Mozart Camargo Guarnieri (1907-1993) – 50 Ponteios e Flor do Tremembé [link atualizado 2017]

IM-PER-DÍ-VEL !!!

Postado originalmente em 20 de fevereiro de 2009 pelo CVL. Repostado por Bisnaga

Mozart Camargo Guarnieri já nasceu com nome de grande compositor e tornou-se um de nossos maiores nomes nas partituras. A afirmação que um internauta fez certa vez aqui é bem acertada: “é compositor brasileiro do século XX superior a todos os demais, somente atrás mesmo de Villa-Lobos, cujo primeiro posto é indiscutível“. Aliás, a obra pianística de Camargo Guarnieri é simplesmente estupenda! Em qualidade, dificuldade técnica e melodia. Cara show de bola, aqui interpretado com muita sensibilidade por Laís de Souza Brasil, numa batelada com seus 50 ponteios!

Abaixo, o texto original desta postagem, do mano CVL:

Já pediram certa vez aqui no blog obras para piano de Guarnieri. Primeiro postei as sinfonias, pois me são mais queridas, e há muito tempo já havia o CD com os três primeiros concertos para piano (com Max de Barros como solista). Agora chegou a hora de disponibilizar o esperado monumento que são os cinco cadernos dos Ponteios.

Estou com preguiça de sintetizar o texto do encarte (que não segue para download. segue, sim: o Bisnaga inseriu) – copiei do blog Música Brasileira de Concerto as dedicatórias dos Ponteios. Se alguém escrever um comentário rochedo (imagino que o professor Edson Bandeira de Mello), o incorporarei aqui.

Mozart Camargo Guarnieri (1907-1993)
50 Ponteios

Primeiro caderno (1931-1935)
Ponteio n° 1 – Calmo, com profunda saudade (Nair de Carvalho Medeiros; 1931; 3′)
Ponteio n° 2 – Raivoso e ritmado (Carminha de Arruda Botelho; 1931; 1’50”)
Ponteio n° 3 – Dolente (Ayres de Andrade; 1931; 2’35”)
Ponteio n° 4 – Gingando (Anna Stella Schic; 1931; 0’55”)
Ponteio n° 5 – Fatigado (João Caldeira Filho; a. i.*; 3′)
Ponteio n° 6 – Apaixonado (Magdalena Tagliaferro; a. i.*; 1’14”)
Ponteio n° 7 – Contemplativo (Madeleine Benheim; a. i.*; 3’38”)
Ponteio n° 8 – Angustioso (Fritz Jank; a. i.*; 1’06”)
Ponteio n° 9 – Fervoroso (Guiomar Novais; a. i.*; 3’17”)
Ponteio n° 10 – Animado (Júlia da Silva Monteiro; 1935; 1’34”)
Segundo caderno (1947-1949)
Ponteio n° 11 – Triste (Diana Hearst; 1947; 1’38 ‘)
Ponteio n° 12 – Decidido (António de Sá Pereira; 1949; 0’40”)
Ponteio n° 13 – Saudoso (Lídia Simões; 1948; 2’25”)
Ponteio n° 14 – Confiante (José Kliass; 1949; 1’55”)
Ponteio n° 15 – Incisivo (Guilherme Fontainha; 1949; 0’55”)
Ponteio n° 16 – Tranquilamente (Miécio Horszowski; 1948; 1’50”)
Ponteio n° 17 – Alegre (Antonieta Rudge; 1948; 0’46”)
Ponteio n° 18 – Nostálgico (Aloísio Alencar Pinto; 1949; 2’07”)
Ponteio n° 19 – (Homenagem a Ernesto Nazareth) – Calmo (Andrade Muricy; 1949; 1’58”)
Ponteio n° 20 – Vagaroso (Jeannette Herzog; 1949; 3’10”)
Terceiro caderno (1954-1955)
Ponteio n° 21 – Decidido (Jaime Ingram; a. i.*; 1’10”)
Ponteio n° 22 – Triste (Nené Mediei; 1954; 1’09”)
Ponteio n° 23 – Vigoroso (Ivy Improta; a. i.*; 0’48”)
Ponteio n° 24 – Tranquilo (Isabel Mourão; 1954; 2’12”)
Ponteio n° 25 – Esperto (Nelly Hirsch; 1955; 1’09”)
Ponteio n° 26 – Calmo (Eurico Nogueira França; 1955; 3’15”)
Ponteio n° 27 – Cômodo e expressivo

(Henry Jolles; a. i.*; 1’40”)
Ponteio n° 28 – Calmo e sentido (Sebastião Benda; 1954; 2’20”)
Ponteio n° 29 – Saudoso (Eliane Richepin; a. i.*; 2’25”)
Ponteio n° 30 – Sentido (Mozart de Araújo; 1955; 1’50”)
Quarto caderno (1956-1957)
Ponteio n° 31 – Triste (Alda M. Savoy de Campos; 1956; 2’36”)
Ponteio n° 32 – Com alegria (Albert Farber; 1957; 0’58”)
Ponteio n° 33 – Queixoso (Norma Bojunga; 1956; 1’58”)
Ponteio n° 34 – Calmo e solene (1956; 4’08”)
Ponteio n° 35 – Dengoso (1957; 0’49”)
Ponteio n° 36 – Tristemente (Mariuccia Iacovino; 1957; 2’55”)
Ponteio n° 37 – Com humor (Italiano Tabarin; 1957; 1 ‘)
Ponteio n° 38 – Hesitante (Paulina d’Ambrosio; 1957; 2’35”)
Ponteio n° 39 – Dengoso (Kilza Setti; 1957; 0’56”)
Ponteio n° 40 – Con moto (Pavel Serebriakov; 1957; 1’37”)
Quinto caderno (1958-1959)
Ponteio n° 41 – Tristemente (Maria Abreu; 1958; 1’44”)
Ponteio n° 42 – Dengoso, mas sem pressa (Lia Cimaglia; 1958; 1’23”)
Ponteio n° 43 – Grandeoso (Ilana Vered; 1959; 1’25”)
Ponteio nº 44 – Desconsolado (Manuel Bandeira; 1959; 1’30”)
Ponteio nº 45 – Com alegria (Yara Bemette; 1959; 1’57”)
Ponteio n° 46 – Íntimo (Vera Sílvia Ferreira; 1959; 2’10”)
Ponteio n° 47 – Animado (Sequeira Costa; 1959; 1’30)
Ponteio n° 48 – Confidencial (dedicatória oculta; 1959; 2’34”)
Ponteio n° 49 – (Homenagem a Scriabin) – Torturado (dedicatória oculta; 1959; 2’30”)
Ponteio n° 50 – Lentamente e triste (In memoriam do saudoso amigo D. F.; 1959; 3’25”)
.
EXTRA: Flor do Tremembé, para 15 solistas

* a. i.: ano ignorado

Laís de Souza Brasil, piano

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE 207Mb

A título de presente surpresa, uma peça muito conhecida de quem já leu a biografia de Guarnieri, porém pouco ouvida: Flor do Tremembé, para 15 solistas. Ela é, como diriam os mais empolgados solecistas, “Felomenal!”. Creiam-me, o chorinho camerístico em questão apresenta-se como a cereja deste post e agrada em cheio.

Flor do Tremembé (1937), a cargo da Camerata de las Américas, regida por Joel Sachs.
(inserida pelo Bisnaga no mesmo pacote dos ponteios)

Partituras e outros que tais? Clique aqui

CVL
Repostado/recauchutado por Bisnaga

17 comments / Add your comment below

  1. Amante que sou da música erudita quero agradecer-lhe o muito que faz por ela, e por nós seus leitores. E quero dizer que adoro teus comentários “eruditos e sem frescuras”. Abraço!

  2. Meu caro, excelente blog. Parabéns!
    tentei baixar os ponteios de Camrgo Guarnieri, mas os links foram removidos.
    Existe alguma possibilidade de recuperá-los?
    Grato. Abraço.

  3. Oi,

    Eu, como o Jayro, tentei baixar os Ponteios de Guarnieri, mas os links foram removidos.

    Eu gostaria muito de poder ouví-los e baixá-los. Um abraço e parabéns pelo blog. É muito bom!!!

          1. Lúcio,
            Estou baixando seu catálogo.
            Se tiver muita coisa, te amarei por isso.
            🙂

            um abração

  4. Belissima obra. Nao tivemos por aqui grande quantidade de artistas classicos, mas o que deixaram foi de uma qualidade que merece nosso orgulho. Viva a musica brasileira!

    1. Tem bastante, viu, Pedradura.
      Nós é que conhecemos muito pouco. Falta muuuuita coisa por ver, ainda. Temos caras fenomenais.

      Abração

    1. Não se preocupe, Fausto: estou com um tanto de obras guerrapiscianas que vou subir este ano.
      Seu centenário e o sesquicentenário de Nepomuceno não serão negligenciados por este auspicioso blog.

      Abraço

Deixe uma resposta