Antonio Carlos Gomes (1836-1896): Óperas – (1) A Noite do Castelo [link atualizado 2017]

175 anos do nascimento de Antônio Carlos Gomes


Antes de mais nada, essa é IM-PER-Dí-VEL !!!

Bom, desejo a todos os nossos honrados usuários/frequentadores um maravilhoso 2012 e, para começar bem este Ano Novo, nada melhor que disponibilizarmos para vocês as óperas de Antônio Carlos Gomes.
E como é interessante manter uma ordem cronológica, pois se torna possível ver a evolução do compositor, vamos começar com a primeira ópera do mestre: A Noite do Castelo.
Aguardem: cada quinta-feira postaremos uma ópera de Nhô Tonico.

Carlos Gomes não compôs muitas óperas, não foi desses que faziam mais de uma peça dessa envergadura por ano. Em trinta anos, compôs apenas doze peças do gênero: oito óperas, três operetas (Se sa minga, Nella Luna e Telégrafo Elétrico) e um oratório (Colombo, que aqui incluiremos na categoria das óperas), ou seja, uma peça a cada 3 anos (tristemente, suas operetas e sua segunda ópera, Joanna de Flandres, nunca foram gravadas – me corrijam se eu estiver errado). Disso se depreende que Gomes levava tempo na composição, burilava as árias, as melodias, escolhia bons libretos.

A Noite do Castelo foi composta quando Carlos Gomes ainda era aluno do Conservatório da Academia de Belas Artes, no Rio de Janeiro. Como já mostrava talento, a pequena Campinas não conseguiu segurá-lo e o rapaz já alçava voos mais altos, já estava na capital do país. Pelo que historiadores afirmam, Tonico era um aluno brilhante e se destacava dos demais.
Ele vinha buscando há algum tempo um texto que o possibilitasse escrever uma boa ópera. Quando tomou contato com o poema de Antônio Feliciano de Castilho, logo procurou um libreto para a composição, encontrando o de Antônio José Fernandes dos Reis. E, quando começou a escrever a peça, enviou uma carta para seu pai, confiante: “Meu bom pai. Escrevo esta só para não demorar uma boa notícia. Afinal tenho um libreto. Foi extraído do poema de Castillo – A Noite do Castelo. Hoje mesmo começo a trabalhar na composição da ópera, prepare-se portanto, para vir ao Rio de Janeiro em 1861. Saudades muitas às manas e aos manos, principalmente ao Juca, abençoe-me como a seu filho muito grato. Carlos.” Realmente, a ópera nacional, com texto em português, estrearia no ano previsto e teria um enorme êxito. Carlos Gomes estava tão convicto da qualidade de sua música e do sucesso que dedicou a peça ao Imperador Pedro II (S.M.I = Sua Majestade Imperial). Com essa ópera e a seguinte, Joanna de Flandres, encenda dois anos depois, foi laureado com a bolsa de estudos que o levou a Milão, o centro do mundo operístico de então.

Sobre a música, não tive a petulância de escrever, pois há um excelente texto do crítico Lauro Machado Coelho, sobre a ópera, que transcrevo abaixo:
A Noite do Castelo (…) estreou em 4 de setembro de 1861, no Teatro Lírico Fluminense. A história de Leonor – dividida entre a paixão por Fernando e a promessa de fidelidade a seu noivo, Henrique, que partiu para as Cruzadas e ela crê morto há tempos – foi cantada por Luiza Amat, Andrea Marchetti e Luigi Marina, sob a regência de Júlio José Nunes. A música é muito influenciada por Donizetti, Bellini e, principalmente, Verdi. É Marcello Conati quem observa:
“Era inevitável que, diante da sua primeira experiência teatral, antes mesmo de proceder à busca de uma linguagem pessoal, Carlos Gomes se baseasse em estruturas já consolidadas e no âmbito de um gosto amplamente compartilhado pela público brasileiro daquela época. Dessas estruturas e desse gosto, a ópera verdiana representava a fase estilística mais avançada; era, portanto, perfeitamente natural que Gomes se voltasse principalmente para Verdi e, a partir de seu estilo, tencionasse medir as possibilidades expressivas da língua brasileira.”
Luiz Guimarães Jr. menciona, no Perfil Biográfico que redigiu de Carlos Gomes em 1870, o entusiasmo com que, aos quinze anos, o rapaz descobriu a partitura do Trovatore. Ora, é justamente dessa ópera a influência mais forte que Conati identifica na Noite do Castello, mostrando como a imprecação de Leonor, no último ato, “oferece evidentes analogias com o início do trio do ato I do Trovatore”. Mas adverte:
“O que importa realmente destacar, para além de eventuais analogias temáticas, é a particular predisposição de Gomes, que permanecerá constante no decurso de sua atividade como operista, a dinamizar o discurso musical, conforme as exigências da ação cênica; o sentido de seu tributo a Verdi deve ser, pois, considerado nesses termos, de funcionalidade dramática, que quer prevalecer sobre toda e qualquer pesquisa de caráter estilístico ou, mais simplesmente, lingüístico.”
Já existe, portanto, em embrião, um talento teatral seguro, embora, de uma maneira geral, sejam pouco originais os resultados artísticos obtidos, mesmo porque os estudos de escrita vocal, feitos no Conservatório do Rio de Janeiro, a partir de 1860, com seu professor de Composição, o italiano Gioacchino Giannini, fazem com que Carlos Gomes seja desajeitado ao musicar um texto em português.

Carlos Gomes estava aprendendo: era sua primeira ópera e muito mais viria nos anos que se seguiram. Veja! Conheça-o!

Antonio Carlos Gomes (Campinas, 1836-Belém, 1896)
A Noite do Castelo (1861)
Libreto: Antônio José Fernandes dos Reis
Baseado no poema narrativo de Antônio Feliciano de Castilho

CD1
Ato I – 01 Abertura CD1
Ato I – 02 Viva Fernando
Ato I – 03 Era Alta Noite
Ato I – 04 Nestes Sítios que viram minha Infância
Ato I – 05 Em Sono Plácido
Ato I – 06 Exulta Orlando
Ato I – 07 Desde Crianças se Amaram Ternos
Ato I – 08 Ímpios os Laços
Ato II – 09 Prelúdio
Ato II – 10 Oh, Sim! Sofri Cruéis Saudades
CD2
Ato II – 11 Onde Iria o Fantasma Ocultar-se
Ato II – 12 Quem eu sou
Ato II – 13 Onde Iria o Fantasma Ocultar-se
Ato II – 14 Pois se Tu eras Finado
Ato III – 15 Prelúdio
Ato III – 16 Já do Fundo do Abismo
Ato III – 17 Sobre os Restos de Fernando
Ato III – 18 Tu Fernando que adorei por filho
Ato III – 19 Henrique, Henrique
Ato III – 20 Basta, Mulher
Ato III – 21 Tu que a mim desde criança

Leonor – Niza de Castro Tank, soprano
Conde Orlando, pai de Leonor – José Dainese, barítono
Henrique, marido de Leonor – Luis Tenaglia, tenor
Fernando – Alcides Acosta, tenor
Ignez – Lucia Pessagno, mezzo soprano
Raymundo, servo – José A. Marson, barítono
Pajem – Fernando J. C. Duarte, baixo
Roberto – Personagem mudo

Orquestra Sinfônica de Campinas
Coral da UNICAMP
Coral da USP
Benito Juarez, regente
Campinas, 14 de Setembro de 1978

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE (116Mb – 2CD, cartaz, info e resumo da ópera)

Ouça! Deleite-se!

Bisnaga

20 comments / Add your comment below

  1. Nossa, Bisnaga, você simplesmente adivinhou sem querer justamente meu anseio de ontem mesmo. Estive vasculhando a internet para achar algo sobre essa ópera, nem que fosse apenas o libreto. Dei com os burros n’água e você salvou a lavoura.

    Até hoje só ouvi o Guarani das óperas de Carlos Gomes. Ver, não vi nada. Há pouca oferta de óperas em solo pátrio, ainda mais das feitas por autores nacionais. Esta, então, se for executada no Brasil nos próximos dez anos é um milagre.

    Um grande abraço e obrigado!

  2. Puxa vida! Não poderia ter imaginado melhor início de ano do que este!
    Poder desfrutar do ciclo operístico de Carlo Gomes é realmente sensacional, totalmente inesperado, e um verdadeiro privilégio!
    Muitíssimo obrigadíssimo por mais este magnífico trabalho de divulgação do belo!
    Beto Toda Música

  3. Muito obrigado por disponibilizar essa preciosidade indispensável ao meu acervo operístico. Essa ópera eu não conhecia. Mal posso esperar pelo que virá nas próximas semanas!

    Abraços e vinda longa ao blog!

  4. PUXA VIDAAAAA!!!
    Por essa eu não esperava! Sempre fui curioso por óperas em português, e as de Carlos Gomes, então… Essa obra é magnífica, sem dúvida, e acho que, do mesmo jeito que Campinas pode se orgulhar por Carlos Gomes, também posso me orgulhar que Niza de Castro Tank (considerada a maior intérprete de “O Guarani”) nasceu justamente na minha cidade.

  5. A ópera Joana de Flandres foi gravada ao vivo (Sinfônica de Campinas) num LP bem antigo e raro (encontrei a referência a esse LP no catálogo de uma biblioteca universitária americana), e a falta de referências a esse disco no site da Sinfônica de Campinas e a dificuldade de achar qualquer coisa a respeito me faz crer que seja uma gravação não autorizada, assim como o famoso e raro “Brésil, nous amours” que foi uma pilhagem da EMI francesa de uma apresentação ao vivo brasileira…

  6. Poxa, essa opção de “like” aí do Facebook é EXCELENTE pra divulgar o blog. Os demais membros poderiam fazer em seus posts também, aposto que o PQP Bach aumentaria absurdamente os acessos!

    Abraços e obrigado!

    1. Eu? Sou um limeirense que morou em São Carlos, em São Paulo, e agora está escondido no interior do Rio Grande do Sul…

  7. ÓTIMO!
    EXCELENTE!
    FANTÁSTICO!
    MARAVILHOSO!

    Finalmente vou poder ouvir as óperas de Carlos Gomes! Que bom que vocês publicam bons materiais também de artistas brasileiros. Eu lembrei – não queria ter lembrado! – do episódio da proibição das obras do Villa Lobos… Mas que nada; meus parabéns a todos que tornam o PQP Bach possível. O blog é fantástico! Baixo de outros blogs, também, inclusive estrangeiros. Mas o PQP Bach, tanto pelo material como pelas informações postadas, é o melhor! No PQP Bach a gente se sente em casa!

Deixe uma resposta