Bela Bartok (1881-1945) – Concerto para Piano e Orquestra N°1, Concerto para Piano e Orquestra N°2 e Deux Portraits, Op.5

Este CD, que desde que me veio à mão eu não cesso de ouvi-lo, é um imperativo categórico: precisa ser postado. Sei que o PQP vai admirar. Afinal, temos Bartok e Pollini. É música arrebatadora, com certeza. Digo apenas que é um registro para ouvir com atenção, de joelhos. É o álbum que mais ouvir esta semana. Cada vez que o ouço, acho um detalhe novo, um ângulo que exige atenção. Fico perplexo diante de time tão poderoso. Simplesmente, Pollini e Abbado a reger um dos compositores que mais admiro, Bartok – um gigante da música do século XX. É ouvir e se deleitar. Estou “ensaboando” as palavras. É assim que se procede quando não achamos termos precisos para descrever aquilo que é magnífico. Bom deleite!

P.S. Infelizmente, não há divisão de faixas no arquivo. Está num grande bloco. Mas a qualidade da gravação é muito boa.

Bela Bartok (1881-1945) – Concerto para Piano e Orquestra N°1, Concerto para Piano e Orquestra N°2 e Deux Portraits, Op.5

Concerto para Piano e Orquestra N°1
01. Allegro moderato – Allegro
02. Andante – Allegro – attacca
03. Allegro molto

Concerto para Piano e Orquestra N°2
04. Allegro
05. Adagio – Presto – Adagio
06. Allegro molto – Presto

Chicago Symphony Orchestra
Claudio Abbado, regente
Maurizio Pollini, piano

Deux Portraits, Op.5
07. Un Idéal: Andante
08. Un Grotesque

London Symphony Orchestra
Claudio Abbado, regente
Shlomo Mintz, violino

BAIXAR AQUI
SCANS

Apoie os bons artistas, compre suas músicas.
Apesar de raramente respondidos, os comentários dos leitores e ouvintes são apreciadíssimos. São nosso combustível.
Comente a postagem!

Carlinus

9 comments / Add your comment below

  1. Com a Uchida eu não tenho, mas tenho as sonatas de Mozart com o Glenn Gould e com a Maria João Pires. Se tiver interesse, posso fazer um upload.

  2. Dois grandes nome italiano da musica clássica: Maurício Pollini ao piano e Cláudio Abbado no pódio. Pollini e Abbado favorece um espetáculo com todas as cores, calor e a inibição que se associa com a música de Bartók em sua obra mais maduro. Por um lado a base de inspirarão sai mais convincente e por outro os ritmos de dança com suas síncopes têm o tom ocasional de jazz. Boa pedida.Fica na paz.

  3. Carlinus,

    difícil comentar lá no seu blog, tem de estar cadastrado em algum serviço daqueles listados, e não estou em nenhum.

    Bom, queria apenas elogiar o seu blog, e dizer que, a princípio, vou baixar todo Mozart e Beethoven que achar pela frente. 🙂

    Espero que todos os links estejam ativos.

    Abraço

  4. Cassiano, fique à vontade. Acredito que os links estejam ativos. Se algum deles não estiver, por favor, deixe um comentário para que eu possa consertat. É verdade, Strava, Bartok nunca é excessivo. Quanto mais ouvimos, mais detalhes vamos apreendendo.

    Abraços!

Deixe uma resposta