Gustav Mahler ( 1860-1911 ) – Sinfonia Nº 5 – Kubelik – Bavarian Symphonic Orchestra

SINFONIA No.5
Tonalidade principal: Dó sustenido menor
Composição: 1901-1902
Revisão: 1904, 1905, 1907 e 1909
Estréia: Colônia, 18 de outubro de 1904 (regência de Mahler)
1a.Publicação: 1905 (Leipzig, C.F.Peters)
Instrumentação:
4 flautas (flautas 3 e 4 alternam com piccolos)
3 oboés (oboe 3 alt. corne-inglês)
3 clarinetes (Lá, Sib, Dó – 3o. tb clarinete em ré)
Clarone
2 Fagotes
Contrafagote (tb como 3o. fagote)
6 trompas
4 trompetes
3 trombones
Tuba
Tímpanos
Glockenspiel
Pratos
Bombo
Caixa Clara
Triângulo
Tam-Tam
Harpa
Quinteto de cordas (violinos I, II, violas, cellos e baixos)
Duração: aprox. 75 minutos
Movimentos:
Parte I
I -Trauermarsch. In gemessenem Schritt. Streng. Wie ein Kondukt
II-Stürmisch bewegt. Mit grösser Vehemenz
Parte II
III – Scherzo. Kräftig. Nich zu schnell
Parte III
IV- Adagietto. Sehr langsam
V- Rondo-Finale. Allegro. Allegro giocoso. Frisch

retirado daqui : http://repertoriosinfonico.blogspot.com/2007/06/sinfonias-informaes-tcnicas.html

Sinfonia no.5 em Dó # menor
A quinta é uma obra importante, talvez sua mais conhecida obra, e também divisora de águas. É quando Mahler pela primeira vez prescinde da voz humana e consegue conceber um grande universo apenas de sons instrumentais, sem textos explícitos. É a primeira sinfonia que nada deve (pelo menos de maneira clara) às canções do Wunderhorn. Escrita entre 1901-2 e revista em 1910, ela representa o mais puro ideal sonoro que antes já havia dirigido Mahler nas sinfonias precedentes: a evolução do trágico ao triunfo, da condenação à redenção. Pela importância estrutural e metafísica desta obra que, apesar de não conter palavras, diz muito, sua interpretação é igualmente complexa. Sua performance satisfatória depende de um domínio técnico absoluto da arte da regência, para que a imaginação e a sensibilidade do maestro estejam livres para poder dar vida a esta criação sublime.

retirado daqui: http://www.gustavmahlerfanclub.hpg.ig.com.br/gravacoes/sinfonias.htm

Na opinião do crítico e historiador musical Deryck Cooke, a quinta sinfonia de Mahler possui caráter “esquizofrênico”, já que nela, convivem perfeitamente separados o mais trágico e o mais alegre dos mundos. Consta de cinco movimentos, sendo os dois primeiros quase temáticos, explorando o lado trágico da vida. O primeiro movimento, uma escura marcha fúnebre, começa com uma fanfarra de trompetes que aparecerá repetidamente, dando-lhe uma atmosfera especial de inquietude e desolação. O segundo, um frenético allegro, muda completamente o espírito do movimento anterior; seu caráter histérico alterna com o de marcha fúnebre, onde ao final da exposição parece triunfar um relativo otimismo, para cair novamente na angústia e na escuridão. É no scherzo, do terceiro movimento, que surge com maior clareza o citado caráter esquizofrênico, em absoluta contradição com a atmosfera nihilista anterior, saltamos, sem solução de continuidade, à visão mais alegre da vida. São dois modos de ver a existência impossível de reconciliar. Tanto o ländler como a valsa do trio estão, ainda com seu ar de nostalgia, muito longe do desespero inicial da sinfonia. O famoso adagietto para cordas e harpas, constituindo o Quarto movimento, é um remanso de paz entre a força do scherzo e do último movimento, estando impregnado de um desejo de distanciar-se das tensões e lutas para refugiar-se da solidão interior. O quinto movimento finale, parte de motivos populares, possuindo um caráter exuberante e alegre. Em seu clímax final recupera e funde o caráter angustiante dos primeiros dois movimentos com a alegria dos últimos, combinando assim os elementos tão díspares de escuridão e luz que convivem na Sinfonia.

retirado daqui : http://pt.wikipedia.org/wiki/Sinfonia_n.%C2%BA_5_(Mahler)

É isso,

Gustav Mahler ( 1860-1911 ) – Sinfonia Nº 5 – Kubelik – Bavarian Symphonic Orchestra

1 – Marcha fúnebre
2 – Allegro
3 – Scherzo
4 – Adagietto
5 – Finale Rondó

Clique aqui para fazer o download – Megaupload

Gabriel Clarinet

43 comments / Add your comment below

  1. já disseram o que eu acho

    Mahler é sempre bem vindo

    só uma pergunta: que que vcs tem contra o Villa? procurei e não vi nenhum post dele

    Villa não pode passar batido assim…

  2. Renato, PQP foi “proibido” de postar Villa-Lobos aqui, a não ser que pagasse direitos autorais. Quem fazia esse trabalho era o membro CVL.

  3. PQP ou a quem interessar: eu upei aqui no megaupload o último CD do Gilberto Mendes, lançado em outubro passado pelo SESC, com obras da década de 60 recuperadas (cavalo azul etc); peças inéditas da última década, como Sinfonia de Navios Andantes; além de novas gravações fenomenais d’O Meu Amigo Koelreutter e um estudo sobre o pente de istambul que tá uma maravilha!

    Interessa postar? O link é este: http://www.megaupload.com/?d=RD2M1E23

  4. Caro Gabriel:

    Belíssima é esta postagem! Li acima sobre a preferência de F.D.P. Bach pelo Adagietto, “o Adagietto da 5ª de Mahler”, esta foi a minha porta de entrada para a obra deste compositor, desde a primeira vez que a ouvi, sem saber quem era Mahler, já me apaixonei por ela. E acho que não fui o único pois há um filme, italiano, uma adaptação de “Morte em Veneza”, de Thomas Mann, no qual o Adagietto é usado na cena final.

  5. O Adagietto é usado no filme inteiro. A interpretação usada nele é horrível, ainda bem que não te afastou da obra Mahleriana, Adriano!
    Esse filme foi uma grande decepção na minha vida… Esperava muito mais. Eu já gostava do Visconti, do Mann, já havia lido o conto; mas o filme… Blergh!

  6. Caro Apoligista:

    Eu vi este filme há muitos anos, estava passando numa madrugada na TV (eu tinha tempo para isto!) e não lembro-me se li o livro antes ou depois, embora o filme tenha sido indiferente para mim (não gostei muito de Mann também), a impressão que causou-me a 1ª audição do Adagietto foi muito forte, estimulou-me a conhecer mais a obra de Mahler, e este mesmo: um judeu asquenaze de notável inteligência, morto precocemente aos 51 anos.

  7. O problema do filme do Visconti é que o estúdio o obrigou a editar, por isso às vezes parece meio sem pé nem cabeça. A qualidade da imagem também é horrível porque, até onde sei, ele nunca foi restaurado. Mas o filme está longe de ser ruim, ao contrário, ele é belíssimo. A sensibilidade da câmera do Visconti capta detalhes fantásticos, como no final, quando o personagem está morrendo na beira da praia, e o adagieto toca. O garoto está dentro da água, o sol está se pondo. É linda a cena… Gostaria de saber quando é que vão lançá-lo em cópia restaurada.
    E me permita discordar de você,Adriano, o livro é uma obra prima, um dos grandes momentos da literatura do século XX. Mais do que o Aschenbach, principal personagem, interpretado de maneira meio afetada pelo Dirk Bogarde, porém com personalidade, considero a música de Mahler um dos principais coadjuvantes da história.

  8. É isso mesmo. Vi Morte em Veneza por duas razões: primeiro porque Thomas Mann é meu escritor preferido, e depois porque tinha o Adagietto da Quinta. Visconti é um grande diretor, mas Mann e Mahler carregariam o filme sozinhos…

  9. o Adagietto é bom demais mesmo. Mahler sabia o que fazia e este adagietto é prova disso. Eu acho que muitas vezes compor uma obra assim, num ritmo mais lento, mas com essa densidade toda, mais difícil que compor ua peça cheia de virtuose. É difícil compor algo assim e não ser monótono e manter o interesse até o fim. é praticamente impossível começar a ouvir e parar no meio da música.

    Me lembrou um pouco o preludio do Villa, da bachiana número 4 e uma obra em orgão de Bach, cujo nome não me lembro de cabeça e to com preguiça de procurar. tá no segundo CD do richter que foi postado aqui.

  10. Caro FDP e Cara Regina:

    Eu concordo com vocês quanto à excelência da obra de Mann, e prezo o gosto de vocês, li Morte em Veneza e Tônio Kroeger pois são clássicos do século XX, mas não gostei muito, é subjetivo, já comentei no Twitter certa vez que há livros que têm uma época certa para lê-los, por ex. Tom Sawyer.

    Muitas pessoas também não gostam de Proust, e eu adoro e já li os 7 volumes, de Joyce (para mim um desafio: já li o Ulisses inteiro, o Retrato e a biografia escrita pelo Ellmann), de Henry Miller (Trópico de Câncer é arrrebatador!), de Céline (Voyage au bout de la nuit). Acho até que há pessoas que não gostam de Guimarães Rosa, para mim, o maior escritor do Brasil. Mas não consegui ler “a virgem dos lábios de mel” alencariana, não terminei 1919, de John dos Passos e não tive vontade, ainda, de ler Decamerão.

  11. Curti mais Tönio Kroeger do que Morte em Veneza, mas o que me fez realmente admirar o autor foi a Montanha Mágica. Doutor Fausto está me esperando e o lerei em fevereiro – tenho quase certeza de que vou gostar. Enfim, quero ler tudo do Thomas Mann.
    Mas voltando ao filme, acho que ele sofre de excesso de sensibilidade, hehehe. Mata qualquer diabético. A postura afetada e burguesa do protagonista também me dá nojo.

  12. Adriano, a biografia do Richard Ellmann é um caso à parte, assim como a biografia que o mesmo Ellman escreveu sobre Oscar Wilde. Verdadeiras obras primas.
    Com relação à Tom Sawyer, confesso que não li. Mas o primeiro livro que ganhei de presente foi o “Huckelberry Fynn”, e ali descobri a genialidade do Mark Twain e conheci Tom Sawyer. Eu deveria ter uns 12 anos de idade.
    Apologista, o personagem do Dirk Bogarde de certa forma representa o fim de uma era,lembre-se de quando o livro foi escrito. Com certeza você dever ter lido ou pelo menos visto algum filme com histórias da Agatha Christie com o detetive Hercule Poirot. A afetação, os maneirismos, com uma postura mais aristocrática que burguesa, eu diria, está tudo ali. Você citou o Proust, e ninguém melhor do que ele representou este personagem do que o Barão de Charlus, e também Swann. Quando li Proust identifiquei na hora o personagem. Até o bigode dos personagens são parecidos, assim como o fato de estarem na maior parte do tempo vestidos de branco. É o retrato de uma época, ou melhor, o retrato do fim de uma era.
    Mas concordo contigo num ponto: o vejo como a parte fraca do filme. As más linguas dizem que ele conseguiu o papel por ser “amante” do Visconti, mas ninguém melhor do que o PQP para comentar isso. Ele é um dos maiores cinéfilos que já tive a oportunidade de conhecer.
    Putz, me deu vontade de ler todos estes livros de novo. Mas não encontrei a minha edição de “Morte em Veneza” e Tonio Kroeger. Vou procurar nos sebos da cidade na segunda feira.

  13. Se o PQP for quem eu estou pensando que é, ele gosta bastante deste filme, hehehe. Quanto ao fato de Aschenbach representar o fim de uma era, acho que tem razão; Mahler era um deles, certo?
    Ah, não fui eu quem citou Proust, quem dera! Também sou ignorante da obra de Agatha Christie. Ainda não tive a chance de lê-los nos meus breves 20 anos de vida. Sim, mais um pivete que frequenta este blogue.

  14. Caro FDP:

    Quanto a Tom Sawyer, você leu este na idade ideal, eu li-o depois dos 30.
    Este contexto onde se passa “Morte em Veneza” é o da “Recherche” tardia, o final da Belle Époque, tristemente abafada na 1ª Guerra Mundial. Por isso, recomendo, depois da obra de Proust, ler o “Voyage” de Céline, testemunho de alguém que estava do outro lado das trincheiras.

    Li a biografia de Proust. Enquanto ele lutava com a asma, isolado em seu apartamento vedado à vida exterior, tendo como companhia apenas Celeste, ele escrevia a “catedral literária” e temia ser convocado para as trincheiras, onde morreria.

    As características que você apontou acima lembraram-me outro filme, que ainda não vi completamente, “A Época da Inocência”.

    Embora os dois livros que li de Mann não tenham despertado minha admiração, não obstante serem obras-primas, ainda pretendo ler outros dele. Meu pai tem Doutor Fausto e, salvo engano, A Montanha Mágica.

  15. Caro Apologista:

    O que você está esperando para ler? Há muita coisa para ser lida, saboreada. Eu encarei a leitura da Divina Comédia aos 17 anos e logo depois as mais de 600 páginas do Cavaleiro da Triste Figura, quando tinha sua idade já estava num ritmo de 12 livros por ano, lia “Os Sertões” pela primeira vez. Hoje, 17 anos depois, continuo lendo, não tanto quanto antes, mas ainda lendo, encantando-me com a façanha de um certo mineiro de Cordisburgo que sabia 20 línguas e pôs o sertão de Minas inteiro em seus livros, sabe de quem estou falando não é?

  16. Poxa Adriano, como diria José Paulo Paes, são “tantos livros a ler, tantas ruas por andar, tantas mulheres a possuir…” Neste ano, li 22 até o momento. Dom Quixote foi o primeiro, lá em janeiro. É que leio mais sobre história, sociologia, antropologia, filosofia e artes em geral e às vezes a literatura fica para trás. Mas não brigue comigo não, os clássicos essenciais eu mato até os 30 anos (inclusive os de Guimarães Rosa)! Não que eu seja obrigado – se fosse assim, todo mundo leria sempre os mesmos livros, né?

  17. Sendo bem honesto, Adriano, achei que A Divina Comédia não agregou nada para mim. São três ciclos que se repetem — muito bem escritos, é verdade — e que em momento algum me empolgaram, diferentemente de Os Lusíadas, por exemplo.
    Talvez isso se deva à minha desafeição por poesia traduzida…

  18. Sempre fui da opinião que os clássicos precisam ser lidos mais de uma vez, e em épocas diversas de nossas vidas. A leitura que fazemos da Divina Comédia aos 17 anos de idade com certeza será muito diferente da que faremos aos 40, e esta será ainda mais diferente da que faremos aos 70, por exemplo. Li praticamente todo Dostoievsky antes dos 17 anos, e aquilo foi como um soco no estômago. Imagine a leitura que farei hoje, aos 45, ainda mais com os livros dele traduzidos direto do russo, ao contrário daquelas antigas edições que eram traduzidas do francês…
    Citaram Henry Miller, e lembro que encarei toda a sua obra entre os meus 20 e 25 anos. Adorei. Dia desses peguei o “Tropico de Câncer”, de longe sua melhor obra, e ainda me diverti com ela, mas o impacto foi menor. Algumas passagens que considerei deveras explícitas na época hoje em dia parecem histórias da carochinha. Claro que não estou denegrindo a obra, ao contrário, ainda a considero original em sua proposta, mesmo passados quase 80 anos de sua publicação.

  19. Caro Mau:

    Eu li a Divina Comédia há mais de 20 anos e não tenho muita admiração por ela. A versão que li era resumida, da Coleção Obras-Primas, creio que da Abril, o original deve ser enorme pois Dante levou a vida toda, salvo engano, para escrevê-la.
    Ele viu Beatriz uma vez, quando criança, e ficou apaixonado por ela!
    O interessante de você ler um livro destes é chegar “à fonte”, conhecer o que veio antes para reinterpretar o que é ulterior.
    Eu gostei muito mais da Odisséia, “pupilo de Zeus, filho de Laertes, industrioso Ulisses” (2000 anos mais velha que a Comédia) que li antes do Ulisses de Joyce. Quanto aos Lusíadas, li uma excelente versão comentada do Silveira Bueno que gostei muito também, foi um verdadeiro passeio pelas ruínas do império romano. Estes livros antigos têm que se ler com uma introdução, saber qual o contexto onde o livro surgiu e por que tornou-se clássico. Outro que gostei foi Gilgamésh, epopéia suméria de 6000 anos, nesta, há o relato do dilúvio mais antigo que se conhece. Passei ao largo John Milton, e por aí vai.

    Caro Apologista: já que você gosta de sociologia, você já leu Casa Grande e Senzala? Eu vivo querendo ler este mas ainda não tive oportunidade.

  20. Concordo com você, Adriano, também acho necessária essa contextualização da obra. Mas acredito que poesia, ou qualquer conjunto de versos, deva ser lido em sua forma original, sem tradução, pois a poesia é por excelência a manipulação da linguagem. Que graça há em Camões se seus versos forem lidos em inglês, alemão etc., ou então os sonetos de Shakespeare em português…

    Isso pode ser uma chatice desnecessária minha, mas como eu costumo escrever (sou um engenheiro que escreve; serei o futuro Dostoiévsky brasileiro! huauhauhahua…) dou muita atenção às traduções e considero demasiadamente, a ponto de ser uma implicância incômoda, quase doentia, esse negócio de modificar a obra original. Então acabo me afastando de versos traduzidos para o português, motivo que me levou a não ler nenhuma obra de Homero, por exemplo.

  21. Adriano, li Casa Grande e Senzala há pouco tempo e adorei! Algumas restrições que li sobre a obra, como a de que Gilberto Freyre teria propagado a ideia de uma “democracia racial” não se confirmaram na minha leitura. Sobre a crueldade na relação senhor escravo, ela está lá também. Alguém da sociologia por aqui?
    Mau, você pretende aprender grego algum dia? Se não, vai na poesia traduzida, mesmo, fazer o que…

  22. Caro Mau:

    A poesia parece ter uma relação íntima com a língua nata que, quase sempre eu suponho, perde-se quando a primeira é vertida noutro idioma. Na biografia do Joyce, Ellmann cita versos compostos pelo gênio de Dublin e que ficaram uma coisa sem graça em português. Eu li pouca poesia, as Flores do Mal que comprei há anos até agora não li; é a mesma dificuldade que tenho para apreciar ópera, se ouço esta, é por insistência. Prefiro prosa, e prosa que tenha uma referência, uma “experiência real” do autor sobre a qual este desenvolva a trama. Não obstante, há autores que sobressaem sem esta “realidade”, como é o caso de Victor Hugo (li “Trabalhadores do Mar” em 1993 e adorei) e de Poe (“Crimes da Rua Morgue” é fantástico!). Quanto às traduções, há as fiéis e as outras: Proust teve Mario Quintana e Joyce, Houaiss. O FDP falou de novas traduções do Dostoiévski diretas do russo que me deixaram com água na boca, mas ainda tenho aqui “Recordações da Casa dos Mortos” que vou ler em breve.

    Caro Matheus:

    E você vai ler também “Sobrados e Mucambos”? Eu poderia comprar o livro de Freyre e deixá-lo na estante, mas já tenho alguns livros esperando para serem lidos. Quando comprá-lo, quero lê-lo de imediato. E a cada dia aparecem coisas interessantes para serem lidas! Que agonia! No começo do ano comprei os 3 “Lord of the Rings” e ainda não li.

    Até breve pessoal.

  23. A questão da tradução é muito delicada. Claro que existem as “licenças poéticas” dos tradutores, que muitas vezes ficam num beco sem saída para traduzirem certas passagens. Mas por outro lado, sem eles não teríamos acesso ao mundo de gênios como o próprio Shakespeare, Dante, Goethe… por falar em Goethe, um amigo comprou há uns três anos atrás num sebo uma edição raríssima do “Fausto”, em alemão gótico, publicada no século XIX. Perguntei se ele sabia ler alemão, e ele respondeu que não, mas que o livro iria causar sensação na prateleira de sua biblioteca, iria.
    Acredito sim na tradução, pois sei que existem grandes tradutores, vide o grande amigo do Milton Ribeiro, o melhor tradutor do alemão para o português, Herbert Caro. Se não fosse por ele, não estaríamos discutindo aqui as obras de Thomas Mann, por exemplo, ou então o próprio Gilberto Freyre não teria se tornado tão famoso no exterior, já que sua obra foi traduzida para diversos idiomas.

  24. Mau, temos um grande tradutor do russo no Brasil, Boris Schnaidermann, que foi professor da USP durante décadas e que formou toda uma nova geração de tradutores daquela língua. Quando pegares, por exemplo, uma edição da “Recordação da Casa dos Mortos’ feita por algum deles, Paulo Bezerra, por exemplo, vais ver que o nível de qualidade do texto é muito superior às antigas traduções feitas a partir do francês.

  25. Caro Adriano, pretendo sim ler Sobrados e Mucambos. Só não irei comprar, assim como fiz com Casa Grande e Senzala, pois haja dinheiro! Na minha casa também falta espaço… Eu pego emprestado na biblioteca da minha universidade.
    Queria que os dias durassem mais para que desse tempo de ler tanta coisa.

  26. Matheus, eu leio por diversão, somente isso. Camões, Euclides da Cunha, Eça de Queirós jamais foram um fardo para mim, li-os por ter vontade. E ao me deparar com a Odisséia traduzida para o português, eu perco a vontade de ler. Se fosse uma obra fácil, simples, que eu haveria de ler em poucos minutos, certamente eu tentaria. Mas a Odisséia consumiria vários dias do meu mês e faria-me, ao final, sentir insatisfeito, por eu saber que não estaria lendo o grande Homero, mas sim um tradutor brasileiro nascido no século XX.

    FDP, eu concordo com você e também “acredito na tradução”. Schnaidermann, citado por você, é sem dúvida um ícone de nossa escola de tradudores; todo Dostoiévsky e Tolstói, aliás, feito pela 34 e pela Cosac Naify é de longe as melhores tradução que possuímos aqui. Mas eu considero a meu ver, novamente afirmo, que poesia é algo bem mais particular que prosa. Poesia é a essência da linguagem, é o nato jogo de palavras, de figuras de linguagem, onde a sentença e o valor da escrita propriamente dita é na maioria das vezes muito mais importante que o conteúdo — não é por menos que houve uma escola literária que valorizasse SOMENTE a estrutura poética em detrimento ao conteúdo, o Parnasianismo. E isso me deixa sem vontade de ler Homeros, Vigílios, Whitmans e Mallarmés, por saber que dificilmente o tradutor teria o mesmo talento que seus autores originais e que provavelmente eu estaria lendo uma obra de menor valor que a original, de modo não consigo parar de pensar nisso enquanto leio, e esse é o grande problema, pois assim não sou absorvido pela leitura.

  27. PS. Tenho que consertar um “é” (por “são”) aí de cima e o um “Vigílio” (“Virgílio”), e tirar um “a meu ver”. E diminuir um pouco o post, mas, como diria Drummond, “estava sem tempo para escrever pouco”.

  28. Adriano, o José Geraldo Vieira foi um excelente tradutor do francês e do inglês, tendo inclusive traduzido o magnífico “Dublinenses”, do Joyce, na edição da Civilização Brasileira, e traduziu também os sonetos de Shakespeare. Ou seja, foi um renomado tradutor, aliás, creio que ainda seja vivo.
    O problema está na tradução do russo para o francês, tradução esta realizada ainda no começo do século XX, e um tanto rebuscada. Em uma entrevista que li do Boris Schnaiderman ele critica esta tradução francesa, dizendo que o texto original de Dostoievsky não era tão rebuscado. Se não me engano o Milton Ribeiro também comentou alguma coisa em seu blog há alguns meses atrás.

  29. Caro FDP:

    Depois que escrevi meu último comentário mudei de ideia: quem comprou este “Recordação” foi meu pai, bem como o “Crime e Castigo” que li (uma edição de 1979 da Abril Coleções e que deve ter passado pelo francês), nada me impede de recomeçar a ler Dostoievski numa tradução “mais pura”, mais próxima do original russo, vou devolver o livro para ele! Creio que Dostoievski valha a pena. Li também Tolstói, “Ana Karênina”, mas hoje não tenho interesse em ler mais obras deste. Ainda tenho aqui Gógol para ler. Você sabe se todos os romances russos, clássicos do séc. XIX, passaram pelo francês antes de chegar a nós?

  30. Infelizmente, sim, Adriano. A maior parte destas traduções, foram feitas a partir do francês, eram raras as pessoas que dominavam este idioma no Brasil antes da Segunda Guerra. O Schnaidermann veio para cá nessa época.
    Por favor, não pare de ler Tólstoi. É um escritor fundamental na história da literatura.
    Adoro Gógol, seu humor é contagiante, assim como Tchecov. Com relação a este último, acho, posso estar enganado, que a Tatiana Belinki o traduziu do russo, mas esta é uma dúvida que o PQP pode lhe tirar, e desconfio que também nosso amigo Ranulfus.

  31. Mas mesmo mal traduzido, ou sendo traduzido já de uma tradução, por favor, não precisa aprender a ler e escrever em russo, inglês, espanhol, ou qualquer outra línguaa, para conhecer estes autores.
    Sugiro leres sempre o blog do Milton Ribeiro, este sim um especialista em literatura, e que está listado aí ao lado. Entre outras coisas, ele também é crítico literário e conhece muito, mas muito mesmo, do assunto.

  32. Adriano, creio que seja uma boa tradução, esta editora prima pela qualidade de suas traduções.
    Mas vou avisando que este livro de Dostoievsky é pesadíssimo, se prepare psicologicamente porque ele te dá um murro no estômago a cada página. São as memórias do próprio autorm dos tempos em que esteve preso, devido a questões políticas.

Deixe uma resposta