queffélec dá às duas Fantasias e à Sonata são algo para ficar morando no coração da gente.

W.A. Mozart (1756-1791): Obras para piano

1. Rondo en la mineur, K. 511: Andante 10:09

2. Variations sur un menuet de Duport en ré majeur, K. 573 14:56

3. Fantaisie en ut mineur, K. 475 12:51

4. Sonate en ut mineur, K. 457: Allegro molto 8:09
5. Sonate en ut mineur, K. 457: Adagio 8:58
6. Sonate en ut mineur, K. 457: Allegro assai 4:35

7. Fantaisie en ré mineur, K.397 6:34

Anne Queffélec, piano

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

Mozart se toca assim, ó.
Mozart se toca assim, ó.

PQP

16 comments / Add your comment below

  1. Salve PQP!

    Meu caro, as “caixinhas de música” de Mozart são maravilhosas. Além de beleza musical, é o melhor remédio para quem tem criança em casa, muito mais eficaz do que valium e ainda não dá efeito colateral!

  2. MORRRO DE INVEJA do teu poder de síntese, PQP!!

    “A gente gosta é de drama e sangue, Wolfgang. A gente somos viscerais, sacou?” Huahuahuahuahuahuahua (algo macabrrramente…)

    Tá, é claro que a gente que nem tu, que nem eu, e a gente sabe que tem gente que adora caixinhas de música, e eu pessoalmente respeito quem fica feliz ouvindo as ditas… mas não sou obrigado a fingir que também estou feliz nessas horas, né?

    Que coisa ÓTIMA que tem gosto pra tudo nesse mundo, sô!!

  3. Este rapaz … o Mozart fez essas obras primas (as fantasias e muitas outras como serenatas, sinfonias, sonatas, divertimentos, concertos) antes dos quarenta anos, imagine se ele tivesse chegado aos cinquenta ou sessenta, imagine o “sangue e visceras” que teria produzido.
    WAM … THE BEST

  4. Não chora, Colarusso, somos todos teus amiguinhos. Tá bom, nada é caixinha de música… caixinha de música não existe… pronto, pronto.

  5. Desculpa, mas realmente alguma coisa deu errada quando alguém chama o Rondó K 511 de peça de caixinha de música. Mas não tem problema: fica a sugestão pra se tentar de novo.

  6. Penso que num tempo em que as únicas maneiras de um autor ter suas obras reproduzidas era com alguém tocando ao vivo ou mecanicamente numa caixinha de música (pianola já existia?), qualquer compositor compunha algum material adequado às caixinhas de música. Vaidade de ouvir sua música por aí.

  7. há tempos que estava à procura desse disco, Muito obrigado! Sugiro que ouça também de Anne Queffélec os discos dedicados a Bach e a Chopin. Não há muitas vísceras nem sangue, mas sim muita emoção.

Deixe uma resposta