José Alberto Kaplan (1935-2009) – Obras orquestrais

Até onde vão os limites da intertextualidade?

Tente responder a essa pergunta a partir de um exemplo hipotético: se eu escrevo uma peça que usa a mesma orquestração e a mesma estrutura, digamos, de O pássaro de fogo de Stravínski, mas remelodizando-a com escalas modais nordestinas e aplicando a respectiva harmonização, estou cometendo plágio, exercendo intertextualidade ou apenas expondo minha preguiça de começar do zero?

***

Pois bem, após vossa tentativa de resposta deem uma escutada no concerto para piano de Kaplan e vejam como ele se estrutura sobre o segundo concerto de Chostakóvitch, para não falar de como El Salón México de Copland transformou-se numa abertura festiva calcada em temas do folclore paraibano.

Não sei se as outras duas obras do presente CD – uma fantasia para violão, flauta e orquestra de câmara e um concerto para violino (talvez a peça mais interessante dentre as quatro) – têm relação com outras do cânone, porém fico muito desconfiado. Vale de toda forma a oitiva.

BAIXE AQUI (Update: esqueça esse link. O FBI que o diga.)

CVL

Se preferir (quer dizer, agora não tem mais preferência: é a única alternativa), baixe arquivo por arquivo neste link, que contém também o texto do encarte e a lista de faixas.


0 comments / Add your comment below

  1. Carambolas! Ao ler o texto não imaginei que fosse tão escancarado assim, sobre o Concerto Para Piano, tudo está tão igual ao do Shostakovich!

  2. Oi!
    Concordo contigo sobre o abuso da intertextualidade usado pelo Kaplan. Acredito que ele tenha feito a mesma coisa com o concerto para violino, mas agora não me lembro com qual obra.
    Por algum acaso sabes como eu poderia adquirir a partitura do concerto, tanto o para piano ou violino?
    Eu moro no EUA e não tenho acesso as bibliotecas brasileiras.

Deixe uma resposta