Coleção Grandes Compositores 03/33: Beethoven (1770-1827)

Vamos ao terceiro volume da Coleção Grandes Compositores, que está fazendo o maior sucesso, sempre com grandes interpretações, das mais famosas orquestras e dos maiores regentes de todos os tempos.

***

Se passássemos o olhar pelas biografias, comentários, críticas ou estudos sobre músicos e suas obras, veríamos com surpresa como a palavra “gênio” e seus derivados inundam uma boa parte desses escritos, disseminados com uma generosidade completamente injustificada na maior parte dos casos. Adjetivar assim é uma mania utilizada em excesso, chegando às raias do louvor exagerado, fastidioso e, o que é pior, injustificável. A genialidade, infelizmente, é um dom que raramente faz parte da produção humana de ideias, na arte em geral e deveria guardar-se para aqueles escassos seres humanos que realmente a merecem. Se fizéssemos um inventário das personagens que habitam a história da música, veríamos que, dentre os milhares de bons músicos, compositores e intérpretes, muitos realizam um trabalho meritório, de qualidade, de expressão mais ou menos clara das ideias que expõem ou interpretam na escrita ou na leitura, e que por vezes atingem elevadas formas de expressão, mas são muito poucos, dia mesmo raros, os que transmitem uma visão pessoal, um ideal próprio e, na interpretação, uma compreensão que vai além do que está escrito, sendo capazes de revelar o que subsiste diante da quase sempre insuficiente forma de expressão desses sentimentos. Há que considerar que a interpretação da música é uma forma de criação nada fácil, e que, quando é somente leitura e não existe uma personalidade na maneira de pôr em foco, de transmitir, a música que lemos, a criatividade está ausente e não damos à interpretação toda a profundidade que existe em uma ideia musical, pequena ou grande, e porque na criação pura, a composição, também existe maior diversidade de categorias e que nessa diversidade o título de gênio, genial etc. pode e deve aplicar-se com cuidado.

Contudo, a palavra “gênio” pode aplicar-se nesses casos de uma forma indubitável, e Ludwig van Beethoven é indiscutivelmente um deles, não importa que certos literatos, artistas, pensadores, talvez para se fazerem ouvir ou por extravagância, tenham considerado sua música como “sentimentalóide”, insultando-o demonstrando sua estupidez nesse campo e seu desprezo ou desconhecimento de uma obra que ainda pode nos ensinar muito.

Texto de Eduardo Rincón

.oOo.

Coleção Grandes Compositores Vol. 03: L. van Beethoven

DISCO A
Symphony Nº 5 in C Minor , Op. 67
01. Allegro con brio (7:18)
02. Andante con moto (9:14)
03. Allegro (4:48)
04. Allegro (8:41)

Symphony Nº 6 in F, Op. 68 “Pastoral”
05. Allegro ma non troppo (9:04)
06. Andante molto mosso (10:19)
07. Allegro (3:08)
08. Allegro (3:23)
09. Allegretto (8:25)

Berlin Philharmonic Orchestra, Herbert von Karajan

DISCO B
Leonore Overture Nº 3, Op. 72b
01. Adagio; Allegro (15:03)
Vienna Philharmonic Orchestra, Leonard Bernstein

Piano Concerto Nº 5in E Flat, Op. 73 “Emperor”
02. Allegro (20:15)
03. Adagio un poco mosso (7:36)
04. Rondo: Allegro (10:35)
Wilhelm Kempff, piano
Berin Philharmonic Orchestra, Ferdinand Leitner

Piano Sonata Nº 14 in C Sharp Minor, Op. 27, Nº 2 “Moonlight”
05. Adagio sostenuto (6:01)
06. Allegretto (2:28)
07. Presto (7:05)
Emil Gilels, piano

BAIXE AQUI – DOIS DISCOS / DOWNLOAD HERE – TWO DISCS

Marcelo Stravinsky

2 comments / Add your comment below

  1. Não estranhem a falta de seus comentários. É que esta postagem, assim como muitas outras aqui do blog, se “perderam” e na recuperação houve a perda dos comentários.

Deixe uma resposta